História Hora de amar - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Blake Lively, Ryan Reynolds
Personagens Personagens Originais
Exibições 18
Palavras 815
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Ficção, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 17 - Capítulo 17



Na tarde seguinte, quando Luiza enfiou a chave na fechadura depois das aulas, estava cansada e ainda tomada pela confusão dos últimos acontecimentos. 

Desde o dia anterior era seguida por uma BMW com motorista, esperando por ela após todas as aulas, tal luxo era estranho em sua vida, assim como o pedido de casamento de Caio Ruso Stavroulakis. 

Por que ele fizera tal proposta? Estaria maluco? Luiza refletiu que podia se sentir atraída por ele, mas aceitar se casar com ele seria um erro desastroso. 

Queria o melhor para o seu bebê, porém de outra maneira,  e um casamento fracassado era a última coisa que desejava para o seu filho presenciar. 

Era melhor construir um relacionamento com Caio sem intimidade e sentimentos profundos. 

Se não tivesse percebido como ele odiava a ideia de casamento e filho poderia reconsiderar sua decisão e aceitar a proposta, mas a realidade era outra. Neste momento, Martha desceu a escada com Bas no colo.

– Você tem visitas – anunciou para Luiza.

Luiza caminhou até a sala e enrijeceu ao se deparar com Jason Steele, que se levantou do sofá.

Diabos, pensou com raiva, não estava com vontade de ver Jason depois do que passara nas últimas 48 horas.

– Vou tomar conta de Bas – murmurou Martha ao ouvido de Luiza. – Bas não gosta desse rapaz.

– Obrigada – disse ela, entrando na sala, fechando a porta e se voltando para o visitante. – Bem, que surpresa, Jason como descobriu meu endereço?

O grandalhão louro sorriu.

– Precisava vê-la de qualquer maneira depois do que aconteceu semanas atrás, só queria uma oportunidade para falar com você.

– Sente-se, Jason. Você me assustou naquela noite – admitiu ela, sentando-se em frente.

Jason desabou sobre o sofá, que rangeu, protestando contra o peso considerável.

– Desculpe, não pretendia fazer aquilo, mas aquele sujeito se metendo no que não era da sua conta me irritou  pensei que você e eu poderíamos sair uma noite qualquer, ir ao cinema ou jantar, como você preferir.

Constrangida com o convite, Luiza ficou vermelha.

– Não é uma boa ideia, Jason...

– Por que não? O que há de errado comigo? – respondeu ele com agressividade.

– Não disse que há algo de errado com você – apressou-se ela. 

A esclarecer, decidindo que a honestidade seria a melhor arma 

– Mas não seria justo com nenhum de nós dois, estou grávida,. Jason.

O outro ficou embasbacado.

– Está brincando?

– Não. É a verdade.

– Grávida? – repetiu ele, fitando Luiza com aversão, como se ela tivesse confessado um crime.

Ela ouviu uma porta se abrir e fechar no vestíbulo, o timbre grave de uma voz masculina e os latidos frenéticos de Bas.

– Nem sabia que você estava saindo com alguém – lamentou -se Jason, levantando-se com brusquidão. – Bem, foi uma perda de tempo, e que está muito claro... Não pretendo sair com uma mulher que está esperando o filho de outro.

Antes que Luiza concordasse, dizendo que não tinha a menor intenção de sair com ele, a porta às suas costas se abriu com brusquidão e o inferno pareceu irromper ali dentro.

 Bas, que odiava Jason, atirou-se sobre ele. Caio, acompanhado pelo chefe de sua segurança, Titos, surgiu no instante em que Jason chutava o cãozinho para longe. 

Com um grito de horror, Luiza viu Bas voar pelos ares e atingir a parede, caindo como um saco vazio no chão.

– Oh, meu Deus... Jason... Você matou Bas! – ela soluçou, correndo para o animal.

– Não fique nervosa – pediu Caio, afastando Luiza do cão e passando na frente para segurar o corpinho imóvel.

 Fez uma careta ao perceber que uma das pernas de Bas estava quebrada.

 – O coração ainda está batendo, ele desmaiou vamos levá-lo já a um veterinário.

- Você é um monstro, Jason! – exclamou ela com fúria. – Primeiro me atacou e agora atacou Bas...

– O cachorro me atacou primeiro! – defendeu-se Jason, com raiva. – E eu não queria atacar você!

– Tudo estava bem até você aparecer aqui – disse ela se voltando para Caio com ar de reprovação. 

Curvando-se ao seu lado e depois voando para a cozinha, onde pegou uma bandeja grande e depositou o cãozinho com todo o cuidado, enquanto suas mãos tremiam.

– Chame a polícia – disse Caio para ela – desta vez precisa dar queixa de Jason...

– Não é necessário – interrompeu o grandalhão.

– É, sim – cortou Caio com rudeza. – Você a seguiu do trabalho ontem à noite... Isso é assédio!

– Não a estou assediando, Luiza só queria saber para onde você tinha se mudado – disse Jason olhando para ela. – Não fiz nenhum mal nem cheguei perto da porta porque sabia que era tarde para visitas.

Surpresa por saber que Jason a seguira até sua casa na noite anterior, Luiza voltou os olhos espantados para Caio e murmurou ansiosa:

– Vamos primeiro levar Bas ao veterinário isso é o mais importante...

– Não, você é mais importante – corrigiu Caio, atirando um olhar furioso para Jason.

– Não vou incomodá-la de novo – disse Jason. – Nem sabia que ela ficaria barriguda em breve.




#caluh❤



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...