História Hora de Aventura: Crise em todas as Terras - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias Hora de Aventura
Personagens Beemo "BMO", Conde de Limãograb, Finn, Gunter, Hudson Abadder, Jake, Lady Íris, Marceline, O Lich, Princesa Jujuba, Rei Gelado
Tags Aventura
Visualizações 11
Palavras 2.514
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo, Visual Novel
Avisos: Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Aproveitem o capítulo. Deu um trabalhão escreve-lo ^.^

Capítulo 16 - Capítulo Dezesseis


.Finn não podia acreditar no que via diante de seus olhos, Coruja cósmica, a Morte — um esqueleto humanóide, a não ser por sua cabeça, que é similar a um crânio de boi ou cavalo, trajava roupas semelhantes à de um agricultor, com um chapéu e uma pequena bolsa em volta do corpo — e o próprio Rei de Marte — com a aparência de Abraham Lincoln vestindo um terno preto com uma gravata preta e ele tem uma luz amarela em torno de sua cabeça, mas não usa sua famosa cartola — todos estava na sua frente, ao seu lado Fionna, que também estava boquiaberta com que via.

— O que vocês estão fazendo aqui? – Pergunta Finn.

— Primeiramente, de nada por ter te salvado, Segundamente nós estamos aqui para ajudar vocês a como derrotar o Lich. Agora que ele absorveu Prismo temos que derrotá-lo a todo custo. – Diz Coruja Cósmica.

— Não tem mais como derrotá-lo. – Diz Finn.

— Na verdade Finn, essa é a oportunidade que estávamos esperando. – Diz o Rei de Marte.

— Como assim? – Pergunta Fionna.

— Vocês não podiam derrotar Lich antes, pois ele estava num estado invencível demais para poder ser derrotado por seres de nível cósmico muito baixo como a de vocês. – Diz a morte tomando a frente.

— Mas agora que ele se tornou Prismo, ele ganhou uma única fraqueza que decidirá a luta. – Completa Coruja Cósmica.

— Qual seria? – Pergunta Finn olhando para a Coruja Cósmica.

— Terão que matar o Homem Velho. – Responde a Morte.

— O Homem Velho? – Si pergunta Finn em seu pensamento, de repente ele lembrará que Prismo é o sonho de um homem velho. – Nunca iria pensar nisso. – Diz Finn em voz baixa.

— Podemos ajudá-los, mas não podemos matar o Homem Velho. E o Prismo era mais poderoso que todos nós, podemos apenas auxiliá-los nesse combate. – Diz o Rei de Marte.

— Porque vocês não podem matá-lo? – Pergunta Fionna olhando para a Morte.

— Não podemos criança, pelo simples fato de que a uma lei universal de pacificação entre os seres cósmicos. Nunca podemos matar um ao outro para não alterar o equilíbrio cósmico. Cada um de nós tem um papel único a servir. – Responde a Coruja Cósmica tomando a atenção de Fionna.

— E querem que nós o matemos para vocês? – Pergunta Fionna.

— Vocês é a única esperança do universo. – Diz o Rei de Marte.

— E como vamos agir? – Pergunta Finn apoiando a espada em seu ombro.

— Coruja Cósmica o auxiliará, enquanto eu mesmo irei com Fionna. – Responde o Rei de Marte. – Você lutará contra Lich o distraindo tempo o suficiente para que Fionna mate o Velho e assim poderemos derrotar o monstro de uma vez por todas. – Conclui ele.

— Vamos acabar com o Lich de uma vez por todas! — Diz Finn preparado para a ação.

— Vamos por um fim nisso tudo e conseguir de volta o meu universo. — Diz Fionna.

.E assim a batalha parecia que finalmente chegaria a seu desfecho. Todos se preparavam para a luta decisiva. Finn era transportado pela Coruja Cósmica em suas costas, enquanto isso, Fionna e Rei de Marte se dirigem até o labirinto construído pelo próprio Prismo, para proteger seu corpo verdadeiro de qualquer ameaça.

— Como pretende matar o velho homem, criança? — Pergunta Rei de Marte.

.Após perceber que estava sem uma espada ou alguma coisa para poder se defender ou atacar, ela olha para Rei de Marte com um sorriso.

— É mesmo. — Diz com a língua para fora e coçando a cabeça.

.O Rei fecha os olhos e suspira, ele olha para Fionna e com alguns movimentos de suas mãos, faz surgir uma espada em pleno ar que flutua até as mãos da menina. Os olhos de Fionna brilham, pois ela reconhecerá tal espada, era sua espada dos desejos. A lâmina era dourada, sua guarda mão era uma fita com dois laços.

— Como você fez isso? — Pergunta Fionna com os olhos brilhando, pegando a espada se preparando para começar sua missão.

— Foi fácil. Tenho poderes além da compreensão, afinal sou o Rei de Marte. — Diz se vangloriando.

— Ok... —Diz Fionna sem entender o motivo de tal orgulho.

.A guerreira adentra o labirinto, rumo ao corpo verdadeiro de Prismo. Enquanto isso, Finn voando nas costas da Coruja Cósmica ficam planando fora da sala do tempo, que antes dourado, agora a cor era um verde musgo, mudado devido à fusão com Lich. Ao redor da sala não havia quase nada, apenas a vasta escuridão, mas ao fundo dava para perceber alguns universos restantes que tiveram a sorte de não cruzar o caminha do monstro, mas que começaram a desaparecer pouco a pouco. A Coruja sentirá a energia maligna que emanava da sala, e após uma breve analise perceberá que havia universos novos nascendo. Universos desconhecidos, mas que a entidade cósmica não se atreveria á saber como eles eram e continuou a observar a sala com Finn em suas costas. Finn olhava apenas para a sala, concentrado e preparado para o que vinha, seu coração estava ansioso e por algumas vezes sentia medo, sabia que se falhasse nunca mais iria rever a Princesa de Fogo, Jujuba, Marceline, Jake e até mesmo Simon viera a sua mente. Pensou se Fionna conseguiria completar a missão com sucesso, pois se ela falhasse também tudo estaria arruinado. A pressão do momento fez sua mão fraquejar um pouco, até que a voz da Coruja interrompeu seus pensamentos.

— Está pronto Finn?

— Estou Coruja Cósmica! — Responde Finn apertando o cabo da espada com força. Uma gota de determinação veio em seu coração, e com um sorriso e um olhar dignos de um guerreiro ele diz. — Vamos acabar com esse monstro de uma vez por todas!

.A Coruja voa para a entrada da sala do tempo. Após entrarem perceberam a diferença gritante do interior comparado com o lado de fora. O interior parecia que não tinha fim, e bem de longe uma criatura se encontrava sentada. A Coruja se aproxima com cautela, mas a criatura parece que os perceberá, pois produzirá uma risada tenebrosa e fria. A criatura se levanta, seu tamanho era surpreendente, mas sua aparência já era conhecida. Era Lich, a criatura os olhava com um sorriso.

— O que querem? — Pergunta Lich.

— Como assim Lich? Você sabe muito bem porque estamos aqui. — Diz Finn se posicionando para atacar.

.Lich continua encarando os adversários sem a intenção de lutar. A Coruja foi o único que percebeu o estranho comportamento de Lich, diferente de Finn, que estava tenso e nervoso demais para perceber, e a entidade sentia tais sentimentos que estava expressivo no rosto do herói. Finn segurava a espada com firmeza e seus olhos pareciam sair faíscas em direção ao monstro que continuava parado os encarando. Até que o herói grita desesperado:

— Venha Lich! Qual o problema?! Porque não ataca?!

.Após tanto silêncio, a criatura finalmente pronuncia tais palavras:

— Não...

.O olhar furioso de Finn muda-se para um olhar confuso.

— Como assim? — Pergunta ele.

— Não vejo mais necessidade de lutar contra você. Finn. — Diz Lich.

.A mão firme de Finn que segurava a espada com determinação fraqueja, mas ele não solta a espada.

— Não estou entendo? — Pergunta Finn com uma voz sem vontade, sem vida.

.A Coruja Cósmica olha para Finn.

— Ele não vai mais, pois sabe que venceria. Lich está em um nível muito além que o seu Finn, ele se tornou um ser onipotente, você é apenas um mero humano. Não haveria sentido lutarmos contra ele. — Diz a Coruja.

— Então porque me trouxe aqui? Sabia-se que não venceríamos. — Diz Finn cabisbaixo.

— Ainda temos chances. — Incentiva a Coruja.

— Se está falando do homem velho, pois saiba que cuidei muito bem para que ninguém tentasse me atingir pela única coisa que poderia me derrotar.

— O que?! — Diz Coruja Cósmica.

— Protegendo o corpo do velho de qualquer ameaça me torno um ser invencível. — Diz Lich orgulhoso.

— Estamos ferrados... — Diz a Coruja.

— Não tenho medo... — Diz Finn determinado e com o coração acelerado.

.Após ouvir tais palavras, Lich volta a encarar Finn.

— Não tenho medo de nada! Sou Finn Mertens, o menino humano. Sou o herói da princesa Jujuba, irmão de Jake, amigo de Marceline, BMO e namorado da princesa de Fogo. Não vou perdoá-lo pelo que fez a meu mundo. Mesmo que eu morra aqui... — O herói volta a segurar a espada com firmeza e a aponta contra Lich, ele não perceberá, nem a Coruja percebeu, mas a esfera azul da espada de Finn começará a liberar uma ligeira iluminação. Seu olhar heróico volta a brilhar e com um sorriso ele complementa. — Mesmo que seja impossível eu lutarei, porque eu sou um herói! — Após gritar a palavra “herói”. Finn da um impulso e da um salto contra o monstro, o herói se prepara para dar o golpe. Seu coração está acelerado e sua determinação renasce como uma fênix renasce das cinzas.

— Esse olhar... — Diz Lich em sua mente. — Billy! — A imagem de Billy logo viera a sua mente ao ver a grande determinação nos olhos de Finn. Lembranças de suas lutas com Billy vieram em seguida, lutas após lutas vindas como um filme em sua cabeça.

.Finn em pleno ar estava a poucos metros para cortar Lich, sua espada brilhava intensamente. A Coruja vendo a intensa luz, diz para si mesma:

— Ele conseguiu. O poder da espada finalmente despertou!

— Morra Lich! — Grita Finn.

.Após ouvir o grito de Finn, Lich desperta de suas lembranças e se recompõem para a luta, mas o herói movimenta a espada e ao apontar em direção ao monstro um feixe de luz branca sai da ponta da espada atingindo seu ombro direito. Após sentir o disparo a queima roupa, Lich recua o lado direito de seu corpo, mas tenta pegar Finn em pleno ar com sua mão esquerda. Por estar no ar, Finn não consegue desviar da enorme mão que vinha a sua frente, ele grita desesperado:

— Mas que droga!

.O tempo pareceu ficar lento, Finn apenas olhava a mão esquerda de Lich chegar cada vez mais perto, seu coração disparado, o suor em sua testa e sua visão de desesperado já esperando a morte. Quando Lich fecha sua mão dá uma risada de vitória:

— Peguei...

.Quando o monstro abre a mão para ver o corpo morto de Finn, ele percebe que não a nada ali, de repente uma voz vinda de cima o chama:

— Lich!

.Quando o monstro olha pra cima ele vê Finn sendo carregado pelas garras da Coruja Cósmica.

— Valeu Coruja Cósmica. — Agradece Finn.

— Não precisa agradecer garoto. Já disse que estou aqui para ajudá-lo.

.Finn encara Lich e vice-versa. Um breve silêncio ficou no ambiente, até que Finn diz:

— Agora vou derrotá-lo Lich. — Ele olha para a Coruja com o canto do olho. — Está pronto Coruja?

— Quando quiser.

— Então vamos! — Grita Finn.

.Após o grito de Finn, a Coruja o solta, mas fazendo uma manobra no ar para que o herói ficasse em suas costas. Após voltar para as costas da Coruja, Finn se posiciona para atacar, seus olhos azuis brilham com uma determinação heróica e a esfera azul de sua espada continua emitindo uma luz, enquanto os dois partem para cima de Lich que se posiciona para contra atacar. No meio do ataque Finn grita para o monstro:

— Fincarei minha espada no seu peito monstro!

.Enquanto isso no labirinto de Prismo, Fionna e Rei de Marte finalmente chegam ao corpo do homem velho, mas se depararam com um obstáculo, criaturas saindo das sombras sob a cama de onde se encontrava o velho, estavam bloqueando a passagem para o corpo, suas silhuetas assemelhavam-se muito a de Lich antes dele conseguir o amuleto, porém com a diferença de que eram totalmente pretos, e não dava para ver os detalhes de seus corpos. Os dois avançam e lutam sem parar com as criaturas, cortes e mais cortes a espada de Fionna inflige contra seus corpos, mas parece não haver fim, pois quando um sumia dois saiam sob a cama. Uma das criaturas transforma o braço em uma lança e perfura o ombro da guerreira, Rei de Marte dá socos e chutes e atinge a criatura que acertou Fionna. Com o ombro esquerdo perfurado e sangrando Fionna tenta suportar a dor tentando estancar o sangramento, mas é impossível. Ao ver o ombro de Fionna, Rei de Marte estende sua mão direita na direção da guerreira, que ao fazer isso, tanto sua mão quanto o ombro de Fionna brilham e o grave ferimento é curado em um instante.

.Ao ver seu ombro curado ela olha para Rei de Marte, e o Rei apenas diz:

— Eu disse que estou aqui para auxiliá-la.

— Obrigado Rei de Marte. — Agradece Fionna. Ela então segura firme sua espada e continua lutando contra as criaturas.

.Após cessantes golpes, as criaturas começam a se fundir umas com as outras e forma uma criatura deformada e marombada, mas com o rosto de Lich. A grande criatura avança contra Fionna que desvia com agilidade e tenta afligir um golpe, mas o corte que ela faz nas costas do monstro simplesmente some após alguns segundos. A criatura por sua vez agarra Fionna com braços que crescem nas suas costas, e virando a cabeça para trás, ele olha nos olhos da guerreira antes de jogá-la contra a parede. Ela bate as costas e fica zonza com o impacto e fica sentada sem se mexer, Rei de Marte grita:

— Fionna! — Ele tenta correr em sua direção, mas pequenas criaturas o agarram, impedindo-o de continuar seu resgate.

.A criatura aproveita a chance, e após formar mais dois braços, ficando assim, com quatro membros superiores, ele as transforma em lâminas e corre em direção a Fionna que se recupera do impacto, mas continua sem poder se mexer. Vendo a criatura avançar, ela tenta pegar sua espada, mas não consegue, ela força seu corpo, mas ele não se mexe devido ao impacto que sofrerá, a criatura chega cada vez mais perto, correndo feito um louco. De repente o tempo pareceu se mover lentamente, Fionna vendo seu fim iminente tenta usar o braço esquerdo para se proteger, mas já sabendo que seria inútil, então ela fecha os olhos. Toda a sua vida passa diante de seus olhos, Cake, Rei Chiclete, Marshall Lee e o Rei de Fogo, ela se lembrará de todos de seu mundo os que passaram em sua vida e suas aventuras. Rei de Marte grita por seu nome com as criaturas o impedindo de prosseguir, a criatura ergue um dos quatro braços para infligir o primeiro golpe. De repente o peito esquerdo de Fionna começa a brilhar, o mesmo brilho consome seu corpo e uma rajada gigante de gelo atinge a criatura, destruindo-o completamente. Ao ver que não fora atingida, Fionna abre os olhos e vê a sua frente uma pessoa com um paletó marrom, com um dos braços estendidos para frente e uma coroa dourada em sua cabeça, perceberá também seu tom de pele azul. O Rei de Marte reconhecerá a pessoa que salvará Fionna, ele então grita:

— Simon Petrikov! Rei Gelado! Mas como?

— E ai Rei de Marte, estou vendo que está um pouco enrolado? Não pude continuar apenas assistindo vocês morrerem. — Diz Simon olhando para o Rei de Marte com um sorriso sarcástico.


Notas Finais


Obrigado por lerem até aqui, não se esqueçam de deixar um comentário, divulgar para os amigos e favorita para dar uma força, muito obrigado e até o próximo capitulo. =^.^=


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...