História Hora de aventura (interativa) - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Hora de Aventura
Tags Ficção Cientifica, Hora De Aventura, Interativa
Exibições 31
Palavras 1.807
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Comédia, Fantasia, Ficção Científica, Hentai, Luta, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Mutilação, Sadomasoquismo, Sexo, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


é sei que vão ficar putos comigo, mas tudo bem. Vamos pro cap veio.

Capítulo 10 - Batalha nos campos de Shakespeare (viajando sei lá quando)


tem como ser pior?

depois que Finn e Jake recebem a ligação, eles logo partiram para ver a Jujuba, tudo que pode fazer foi ver um bando de loucos tentando se distrair ela não pode ter outra escolha a não ser repor suas armas em algum lugar. mas como fazer isso em um lugar onde não conhece? Ela estava perdida e precisava de algo e rápido, antes que sirva de apoio para uma louca explosiva.

Ela olha pela janela do quarto de Finn e Jake, pode ver dois garotos correndo da Ayame e como sempre irritada. sem muitas opções, ela procura algum livro para ler alguma coisa quando percebe que não tem nenhum livro para ler. Sem muitas opções, ela desce pela janela de seu quarto usando suas ultimas kunais e se vê desarmada e sem chances de luta corpo a corpo. Foi quando sentiu cheiro de algo doce ( e muito saboroso)

Então corre para de onde veio os cheiro e vê varias cabanas. Ela logo desce a colina e logo percebe de onde os cheiros vinham cujo o dono era um pato de roupas mais estranhas que ela já vira. Os ombros eram redondos, as mangás iam ate as mãos e não tinha roupas somente um projeto de saia presa nas pernas. Seus olhos eram esbugalhados e bagunçados, como se fossem falsos.

-Olá, o que traz para minha loja minha cara garotinha?-ele falava enquanto olhava para direção da Giordana.

-Você fala também? Achei que o Jake fosse o único que falasse, mas sim eu quero algumas coisas meio "especiais"-falava enquanto olhava para os colares em cima do pato

-O mil perdoes deixe-me me apresentar:sou o Gansinho Vizinho, conhecido de Finn e Jake.

-Bem o meu nome é Giordana Hatsune e estou em busca de um equipamento de ninjas.

-esta atras de que então? Shurikens, Kunais, Kama, Kusari-Kama, Jitte, Sai, Ninja-to ou então uma Fuuma-Shuriken?

Ele ponhou uma serie de armas, de varios tamanhos e formas em cima do balcão, mas a mais assustadora era a Fuuma. A arma perecia uma hélice de avião, a lamina era totalmente preta, cada uma das laminas tinham 1 metro e seu centro tinha uma serie de escritas indecifráveis. Mas ela ainda estava estranhando algo, de era da cabana que vinha o cheiro, onde estava a comida?    

-Hã moço... de onde esta vindo esse cheiro?

-Ah, é da cabana ao meu lado.

-Que cabana?

de repente, uma tenda de seda vermelha aparece ao lado de ambos os dois. Diferente de outras, esta não tinha remendos ou qualquer defeito, era parecida com uma casa que sempre fazia em sua infância: cedas nos lados, uma triangular no topo e uma porta de cor diferente das outras partes que era vermelhas, essa era azul escuro. Quando ela sente o mesmo cheiro de antes mas desta vez mais forte. então porque ela não sentiu esse mesmo cheiro antes?

-Beleza, eu quero muito...OLHAR DENTRO!!!

(autor): PERA!!! PEGA AS ARMAS DESSE GANÇO PELO MENOS DROGA.

-Calma moço, eu vou pega-las. O ganço, quanto custa todas ao todo?

-Bem... por ser uma menina meia perdida, pode ficar com todas!!!

-Valeu!!!

-Mas pode me dizer: onde mora?

-Bem... eu morro com Finn e Jake.

-Ooooohhhh, que maravilha!!! Pode mandar um abraço para ambos?

-Posso.

Assim que falou aquilo, pegou todas as coisas em cima do balcão menos a Shuriken Fuuma pois tinha algo estranho na quela arma, e depois entrou na misteriosa casa de seda. Assim que entrou, viu que o lugar era maior do que as outras cabanas a volta. O lugar era como usa casa normal: uma mesa pequena, uma cama, uma prateleira cheia de livros, uma geladeira ainda funcionando, e uma pequena tv em frente de um sofá de madeira lisa. Ela logo foi pegar um dos livros na prateleira mas logo ouviu uma voz de alguém atrás dela.

-Não sabe bater na porta?-falou uma voz logo atras dela.

Ela logo se vira e vê o mesmo: era um homem alto usando um manto marrom sem mostrar seu rosto. Instintivamente, pega uma de suas Kunais novas e lança contra o mesmo. Mas ele logo a para em pleno ar. Sem dar muitas ameaças ele fala.

-Nunca vi em toda minha minha vida, uma pessoa visitar minha casa, tocar em minhas coisas e tentar me matar-falava enquanto olhava para a Kunai que estava em mãos e logo vai devolvendo para a mesma-cuidado, são poucos que conseguem lutar seu estilo com uma só Kunai.

-Como sabe do meu estilo?-pergunta surpresa. Ate os dias de hoje, poucos são os que sabem do seu estilo de luta. Ela logo a pega e se afasta do mesmo em posição de ataque. Mas o mesmo nem reagiu a tal ameaça e só a encarrou com o rosto encapuzado. por fim ele tira o capuz e demonstra seu rosto revelando o ser encapuzado e após velo, sentiu como se tivesse quase furado um quadro de um pintor.

seus traços em definidos, tinha cabelos negros como carvão, pele tinha cor morena o seus olhos eram âmbar, tinha traços perfeitos como se tivessem sido feitos em um quadro-um quadro que nunca soube o que é envelhecer. Logo depois disse:

-Esta bem, tirei a capa. Pode tirar uma foto ou sei lá o que você quiser fazer para se lembrar desse rosto-falava em quanto sentava em sua cadeira- oh Pomppeia, esta feliz por acaso com isso? Eu estou aqui. Pode por favor se livrar dela daqui?

Ela não estava entendendo nada. Quem é Pomppeia? Onde estava? De que jeito ele esta aqui? Quando ela sente um cheiro de algo-o mesmo cheiro que sentiu na casa. Logo ela vai em busca do cheiro. Mas logo sente uma mão em seu ombro, logo se vira e vê o mesmo homem que estava sentado.

-Opa!!! quando deixei andar pela minha casa? Ate onde eu me lembro, eu disse que podia tirar uma foto e não que podia andar pela minha casa. Pensando bem, deve estar com fome. Eu vou buscar alguma coisa para você comer. 

Fala enquanto entra por uma entrada e pega um pote de cookes e coloca em cima da mesinha da sala. Eram médios, tinham cor branca, e as gotas eram escuras. Como se fossem a verdadeiro chocolate negro. Logo ela pega um deles e prova, logo se lembra dos tempos que vivia com sua mãe, preparando os biscoitos que sempre adorou.

Logo se sentou, ela tentou se manter forte. De todos os lugares aquele era o ultimo lugar que queria chorar. mas logo sente a mesma mão a tocando suas suas bochechas e diz com um olhar doce em seus olhos, diferente dos outros olhares, esse conseguia ser a unica coisa humana em todo o lugar que passou, até demais.

-Eu sei que isso é difícil, suportar a dor de estar sozinha, de estar sem ninguém ao seu lado e estar vagando nesse mundo. Mas é necessário estar com força para continuar em pé-falava com os olhos âmbar, firmes e fortes. Como se fossem pedras, paradas pelos anos e mesmo que levasse anos para cair uma pedra só, eles estariam lá.

-Falar é fácil, quero ver encarrar isso de cara dura-falava enquanto baixava a cabeça.

-Eu sempre encarrei isso a mais tempo que você.

-Como?

-...eu...

antes que pudesse falar algo, um dos livros sai voando pelos ares e logo se abre. Logo se abre, revelando um homem. Tinha bigode baixo, tinha barba em torno do rosto e sua testa era a maior que ela já vira. Usava camisa preta com argolas brancas pelo pescoço. Seu olhar era calmo, mas avia um ar mais ameaçador vindo dele.

-Quem é ele?-pergunta Giordana confusa por tudo que ocorreu.

-Shakespeare.-falou o homem encapuzado.

-Willian Shakespeare meu caro.-corrigiu o ser que acabou de sair de dentro do livro-alias, não me lembro de dar a você o direito de me chamar pelo segundo nome.

-Sei la, quem sabe não é porque seu primeiro nome é para pessoas mais "belas"?

-BELAS?!? PAGARAS POR TAL IMPETULANCIA !!!-logo pega um sabre feito de papel e avança contra eles. Logo em seguida eles desviam, logo a espada infinca no chão, dando tempo para Giordana usar uma de suas novas armas:a Kyoketsu-shoge. Tinha apenas uma faca com um gancho para baixo presa por uma corrente leve e com um circulo de ferro junto.

Ela logo joga a faca contra o mesmo, que evita alguns centímetros, distância suficiente para enrolar a faca no pescoço e cravar com o gancho. Ela logo puxa a mesma mas ele percebeu e logo tenta pegar o sabre de papel, mas ela logo lança uma Kunai em sua mão cravando na mesmo. Sem escolhas e perdendo sangue rápido, ele tenta puxar com toda a força. Para um homem como ele tinha uma força sobre-humana logo chegando perto dela. Mas logo ela sente algo em suas costas- algo grande e frio.

logo se lembra da Fuuma-Shuriken em suas costas, sem pensar duas vezes, pega a arma e lança nele logo a cravando em seu peito. Ela jamais matou uma pessoa em sua vida, mas logo ele pega a mesma e tira como se não fosse nada. E olha em seus olhos e fala com uma voz perturbadora

-Menina idiota-fala enquanto seus ossos atravessavam a carne de suas mãos-você esta morta, minha cara.

-Sinto muito, mas ela não vai virar comida de um metamórfico meu caro.- Falava enquanto se erguia uma bola de fogo azul.

-VAI PAGAR POR TER ME PRENDIDO NESSE LIVRO IDIOTA!!!- Falava enquanto tentava atingi-lo, mas ele foi mais rápido e parou o golpe segurando um dos dedos.

-Menina, a partir daqui as coisas estão fora de sua compreensão. Então por favor, saia daqui e rápido.

-Mas eu...- não pode terminar a frase, pois uma lança feita de ossos passou de raspão em suas bochechas. Logo o misterioso homem estava mais diferente do que antes. Seu corpo estava maior, suas mãos estavam vermelhas, tentáculos passavam pelos seus dedos e suas unhas ficaram maiores e cinzentas, seus braços estavam cheios de espinhos vermelhos e suas costas estavam tatuadas com a seguinte frase:

 

NUNCA MAIS O MESMO.

Nem mesmo o suposto Shakespeare estava humano. Seus osso estavam saltados, tinha chifres em sua cabeça, possuía um rabo cheio de espinhos negros e sua face era de uma caveira bode e com olhos vermelhos e sombrios.

-Menina não ouviu? SAIA DAQUI!!!

Logo ela corre para a saída e se vira para a cabana. Mas não avia nada dela, tudo que tinha era apenas uma bandeira, abaixo avia um pote de cookes, o mesmo que ele a deu. Sem saber o que fazer, volta para a casa sem saber como agir com o que acabou de ver, levando com sigo os biscoitos que recebeu dele o mesmo homem que se sacrificou para salvar ela, o mesmo que poderia ter escapado de lá com ela.


Notas Finais


espero que tenham gostado, esse personagem que acabaram de ver não é um personagem que vocês inventaram, é para marcar mesmo na história. No próximo cap sera um especial que vocês podem participar!!! Façam o seguinte:

1.vão para o cap um

2. escolham o personagem que querem perguntar

3. peçam a permissão do dono do personagem para me mandar as perguntas

4. mandem no máximo três perguntas, por favor.


regras:nada de brigas nos comentários por ter feito algo que não queria.

sem perguntas hentai nos desafios.

o novo personagem que apareceu não vai poder ter nenhuma pergunta sinto muito se gostou dele.

para aqueles que não apareceram ainda, esse desafio ocorrera de 12 em 12 caps

espero que gostem e BEIJO BILU!!! DELICIA DE CARA ( ͡° ͜ʖ ͡°)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...