História House of Cards - Capítulo 25


Escrita por: ~

Postado
Categorias IKON
Personagens B.I, Bobby
Tags Bobby, Hanbin, Ikon, Jinyoung, Jiwon, Júnior
Exibições 31
Palavras 2.050
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Hentai, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá PESSUUUAL

Capítulo 25 - XXV


Krystal

- Que bela manhã não é mesmo?- SeungJun entrou gritando e eu dei um pulo da cadeira.

- Quieto vai acordar o menino- falei cruzando os braços e virando para o lado da parede na cadeira.

- Ele está aqui?

- Eu queria falar com você sobre isso. Até fiquei te esperando, mas você não veio ontem- disse ainda de olhos fechados.

- Você ficou me esperando?- senti ele se agachar na minha frente colocando as mãos em meus joelhos- Aqui sentada nessa cadeira fria? Se fosse pra me esperar sentada aqui pegava a minha cadeira que é estofada.

- Eu não pensei que você só iria chegar no dia seguinte- falei e abri os olhos.

- Minha mãe só deixou minhas irmãs irem embora, quando ela ficou cansada demais para bajular seus maridos- SeungJun disse encostando a cabeça em minha coxa.

- Virei travesseiro agora?- falei dando um tapa na cabeça dele.

- Você tem dois lados opostos- ele tirou a cabeça- Uma hora você é fofa e doce, noutra hora é chata e grossa.

- Tá, que seja- levantei passando por ele.

- Porque você não levou o HyunYeol de volta?- ele disse parando ao lado da criança dormindo.

- Por que - olhei para o pequeno dormindo, na maior serenidade- Vamos comprar algo para ele comer, quando acordar e no caminho eu te conto.

- Depois de ontem, você ainda quer andar pelo reino?

- Nós precisamos comer- falei mexendo no cabelo- E eu tenho certeza que você não consegue escolher frutas.

- Escolher eu sei, só não sei se vai estar boa- ele falou rindo.

- SeungJun para de enrolar e vamos logo- falei saindo na porta.

- Calma eu só estou feliz- ele disse se pondo ao meu lado.

- Porque a delegacia é tão vazia?

- Não tem ninguém para prender, por isso, também não tem guardas para me acompanhar. Todos eles ficam no castelo. Na delegacia eu só fico para passar mais tempo com os plebeus.

- E no castelo você não pode passar tempo com os plebeus?

- Minha mãe não deixa meros plebeus entrarem no castelo, ao não ser que um filho homem se case. Ela é muito rígida em questão do castelo.

- A minha mãe, a rainha Jung, deixa o castelo aberto quatro dias da semana. Tipo se ela acordar de bom humor, ela os manda abrirem as portas e os portões.

- Nossa que legal então você se dava bem com os habitantes do seu reino?

- Sim, eu adorava todo dia pelo reino- disse avaliando as maçãs.

- Duas, por favor- SeungJun pediu para o vendedor.

- Porque duas?- perguntei pegando o saco.

- Pedi apenas duas, para caso você queira mais- ele olhou para cima- Eu irei ter um pretexto para andar com você.

- SeungJun- falei seu nome em forma de "cala a boca"- Dois cachos, por favor- falei escolhendo os cachos de uva.

- Você está usando o seu extinto maternal.

- Estou com saudades de Haesol, deve ser por isso- avistei um padeiro- Pode comprar pães?

- Sim- ele disse e fomos andando na direção dos pães, que estavam com um cheiro maravilhoso- Esse e esse- ele disse apontando para a os pães.

- Podemos passar ali?- disse apontando para a loja da mãe de Jinyoung.

SeungJun não falou nada só me acompanhou até lá.

- Senhora Park?- disse ao entrar no ambiente cheio de tecidos diferentes.

- Posso lhe ajudar? - ela disse, mas não me olhou.

- Essa cor vai ficar boa com esse laço- disse apontando para o laço lilás.

- Krystal!- ela disse mais assustada que surpresa.

- Não vai me dar um abraço?

- Claro- ela disse e depois me apertou em um abraço de urso- Pensei que estava morta garota.

- Vaso ruim não quebra- falei dando um beijo na testa dela- Como está Jinyoung? Ele vem aqui frequentemente?

- Você não sabe?- ela disse olhando para o chão e eu me desesperei.

- Aconteceu alguma coisa com ele?- meus olhos já começaram a arder.

- Eu sinto a falta dele- ela pegou em minhas mãos. Pronto minhas lágrimas rolaram por minhas bochechas.

- Eunha- respirei fundo- Me diz o que aconteceu com ele.

- Ele foi chamado por um famoso alfaiate, coisa boa para ele, então ela o deixou ir.

- Você me assustou- sentei no chão ainda chorando.

- Krystal, levanta- SeungJun disse me puxando pelos ombros.

- Oh!- ela percebeu a presença dele- 5° príncipe- ela fez o comprimento mal.

- Você quase me matou do coração!

- Você quase matou todos ao seu redor do coração. Como você me some desse jeito? E ainda me aparece do nada no reino Park.

- Eu sei que posso confiar na senhora, você é minha tia.

- E você acha que eu não vou falar para sua mãe que esta aqui?

- Você não vai contar- falei segurando em suas mãos- Por favor.

- Você não sabe o quanto ela está sofrendo por sua causa. A dor de ter um filho de ti é imensa, estou vivendo isso agora, porém, eu sei onde ele está.

- Tia...

- A sua mãe está em uma situação pior que a minha, aposto que ela chora e pedi para que ache você viva em dia.

- Só me da um tempinho? Por favor?

- O Jinyoung ficou tão chateado quando você sumiu.

- E você acha que eu estou feliz por ele estar longe daqui?

- Krystal é diferente.

-Pensando bem se ele estivesse aqui você não iria ver ele do mesmo jeito- SeungJun disse baixo e eu o olhei- Não falei nada.

- Eunha eu vou indo- falei e ela pegou uma fita preta.

- Esse vestido é muito bonito para estar sem uma fita- ela disse me virando para amarrar em minha cintura.

- Foi Jinyoung que o fez.

-Por isso é tão bonito- ela falou sorrindo.

- HyunYeol deve ter acordado já- SeungJun disse me dando o braço para segurar.

- Você quer mesmo sair andando pelo reino com a mulher que você prendeu?- falei dando um tapa no braço dele.

- Eu iria levar os sacos para você, não quero mais.

- Você deveria levar o peso por uma princesa, príncipe Park- Eunha disse voltando sua atenção para o vestido em que estava mexendo quando chegamos.

- Ela não é nem uma dama- ele saiu andando.

- Nos vemos depois- falei saindo de lá.

- Como ela é sua tia?- SeungJun perguntou depois de termos andando em silêncio.

- Ela era uma Jung até se casar com um o senhor Park.

- Quem é o marido dela?

- Ele é um transportador de mercadoria do reino Park.

- Eu sei quem ele é, o senhor Jinyoung é um cara legal. Ela me deixava ir com ele escondido em reinos vizinhos.

- Sobre HyunYeol- lembrei o motivo de termos saído da delegacia- Ele mora com o tio, e esse tio não é bom com ele, tem como ficarmos com ele por um tempo?

- Como assim não é bom com ele?

- Ele o usa para ganhar dinheiro e depois gastar em bares.

- Nossa.

- HyunYeol?- perguntei abrindo a porta.

- Aqui- ele falou sentado em cima da mesa com uma caneta em mãos e o tinteiro ao seu lado quase caindo.

- O que está aprontando?- disse colocando as coisas no chão.

- Eu não vi você quando acordei- ele pegou o papel mostrando os números repetidos- Então comecei a fazer os números para não se esquecer de nenhum.

- Aprendeu a ordem?- SeungJun perguntou e HyunYeol o olhou feio- Que foi?

- A tia dormiu no frio sentada te esperando.

- HyunYeol fica quieto- falei pegando ele em minha costas.

- Ela não dormiu na cama porque você estava na cama- SeungJun falou e eu dei um tapa na cabeça dele.

- Como ousa...

- Bater na cabeça de um príncipe?- falei levando as frutas ainda com HyunYeol nas costas- Você prendeu uma princesa por desacato.

- Princesa?- HyunYeol perguntou e eu apenas concordei com a cabeça- Que legal estou de cavalinho em uma princesa.

- Não exagera HyunYeol, os únicos que sabem que eu sou uma princesa aqui é o SeungJun e a senhora Eunha.

- Se vocês se casarem- HyunYeol disse me apertando com os pés- Me deixa viver com vocês? Assim terei pai e mãe da família Real.

- HyunYeol- desci ele colocando as frutas junto aos pães na mesa- Eu não tenho nada com o senhor Park e sou casada.

- Eu só queria ter pais novamente- ele disse colocando uma uva na boca.

- E o que é preciso para ser seus pais?- me sentei comendo com ele.

- HyunYeol levanta um pouquinho- SeungJun pediu ao lado da cadeira. Depois sentou colocando a criança em seu colo.

- Eu só queria alguém que pudesse cuidar de mim.

- E se eu tivesse um casal de pais que iriam te amar bastante- falei mordendo um pão.

- Eu iria ficar muito feliz- HyunYeol recebeu um pedaço de maçã cortada por SeungJun.

- Mesmo se fossem dois homens?- perguntei e SeungJun me olhou assustado.

- O importante é nos gostarmos e que sejamos uma família- HyunYeol disse comendo mais uma uva- Eu amo uva, como você sabia?

- Eu não sabia- falei sorrindo- E se eu ti levasse para conhecer eles amanhã, você realmente iria?

- Sério? É claro que sim!

Comemos e SeungJun me ajudou a tirar as coisas da mesa.

- Eu quero brincar- HyunYeol disse pulando na cama.

- Para de pular na cama- SeungJun disse sentado em sua cadeira de pernas cruzadas olhando para HyunYeol.

- Faz o que ele está pedindo- falei sentando na cama ao lado do pequeno ser que estava pulando.

- Agora eu posso te chamar de tia?- HyunYeol perguntou de pé ao meu lado.

- Sim. Eu provavelmente serei sua tia- falei e ele me abraçou se pendurando em meu pescoço.

- E você- ele disse olhando para SeungJun.

- Me chame como quiser- SeungJun disse descruzando as pernas e levantando.

- Vou te chamar de o alto bonito- HyunYeol falou o fazendo rir.

- Mas porquê o alto bonito?- SeungJun parou em frente a cama e HyunYeol deitou a cabeça em meu colo.

- Foi assim que ela disse de você no dia em que a conheci- HyunYeol disse e sorrindo e SeungJun começou a fazer cócega nele.

Em toda aquela cena deles brincando eu só sabia rir e tomar cuidado para que o pequeno não batesse a cabeça.

- SeungJun- alguém o chamou fazendo parar.

- Que?- o homem alto que brincava com a criança a poucos segundos atrás, respondeu andando até a porta.

- Vamos atacar ele?- perguntei para HyunYeol que recuperava o ar.

- Vamos!

Andamos nas pontas dos pés até o ver conversando com dois homens.

- Agora!- gritei e nós dois começamos a fazer cócegas no Park até ele cair no chão com uma risada extremamente estranha.

- Parem- ele tentava falar entre o riso- Vai ter volta- ele disse depois que paramos.

- Que cena de casal fofa. Vocês cheiram a Gardênia que acabaram de se abrir no inicio de uma bela primavera- ouvi e vi ser JungSoo.

- Senhorita você novamente.

- O nossos cumprimentos aos príncipes- disse fazendo o cumprimento real e arqueando um pouco as costas de HyunYeol.

-Você se conhecem?- SeungJun perguntou olhando para Kyung.

- Eu a vi quando estava procurando por Hanbin no dia do festival.

- Ah- SeungJun colocou a mão no queixo.

- JungSoo não fale de nós como se fossemos um casal- falei e ele riu.

- Mas vocês parecem.

- Está vendo? Eu falei que vocês pareciam- HyunYeol disse e eu dei tapinha fraco na cabeça dele.

- E quem é ele?- Kyung perguntou se aproximando dele.

- Meu sobrinho- falei e HyunYeol se escondeu atrás de mim.

- Não precisa ter medo- Kyung se abaixou ficando da mesma altura de o pequeno.

- É que você é estranho- HyunYeol falou e Kyung riu.

- Eu sei disso.

-Vamos deixar vocês a sós- falei pegando na mão de HyunYeol e saindo de lá.

- A onde vamos?

- Vamos falar com uma pessoa.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...