História Hostage Of Fear - JiKook - Capítulo 23


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Bangtan Boys, Bts, Jeon Jungkook, Jikook, Jimin, Jungkook, Kookmin, Park Jimin, Yaoi
Visualizações 274
Palavras 2.359
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Lemon, Mistério, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


AVISO: Capítulo contendo Smut / Lemon... Se não gostar deste tipo de conteúdo, sugiro que não leia...

Boa Leitura!!! <3

Capítulo 23 - 22 - Relax, Baby!


Fanfic / Fanfiction Hostage Of Fear - JiKook - Capítulo 23 - 22 - Relax, Baby!

“Doce alma, sinto seu toque, sinto seu desejo, sinto seu beijo, eles vêem com o vento como se fossem pétalas, tocando minha pele.”

Jimin P.O.V’s

     Depois do jantar, a única coisa que me veio à mente foi algo que queria há semanas, e com toda certeza sei que iria fazer Jungkook se acalmar um pouco, Talvez melhor que a inúmeras terapias. Deixei o mesmo sentado na cama, e entrei no banheiro do quarto, largando minhas roupas pelo chão. Despejei algumas essências na banheira, e deixei a mesma enchendo com água morna. Assim que retornei ao quarto, percebi os olhos do menor cravados em meu corpo.

     -Vai ficar parado aí ou toma banho comigo? –Estendi uma das mãos, e deixei um sorriso malicioso que passou despercebido pelo mesmo, estava muito concentrado em meu abdômen. –A banheira está cheia, vamos.

     O garoto me acompanhou sem questionar, assim que entramos retirei minha boxer, tirando as roupas do mais novo logo em seguida. Entrei primeiro na banheira, e assim que o mesmo se sentou, o puxei de encontro ao meu corpo, tive que segurar um gemido assim que sua pele entrou em contato com a minha, estava tão necessitado, e somente ele poderia me aliviar. Peguei um pouco de sabonete liquido, e passei levemente por seus ombros, descendo por seu peitoral.

     -Jiminnie. –Sua voz saiu como um sussurro, uma suplica.

     -Apenas relaxe, Baby. –Falei com uma voz rouca ao seu ouvido, então o garoto tremeu em meus braços, quase como uma permissão para seguir com meus atos. –Se vire para mim, hum.

     Não precisei dizer novamente, o garoto se sentou, passando as pernas por minha cintura. A água morna apenas serviu para nos atiçar ainda mais, então sem esperar muito, ataquei seus lábios em um beijo urgente. Como aqueles lábios finos me entorpeciam, Jeon é a droga pela qual estou viciado, e não quero cura. Baixei meus lábios para seu pescoço, deixando uma leve marca em sua pele branca, ouvi o garoto arfar, e se aconchegar ainda mais ao meu corpo.

     As mãos de Jungkook desceram por meu peitoral, parando na lateral de meu corpo, ainda parecia envergonhado em tentar algo, deveria ser encorajado, e eu queria seu toque, queria sentir suas ações sobre meu corpo, o quanto o mesmo me desejava. Encarei o mais novo por alguns instantes, suas bochechas avermelhadas, os lábios levemente inchados, desviando o olhar para não se fixar aos meus. Segurei seu queixo, e deixei um pequeno selar.

     -Hyung, não fique me encarando. –Jeon escondeu o rosto em meu pescoço, me fazendo dar uma leve risada.

     -Baby, se estiver desconfortável podemos parar. –O abracei de forma carinhosa, Jungkook é mesmo adorável. –Mesmo que eu não queira, mas respeito voc...

     -Eu não quero parar Jiminnie, eu só... –O mais novo pareceu ter coragem para me encarar. –Só não sei direito o que fazer. –O rubro voltou ás suas bochechas.

     -Apenas continue tocando, faça o que vier a sua cabeça. –Falei próximo ao seu ouvido. –Qualquer toque que venha de suas mãos, será ótimo para mim.

     O puxei para outro beijo, então senti suas mãos arranharem a base de minha coluna. Apertei levemente as coxas do moreno, e o mesmo se remexeu em resposta, acordando ainda mais meu membro. Arfei o prendendo em meus braços, então o garoto aproveitou para tomar um pouco de iniciativa, levou ambas as mãos ao meu membro, me fazendo perder de vez a sanidade. Seus movimentos de cima a baixo me faziam enlouquecer, algo que somente o toque de suas mãos poderia proporcionar, mesmo sendo inexperiente, Jeon estava me proporcionando uma onda de prazer que não senti nem em nossa primeira vez.

     -Kook, para... Por Favor, para. –Sabia que estava quase alcançando meu máximo, mas não queira isso antes de satisfazê-lo.

     -Fica quieto, Hyung. –O mais novo me calou com um beijo, fiquei surpreso por sua ousadia, então senti seus movimentos ficarem ainda mais intensos.

     -Ko-Kookie... Isso... –Não consegui mais segurar, liberei meu orgasmo, sujando as mãos do mais novo, Jungkook aproveitou para selar nossos lábios.

     Ainda entre o beijo, e tentando recobrar minha respiração, ergui o corpo do mais novo, o colocando sentado na borda da banheira. Percebi que o garoto também estava necessitado e antes que o mesmo dissesse algo, desci os beijos por seu peitoral, dando alguns chupões para provocá-los ainda mais. Seus músculos tremeram, e o garoto arfou seu apoiando na parede gelada. Desci minhas mãos até seu membro, enquanto descia com os beijos, fazia movimentos leves.

     -Baby, quero escutar seus gemidos, hum... –Aproximei nossos lábios, sussurrando entre eles. –Não os contenha, ninguém pode nos ouvir aqui. –Selei novamente nossos lábios, antes de descê-los para o que realmente interessava.

     Jungkook segurou em meus cabelos, os puxando levemente, pude sentir todo o prazer que estava passando ao mesmo. Seus gemidos saiam de forma rouca e sôfrega, estava amando as sensações que causava ao mais novo. Segurei firmemente em suas coxas um pouco fartas, o corpo do mesmo já estava totalmente recuperado de tudo que passou, um pouco melhor posicionado, intensifiquei os movimentos ainda mais, sentido os músculos de seu corpo se tencionarem, ele estava próximo de atingir seu máximo.

     -Jiminnie eu não vou agüentar. –Sua respiração ficou ainda mais ofegante. Pequenas gotas escorriam por sua testa.

     -Não se segure. –Falei voltando ao que estava fazendo antes.

     Não demorou para que Jeon chegasse ao seu limite chamando por meu nome. O puxei para meu colo novamente, voltando a sentar dentro da água. Trocamos um beijo ainda mais quente, Jungkook levou ambas as mãos até minhas costas, deixando marcas de suas unhas para todos os lados. Estava a fim de partir para o que me interessava, então puxei seu rosto entre as mãos.

     -Pronto? –Perguntei vendo sua expressão assumir um pouco de medo.

     -Jiminnie, vai doer como da primeira vez? –Sua pergunta fazia sentido, sua primeira experiência havia sido comigo, nada mais justo ter algumas duvidas, na verdade aquilo o deixava ainda mais fofo.

     -Talvez, mas prometo ir com cuidado. –Selei os lábios do mesmo, erguendo seu corpo levemente.

     O garoto arfou quando finalmente o preenchi, senti suas unhas cravarem meus ombros, ele ainda sentia um pouco de dor, mas logo passaria, dando lugar a um prazer incrível. Esperei que o mesmo desse o primeiro movimento, só assim saberia que estava preparado, então menos de um minuto depois, o garoto mexeu levemente sobre meu colo, me arrancando um gemido completamente arrastado.

     Suas mãos circularam meu pescoço, aproveitei para me aproximar, e deixar mais algumas marcas em sua pele clara, enquanto me enterrava de maneira necessitada em seu corpo. Tinha medo de perder o controle, Jeon ainda não estava acostumado a coisas mais intensas, e não estava a fim de assustá-lo. O garoto fez um movimento em meu membro que me fez o encarar com duvida, se não fosse eu quem tivesse tirado sua inocência, diria que ele era mais experiente que muita gente por aí.

     -Gostei disso, onde aprendeu? –Suas bochechas atingiram tons avermelhados. –Me deixa adivinhar.

     -Jiminnie! –Senti sua respiração em meu pescoço, e o mesmo se mexeu mais uma vez, me arrancando um gemido manhoso.

     -Qual site Taehyung te indicou? –O mesmo se apertou ainda mais de vergonha. –Aquele moleque é uma péssima influência. –Gargalhei puxando o rosto do menor. –Pode continuar, eu adorei.

     -Palhaço. –Jeon disse um pouco mais descontraído.

     Nos beijamos mais uma vez, aproveitei para aumentar ainda mais a velocidade e a força de meus movimento, estava chegando próximo e Jungkook não estava diferente, seus gemidos manhosos e arrastados o entregavam. Suas unhas arranhavam a parte de trás de meu pescoço, suas pernas circularam minha cintura, então passei meus braços pela base de sua coluna o puxando ainda mais para meu corpo.

     O garoto começou a gemer de forma mais sôfrega, e seus músculos se apertavam ainda mais. Mordi seu lábio inferior, e afundei ainda mais dentro de seu corpo, vendo o mesmo dar um leve grito, havia atingido o lugar correto, mais umas estocadas ali, e finalmente ele iria se entregar a segunda vez naquela noite. Aumentei a velocidade, sua respiração se perdeu como a minha, rocei nossos lábios o provocando ainda mais, e quando finalmente desci as mãos para sua bunda, o garoto se entregou de vez.

     -Ji-Jiminnie... Hum... –Sua voz, arrastada ao pé do meu ouvido, juntamente com sua respiração próxima a minha face, contribuíram para meu clímax.

     -Oh Baby... Você... é... –Rocei novamente nossos lábios. –Você é incrível.

     Continuamos abraçados por um bom período, não queria soltá-lo, Jeon parecia cansado depois do dia corrido, e o que fizemos nos deixou exaustos. Me retirei de dentro do mesmo, mas o garoto ainda continuou com a cabeça em meu ombro. Deixei pequenos selares em seu pescoço, e sua respiração foi acalmando aos poucos. Quando finalmente puxei seu rosto, Jungkook estava com uma expressão sonolenta, me arrancou um leve sorriso, o mais novo me deixava como um bobo apaixonado.

     -Vamos terminar o banho no chuveiro, precisa descansar. –Me levantei, puxando o mesmo comigo.

     O garoto não questionou, apenas me seguiu até o chuveiro, primeiro me ensaboei, depois fiz o mesmo com Jeon. Me enrolei em uma toalha, enquanto o mais novo optou pelo roupão. Assim que voltamos para o quarto, percebi que o clima estava um pouco frio, a janela ainda estava aberta. Deixei Jungkook vestindo roupas enquanto fui à cozinha buscar algo para comermos. Voltei minutos depois com alguns sanduíches naturais e um suco de laranja, o encontrei sentado sobre a cama, encarando a tela do celular.

     -Jungkook, o que foi? –Me aproximei, deixando a bandeja sobre o criado mudo.

     O garoto me entregou o telefone, uma mensagem estava na tela, e com o número desconhecido, desnecessário, já que sabíamos de quem se tratava.

“Hoseok escapou, é bom saber que terei que atirar em uma pessoa duas vezes, mas saiba que ele não é o único próximo, Jeon. Todos que você ama, irão morrer, um a um, e tudo por sua culpa.”

     -Baby! –Chamei o mesmo, mas o garoto estava sentado no chão, encostado na cama, abraçado aos joelhos. –Jeon!

     Me sentei ao lado de Jungkook, o garoto estava em choque, com os olhos abertos, mas nenhuma lágrima descia. Com medo que o surto voltasse a se repetir, o puxei para meu colo, o aninhando como uma criança. Assim que o mesmo sentiu meus braços, deixou suas lágrimas caírem, enquanto puxava levemente minha blusa. Beijei o cabelo do mesmo, passando as mãos por suas costas.

     -Ei! Não acredite nisso, esse cretino quer perturbar você. –Seus olhos se prenderam aos meus, pareci que senti sua dor neste momento.

     -Eu não agüento mais isso, Jiminnie. –Suas lágrimas pingaram em minhas mãos.

     -Eu prometi te ajudar e vou cumprir minha promessa. –Voltei a segurar novamente seu rosto.

    -Excessos de promessas só servem para piorar o que já estava ruim. Se não for cumprir, por favor, não prometa. –Ele estava magoado, mas ainda não entendia o motivo de estar falando daquela forma.

     -Estou fazendo o possível, ok? Me desculpe, mas não sou o dono do mundo para resolver tudo em um estalar de dedos. –O coloquei novamente no chão, me levantando com certa raiva.

     Jeon permaneceu no local, triste e confuso ao mesmo tempo, antes de sair dei uma última olhada para o garoto, segurei minha magoa e me retirei do quarto batendo a porta. Fui para o local que possivelmente me acalmaria, entrei em meu escritório, me atirando sobre a poltrona de couro, enquanto o Whisky descia queimando minha garganta. Dr. Byun, disse que o mais novo poderia ter momento onde perderia o controle do que saía de sua mente, e possivelmente quando fosse pressionado o bastante, só não esperava que sua magoa fosse descontada em mim.

     Fechei meus olhos, tentando organizar tudo que havia em minha mente, todos os acontecimentos, ligando os fatos aos suspeitos, agora que Hoseok estava fora de perigo, terá de ser interrogado, assim poderemos começar a prender os culpados. Espero que tudo não passe de ilusão, pois quando tudo parece se acertar, as coisas desandam novamente. Alguém é capturado, ou sofre um atentado, tudo me escapa por entre os dedos, ainda bem que Nana apareceu para ajudar.

     Ouvi leves batidas na porta, mas permaneci em silencio. Sabia que senhora Haneul não estava em casa, então só poderia ser Jungkook, meu orgulho ferido me fez ficar quieto. As batidas cessaram, e no minuto seguinte ouvi passos pelo corredor, meu coração se apertou ao imaginá-lo chorando por ignorá-lo, então me levantei, e caminhei de volta ao meu quarto, para minha surpresa ele não estava lá. Fui até o quarto da frente, mas o garoto também não estava, então ouvi a porta da sala bater.

      Cheguei no corredor, vendo o elevador se fechar devagar, corri pelas escadas, deveria dar tempo de alcançá-lo, maldita hora que dei folga aos policiais que ficavam de guarda. Assim que atravessei a porta que dava acesso ao térreo, vi o mesmo passar pela porta do elevador, então corri e o prendi em meus braços.

     -Baby, desculpe. –Deixei uma lágrima rolar. –Desculpe, não queria brigar com você.

      -Esse é o único jeito de dar fim a tudo isso, Jiminnie. –Ele dizia chorando. –Me deixa ir, Por favor.

      -Ir lá para fora é o que eles querem, isso é suicídio. –Gritei com o mesmo, por sorte nem o porteiro se encontrava no local.

      -Hyung, que luz vermelha é essa apontada para cá? –Foi apenas o tempo de abraçá-lo e nos atirar para um canto protegido.

     Uma bala acertou uma estrutura de mármore, abrindo um buraco na pedra. Jeon tremeu em meus braços, completamente assustado com tudo aquilo, e foi como imaginei, enquanto não estiverem presos, não teremos paz. O puxei depressa para o elevador, e ouvi mais um disparo, não demorou para chegarmos ao meu apartamento, tranquei a porta, o puxando de volta para o quarto.

     -Viu por que não pode sair lá? –Ele concordou com a cabeça. –Está tudo bem?

     Analisei seu corpo, em seu rosto havia um pequeno arranhão pela queda, assim que constatei estar tudo bem, o abracei novamente.

     -Confia em mim. –Jeon confirmou novamente. –Relaxa, Baby. –Selei nossos lábios para acamá-lo, depois o apertei em um abraço. –Vai ficar tudo bem.


Notas Finais


Bom, esse é o primeiro Smut que escrevi, então não sei se ficou bom...

Beijos e até o próximo capítulo!!! <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...