História Horrortale: O Último Assassino - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Undertale
Personagens Alphys, Asgore Dreemurr, Asriel Dreemurr, Chara, Flowey, Mettaton, Napstablook, Papyrus, Personagens Originais, Sans, Toriel, Undyne
Tags Anzo, Horrortale
Exibições 80
Palavras 1.003
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Canibalismo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 3 - Mente Perturbada


Anzo continuou por seu caminho, deixando assim Sans para trás, ele ficou realmente intrigado pela presença do esqueleto, ele queria poder ver ele pedir misericórdia

Anzo: Isso vai ser depois... agora preciso fazer outra coisa.

Anzo abriu um sorriso em seu rosto, ao ver de longe, um outro esqueleto, ele era bem maior do que Sans, usava um uniforme estranho, e tinha um sorriso sociopata em seu rosto, Anzo então chegou perto e disse.

Anzo: E ai esqueleto... você tem alguma relação com aquele esqueleto baixinho que encontrei antes?

???: HUM? WOOWIE! UM HUMANO, OLÁ HUMANO, EU SOU O GRANDE PAPYRUS, FUTURO MEMBRO DA GUARDA REAL.

Anzo: Prazer em conhecê-lo Papyrus... o que é isso ai que você ta segurando?

Papyrus: ISTO, MEU CARO HUMANO, É O MAIS REFINADO ESPAGUETE QUE EXISTE NA ATUALIDADE, GOSTARIA DE PROVAR UM POUCO?

Anzo: Fica pra próxima, tem algo que eu quero confirmar... Até...

Papyrus: ATÉ HUMANO, ESTAREI ESPERANDO POR VOCÊ AQUI!

Anzo: Ele não tem uma alma assassina, mas só de olhar para ele, já da para ver que ele matou alguém, não sei se foi por ingenuidade ou burrice, agora, quero confirmar se isso é verdade, com o tal do Sans.

Quando Anzo voltou para o lugar da onde havia encontrado Sans a primeira vez, ele não estava lá.

Anzo: Que estranho... pensei que esse fosse o emprego dele... melhor eu procurar mais um pouco por ele.

No caminho que seguia, Anzo se sentia sendo observado, quando.

Anzo: Por quanto tempo vocês pretendem se esconder ai?

De repente, dois cachorros, ambos com pedaços do corpo faltando apareceram, eles pareciam estar se beijando, e suas bocas estavam sujas de sangue.

???: Eu sou Dogami...

???: Eu sou Dogaressa...

Anzo: Ok... e o que você querem ?

Dogaressa: Estou cansada de ficar comendo pedaços do meu marido... logo não vai restar nada para mim comer...

Dogami: Estou cansado de ficar comendo pedaços da minha espoca... logo não vai restar nada para mim comer...

Anzo: Que mente perturbada vocês tem... Ainda mais que a daquela mulher cabra...

Neste momento Dogami ataca, mas é morto por um golpe da lamina de Anzo, que diz.

Anzo: Acho que não...

Dogaressa: Como você ousa atacar meu marido, eu sou a única que pode morder e machucar ele!

Nessa hora, Dogaressa pega um machado de duas mãos que estava preso em suas costas.

Dogaressa: Você vai pagar por isso...

Anzo: ...

Dogaressa ataca, e joga seu machado com tudo para cima de Anzo, ele então pega a sua faca e se defende, o atrito causado pelas laminas que se chocaram fazem faíscas caírem pelo chão.

Dogaressa: Deixe eu tirar um pedaço! Um pedaço! Um pedaçoooooooooo!

Anzo: Cale essa boca.

Neste momento, Anzo soltou sua faca, e foi atrás de Dogaressa, quebrando seu pescoço a fazendo cair logo em seguida, e então virando poeira. Anzo foi lá e juntou novamente sua faca.

Anzo: Me desculpe por isso... Espero que não fique brava.

Anzo continuou seu caminho, até chegar em outra barraca, dessa vez, Sans estava lá.

Sans: Ora... olha quem voltou... está pronto para comer o cachorro quente?

Anzo: Conheci Papyrus.

Sans: Hum...?!

Anzo: Não se preocupe, eu não fiz nada a ele... por enquanto.

Um sorriso se abriu no rosto de Anzo.

Sans pegou seu cutelo atrás de si.

Sans: Parece que terei que ficar de olho em você não é? Pivete?

Anzo: Ora... por favor, faça isso... esse Papyrus, ele não tem nenhuma intenção de matar, quem afinal é ele?

Sans soltou o cutelo e disse.

Sans: Ele é meu irmão, ele já matou alguns monstros, nunca foi por querer, é por que na cabeça dele, ele não está fazendo o mal, por isso a maioria dos daqui, nem se metem com ele, isso e também é por causa que sou irmão dele, hehe.

Anzo: Você quer saber de uma coisa? Tive uma brilhante ideia.

Sans começou a meter seus dedos dentro do esqueleto.

Sans: O que está pretendendo fazer?

Anzo: Você descobrirá... Ah, você descobrirá...

Anzo se foi, deixando Sans ali para trás. Anzo voltou até onde estava Papyrus e disse.

Anzo: Deixe-me prova esse espaguete, Papyrus.

Papyrus: ORA, MAS É CLARO HUMANO, SINTA-SE A VONTADE.

Anzo pegou o prato na mão, e começou a comer o espaguete, o gosto era horrível, além de estar gelado, mas Anzo realmente estava com fome, por isso não se importou muito, ele sentiu sua energia voltando para seu corpo. Ele então disse.

Anzo: Impressionante Papyrus, estava muito bom...

Anzo ficou rodeando o corpo de Papyrus.

Papyrus: QUE BOM QUE GOSTOU HUMANO, NÃO TERIA COMO NÃO TER GOSTADO, AFINAL FOI FEITO PELO GRANDE MESTRE CUCA PAPYR-

Neste momento, Papyrus caiu no chão com uma forte dor. Ele então olhou para Anzo, e em sua mão, estava um pedaço da costela de Papyrus.

Anzo: Isso é muito intrigante, ela não virá pó até o dono não morrer mesmo...

Papyrus: HU-HUMANO... O QUE VOCÊ ESTÁ FAZENDO...? O QUE ESSA SENSAÇÃO QUE ESTOU SENTIDO...? É UMA SENSAÇÃO RUIM... ME SINTO MAL.

Anzo: Calma Papyrus... logo essa sensação vai sumir...

Em menos de um instante, Anzo crava a costela na cabeça de Papyrus, que diz.

Papyrus: HUMAN-?

Papyrus logo em seguida vira poeira, deixando apenas sua capa para trás.

Anzo: Vou ficar com isso, acho que vou usar como cachecol.

Anzo então coloca a capa de Papyrus em seu pescoço, quando ele ouve uma voz. Era Sans, ele estava olhando para a capa de Papyrus. Foi quando ele disse.

Sans: Me devolva...

Anzo: O que? Eu não escutei direito... pode repetir?

Sans: Me devolva meu irmão...

Anzo: Ah! Está falando da capa?

Anzo abriu um sorriso cruel em seu rosto e disse.

Anzo: VENHA BUSCAR!

Sans: Você vai ter um dia ruim...

Neste momento, Sans some diante dos olhos de Anzo, que então olha para baixo e diz.

Anzo: Não pode ser pior do que os dias que já passei...

Nessa hora, Anzo continua seu caminho, ele passa por uma placa, que está escrito.

*Bem vindo a Snowdin*



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...