História Hora de amar - Capítulo 21


Escrita por: ~

Postado
Categorias Blake Lively, Ryan Reynolds
Personagens Personagens Originais
Exibições 21
Palavras 751
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Ficção, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 21 - Capítulo 21


Luiza se lembrou de Bas, que estava se recuperando muito bem, e olhou Caio sem conseguir entendê-lo.

Sua beleza máscula a dominava sem que pudesse fazer nada a respeito, omo se lesse seus pensamentos, ele murmurou:

– Teria pagado as despesas do tratamento de Bas de qualquer maneira, você querendo ou não, saiba que não sou um monstro... afinal, você está carregando meu filho.

– Quer dizer a “manchinha”? – retrucou Luiza com maldade.

Ele ficou vermelho e cerrou os lábios.

– Parecia uma manchinha, deveria mentir para você, que adora sinceridade?

De súbito uma onda de lágrimas invadiu os olhos de Luiza, que piscou diversas vezes para afastá-las e segurou a mão dele de maneira espontânea.

– Não quero que se sinta na obrigação de mentir ou agir por minha causa... Não quero que isso aconteça nunca! – exclamou com voz entrecortada.

– Está chorando! – murmurou Caio constrangido.

– Não, estou bem... muito bem! – retrucou ela se agarrando com ímpeto à mão entendida. – Lembra- se do que disse Dmitri? Meus hormônios estão loucos atualmente... e choro sem motivo.

– Não faz sentido – disse ele tentando raciocinar e puxando-a para o seu colo sem perceber, enlaçando o corpo pequeno. – Lembro ter chamado o bebê de manchinha e ter magoado você.

Luiza contorceu o corpo para fitá-lo e perguntou:

– E você? Está se sentindo bem?

Caio se sentia cada vez mais sem graça segurou-a pelo queixo e a beijou, fazendo-a se virar e ficar sobre o seu corpo para sentir sua ereção.

– Caio! – murmurou ela.

Ele ergueu sua saia e baixou a calcinha, sentindo sua umidade e calor, e percebendo que ela também estava ardendo de desejo. 

Luiza gemeu com o contato dos dedos que a acariciavam em suas partes mais femininas as carícias foram se tornando mais frenéticas até que ela alcançou o clímax e pendeu a cabeça sobre o peito forte.

– Sente-se melhor, meu bem?

– Como se tivesse morrido e ido para o céu – murmurou ela com sinceridade. – Não acredito que isso acabou de acontecer.

Ele também não acreditava e tudo dentro de uma limusine.Não era uma atitude típica dele... um homem tão convencional, não costumava fazer coisas assim havia algo em Luiza que o deixava mais solto e espontâneo, embora isso não fosse desculpa para seu comportamento de adolescente. Então ela ergueu a cabeça e sorriu com satisfação, acabando com seu remorso.

– Meu Deus... – murmurou ela. – Sou muito egoísta, você me deu prazer, e eu não fiz nada para agradá-lo também...

– Não tem importância – murmurou Caio.

Contudo, Luiza podia ver pelo volume em sua calça que havia um problema, sim, e bem grande. E se sentia cada vez mais surpresa pelo fato de Caio demonstrar tanto desejo por uma mulher sem curvas generosas como ela Luiza sabia que não era o padrão de mulher cobiçada pelos homens. 

- Nunca fiz isso antes, mas se você me ajudar...

O próprio Caio se surpreendeu ao gargalhar em voz alta.

– Não no banco de trás de um carro à luz do dia outra hora... Pode deixar que sobreviverei. Tocar você e lhe dar prazer já foi o suficiente – disse com voz rouca.

Luiza ficou vermelha como um pimentão, de repente se sentindo muito tímida e insegura, graças a Deus havia um vidro separando o motorista do banco de trás, senão morreria de vergonha.

– Volte para casa comigo depois de fazermos as compras – pediu ele.

– Não seria melhor esquecermos o erro que acabou de acontecer? Essa pequena indiscrição? – sugeriu ela de olhos baixos.

– Um erro e uma indiscrição? Foi essa a soma total até agora do nosso relacionamento?

– Você melhor do que ninguém pode julgar – sussurrou ela.

A grande atração sexual entre os dois era inegável, mas haveria algo mais que os prendesse além do bebê?

Do seu lado sabia que seus sentimentos por ele aumentavam a cada instante, não podia olhar para ele mesmo quando discutiam... e Caio era tão teimoso... sem contar o fato de desejar beijá-lo e acariciá-lo. 

Só em pensar em como era bonito e másculo Caio jamais saía de seus pensamentos insistira em acompanhá-la quando Bas recebera alta na clínica veterinária.

 Surgira com uma nova cesta forrada de pelúcia para o bichinho, e ligava todos os dias para ela sem falhar uma só vez para saber se estava bem, não tinham muito que dizer um ao outro, e os silêncios prolongados a deixavam nervosa, mas aprendera a preenchê-los tagarelando sobre amenidades. 

Estava se apaixonandopor ele e não fazia ideia de como deter esse sentimento; seu processo parecia irreversível, embora soubesse muito bem que isso só lhe traria problemas no futuro.




#CALUH😍



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...