História How Deep Is Your Love ? - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Criminal Minds
Personagens Aaron Hotchner, David "Dave" Rossi, Derek Morgan, Dr. Spencer Reid, Emily Prentiss, Jennifer "JJ" Jareau, Penelope Garcia
Tags Criminal Minds, Emily Vancamp, Matthew Gray Gubler
Visualizações 123
Palavras 1.736
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Policial, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Suicídio
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Espero que gostem :)

Ah , e obrigada pelos comentários nos últimos capítulos , eles me dão mais vontade de escrever !

Capítulo 3 - I Need Help


Fanfic / Fanfiction How Deep Is Your Love ? - Capítulo 3 - I Need Help

(eu sei que normalmente passagens no tempo não são muito legais , principalmente quando elas ocorrem no terceiro capítulo da fanfic , mas é por um bem maior , eu prometo) 


HARPEY GARCIA ON 

Se passaram duas semanas desde o jantar e o meu primeiro dia de trabalho . 

A clínica é legal , por mais que eu não tenha ido com a cara de alguns funcionários . Porém , tem alguns que são legais , como o Matt . 

Ele também acabou de terminar a fácil de psicologia , então temos , literalmente , o mesmo nível de experiência . 

Também fazem duas semanas que eu não vejo minha irmã e o resto da equipe de super-heróis da UAC . 

Talvez eu tenha tido uma quedinha repentina por um tal cara chamado Spencer , mas nada mais de uma quedinha repentina . Ele chamou a minha atenção , e normalmente garotos como ele não chamam a minha atenção . 

Todos os 4 namorados que eu tive sempre tiveram um corpo bem definido , porém um cérebro praticamenre vazio . 

Reid , ao contrário deles - até aonde pude perceber - , não tem um corpo escultural, mas seu cérebro é incrível . Tudo o que Pen me contou sobre ele me facinou .

Memória fotográfica , capacidade de ler uma página em poucos segundos ... Incrível , definitivamente incrível . 

Porém , foi só uma quedinha repentina , como eu falei anteriormente . 

— Harpey ? — Ouvi me chamarem , e logo notei que havia mergulhado em meus pensamentos , esquecendo do mundo . 

E esquecendo do fato de que estou no trabalho . 

— Harpey , se a Taylor Swift morena — Matt fala , se referindo a nossa chefe , a dona da clínica — te pega em seus doces devaneios , você estará ferrada . 

— Desculpa , eu só estava ... — pensando na  queda - não tão - momentânea  que eu tive por um dos amigos da minha irmã mais velha — Eu só estava distraída . Obrigada, Matt.  

— Bom , a sua próxima paciente chegou. — Ele fala , encarando a garota morena , de aparentemente 15 anos , que havia acabado de entrar na clínica . 

Logo me toquei de quem ela era , então dei um sorrisinho para Matt e fui falar com ela. 

— Clarissa ? — Perguntei , e ela me olhou com seus olhos verdes — Muito prazer , sou a Harpey . 

— Prazer , Harpey . — Ela falou , e deu um micro sorriso . 

Logo fomos para a minha sala , onde instrui Clarissa a se sentar no confortável sofá de couro preto que se encontra na minha sala . Me sentei na cadeira , também de couro, que se encontrava na frente do sofá . Entre o sofá e a cadeira se encontrava uma mesinha de cento , aonde coloquei duas xícaras de chá . 

— Chá de limão ? — Clarissa  perguntou e eu acenti — É o meu predileto . 

— O meu também . — Falei — Bom Clarissa  ... 

— ... Pode me chamar de Clary . — Ela interrompeu . 

— Ok , Clary — falei dando ênfase no seu apelido — , eu sei que , provavelmente , você faz parte de 90% dos adolescentes que fazem terapia porque os pais obrigam e ... 

— Tem câmeras aqui ? — Ela perguntou , me interrompendo , de novo

— Não , não tem Clarisss  . — Respondi. 

— Ótimo , Harpey , é Harpey né ? — Ela perguntou e eu acenti — Eu preciso de ajuda . 

— Sim , eu sei , é por isso que você está aqui . — Respondi de forma óbvia . 

— Não , não esse tipo de ajuda . Eu não tenho depressão ou qualquer outra coisa semelhante com isso . Eu preciso de ajuda porque estou com medo . — Ela falou . 

— Medo ? Como assim medo , Samantha ? — Perguntei . 

— Nas últimas duas semanas , duas adolescentes da minha idade foram assassinadas aqui em Quantico . Todas elas se assemelham fisicamente e psicologicamente comigo . Todas elas são morenas , olhos verdes , 1.57 de altura , boas alunas , boas filhas ... 

— E como você sabe disso erguntei , curiosa . 

— Elas eram minhas melhores amigas . Elas foram abusadas sexualmente e , depois , esfaqueada . — Clarissa contou , com lágrimas escorrendo pelo seu rosto . — E eu acho que eu sou a próxima . 

— Clarissa , calma , como assim ... — Eu ia começar a falar , mas ela me interrompeu novamente . 

Como essa menina gosta de me interromper , meu Deus ! 

— Eu sei que você é irmã mais nova da Penélope Garcia , que trabalha na UAC . — Ela falou , rapidamente — Por favor , peça para ela falar sobre isso com o resto da equipe da UAC . Eu realmente estou com medo . — Ela falou , enquanto limpava as lágrimas que escorriam pelo seu rosto . — Pedi para minha mãe para fazer terapia com você só por isso . — Explicou . 

— Mas ... Por quê você acha que é a próxima ? — Perguntei , curiosa . 

— Os nomes delas eram Âmbar Michels e Brinley Casstlel . Eu me chamo Clarissa . A , B e C , ordem alfabética , sem constar que elas estudavam no mesmo colégio que eu e eram minhas melhores amigas . 

— Clarissa , eu vou ligar para a sua mãe. — Falei , pegando o telefone . 

— NÃO , não , por favor , não ! — Ela pediu — Se você contar pra ela , ela irá contar para o meu padrasto , e eu ... eu acho que é ele quem matou as meninas. 

— Vou ligar e pedir para você ficar mais uma sessão hoje . Vou ligar para o FBI . — Falei , digitando o número do telefone da mãe dela . 

[...]

Depois de ficar 15 minutos no telefone com a mãe de Cassandra , a convenci deixar a filha ficar por mais algumas horas na clínica. 

Logo depois liguei para a Penélope . 

— Como posso te ajudar , docinho de coco ? — Penélope perguntou , com seu humor habitual . 

— Primeiro , você pode me ajudar parando de me chamar de docinho de coco. — Falei , a fazendo rir — Segundo , vocês estão em algun caso hoje ? 

— Não , estamos no escritório , mas nada. — Ela respondeu — Por quê ? 

— Pen , eu acho que tenho um caso pra vocês . — Falei e ouvi uma gargalhada no outro lado da linha . 

— Você ? Fala sério , Harpey . — Ela falou, e então eu pedi licença para Cassy e sai da minha sala .

— Escuta , Penélope , eu estou com uma paciente que me procurou pedindo ajuda . Um assassino matou as duas melhores amigas dela , e ela acha que ele está seguindo um padrão . E , segundo esse padrão , ela é a próxima . — Falei rápido , sem respirar . 

— Uou , ok. Vou pesquisar sobre . Pode me dizer os nomes das duas vítimas ? — Pen perguntou . 

— Âmbar Michels e Brinley Casstlel . — Respondi . 

Esperei alguns minutos e logo ouvi Penélope falar bem baixinho , provavelmente estava falando consigo mesma . 

— Harpey , me passa o endereço da sua clínica . Vou falar com Hotch e provavelmente vamos ir para a clínica falar com a garota que está aí . — Penélope falou , e assim que eu passei o endereço da clínica e logo Pen desligou a chamada . 

HARPEY GARCIA OFF 

Assim que Garcia desligou a chamada com sua irmã mais nova , foi correndo falar com Hotchner sobre o possível caso . 

Assim que explicou a Aaron o caso , eles se prepararam e , depois de uns 5 minutos , apresentaram o caso para o resto da equipe . 

— Âmbar Michels e Brinley Casstlel , ambas de 15 anos , foram abusadas sexualmente e assassinadas com facadas no último mês . — Garcia explicou — O assassino segue um padrão . Primeiro , Âmbar foi estuprada e depois levou 25 facadas por todo o seu corpo . Duas semanas depois , Brinley também foi estuprada e assassinadas com 25 facadas por todo o corpo . 

— A mesma criminologia ... E ... Uma ordem , ordem alfabética . O assassino mata as vítimas em ordem alfabética . — Spencer falou . 

— Exato , Reid . E se notarem , ambas são bonitas , olhos claros , aproximadamente 1.57 de altura , boas alunas , boas filhas ... — Hotchner disse.  

— Ou seja , ele estuprada e assassinadas garotas bonitas , inteligentes , e ele segue uma ordem alfabética . — Foi a vez de JJ falar . 

— E onde isso aconteceu ? — Perguntou Prentiss . 

— Aqui mesmo em Quantico . Uma garota de 15 anos procurou ajuda na clínica aonde a Harpey trabalha . Ela falou que as duas garotas eram suas melhores amigas , e que segundo o padrão das mortes , ela acha que é a próxima . — Garcia explicou . 

— Prentiss , Rossi , vocês vão falar com os pais das vítimas . Derek , Spencer , vão até a clínica aonde a garota está e conversem com ela , tentem conseguir qualquer tipo de informação . JJ e eu iremos ao necrotério . — Hotchner deu as coordenadas e aí foram a equipe de super-heróis da UAC . 

HARPEY GARCIA ON 

Depois de mais ou menos meia hora , fui informada que dois agentes do FBI estavam na clínica , procurando por mim . 

Chamei Clarisse e fomos até a recepção. 

— Spencer , Derek , que bom que vieram. — Falei sorrindo para os dois . 

— Essa é a garota ? — Derek perguntou e eu acenti . — Qual é o seu nome ? 

— Clarisse , me chamo Clarisse. — Ela respondeu . 

— Bom , Clarisse , podemos fazer algumas perguntas ? 


Notas Finais


Uhul , agora iremos começar com a parte policial da fic . Ok , sei que o Spence não apareceu muito , mas ele irá aparecer mais nos próximos capítulos

E aí , o que acharam da Clarissa ? E da história dela ?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...