História How I Met A Angel !!! - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Got7
Personagens BamBam, Jackson, JB, Jinyoung, Mark, Youngjae, Yugyeom
Tags 2jae, Anjo, Draminha
Visualizações 38
Palavras 2.667
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Homossexualidade, Mutilação
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Postei o mesmo cap duas vezes
hehehehe desculpa
agora sim o cap 4

Capítulo 4 - Iv


Algo estava acontecendo embaixo do meu nariz e eu não tinha tempo para ir a fundo nesse mistério. Fazia mais ou menos um mês que eu encontrava plumas pelos cantos da casa. Achava estranho como sempre pássaros podiam esquecer suas plumas na minha janela, nunca havia passado tanto pássaro por lá. Naquela sexta feira estava disposto a checar o que estava acontecendo.

Saí do trabalho mais cedo e não contei para Jaebum que estava voltando para casa, ele não estaria pois fazia algum tempo que havia arrumado um emprego. Entrei em casa com toda a calma do mundo e fiquei escondido em um ponto da sala. Nos filmes parecia tão mais divertido, ficar observando uma sala vazia não era nada excitante como dizia nos filmes, eu estava me sentindo um idiota isso sim. Cochilei.

Acordei com a chave virando na porta, meu relógio marcava seis horas, o sol do lado de fora estava se pondo naquele momento. Jaebum entrou e jogou sua mochila no sofá, parecia cansado e com dor já que massageava a parte baixa de suas costas, por alguns poucos minutos eu o vi sumir e logo depois aparecei com algo na mão. Eu soube na hora que aquilo era uma tesoura. Ele se sentou perto da sacada mas sem abrir a porta da mesma e tirou sua camiseta.

O que eu vi me fez arregalar os olhos, assim que Jaebum tirou a camiseta eu vi um par de asas cinzaz com as pontas queimadas, ele puxava algumas plumas e fazia cara de dor, quando ele não pode mais arrancar ele as cortou e quando não restava quase nada ele tirou apenas uma pluma que veio molhada de sangue. Sentia as lágrimas rolando em meu rosto e não sabia como agir. Eu não estava assustado por Jaebum ter asas, eu só queria que ele parasse de tirá-las, queria que ele não sentisse dor. Enquanto ele recolhia todas as plumas e verificava se não havia nenhuma eu sai de onde estava e quando me joguei no sofá ele se assustou e me encarou como se houvesse feito algo horrível.

- J... Jae? O que está fazendo aqui?

- Saí do trabalho mais cedo, queria saber o que estava acontecendo, de onde estava saindo aquelas plumas.

As lágrimas caiam devagar e algumas já estavam secas. Jaebum se sentou ao meu lado e eu o abracei no mesmo momento tomando cuidado para não machucá-lo.

- Desculpa, eu não deveria ter te escondido isso.

- Não tem problema Jaebum. Quer me contar desde o começo?

Ele bufou.

- Acho que está na hora.

- Antes, deixe-as respirar. - Tirei os curativos das costas dele e beijei a ferida já cicatrizando. – Deixe que cresçam.

Ele sorriu e segurou minhas mãos.

- Jae, quando vocês humanos nascem, anjos nascem ao mesmo tempo e esses anjos são os encarregados de cuidar de vocês por toda a vida, sem se entrometer em nada claro. Quando você nasceu, eu nasci junto e o meu dever é cuidar de você. Tudo corria bem até começar a se machucar, até eu te ver chorando todas as noites e não poder fazer nada. Eu sabia que como um anjo da guarda eu não podia, nem devia me intrometer em sua vida de jeito nenhum e que se isso acontecesse eu seria expulso do céu, por isso eu passei boa parte da sua vida tentando de dar bençãos. Quando nossos “protegidos” estão tristes, deprimidos, doentes, nós podemos dar bençãos para eles, nós podemos rezar junto com vocês para que a reza tenha mais poder e cause mais efeito, sempre que estava triste, tão triste a ponto de morrer eu que fazia aquelas lembranças boas aparecerem na sua cabeça, eu sussurrava no seu ouvido coisas boas, assim eu sabia que iria repensar e não iria morrer. Eu não podia deixar você morrer. Quando começou a namorar com Mark eu sabia que não iria dar certo. Eu podia ver sua aura e não era coisa boa para você, ainda mais com todos os problemas. Mas eu não podia fazer nada, eu não podia gritar para você dizendo a verdade, muito menos aparecer em sonhos. Eu só podia observar. E por muitos anos eu pensei que eu só cuidava de você por causa do meu trabalho, eu achei que era isso até começar a desenvolver sentimentos mundanos. Eu me vi apaixonado por você e já não era bem visto no céu, por isso passava todos os meus momentos ao seu lado e não te observando do alto como os outros, e foi isso que fez eu conhecer todos os seus mais intimos segredos, saber o horários dos seus remédios, hora do seu médido, eu sei de tudo. Quando acordava no meio da noite para tomar o remédio era eu te lembrando. No dia em que Mark foi embora, foi quando eu te vi pior, acho que ali foi o seu fundo do poço e quando se sentou naquele parapeito pronto para se jogar eu não pensei duas vezes, não pensei nas consequencias, eu só tinha que te salvar. Mas, ao contrário do que deve estar pensando, eu não estava preocupado em ficar preso no céu, é isso que acontece quando nosso “protegido” morre antes de sua missão, eu só não queria que você morresse porque eu estava te amando e eu sabia que se morresse, eu nunca mais iria te ver. Assim que segurei sua mão aquele dia senti meu coração bater como louco, finalmente te tocando, sentindo a textura de sua pele, podendo sentir seu cheiro e eu só inventei a desculpa de ser amigo do Mark porque não saberia como explicar que só estava passando ali. Quando eu apareci para você eu abri mão da minha graça, eu ainda tenho asas mas elas estão escurecendo e quando elas nascerem totalmente escuras eu as perderei para sempre, eu ainda tenho tempo para voltar para o céu e passar por um julgamento que pode ou não me fazer te esquecer para sempre.

O abracei tão forte quando podia.

- Não quero que vá embora. Eu te amo.

- Eu não vou. Nunca.

- Então é por isso que ninguém pode te ver?

- Sim. Por enquanto só você me vê, isso dura até eu decidir ficar ou ir.

- Entendi. Já se decidiu?

- Agora sim. Eu tinha medo de como iria reagir, eu tinha medo que achasse que eu sou uma aberração e me expulsasse, mas já que achou essa a maior prova de amor do mundo. Eu ficarei.

O beijei e passamos a tarde toda conversando sobre como é ser um anjo da guarda, ele me contava dizendo que eu nunca que poderia pensar em contar isso para alguém e eu ria do seu desespero achando que Deus desceria na mesma hora para aprisionar ele para sempre.

 

Daquele dia em diante, mesmo que eu ache que não fosse possível eu e Jaebum estávamos cada vez mais juntos, de vez em quando ele me mostrava coisas que dava para fazer com sua graça. Outras vezes ele me deixava tocar em suas asas que cresciam devagarinho. Elas ainda estavam peguenas, e num tom cinza escuro como se fosse cinzas de algo queimado.

Era mais um dia de trabalho e naquela manhã quando cheguei Mark estava de olhos vermelhos e olheiras enormes.

- O que aconteceu?

- Jackson.

- O que ele fez?

- Não voltou para casa outra vez.

- Como assim, ele sumiu?

- Não. Ele sai daqui e vai sair com os amiguinhos dele e não volta para jantar, nem para dormir e as vezes eu fico três dias ou mais sem vê-lo. Eu estou cansado.

- Eu sei que está. E eu sei que está sentindo como se você fosse substituível por qualquer um, está se sentindo como um pedaço de lixo. Acha que pode ser trocado a qualquer momento e quer fazer de tudo para ele te notar, por isso pintou o cabelo, aliás adorei, vermelho sempre foi sua cor. Chega em casa mais cedo, prepara sua comida preferida e fica esperando ele voltar, liga e ele não atende, quando atende te responde como se não tivesse motivo para ter ligado. Então você joga fora toda a comida e chora se achando um nada. O espera pelo menos para dormir abraçado e ele não aparece. Chega depois que já dormiu e saí antes de acordar. Ai você pensa que não é como antigamente e se pergunta onde errou. Quando se dá conta tudo já fugiu do seu controle e todos estão achando que você é o louco psicótico e que somente ele faz alguma coisa para o relacionamento funcionar. E sabe por que eu sei disso Mark? Porque o que o Jackson está fazendo com você é exatamente a mesma coisa que você fez comigo.

- Me desculpe, se eu pudesse voltar no tempo.

- Você não tem que se desculpar, e nem pode voltar no tempo para refazer, o que foi feito está feito. O único conselho que eu posso te dar é, reze, peça por cura e tudo vai ficar bem. Ficou tudo melhor para mim. E saiba que você não tem que ficar com ele por medo de ficar sozinho. As vezes ficar sozinho é bem melhor.

Mark me abraçou e disse que naquela noite mesmo iria conversar com Jackson, se resolver ou colocar um fim em tudo.

 

- O que estava fazendo conversando com o Mark?

- Ele está acabado e eu estou com pena.

- Você sempre bonzinho não é mesmo Jae?

- Sei lá eu não consigo ver alguém triste e não ficar com vontade de ajudar.

- Admiro isso em você, se fosse comigo provavel que eu nunca mais iria querer olhar para Mark, nem pintado de ouro.

- Eu não consigo, ainda mais porque já estive no mesmo lugar que ele está agora. Eu não quero que ele chegue ao fundo do poço como eu cheguei.

- Bom... Vamos mudar de assunto? Hoje eu vou sair com o Bambam e eu quero que você vá conosco.

- Ficar de vela eu? Jamais.

- Pode levar o seu amigo, namorado invisível.

Sorri.

- Ele não é invisível.

- Opá, não continuou essa frase isso quer dizer que está namorando Jae?

- Bom, acho que sim.

- Estou tão feliz por você. Quando vamos conhecê-lo?

- Logo, eu prometo.

- Mas não me respondeu, vai querer sair conosco ou não?

- Eu vou sim. Faz tempo que não saímos.

O dia de trabalho passou rápido, era uma sexta feira. Liguei para Jaebum falando que eu iria sair com Yugy e lamentando que ele não fosse visível se não poderíamos sair todos nós. Ele lamentou também e disse para eu ficar bem.

 

- E aonde nós vamos?

Yugyeom entrou no carro ao meu lado e deu partida.

- Primeiro vamos buscar o lindo. Depois podemos ver, acho que ele vai levar o primo dele ou algo do tipo.

- Pronto, vou ter que aguentar primo chato a noite inteira.

- Não fala assim, você nem conhece ele.

Demoramos mais que o esperado para chegar na casa de Bambam, Yugyeom como sempre se perdeu e acabou indo parar do outro lado da cidade, sem contar o transito para chegar e ainda se recusava a usar o GPS, quando finalmente chegamos eu queria estrangular ele. Bambam estava parado com uma menina em frente a casa.

- Você não disse que era primo?

- Acho que errei.

Olhei para ele sorrindo. Assim que paramos na frente dos dois, abaxei o vidro e comecei.

- Desculpa pela demora, é que o lindo aqui do lado não tem nenhum senso de direção mesmo. Acho que da próxima vez que dirige sou eu.

Os dois riram e entraram. Troquei de lugar com Bambam e fui para trás com sua prima.

- Bambam esse é o meu melhor amigo, Youngjae. Jae esse é o Bambam finalmente.

- Prazer em conhecer. – Demos as mãos e ele logo olhou para a menina ao meu lado.

- Essa é a Lisa, minha prima. Ela veio passar um tempo aqui.

- Oi Lisa. – Nos cumprimentamos.

- Para onde vamos?

- Eu pensei em sairmos para comer, todo mundo gosta de comer não é?

Lisa rio e concordou.

Fomos a uma nova pizzaria que abriu no centro da cidade, o lugar era agradável. Pedimos duas pizzas, uma napolitana e portuguesa e outra marguerita e muçarela.

Estavamos conversando, rindo e comendo, quando eu e Yugy paramos tudo que estávamos fazendo ao olhar para nossa frente. Jackson estava a algumas mesas mais para frente e estava acompanhado de um outro cara. De longe sabíamos que não era o Mark, meu coração pesou em pensar naquele momento Mark podia estar preparando uma coisa legal para ele.

- Quer parar de encarar, ele vai perceber.

- É para ele perceber. Afinal de contas ele está traindo Mark.

- E Mark te traiu. Ainda não entendo o apresso que tem por ele. Você ainda gosta dele?

- Não, eu não gosto. Ele me fez muito mal, mas como eu disse para ele. Não é porque ele me fez mal que eu vou desejar que tudo dê errado na vida dele.

- Você quem sabe.

Contamos toda a história para Lisa e Bambam e no final eles ficaram ao meu lado, deixando Yugyeom todo sentido.

Eu não fui atá a mesa de Jackson mas quando estávamos indo embora ele nos viu saindo e no mesmo momento se levantou e pediu licença para quem estava com ele. Estavamos entrando no carro quando ele nos chamou.

- Oi vocês dois.

- Oi Jackson. – Respondemos. Ele alisou as mãos e bagunçou os cabelos.

- Eu sei que vocês me viram e eu queria que não contassem nada para o Mark por favor.

Yugyeom já estava nervoso por isso entrou no carro sem responder.

- Jackson, nem eu nem Yugy estamos te seguindo, não estamos nem ai para o que faz da sua vida. Eu só espero que você seja homem o suficiente para contar para Mark que está se envolvendo com outra pessoa e que conte para essa pessoa que tem alguém e não fique escondendo sua aliança por ai. – Jackson estava sem ela naquele momento mas eu sabia que ele usava uma pois vi uma na mão de Mark. – Eu não quero que Mark passe pelo mesmo que eu passei. Eu sei como dói se sentir trocado e por isso não aconselho isso para ninguém. Se o seu medo é que eu conte pode ficar tranquilo, mas eu quero que você seja homem o sufiente e conte. Se não vai dar o amor que ele merece saia da vida dele e deixe que ele seja feliz. Ele não é sua propriedade e não tem que ficar preso a você enquanto você sai por ai todas as noites mentindo que ainda está no trabalho. Passar bem.

Entrei no carro e Yugy deu partida.

- É muita cara de pau dele mesmo vir falar conosco.

- Ele que se resolva com Mark.

Yugy me deixou em casa e eu me despedi de todos indo para o apartamento. Tudo estava quieto e Jaebum dormia na sala, ele tinha uma caixinha vermelha nas mãos e mesmo que eu soubesse o que era eu não queria acordá-lo. Fui tomar banho e quando desci novamente ele estava sentado no sofá me esperando.

- Eu ia te acordar agora para vir para cama.

Ele me abraçou e me deu um selinho.

- Acho que perdi o sono, estou dormindo desde as dez.

- Por que não foi para o quarto?

- Estava te esperando. Queria te dar isso.

Ele me deu a caixinha. Dentro dela havia um par de alianças pratas com detalhes em ouro e eu sorri o abraçando, ele colocou o anel no meu dedo e eu coloquei o outro no seu.

- Agora somos oficialmente um casal.

- Sim.

Subimos e fomos dormir. Eu estava mais feliz do que em qualquer outro momento de minha vida.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...