História Hopeless (Ziall) - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias One Direction, Zayn Malik
Personagens Niall Horan
Tags Medo, Ziall, Ziall Horlik, Ziall Moran
Exibições 108
Palavras 1.526
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Adultério, Homossexualidade, Suicídio
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oiie.

Quero muito agradecer aos comentarios e os favs. Eu nem sabia que teria, até porque é novo para mim escrever sobre algo assim, então estou feliz com o resultado. Obrigada a quem esta se expressando e dizendo o que esta achando da fic, eu fico muito feliz com isso. Obrigada, ~MarjJPE e ~Niallzinha69.

Ignorem os erros.

Eu vou esperar um pouco mais para postar, estou indo muito afobada. Mesmo que seja pequena, vou dar aquele tempinho wqdefef agora, só segunda ou terça, gente.

Olhem, nos finais de semana não vou postar aqui, porque ainda tenho SDA e minhas outras ideia, mas fora isso, okay. Além do mais, já estou atrasada com SDA. Terei que ir logo.


As fts/tblrs/gifs que posto junto ao cap, mesmo sendo mulheres nelas, ainda sim representam os sentimentos e pensamentos do Niall. E como eu ja havia tido, se algum representar o Zayn, eu vou avisa.

Obrigada á vocês todos que estão me acompanhando e que acompanham meus outros trabalhos.

Espero que gostem, em.

Vou, sla, tentar fazer uma capa, já que ninguém se pronunciou sobre isso, e quem se pronuncio sumiu wdwefef
Mas, quem puder, só me mandar uma mensagem.

Mudei um pouco a sinopse. Nada demais.

Boa leitura *-*

Capítulo 3 - Stanco


Fanfic / Fanfiction Hopeless (Ziall) - Capítulo 3 - Stanco

 

 

"Nós éramos sem começo,

sem meio,

sem fim,

sem solução,

sem motivo.

(...)

Não sinto saudades do seu amor,

ele nunca existiu,

nem sei que cara ele teria,

nem sei que cheiro ele teria.

Não existe morte para o que nunca nasceu. "

( —  Tati Bernardi.

 


 

Novembro, dia 08 de 2011

19:08

 

O moreno leva o cigarro já aceso até seus lábios, e tragou lentamente, enquanto fechava os olhos e encostava sua costa na cabeceira da cama, dobrando as pernas e descansando a o braço livre sobre um dos joelhos flexionados, e suspirou, soltando a fumaça com uma calmaria invejada.

 

Não fumava normalmente, na verdade, nunca gostou. Mas, ultimamente sente como se todo o peso do mundo estivesse sobre seus ombros.

 

Queria se distrair, parar de pensar  em tudo a sua volta, então achará que o cigarro -normal- poderia ser uma ótima distração para si.

 

Suspirou, tragou e soltou.

 

Não queria se sentir um idiota, mas a maioria dos motivos para estar fumando era Niall, pois, não que estivesse cansado do loiro, mas só não sabia mais o que fazer para o ajudar, e se sentia péssimo por isso, porque ele via a cada dia o loiro se afundando, mas não sabia o que fazer. Palavras não eram o suficiente, abraços eram desprezados, carinhos esquivados. O que faria então?

 

Amava Niall, e prometera cuidar sempre dele e o proteger. Era isso que vinha e continuaria fazendo.

 

Mas sua cabeça martelava com tudo aquilo. E ainda tinha as consultas de sua avó, que tinha Alzheimer e precisava de cuidados por sua velhice.

 

Zayn se sentia sufocado do que fazer, como se tudo estivesse em cima de si.

 

Se sentia péssimo por isso. Queria ajudar Niall, arrancá-lo daquilo. Queria fazê-los feliz, fazê-lo sorrir. Fazê-lo ser capaz de amar. Capaz de amar a Zayn.

 

Porém, a cada dia que se passava, Niall parecia estar pior. Seus ataques pareciam piores. O loiro havia emagrecido muito, e estava mais pálido que o normal. Seus lábios antes rosados estavam sem cor.

 

Zayn sentiu seus olhos marejarem e queimarem.

 

Sabia que ficar chorando pelos cantos não resolveria nada, mas… o que fazer? Como fazer?

 

— Não sabia que fumava. — aquela voz, fraca mas que tanto amava, o tirou de seus devaneios. Olhou para a porta e sorriu ao ver um certo loiro parado encostado no batente da porta, o olhando fixamente.

 

— Nih. — sorriu grande e limpou os olhos rapidamente com a costa de uma da mãos, movendo-se e levantando-se da cama.  Jogou o cigarro, assim que apagou a ponta acesa do mesmo em seu criado-mudo, pela janela. Seguiu até o loiro e o abraçou com força e saudade.

 

— Pare. —  sussurrou o menor, se soltando dos braços do moreno, que engolindo em seco, negou com a cabeça, balançando as mãos.

 

— Huh-uh. —  limpou o moreno a garganta, respirando fundo —  Sente-se. —  apontou para a cama, não mandando, mas apenas oferecendo ao loiro um lugar para sentar.

 

— Estou bem em pé. Sente-se você. —  deu de ombros, fazendo Zayn morder o lábio inferior e revirar levemente os olhos.

 

— Acordou de TPM? —  resmungou, seguindo até sua cama, sentando-se nela e erguendo seus olhos para o loiro, que olhava a caixa de cigarros em cima de seu criado mudo, fazendo com que pegasse a mesma e abrisse a gaveta jogando ela lá dentro.

 

— Fuma desde quando? — ignorou a gracinha do moreno e perguntou com a voz sem emoção alguma. Aquilo incomodava Zayn. Pois era como se Niall nunca tivesse sentido nada. Parecia um cubo de gelo inteiro.

 

— Isso não…

 

— Desde quando? —  o interrompeu, olhando firme nos olhos do garoto maior, que bufou baixinho.

 

— Faz alguns meses. — encolheu os ombros, fazendo pouco caso.

 

— Sabe que isso lhe faz mal, não sabe? —  perguntou por perguntar, não demonstrando preocupação. Mas sabia que no fundo, mesmo que bem no fundo, mesmo que não demonstrasse,  não queria que nada de mau acontecesse com o outro.

 

— E você se importa? — perguntou de vez, revirando os olhos e bufando.

 

— Hm… não. —  foi sincero e deu de ombros.

— Então não pergunte, Niall. — disse firme, cansado demais para tentar “pegar leve”. Já estava cheio de problemas  e lutas internas. Era cansativo. E mesmo que tentasse pensar que tudo acabaria bem, que conseguiria ser forte por todos que amava, não era tão simples assim.

 

— Só perguntei. — disse com grosseria.

 

— Ah, então quer mesmo saber o motivo? —  irritado, se levantou respirando fundo e parando novamente em frente ao loiro, que se endireitou e limpou a garganta, balançando a cabeça.

 

— Fique a vontade. — disse friamente balançando a mão e dando de ombros.

 

— É por sua culpa. —  disse alto, apontando o dedo para o loiro e encostando a ponta sobre o peito do menor, olhando em seus olhos —  Eu estou sempre aqui para você, Niall. Sempre. —  negou com a cabeça, encolhendo o braço e a mão, deixando-os caídos ao lado de seu corpo —  Quando você mais precisou, estive aqui com você, mas a única coisa que saber fazer é me tratar com indiferença e com frieza. Estou cansado. —  ergueu as mãos para o alto, enquanto um nó se formava em sua garganta —  Estou cansado de ter que me preocupar com você, sendo que nem ao menos você mesmo se preocupa. Cansado de seus problemas. Cansado de você. —  gritou a última parte. Seu rosto vermelho assim como o pescoço, que ainda tinha algumas veias grossas.

 

— Eu não pedi por isso. —  sussurrou calmamente Niall, sentindo como se dentro de si, algo estivesse morrendo — Eu nunca quis que insistisse em mim. Nunca pedi para ter esperanças, ou para me amar. Eu sequer queria que se aproximasse de mim, Zayn. —  seus olhos estavam opacos, e sua voz seca. Nem um vestígio de lágrimas em seus olhos ou vacilo na voz. Mas, sentia, dentro de si, aquela pequena, minúscula, esperança que guardava, sumir aos poucos. Sua esperança era Zayn —  Me desculpe se estou acabando com sua vida com meus problemas. —  apontou para si mesmo, olhando fixamente os olhos marejados a sua frente —  Desculpe principalmente não ser capaz de ter o mínimo de sentimento por você, por ninguém, por nada, nesse mundo. — disse em sussurros —  Só é difícil, Zayn, nunca ter ganhado amor, não ter crescido com estrutura, não ser forte. Eu não sinto, Zayn. —  engoliu em seco — Eu apenas… não sinto. —  balançou a cabeça, como se estivesse decepcionado consigo mesmo. Porém, nada sentia. Mesmo que estivesse sendo sincero.

 

— Niall. —  sussurrou, deixando algumas lagrimas caírem.

 

— E Rose está certa, Zeeh. —  sorriu sem sentimentos — Eu sou um caso perdido, não tenho mais jeito. —  passou a mão sobre a testa, sentindo-se um pouco sufocado e suas mãos começarem a suar e a tremer —  Viva sua vida, Malik. Deixe que a minha se afunde. E, não se culpe, apenas abriu os próprios olhos e enxergou de estou quebrado, e nada que fazer, fará com que isso mude, pois mesmo que junte meus pedaços estarei sempre com rachaduras — usou a metáfora, piscando os olhos muitas vezes, começando a puxar o ar com um pouco mais de desespero, mesmo que tentasse se mostrar tranquilo. Ali estava um dos únicos sentimentos que era capaz de sentir. Medo — Preciso ir. Adeus. —  engoliu em seco, saindo em passos rápidos do cômodo, de forma quase que desesperada, sentindo sua visão um pouco turva e o ambiente como se estivesse fechado. Sabia o que aquilo significava, então tinha que chegar o mais rápido em sua casa. Pelo menos morava perto do moreno. Então não teria problemas em chegar rápido em casa, claro, se corresse.

 

Zayn deixou com que as lágrimas caíssem de seus olhos livremente, enquanto se sentava sobre a cama, negando com a cabeça e passando as mãos sobre os fios de cabelos, segurando firme a própria cabeça, soluçando um pouco alto.

 

Não devia ter explodido apenas pelo momento. Não devia. Ele sabia que Niall não tinha culpa do que sofria, dos problemas. Droga! Droga! Droga, Zayn! O que você fez? Se perguntou enquanto batia com a mão em punho na própria cabeça. Até que algo o que parar estático.

 

Começará  apenas agora a se tocar das ações do menor enquanto falava. E mesmo que na hora não tivesse se tocado muito disso, agora se tocava do nervosismo do menor, que ele tentava esconder, continuando falando.

 

Niall parecia estar com falta de ar, no ambiente que tinha duas janelas e que as duas estavam abertas, limpava a testa toda hora, como se suasse, estava bastante ruborizado também, e Zayn sabia que não era de raiva ou vergonha.

 

Zayn sabia o que aqueles sintomas significavam. Aquilo o fez saltar da cama, com os olhos arregalados e um grande nó em sua garganta. Oh não. Tinha que correr o mais rápido em direção ao loiro. Sabia o quanto era desesperador para Niall passar por aquilo, pois era um dos únicos momentos em que mostrava todos sentimentos. Medo, dor, angústia, e muito desespero. Já presenciara aquilo muitas vezes, e sempre esteve ali com Niall para o ajudar a se acalmar. Tinha que o ajudar e, urgentemente.



 

 

 

“Você ainda me amará

Quando eu não tiver nada além de uma alma que dói?

Sei que você irá, sei que você irá

Sei que você irá… “

( — Young And Beautiful - Lana Del Rey

 


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...