História House of Cards (Hiatus indeterminado) '-' - Capítulo 8


Escrita por: ~ e ~Laura_Karolina

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Bangtanboys, Bts, Jikook, Namjin, Taeyoonseok, Vhope
Visualizações 13
Palavras 1.322
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Lemon, Romance e Novela, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oiiiiii...
Desculpem pela demora do cap...
Leiam as notas finais!!!

Capítulo 8 - Coreia, chegue!!!!!


Fanfic / Fanfiction House of Cards (Hiatus indeterminado) '-' - Capítulo 8 - Coreia, chegue!!!!!

Depois de uma viagem completamente cansativa, que as únicas coisas que eu realmente fazia eram, conversar, dormir e comer, o piloto avisa que tínhamos chego finalmente, na hora do desembarque o meu nervosismo aumentara numa proporção gigantesca, logo após pegar minhas malas e caminhar para o saguão, ouço alguém me gritar.

 

- MIIIIIIIIIAAAAAAA!- assim que olho para trás vejo meu melhor amigo segurando uma plaquinha com meu nome, e logicamente sai correndo em sua direção como uma louca, me deixa to a muito tempo sem poder abracá-lo, pulei em seus braços e ele prontamente me segurou para que não caíssemos, a saudade era tão grande que eu nem me importaria se isso ocorre-se, o mesmo começou a me girar no ar enquanto riamos de alegria, foram dois longos anos longe dele e agora finalmente estávamos juntos de novo como sempre foi.

 

- Ahhh, que saudade que eu estava de você pequena! Muita saudade. - disse enquanto me colocava no chão e pegava uma de minhas malas sem que eu tivesse tempo de contrariá-lo.

 

- Eu também estava morrendo de saudades suas, não aguentava mais ficar longe de você.

 

- Nem eu. Temos tantas coisas para fazer, não vejo a hora de poder te mostrar a cidade, aqui e lindo, principalmente a noite. Vamos, preciso te ajudar a chegar ao seu apartamento. - disse enquanto seguia para o estacionamento do aeroporto – Vamos sim, estou cansada e morrendo de fome.

 

Entramos em seu carro, muito bonito por sinal, depois de algum tempo chegamos em meu novo apartamento, e olha que prédio lindo, logo assim que cheguei fui falar com o dono para pegar as chaves, Luizinho me ajudou a subir com as malas, e o convidei para que ele ficasse comigo e o mesmo aceitou logo de cara, o elevador abriu as portas nos mostrando logo m corredor imenso e com poucas portas, percebi que era o meu andar, e caminhei ate a porta da minha nova casa, quando abri a porta eu não poderia acreditar no que estava vendo, minha boca se abe num perfeito “O”, ele era mais bonito do que nas fotos que meus pais me mostraram, e com todos os moveis ali deixava ele ainda mais bonito, colocamos as malas na sala, e resolvemos pedir uma pizza já que a fome neste momento era gigante, pedimos e eu claro, fui explorar aquele apartamento, dois quartos que eram enormes pra falar a verdade, mas como um era suíte joguei minhas malas em cima da cama do mesmo, dois banheiros muito espaçosos, uma cozinha tao perfeita e fofa que eu não teria coragem de bagunçá-la (ate que a fome batesse de verdade), e a sala era incrível, toda a casa mantinha tons claros mas os moveis e a decoração acabavam melhorando, eu sabia que o que tinha escolhido era bonito mas WOAL estava muito melhor que bonito, tava incrível.

Acabei ouvindo a porta sendo trancada, e imaginei que a pizza tinha chego, depois reparo nos detalhes, agora eu só quero comer, sentamos na sala e liguei a televisão para que pudéssemos ver algo, mas acabou que conversamos mais do que vimos TV na verdade. Descobri que ele agora estava dando aula na mesma academia na qual eu estava, e torcia mentalmente para que eu fosse da sala dele, ele ainda era assistente de um dos professores, mas, mesmo assim, eu preferia ficar na dele, passaram longas horas, e ele precisou ir em casa se trocar, pois, disse que hoje me levaria para conhecer as baladas de Seul, e eu não recusaria um convite desses não é mesmo.

Luizinho me mandou uma mensagem, avisando que me buscaria as 21 h, sendo que já era 19 h, e eu precisava pelo menos arrumar minhas roupas no guarda-roupa… Nunca corri tanto em toda minha vida mas, assim que deu oito horas estava tudo mais ou menos em seu devido lugar, demorei para tomar banho, já que ainda estou meio morta da viagem, mas nada que uma água gelada não resolva. Não sei como, mas assim que fiquei pronta eram nove horas em ponto e meu melhor amigo me ligou avisando que havia chego, me levou para uma balada que ele dizia ser a melhor de todas, antes de chegarmos, já estava dando para ouvir a música alta, quando chegamos na porta do local tinha uma fila enorme.

 

- É hoje está cheio… Vamos entrar logo.- disse já me puxando para porta.

- Hey, olha a fila, a gente não pode fazer isso.- eu já estava esperando alguém da fila começar a gritar com a gente.- Vão bater na gente, não faz isso.

- Ahhh relaxa e vem logo, ok? Não vai acontecer nada e se acontecer a gente corre.- aquilo era para me acalmar? Por que se foi, não ajudou em nada mas, antes que eu pudesse dizer algo, ele me puxou para o início da fila, falou algo no ouvido do segurança que eu não consegui ouvir bem, e o mesmo logo abriu passagem para que a gente entrasse. OK isso foi bem estranho…

- O que disse para ele?- eu estou realmente achando que irão nos agredir aqui, por aquilo, mas sua resposta veio num tom brincalhão que me acalmou.

- Nada de importante Miazita… Vamos dançar?- com uma pergunta dessas e obvio que eu não recusaria, assenti quase que imediatamente e ele apenas conseguiu rir da provável cara de extrema animação que eu estava fazendo, e me puxou para o meio da pista…

 

Dançar, sim era disso que eu estava precisando para relaxar naquele momento, eu não sou muito a favor de encher a cara em baladas assim, não que eu não goste, mas, prefiro fazer isso num lugar que eu sei que não vão tentar me assediar, só que neste momento eu só pensava em me divertir com meu melhor amigo, então que se dane se terei uma puta ressaca, só sei que hoje eu não irei me limitar, estávamos no centro da pista a muito tempo, e como nos sabemos dançar muito bem, para ser honesta, muitos olhares estavam sendo direcionados a nos dois, não que a gente se importasse, e por eu ser estrangeira ai mesmo que as pessoas olhavam mesmo. Decidimos sentar um pouco em um dos bancos que ficavam espalhados pelo local, nesse momento pude reparar que muitas mulheres e homens também não paravam de olhar para meu amigo, se eu disser que nunca tive interesse no Luizinho eu contaria uma grande mentira, e só olhar para ele que você sente vontade de beijá-lo, não que já não tenhamos feito isso também, mas isso já passou eramos mais novos e também estávamos bêbados, o que rendeu muitas risadas da parte dos dois, sempre que o outro se sentia carente ou mal, a gente se “ajudava”, sim e exatamente isso, quando a gente ficava carente a gente transava, pois tínhamos em mente que nenhum de nos seria filha da puta, e também não ficaria um clima ruim, então não fazia mal nenhum ter uma foda casual com ele.

Depois que conversamos sobre coisas completamente idiotas, começamos a nos encarar de uma maneira um tanto “estranha”, se e que posso considerá-la assim, não sei se era o efeito da bebida ou eu estava ficando maluca, mas estava tendo uma puta tensão sexual, e eu não era a única a notar isso, já que a calça que um certo alguém usava era um tanto quanto justa, vamos dizer assim pra não falar que ele estava com uma puta ereção no meio das pernas, ok aquilo abalou um pouco a minha calma… Havíamos decidido ir para casa só que como estávamos bêbados, não pensei que ele fosse dirigir, não que eu me arrependa, pois, assim que entrei no carro ele atacou a minha boca, como seu eu fosse seu doce favorito, e eu logo correspondi ao beijo.

 

 

Bom, algo me diz que hoje vai ser mias um desses dias de carência.

 

 


Notas Finais


Então gente, gostaria de saber se estão gostando, caso se interessem farei um grupo no WhatsApp, que quiser e só me chamar nesse número. Telefone Removido) Jeovanna
No grupo atualizarei vocês dos dias das postagens, e de quando os capítulos estiverem prontos, e claro falaremos muito sobre nossos meninos <3
Quem quiser e só chamar que vou colocar…
Amo vocês.
<3 <3 <3 <3 <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...