História Hora de amar - Capítulo 35


Escrita por: ~

Postado
Categorias Blake Lively, Ryan Reynolds
Personagens Personagens Originais
Visualizações 52
Palavras 1.000
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Ficção, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 35 - Capítulo 35 penúltimo


- Como se eu fosse um sequestrador... com latidos e dentes arreganhados! Mas eu o peguei de qualquer jeito – informou Caio com satisfação.

Estava voltando para a ilha e sentia-se melhor do que nos últimos dias, embora ainda não encontrasse as palavras certas para dizer a Luiza nem a abordagem correta, iria superar essas barreiras.

Momentaneamente zonza, Luiza apoiou a cabeça no encosto por que Caio disse a Socrates para irem frente e anunciar seu noivado? Será que tinha certeza de que a faria concordar com o casamento?

Seria sua chance de aceitar pelo bem da criança que ia nascer e se estabelecer ao lado de um homem que só desejava sexo “incrível”? 

Talvez fosse culpada por esperar demais de Caio ninguém podia obrigá-lo a amá-la ou sentir amor por ela.

Ele não tinha o direito de criticar seus modos e seu vestido na festa então por que fez isso? Luiza poderia perdoá-lo se soubesse que fora por ciúmes.

Caio... com ciúmes? Ela sorriu de leve diante de tal pensamento, embora admitindo que ficou enciumada com a proximidade dele e Yannina Demas. 

Ver Caio ao lado de outra mulher foi como se lâminas afiadas penetrassem em seu coração, mas já que ele deixara a festa e Yannina, ela sabia que não tinha mais motivos para sentir ciúmes.

Entretanto, muito tempo passara desde que enfrentara o fato de que se não casasse com ele haveria outras mulheres em sua vida.

 Não podia ter as duas coisas, lembrou ou se casava com ele ou o deixava livre e se escolhesse casar devia saber que ele jamais seria o marido ideal. 

Mas, afinal, quantas se casavam com o homem ideal? Caio era o seu sonho, embora ela não fosse o sonho dele, Caio não a amava... tudo sempre voltava a esse ponto dramático e não havia como escapar.

Será que poderia viver sem seu amor? Seria mais fácil aceitar um casamento prático? A verdade era que já não conseguia viver sem ele... Sentia-se miserável sem Caio.

O helicóptero chegou a Banos ao raiar do dia,  a grande casa estava toda iluminada e Bas saiu correndo para saudar a sua dona. 

Luiza mal conseguia se mover dentro do vestido apertado, e Caio gargalhou, erguendo-a nos braços para ajudá-la. 

Depois a colocou de pé e os saltos altos amassaram a grama até a porta principal agarrou Bas, afagando seu pelo macio e dizendo palavras de carinho.

– Essa foi a coisa mais louca que você já fez – disse ela para Caio em tom de incredulidade no vestíbulo. – Por que não me telefonou?- perguntou, dessa vez aos gritos.

– Não sabia o que dizer – confessou ele. – Estava com medo de piorar as coisas e perdê-la para sempre. 

 Algo acedeu dentro de Luixa estava com medo, Jamais imaginava que Caio admitisse tal fraqueza, e isso a tocou profundamente, fazendo-a desejar ouvir o que ele tinha a dizer.

– Não suporto esta casa sem você aqui – admitiu ele de maneira abrupta enquanto avançava para a sala de visitas. – Precisava fazer alguma coisa.

Piscando diversas vezes, Luiza o seguiu, murmurando:

– Essa coisa foi um tanto exagerada...

– Não acho – retrucou ele. – Meu mundo existe se você está por perto, mas morre quando você está longe.

Ela arregalou os olhos.

– Sentiu minha falta?

– Claro que senti! O que acha que sou? Uma pedra?

- Às vezes  me pergunto isso -admitiu ela, com os sapatos de grife fazendo barulho em meio ao silêncio; Luiza se sentou e os atirou para o lado com um suspiro de alívio.

Ele sentira sua falta, mas não fora capaz de dar um simples telefonema Caio era uma grande contradição e cheio de complexidades que talvez ela nunca chegasse a desvendar porque era muito mais direta e simples.

Ele se postou perto da fileira de mármore, muito rígido.

– Quero você de volta, quero me casar com você.

– É a centésima vez que diz isso – murmurou ela. 

Já sem saber qual seria sua resposta, pois com o passar dos dias sua decisão inicial fora esmorecendo, e se sentia cada vez mais perdida sem a presença dele.

Caio deixou escapar o ar dos pulmões muito devagar.

– Poderemos ter um bom casamento, você e o bebê serão as pessoas mais importantes da minha vida só quero isso.

Ela o fitou em dúvida.

– Como pode afirmar tal coisa?

– É a verdade – declarou ele, um leve rubor colorindo suas faces. – A mais completa verdade, meu bem.

– Quando foi que aconteceu essa... profunda mudança na sua atitude? – perguntou Luiza, desesperada para ser convencida por ele.

– Quando você foi embora – admitiu ele de modo brusco. – Você se tornou indispensável para mim desde o início....

– Tem certeza de que não se trata de fogo de palha?

Ele ergueu a cabeça com os olhos azuis brilhando.

– Não olhei para outra desde o dia em que a conheci.

– Estava com a garota Demas hoje à noite – lembrou ela com medo de ter esperanças e de acreditar. 

– Nina me telefonou para saber se poderia ir à festa comigo é apenas uma amiga.

– E não dormiu com nenhuma outra depois que me conheceu? Verdade? – insistiu ela com voz trêmula.

– Verdade – admitiu ele. – Só quero você Luiza.

O coração de Luiza disparou e manchas rosadas sugiram em suas faces enquanto suas esperanças alcançavam o céu.

– Então posso cogitar em permanecer...

Caio aquiesceu com um gesto de cabeça muito lento, tão tenso quanto Luiza. Pegou no bolso uma caixinha de joias e cruzou a sala para lhe entregar.

– Ficaria muito feliz se usasse isso.

Sua formalidade a assustou isso acabou sendo um magnífico anel de diamantes que refletia a luz da sala. 

Ela se lembrou de como Caio pedira que seu avô anunciasse o noivado dos dois, mas ainda estava estupefata com o gesto inesperado e tradicional.

– Está levando isso muito a sério, não está? – murmurou sem graça, removendo com delicadeza o anel da caixinha e enfiando no dedo. – Mas m não precisava ter comprado um anel...

– Sim, precisava – discordou ele. – Fizemos tudo o mais da maneira,queria que dessa vez fosse da maneira certa. 





#caluh... 😘


Reta final





Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...