História Hora de amar - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias Blake Lively, Ryan Reynolds
Personagens Personagens Originais
Exibições 18
Palavras 908
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Ficção, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 16 - Capítulo 16


Assim dizendo, ele a segurou pelo pulso e a puxou para si depois a beijou com fúria, ignorando o espanto de Luiza, que começou a dar socos em seu peito para depois acariciar o cabelo louro e revolto, se entregando ao beijo.

Caio a fez deitar no sofá e enfou a mão por baixo do suéter, a fim de acariciar seus seios. Ela arqueou as costas com um gemido de prazer.

Puxando o suéter para cima ele beijou um dos mamilos, uma batida soou à porta, e Caio se afastou dela como um repelão. 

Retornando ao momento presente com um aperto no coração, Luiza ficou com horror e vergonha o próprio peito despido, e tratou de se compor.

– Nunca mais me toque assim!

Ele a fitou em desafio.

– Por que? Você gosta demais? – zombou, indo em direção a porta.

O rosto de Luiza estava em brasa, Caio abusou dela e roubou o beijo com a mesma frieza e deliberação com que tirou sua virgindade. 

O problema, porém, era que ele a fascinava seria apenas luxúria? Devia ser, concluiu abatida. Ele colocou um bandeja pesada sobre a mesinha.

– Coma...

Havia um bolinho de chocolate e pães, e Luiza sentiu água na boca, estendendo a mão para a guloseima, serviu-se de chá e perguntou educadamente se ele queria também, pois havia mais de uma xícara sobre a bandeja.

– Só tomo café – anunciou Caio.

Luiza ainda tremia após o beijo, Caio era tão quente que a deixava em chamas. E ela não estava feliz por ter feito tal descoberta, pois isso a deixava vulnerável e fraca como nunca antes se sentia.

– Por que ficou zangado quando eu disse que a noite que passamos juntos foi um erro? – perguntou ela com curiosidade.

– Foi boa demais para ser um erro, eu adorei – confessou ele com frieza.

Luiza quase engasgou com o bolinho de chocolate e permaneceu em silêncio para engolir tudo.

– Pensarei em visitar meu avô depois das provas – concordou por fim.

Caio a fitou com o canto do olho, percebendo que já não tinha uma expressão agressiva.

– E pensará na minha proposta de casamento também?

Luiza enrijeceu e ergueu o rosto para conseguir fitá-lo.

– Não, isso já ficou decidido.

Caio respirou com impaciência.

– Por que não quer se casar comigo?

– Como pode me perguntar tal coisa, quando você não quer se casar? – retrucou ela arqueando as sobrancelhas com espanto. – Alguma vez na vida já desejou se casar?

– Não – disse ele com um gesto de cabeça.

– Já desejou ter um filhos?

Caio fez uma carranca diante de tal pergunta e hesitou.

– Prometeu dizer a verdade de hoje em diante – lembrou ela.

– Não – admitiu ele com brevidade. – Jamais desejei ter um filhos.

- Então, por que eu desejaria me casar com você?

Evidentemente faltava a Luiza a ambição e ganância que ele conhecia tão bem no sexo feminino, ele argumentou:

– Por segurança? Apoio? Para dar um pai ao seu filho?

– Se nos casássemos, você logo estaria procurando outra mulher. 

Previu ela fazendo uma careta  diante da possível humilhação.

 – Você não me parece o tipo de homem que se adapta com facilidade à vida doméstica e à paternidade, principalmente se não escolheu nada disso por vontade própria.

Caio não estava acostumado com pessoas lhe apontando possíveis fracassos e rangeu os dentes, murmurando:

– Posso surpreendê-la.

– Duvido – replicou ela sem hesitação.

Caio ergueu o queixo e perguntou:

– Está me desafiando?

– Não – apressou-se ela a responder, enquanto pegava outro bolinho. – Não, podemos ser amigos Caio?

– Não quero sua amizade – retrucou ele enquanto ela retirava migalhas do colo e se levantava. – Já comeu o suficiente?

– Mais do que o suficiente. – Ela consultou o relógio de pulso. – Tenho aula agora.

– Vou providenciar um carro – disse ele pegando o telefone.

– Não é preciso.

– Daqui em diante um carro com motorista estará à sua disposição – avisou ele enquanto ela se dirigia até a porta.

Luiza se voltou com ímpeto.

– Não seja ridículo o que vou fazer com um carro e um motorista?

– Usar – respondeu ele com bom humor. – Dê-me seu telefone...

– Não é irônico só pedir meu telefone agora que sabe que estou grávida? – atirou ela sem pensar.

– Ainda temos muito que discutir, Luiza.

– Creio que já disse tudo que precisava dizer – ela murmurou.

– Mas eu mal comecei – respondeu ele com um sorriso irônico.

Luiza rabiscou o número de seu telefone em um papel.

– Não diga a meu avô que pedi tempo para encontrá-lo só diga que tenho provas para fazer – pediu ela de repente. – Não quero magoá-lo.

– E quanto a me magoar? – Ele quis saber.

– Duvido que isso aconteça com facilidade – replicou ela com franqueza. – É agressivo, seguro e egoísta demais para ser tão sensível.

– Acabei de alimentar uma pessoa faminta. – ele se defendeu,. perplexo com a honestidade dela.

Seria assim mesmo que Luiza o via?

– Fez isso possivelmente porque estou carregando o herdeiro dos Stavroulakis – resumiu ela com expressão de dúvida.

Ao mesmo tempo, Luiza refletiu se haveria ternura sob a superfície árida. Ou era a ameaça terrível do casamento que o fazia agir com consideração? Como podia pedi-la em cassar e nem ser pai? O que o fizeram agir contra sua vontade? Teria sentido medo da reação de Socrates quando soubesse que a neta estava grávida?

Em grego, Caio instruiu Titos a colocar discretamente um guarda-costas tomando conta de Luiza.

Agora que ela estava grávida, fosse de um filho ou de uma filha dele, faria de tudo para que o bebê tivesse uma infância muito feliz e diferente da dela esse era seu dever.







#caluh❤




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...