História SuperStar (ChanBaek) - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Kris Wu, Lu Han, Sehun, Tao, Xiumin
Tags Chanbaek, Ellafiction, Kaisoo, Vkook
Exibições 1.655
Palavras 3.278
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Crossover, Festa, Lemon, Musical (Songfic), Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Eu disse que iria postar só no domingo mas eu tô ansiosa para saber o que vocês acham. Por favor, me digam.
Espalhem para os amiguinhos! Amo vocês ❤

Capítulo 1 - One!


Fanfic / Fanfiction SuperStar (ChanBaek) - Capítulo 1 - One!

Eu estive aqui a noite toda

Eu estive aqui o dia todo

 E garoto, você me deixou de pernas bambas


Se tinha alguém nesse mundo, que gostava de procrastinar a vida, esse alguém, com toda certeza, era eu.

Procrastinar os amigos, relacionamentos, futura carreira/faculdade e até mesmo os compromissos de família.

Minha mãe, desde muito cedo, já teve que me criar sozinha, junto com Yoora, minha irmã mais nova. Creio que ela tinha onze anos na época que meu pai resolveu sumir e eu, quatorze.

Graças ao meu pai, que, bom, nunca deu valor à família que tinha, eu era um adolescente confuso. E as vezes, quando minha mãe estava brava, ela dizia que eu só poderia ser um Park mesmo...

Tinha dois melhores amigos: Kyungsoo e Jongin. Nos conhecemos aos meus sete anos e desde então, não nos separamos mais.

A grande merda mesmo, aconteceu quando Kyungsoo, de um jeito bem meigo, disse que ele e Jongin estavam namorando.

Me tranquei durante uma semana no quarto, afinal, eu tinha um crush pelo Kim.

Não que eu fosse um amigo fura-olho, longe disso, mas nunca entendi muito bem o que Kai viu em D.O.

Kyungsoo era o cara mais estranho que eu já conheci em toda a minha vida; um tanto quanto agressivo também. O que não tinha de tamanho, ele tinha de raiva do universo.

Já Kai era totalmente o contrá

Todo mundo tem um "amigo do zodíaco" e o meu, era o Jongin. Tudo o que acontecia em sua vida, era culpa do universo ou porque as estrelas não estavam bem alinhadas. Nunca entendi direito quando ele fugiu de mim dizendo que eu tinha ascendente em Áries.

O castanho fugiu de mim como o diabo foge da cruz.

Além de toda essa palhaçada, ele gostava de meditar e posições novas do Kama Sutra.

Os opostos devem se atrair mesmo pois Kyungsoo revirava os olhos toda vez que via o namorado aplaudir o pôr do sol ou acender um incenso.

E eu, bom, eu era apenas um carinha alto demais nascido no interior. Não que isso me incomodasse, jamais, mas assim que me mudei para Seul, as pessoas tiravam sarro do meu sotaque, então fui obrigado a muda-lo.

Minha mãe dizia que eu era infantil por sonhar em ser uma estrela do pop.

Tudo bem, poderia ser um sonho idiota, mas era o meu sonho idiota. E ainda bem que meus amigos me apoiavam, talvez nem tanto.

— Porra, Chany, a gente te deu um mês pra você escrever uma música e você não fez nada que preste. — Kyungsoo jogou a pasta de músicas na minha cara.

Como sempre, um amor de pessoa.

— Eu não tenho culpa se minha inspiração resolveu sumir, tudo bem? — grito de volta, me levantando.

— Olha aqui, você não grita comigo, não...

Outro fato sobre Do Kyungsoo, ele era barraqueiro. Qualquer suspiro era motivo para briga, tanto que ele já foi expulso de dois colégios por dizer que ia arrastar a alma da professora para o inferno.

E eu não duvidava disso, não.

— Ah, gente, por que vocês estão brigando? É só uma música. Em breve as estrelas vão se alinhar e o Chany vai conseguir escrever algo. — Jongin apareceu na sala com uma camisa branca que ia até seus joelhos.

— Me dêem mais alguns dias, eu vou conseguir, por favor... — pedi.

Kyungsoo puxou o namorado pelo braço até a pequena varanda e começou a me xingar. Kai sussurrou algumas palavras para o Diabo e apontou para mim, Kyungsoo sorriu malicioso e concordou com um movimento de cabeça.

— Tudo bem, Chany, você tem duas semanas. Agradeça ao Kai por isso. — Do disse de braços cruzados.

Bem que eu queria agradecer com uns beijos naquela boca, mas infelizmente, eu não podia. Deus me livre de Kyungsoo descobrir as coisas que eu pensava do namorado dele, ele me enterraria vivo.

— Vocês não vão se arrepender. — sorri confiante.

Mas a verdade, era que eu não estava nem um pouco confiante. Sabia que se decepcionasse os garotos, eles me chutariam da banda que estávamos tentando montar.

Passamos o resto da noite daquele mesmo jeito, pedimos uma pizza e ficamos assistindo uns filmes de terror que D.O tinha. E no final do dia, os dois subiam para um quarto e eu ficava no sofá encarando a janela que me dava medo, até subir a coberta para a minha cabeça e pegar no sono.

Eu realmente preciso de um namorado!

—X—

Abri meus olhos com a típica discussão de sábado, que eu ouvia sempre que dormia lá. O fato mesmo era que aqueles dois discutiam por tudo, até mesmo pelo café da manhã, já que Kai gostava de uma comida caseira e Kyungsoo preferia McDonald's.

No final, eles apenas tomavam um café e comiam um ao outro.

Revirei os meus olhos, me levantando e pegando as minhas coisas. Como sempre, eles só percebiam que eu não estava lá quando voltassem à sala e não me vissem mais.

Peguei a chave do carro e saí de lá o mais rápido que pude. Novamente dizendo, os opostos deveriam mesmo se atrair.

Então se os opostos se atraem, que o cupido acerte alguém rico, bonito, famoso e baixinho.

Amém!

— ChanYeol, por que saiu com o meu carro? — fui recebido pela minha mãe assim que abri a porta de casa, Yoora estava no sofá, vendo alguma coisa sobre o ídolo dela.

— Eu sempre saio com o seu carro na sexta, mãe. — entreguei as chaves para a mulher.

— Você precisa urgentemente de um carro, sabia? — ela falou brava, puxando de leve a minha orelha.

— Saber, eu sei, o problema agora é comprar. — resmunguei de dor e logo fui para a cozinha, ouvindo minha mãe gritar para Yoora ir comer.

— Sua irmã está obcecada por aquele loiro. — minha mãe disse ao se sentar na cadeira.

Puxei o bolo para mim, tirando uma fatia e deixando num pequeno prato, fazendo o mesmo para a Yoora.

Eu sei fui um bom oppa para ela; até Yoora se meter nesse mundo de k-pop, especificamente, em um loirinho desgraçado que eu não fazia questão de saber pronunciar o nome.

— Tira o celular dela, ué. — disse de boca cheia.

Omma apenas me olhou de um jeito engraçado antes de Yoora chegar cantando alguma música do loiro.

—" E nessa tarde, o cantor Byun BaekHyun chegou ao aeroporto de Seul, sendo muito bem recebido pelas fãs. O Byun que estava em turnê, volta para a cidade natal para gravar o próximo álbum de nome ainda não revelado...

— Ele não é um amor? — Yoora disse após um longo suspiro.

— Essas garotas pagam o salário dele, o mínimo que ele deve ser é um amor. — revirei os meus olhos.

— Para de ser invejoso, ChanYeol. — bateu em minha mão. — Eu já posso imaginar nós dois nos casando na praia...

Me engasguei com o suco no mesmo momento, começando a rir da ilusão de Yoora.

— Não seja estúpida, garota, ele nem sabe que você existe. — retruquei seu olhar maldoso.

— É claro que sabe, ele já me respondeu no Twitter e eu curto todas as fotos dele. — arqueou as sobrancelhas.

— Com certeza, ele quer casar com você e adotar vinte e quatro mil gatos. — me levantei. — Eu tenho mais o que fazer do que ouvir gente iludida, com licença.

Fui para o meu quarto, não podia negar que eu tinha raiva daquele loiro idiota. Peguei meu violão e o dedilhei, procurando por alguma melodia que eu ainda não consegui encontrar.

Eu queria mesmo saber para onde foi toda a minha inspiração para escrever as músicas da banda. Elas eram tão boas, afinal.

Suspiro cansado, deixando essa história de música pra lá, como Jongin mesmo disse, uma hora a inspiração voltaria.

Tomara!

—X—

Quando eu disse que Yoora era mesmo uma iludida, eu não estava brincando.

Três dias se passaram desde a nossa pequena discussão, e isso, fez com que ela não parasse de falar o nome daquele maldito só para me deixar bravo.

— Por favor, ChanYeol, me leve à premiação, eu só quero ver o Baek de perto, é rapidinho, eu prometo. — Yoora implorava pela minha atenção, que até então, tentava conversar com os meus amigos no meu Lolzinho.

— E o que eu tenho a ver com o que você quer ou deixa de querer, Yoora? — perguntei, tentando enxergar a tela do computador, ja que ela estava na frente.

— Por favor, Chany. Eu faço o que você quiser...

Olhei sugestivo para a mais nova, que levantou as sobrancelhas com uma feição sapeca demais.

— Consegue ficar um mês sem falar daquele Bacon? — perguntei e ela revirou os olhos.

— É BaekHyun!

— Já perdeu, não te levo mais para lugar algum. — respondi.

A garota bufou e bateu o pé no chão com força.

— Tá, tudo bem, eu faço. Por favor, Chany. — fez biquinho e eu revirei os olhos.

Estava andando tanto com Kyungsoo que peguei essa mania infernal.

— Você tem um hora pra ficar pronta. — falei sem olhar para ela.

A garota deu um berro e beijou minha bochecha, dizendo que eu era o melhor irmão do mundo.

Talvez eu fosse mesmo!

As vezes eu sentia falta de como eu e Yoora éramos grudados antes do traste do meu pai ir embora e nos deixar para trás.

Mas depois, tudo começou a desandar e vivemos discutindo.

[28/09/16 17:23] Chayneol:
Se eu dizer que vou à premiação do loiro insuportável, vocês vão acreditar?
[28/09/16 17:34] Satanás:
OMO!
[28/09/16 17:34] Satanás:
Quanto você cobrou a sua irmã? 
[28/09/16 17:36] Kai:
Eu cobraria um preço bem alto.
[28/09/16 17:40] Chanyeol:
Nada é melhor do que o silêncio dela, caras.

Deixei o celular de lado e comecei a me arrumar. Não fazia questão de ir tão bem vestido, afinal, a chance de alguém me ver naquele mar de adolescente, era -3, então eu não desperdiçaria minha maquiagem cara à toa.

Coloquei uma blusa do Cobain e uma calça jeans surrada.

— 'Tá pronta, pirralha? — gritei

A garota logo entrou correndo no quarto, usando a blusa com o rosto do ídolo e algumas frases nas costas; uma saia preta e converse da mesma cor.

Não evitei de rir antes de puxa-la para fora, me despedi da minha mãe, mesmo sabendo que por dentro ela estava rindo da minha desgraça.

Vi a pirralha pegar algo dentro da bolsa e enfiar no rádio, era um CD. Quem comprava CD em pleno século XXI?

— Call Me Baby! — a garota cantou e eu suspirei, ele ia mesmo me fazer ouvir aquele cara? Ia! — A voz dele é tão linda!— berrou.

— Maravilhosa...— ironizei.

Passei quase meia hora ouvindo aquele cara cantando. Mais um método de tortura adicionado à lista, entre todos eles estavam:

  - Me fazer lavar a louça no frio.
  - Brigar comigo quando estou bêbado.
  - Deixar Yoora berrar por causa do Bacon.
  - Me fazer ouvir as músicas do Bacon.
  - Me fazer ouvir as músicas do Bacon com a Yoora cantando junto.

  Eu realmente era um anjo enviado do céu.

Yoora tinha que agradecer por não ser irmã do Kyungsoo, afinal, se fosse, ele já tinha sequestrado esse cara e arrastado a alma dele para o inferno.

Chegamos ao lugar da tal premiação e eu já podia ouvir gritos escandalosos de adolescentes mimadas.

Estacionei o carro e logo vi Yoora saltar do mesmo, correndo para longe de mim. E eu era sedentário demais para correr atrás.

— Yoora! — gritei, mas ela não me ouviu e continuou a fugir. — Merda!

Tentei alcançar a garota, mas logo me vi no meio de diversas adolescentes escandalosas berrando, lightsticks e tímpanos sendo corrompidos.

Dei alguns passos para trás e busquei o celular nos bolsos e adivinhem a minha infelicidade: sem sinal!

Cacete!

Cacete!

Cacete!

Caminhei com o celular para cima, tentando procurar sinal. Só faltei subir em algum carro pois o resto eu já havia feito.

— BaekHyun, volte já aqui, os paparazzis já vão aparecer e você tem que ficar comigo. — ouvi uma voz feminina falar.

Espera, BaekHyun?

— Me deixe, Taeyeon. — o homem que deveria ser BaekHyun, reclamou. — Por que você quer sempre aparecer comigo?

— Por que você é o meu namorado e todos precisam ver como ficamos bem juntos.

Ri baixinho antes de voltar minha atenção para o celular.

Famosos são tão cretinos, nem sabia muito bem porquê queria me tornar um.

Eu não encontrava sinal em lugar nenhum, mas que merda. Caminhei mais um pouco até trombar com alguém.

— Me desculpa, eu não estava prestando atenção e... — olhei para baixo, vendo aquele serzinho loiro que infernizava a minha vida há dois anos.

— Me desculpe também eu estava pensativo e não te vi. — sorriu.

Eu estava com uma cara tão patética que ele riu de mim.

— Tudo bem, não se desespere, só não grite o meu nome, por favor, eu posso te dar um autógrafo se quiser. — puxou uma caneta no bolso da calça.

Dessa vez, quem riu foi eu.

— Eu não sou um fã, cara. — falei calmo. — Fiquei assim porque descobri que você é o cara que a minha irmã gosta e ela inferniza a minha vida há dois anos por sua causa.

O sorriso do loiro morreu ali mesmo e ele deu de ombros, olhando para trás por alguns segundos e eu logo segui seu olhar, vendo uma movimentação estranha.

— Ah, que merda, paparazzis. — xingou. — Me ajude a sair daqui, por favor.

Eu até iria contestar, mas o baixinho pegou a minha mão e começou a correr. Eu até reclamaria dele estar me puxando sabe-se lá pra onde, mas novamente, eu era sedentário demais para qualquer coisa.

Inclusive reclamar.

O vento frio batia contra nós dois e isso arrancava algumas risadas do mesmo. Paramos no estacionamento, onde ele soltou a minha mão.

Olhou para os lados, mas creio eu que seu tamanho era pequeno demais para não ver algumas garotas com o seu nome num pedaço de cartolina, que ja iam passar por nós.

Merda!

O puxei pela cintura, deixando seu rosto em meu peito e o abracei, apoiando minha testa em seu ombro.

Vi as garotas passarem por nós dando pequenos gritinhos e eu as olhei com aquela cara de estou abraçando o seu ídolo, queridinha.

Assim que elas passaram, eu o soltei e ele sorriu tímido, deixando as bochechas ficarem coradas.

Que graça... Espera, o que?!

— Muito obrigado, você me salvou. — disse ofegante pela corrida, acredito eu.

Eu até poderia dizer que foi ele quem me arrastou até aquele lugar, mas preferi ficar quieto.

— Eu posso fazer algo por você? — disse. Juro que vi um sorriso um tanto quanto malicioso assim que aquelas palavras foram ditas.

— Não se preocupe, cara. Eu faria isso por qualquer outra pessoa. — disse já pronto para voltar a procurar sinal, quando ele me estende um papel.

O olhei confuso.

— É o meu número, caso precise de algo, é só me ligar. — puxei o papel, ainda confuso, e o enfiei no bolso. — Pode não publica-lo, por favor? Esse é o meu terceiro número em menos de um mês.

Ri sem graça e assenti com a cabeça.

— Não acha estranho dar o seu número para alguém que nem conhece? — perguntei tímido.

O que estava acontecendo comigo?

— Acho, mas eu costumo ser grato pelas coisas que as pessoas fazem por mim e se isso significa que vamos nos ver novamente, eu daria meu número para você quantas vezes fosse necessário.

Ele me deu um abracinho e foi embora.

Assim, sem mais nem menos, me deixando com a maior cara de otário em um estacionamento, pensando o quanto que o seu perfume era bom e brigando comigo mesmo para saber o porquê de eu estar tão gay naquela noite.

Voltei para o carro em silêncio, mesmo sabendo que a minha mente estava um caos.

Bati a porta e encostei a cabeça na janela, rindo de mim mesmo pela minha total ilusão. Puxei o papel do bolso, salvando o número do estorvo como Bacon.

Eu não gostava de Bacon e nem do BaekHyun, ótimo, bela combinação.

Abri o aplicativo de conversas, logo enviando uma pequena mensagem:

[28/09/16 20:54] ChanYeol:
Satisfeito?

Passei pouco mais de uma hora dentro do carro, tirei um cochilo e acordei com Yoora abrindo a porta com força.

— Oh meu Deus, ele estava tão bonito e feliz. A insuportável da namorada dele não estava lá e acho que é por isso que ele estava tão radiante. — e como sempre, Yoora era uma matraca.

— Eu não vou entrar no assunto de você ter fugido então apenas cale-se e vamos embora daqui. — falei antes de colocar o cinto e ligar o carro.

Claro que eu não ia falar para Yoora que eu tinha o número de BaekHyun, muito menos que tínhamos fugido de paparazzis e nos abraçado no estacionamento.

O perfume do baixinho ainda estava na minha blusa, provando que eu realmente não estava enlouquecendo.

Assim que cheguei em casa, estacionei na garagem e vi Yoora se aproximar enquanto eu abria a porta de entrada.

— Ei, obrigada por hoje. Você é o melhor irmão de todos. — me deu um beijo na bochecha e passou pela porta que eu já tinha aberto.

Eu realmente estava muito gay naquela noite.

Entrei na cozinha, vendo uma caixa de pizza ali, sozinha.

Olhei para os lados e puxei a caixa para mim correndo até o meu quarto, fechei a porta e me joguei na cama, me deliciando daquela pizza maravilhosa que agora era toda minha.

Puxei o meu celular, vendo algumas mensagens ali e dentre elas, a de BaekHyun.

Só não esperei que um simples gesto de educação, iria me fazer sorrir a noite toda.

[29/09/16 00:07] Bacon:
Sim :)

[29/09/16 00:08] ChanYeol:
Que bom :)

[ 29/09/16 00:08] Bacon:
Eu não estava brincando quando disse que iria te agradecer, então se tiver algo que eu possa fazer por você, me diga.

[29/09/16 00:12] ChanYeol:
Se quiser me ajudar a ser um cantor profissional, ganhar muito dinheiro e ter três mansões, eu agradeceria.

[29/09/16 00:13] Bacon:
Hahaha, e por que quer ser famoso? Isso é um sonho tão inútil :\

[29/09/16 00:16] ChanYeol:
Você tem tudo o que quer, cara. E eu só quero ser reconhecido.

[29/09/16 00:16]  ChanYeol:
Não pode sair por aí dizendo que o sonho das outras pessoas são inúteis.

[29/09/16 00:18] Bacon:
Tem razão,me desculpe :\

[29/09/16 00:19] Bacon:
Mas se você quiser, eu posso te ajudar com isso. Também preciso de uma música nova, podemos nos ajudar.

[29/09/16 00:23] ChanYeol:
Hahahaha eu estava brincando, cara.

[29/09/16 00:25] Bacon:
Mas eu não, realmente posso te ajudar se quiser. Mande-me seu endereço, começaremos amanhã mesmo.

Senti meu corpo se arrepiar, ri por isso e o enviei o endereço

[29/09/16 00:36] Bacon:
Tudo bem, amanhã meu motorista vai te buscar ao meio dia, assim que eu sair de casa.

[29/09/16 00:37] ChanYeol:
Se você vai sair de casa, para que vai me chamar?

[29/09/16 00:41] Bacon:
Vamos para o meu estúdio, cara, não seja burro.

Senti meu rosto esquentar por tamanha estupidez.

[29/09/16 00:43] ChanYeol:
Oh, entendido. Meu nome é Chan Yeol caso queria saber :)

[29/09/16 00:45] Bacon:
Tudo bem, Yeolly, nos vemos amanhã :)

[29/09/16 00:46] ChanYeol:
Até mais, BaekHyun (:

O número 555-0942 alterou o seu nome para Yeolly.



Notas Finais


Twitter: ellafool
Snap: ellafool


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...