História How I Survived - Capítulo 23


Escrita por: ~

Postado
Categorias Capitão América, Os Vingadores (The Avengers), Viúva-Negra (Black Widow)
Personagens James Buchanan "Bucky" Barnes, Natasha Romanoff, Personagens Originais
Tags Buckynat, Departamento X, Hq's, Sala Vermelha, Soldado Invernal, Viuva Negra, Winterwidow, Yelena Belova
Visualizações 47
Palavras 1.266
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Científica, Hentai, Luta, Romance e Novela, Sci-Fi, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência
Avisos: Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá, gente texto em Itálico, flashbacks.

Espero que gostem...

Capítulo 23 - Who I Am


Ela não esperava por isso, mas as lembranças chegaram como uma enchurrada em sua mente.

Nikolai, seu antigo namorado, o que tinha engravidado-a quando ela era jovem. A perca de seu filho, a dor o sangue.

Natalia estava delirando em cima da cama, gélida como um iceberg, dura como o mesmo.

Mas por dentro ela estava destruída.

I don’t want to hold your gaze

I’m scared what I might see there

Found myself in this place

And I’m a burning fire

Eu não quero manter seu olhar

Estou com medo do que eu possa ver nele

Encontrei-me neste lugar

E eu sou um fogo ardente

"Nikolai, nao se preocupe, eu confio em você, nosso filho irá crescer, porque eu lutarei por ele."

Mas ela não estava lutando por esse. Se sentia culpada, seu corpo se rasgando por expelir algo precioso e inocente, precioso não, desvalorizado. Ela nunca teve a maldita da escolha.

Não que precisasse, no fundo ela sabia que seu destino era aquele, visto que seria o que viria em uma vida como aquela.

Peace may come

I hope it won’t take long

Just a faith I cannot see

Bring me home

I’m in here all along

Just me and my melody

A paz deverá vir

Eu espero que não demore muito

Apenas uma fé que não consigo enxergar

Me leve para casa

Eu estou aqui dentro o tempo todo

Apenas eu e minha melodia

Ela sobreviveria, lutaria e o irônico é que ela faria aquilo por quem ela já matou. Inclusive seu filho. Natalia soluçou nos sonhos, gritava.

Então imagens de fumaça e neblina passavam por seu rosto, apagando tudo o que não importava.

Então ela se imaginava grávida.

Feliz, livre.

So free me

Oh free me

From this pain I’ve been running from

I’m tired and I’m free falling

Free me

Oh free me

From this shame I’ve been running from

I’m lost and I am calling you

I don’t have a way back down

I'm stepping even further

Take my hand and turn me around

I’m listening to myself

Então me livre

Oh, me livre

Dessa dor que estive fugindo

Estou cansada e desmoronando

Me livre

Oh, me livre

Dessa vergonha que estive fugindo

Estou perdida e chamando por você

Eu não tenho um caminho de volta

Eu estou andando mais além

Pegue minha mão e me rode

Estou me ouvindo

I’m calling you

And though I can’t undo

All the things I put you through

And I can’t take your hand

Admit that I don't have a plan

Only you

Eu estou chamando por você

E por mais que eu não possa desfazer

Todas as coisas que eu fiz você passar

Eu não posso pegar sua mão

Admito que não tenho outro plano

Além de você

Free me

Free me

From this pain I’ve been running from

I’m tired and I’m free falling

Free me

Free me

From this shame I’ve been running from

I’m lost and I am calling you

Free me

I'm lost and I am calling you

Free me

Free me

From this shame I’ve been running from

I’m lost and I am calling you

Me livre

Me livre

Dessa dor que estive fugindo

Estou cansada e desmoronando

Me livre

Me livre

Dessa vergonha que estive fugindo

Estou perdida e chamando por você

Me livre

Estou perdida e chamando por você

Me livre

Me livre

Dessa vergonha que estive fugindo

Estou perdida e chamando por você

"Meu amor estou aqui, te protegerei, ela sorriu rindo olhando a protuberância de sua barriga".

"Natalia, eu te amo".

" Eu também te amo".

Ela gritou, literalmente, escorrendo no próprio suor.

Então....o silêncio.

As vezes a falta de barulho, tem mais importância e força, que o contrário.

***

Natalia levantou a cabeça cansada, com uma dor insuportável no braço, estranhamente ela não sentia nada mais. Levantou-se da maca encarando o Dr. no outro lado da sala, ele estava dormindo, ela suspirou.

A ruiva foi até uma bandeja cheia de bisturis e jogou todos no chão, fazendo um barulho estrondoso. O dr. pulou de susto, logo após ajeitando o óculos, se reemcompondo. Ele se levantou.

- Hora de ir embora.

- Quanto tempo fiquei aqui?

- Ora Natalia apenas um dia e.... - ele conferiu o relógio. - Algumas horas.

- Ok, irei embora, não faço ideia do que tenho que fazer agora.

- Hora dos treinamentos finais, você está preparada.

- Sim, estou.

Natalia estranhou o elogio, aquele doutor nunca foi muito de conversar.

- Bom treinamento.

Natalia saiu porta afora, sem olhar para trás. Não teria tempo de lidar com aquele homem.

Depois que a ruiva saiu, o homem sorriu, Dr. Grigor Pchelinstov era um homem que tinha uma curiosidade aguçada e ele queria ver, até onde a ruiva mentiria. Ela o havia ameaçado, mas isso não muda o fato dela estar dormindo com alguém, ela descobriria quem, usaria isso contra ela e finalmente a teria, aquelas viúvas são muito boas, pensou.

***

Natalia entrou na sala de treinamento com mais energia do que nunca, e também com uma vontade de socar alguém.

Visualizou de longe Yelena e outra menina morena, a última era mais nova e as duas estavam lutando, a menina era menor que a loira mas estava indo muito bem, sempre se desvencilhando dos golpes firmes de Yelena.

A ruiva se aproximou chamando Yelena.

- Vamos lutar?

A loira se abaixou para derrubar a outra com uma rasteira, depois se levantou ofegante.

- Claro Natalia. - ela deu um sorrisinho que Natalia sentiu vontade de arrancá-lo dela.

Natalia atacou primeiro com um chute no abdômen da loira, ela se esquivou surpresa.

- Uau alguém está zangada.

A ruiva ignorou.

- A quanto tempo vocês estão aqui, aonde está o treinador?

Era completamente normal Natalia falar de James assim, ela já estava sentindo sua falta, embora ela odiasse admitir, mentira.

- Bom... - Natalia lançou um soco sobre a ruiva. - Ele saiu mais cedo, disse que o treinamento está quase acabando e que logo logo será apenas uma, a Viúva Negra. - Yelena sorriu com alegria ao citar o codinome. - ela parou, pronta para morrer Natalia?

A ruiva já estava com raiva e mesmo que a provocação fosse algo considerado bobo, Natalia descontou sua raiva na loira, dando lhe um golpe, na barriga lançando ao chão imobilizada, seus braços a enforcando.

- Não Yelena, espero que você esteja. - ele apertou ainda mais o braço, depois a soltando.

Yelena tossiu depois disse:

- Você definitivamente está zangada, a propósito sua aparência está horrível.

- O que faremos hoje?

A loira pareceu surpresa pela pergunta, todos os alunos tinham que saber o horário de cada atividade na sala.

- Você não sabe? Oras... A Madame quer que treinamos novamente fora da sala, seremos alvo de alguém...ou de alguma coisa... não sei ao certo, mas nossa missão é viver. - a loira abriu um sorrisinho. - Eu senti sua falta, aonde você estava?

Natalia não iria dizer que estava doente, nunca.

- Fui chamada para algo especial.

- Obviamente.

***

Natalia entrou em seu quarto exausta, não tinha visto James e nem sabia se ele estaria na sala hoje, então só naquela noite não iria arriscar.

Como seu quarto era escuro, ela não percebeu um envelope no chão.

Franzindo o cenho, ela foi até ele, e com cuidado o abriu. Inicialmente ela não entendeu nada, eram imagens, não radiografias, dela. A ruiva continuou sem entender.

Até que ela leu um bilhete que estava anexado as radiografias.

" Querida Natalia, parabéns!!!!

Você foi mamãe por um dia, espero que tenha aproveitado porque é que temos para hoje, saiba que fiz o que me pediu, mas achei um desperdício jogar isso fora, isso é engraçado visto que eu literalmente joguei-o fora, para que pudesse seguir em frente, eu só quero que me agradeça pelo segredo, ou você vem ate mim até às 01:00 ou esse documento estará na mesa da Madame.

Com MUITO carinho

Dr. Grigor Pchelinstov"

A ruiva já estava chorando, dor, angústia que em algum ponto dela estava escondida fez ela querer morrer, mas tudo o que conseguiu fazer naquele momento foi vomitar, correndo para o banheiro, ela ligou o chuveiro e enquanto a água escorria, ela escorregou até o chão, as lembranças voltando cortadas, arrastadas. Tudo o que ela queria esquecer. Ela havia matado seu filho, ela qieeia esquecê-lo.

Era ela uma infeliz, não, isso era apenas um eufemismo.


Notas Finais


A música que aparece no capítulo se chama Free Me é da linda e maravilhosa Sia :) , se puderem assistir o clipe entenderão, porque eu escolhi essa música, para esse momento da história.

Se puderem leiam a quarta HQ do arco " O nome da rosa" nessa HQ, tem a parte em que a Nat fala sobre seu filho e como ela o perdeu e quem foi Nikolai.

Aqui tem uma parte
https://twitter.com/bucxytalia/status/894605668954583040

Um beijo no core de vcs.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...