História How Long Will I Love You ? - Capítulo 48


Escrita por: ~

Postado
Categorias Calum Worthy, Laura Marano, R5, Raini Rodriguez, Vanessa Marano
Personagens Calum Worthy, Ellington Ratliff, Laura Marano, Personagens Originais, Raini Rodriguez, Riker Lynch, Rocky Lynch, Ross Lynch, Rydel Lynch, Vanessa Marano
Tags Bebê, Caini, Filha, Mamãe, Menina, Papai, Raura, Rinessa, Rydellington
Visualizações 258
Palavras 3.861
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Romance e Novela
Avisos: Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oooie, peoples. Me desculpem a demora, o mesmo problema de sempre. Mas, eu tô de volta. Desculpe-me se eu não tiver respondido todos os comentarios, assim que der, eu irei ver e responder com muito carinho. Espero que gostem desse caps. Eu voltarei em breve, ;). Beijinhos, lindos.

Juro solenemente não fazer nada de bom.

Capítulo 48 - No Way


Fanfic / Fanfiction How Long Will I Love You ? - Capítulo 48 - No Way

                                                                                    Laura Marano

Na manhã seguinte, pouco mais de 11:00 horas da manhã, eu acordei com uma criaturinha se enfiando debaixo dos cobertores e se aconchegando contra o meu corpo. Puxei o cobertor para cima da minha cabeça e abracei Anna, que estava de pijamas, agarrada aos ursinho, ao pano e com a mamadeira nas mãos.

— Oi, minha princesinha. — Disse, pincelando o seu nariz. Ela abriu os olhos e deu um pequeno sorriso, com o bico da mamadeira entre os lábios. — Acordamos tarde hoje, uhn?

— 'Tá flio. — Ela murmurou.

— Está mesmo, por isso nós vamos tomar um banho quentinho e ficar debaixo dos cobertores. — Anna entortou o narizinho. — E não adianta reclamar, baby. — Beijei a ponta de seu nariz e tirei o cobertor de cima de nós, deixei Anna na cama e segui para o meu closet. Peguei peças intimas e um conjunto de moleton cinza confortavel e deixei na cama. Pisquei para Anninha que sorriu, largando a mamadeira em cima da cama, segui para o quarto dela, abri o guarda-roupa, peguei meias, uma fralda, um macacão preto e branco, toalha e o cobertor. Voltei para o meu quarto e larguei as roupas sobre a cama. Despi Anna, em seguida eu, peguei as toalhas e fui para o banheiro. Tomamos banho na ducha mesmo, nos sequei rapidamente e me enfiei em um robe, com Anninha enrolada na toalha.

Vesti Anna rapidamente, para em seguida me vestir. Enrolei minha filha no cobertor, pegamos os ursinhos, o lenço e a mamadeira, seguindo para o andar de baixo. Todos estavam reunidos na sala, com diversos cobertores sobre o tapete felpuldo e cobertos com edredons, eles tomavam chocolate quente, assistindo a um filme de natal.

— Bom dia. — Disse, enfiando-me ao lado de Ross com Anna em meus braços.

— Bom dia. — Disseram.

— Aqui, querida. — Stormie me entregou a caneca de porcela e uma mamadeira cheias de chocolate quente.

— Obrigada. — Agradeci, sorrindo. Ela sorriu, voltando a assistir o filme. Coloquei a mamadeira nas mãos de Anna e beberiquei o chocolate.

Nós passamos o resto da manhã reunidos ali, até os meninos irem preparar o almoço e Stormie surgir com um caderno, rabiscando sobre os presentes natalinos.

— Você já pediu o seu presente para o Papai Noel? — Rydel perguntou para Anna.

— Sabina está me ajudando, tia. — Anninha respondeu.

— É? — Ela assentiu. — Mas você já sabe o que quer? — Voltou a perguntar.

— Sei, sim. — Anna respondeu. Nós todas ficamos atentas precisavamos saber o que Anna queria para agrada-lá.

— E você pode nos contar? — A loira perguntou. Anna balançou a cabeça rapidamente.

— Não precisa, tia. O Papai Noel sabe o que eu quero. — Ela disse, levantando-se e arrastando a barra do cobertor até a cozinha.

— Ei, mocinha. Olha o cobertor. — Disse, indo até ela e a retirando do chão. Segui para cozinha, ajudei os meninos a terminar o almoço e a organizar a mesa, almoçamos. Stormie, Mark, papai, Riker, Elli e  Rocky pegaram o carro e foram para cidade, Vanessa e Raini cozinhavam e Rydel estava dormindo com os bebês ao seu lado. Anna estava ao lado de Ryland que desenrolava as luzes de natal, que seriam colocadas nas arvores do jardim. Sentei-me ao lado de Ross com a agenda em mãos e começamos a rabiscar ideias para os presentes.

— A minha mãe gosta de acessórios. — Ross comentou.

— Certo, então ela ficaria contente com alguma joia? — Indaguei.

— Com certeza. — Afirmou, observando-me rabiscar. Ergui os olhos para Anna que girava perto do sofá com um fio de luz em seu braços e murmurava uma música. 

— Anna disse que Sabrina está ajudando ela com o pedido para o Papai Noel. — Ele fez uma careta.

— Esse presente vai ser dificil. — Ele disse. Estalou o dedo e me olhou. — Posso conversar o Emmett, se a Sab entregar as cartinhas para ele.

— Certo. Torcemos para que entregue. — Disse, voltando a escrever. — A minha irmã gosta de livros, Rydel ama sapatos e Raini produtos de beleza. — Ele assentiu. Coloquei o caderno em seu colo. — Escreve o que seus irmãos gostam. — Pedi.

— Ok. — Ele disse. Olhei para Ryland que tinha Anna sentada em seu colo, nas mãos dela tinha uma verde e ele sussurrava algo para ela. Encarei os dois desconfiados quando minha filha soltou uma risadinha e voltei os olhos para o caderno quando Ross batucou a caneta. — Pronto. Está tudo aqui, podemos sair daqui pouco e começar a comprar, a cidade lota no Natal, e com uma criança pequena é melhor irmos antes.

— Tudo bem. Eu vou me trocar e vestir Anna, então nós saimos.

— Ta legal. — Ele disse. Antes que eu pudesse levantar, nossa pequena correu até nós, desviando de sua tia e dos primos e parando na nossa frente. Ross ergueu as sobrancelhas e sorriu. — Tudo bem, Bruxinha? — Anna sorriu travessa, e ergueu a mão sobre nossas cabeças, ela segurava um visco. — O que é isso, Anna? 

— É um visco, papai. — Respondeu como se fosse obvio. — Agola vocês tem que se bejar. — Encarei Ryland que riu.

— Vamos, gente. É uma tradição. — Olhei para o rosto esperançoso de Anna e virei-me para Ross. Tá, beija-lo não é um sacrificio, e nunca seria.

— Não precisamos fazer isso se não quiser. — Ele sussurrou, nossos rostos apenas á centimentros de distancia. — Sabe, nós combinamos de ser só amigos, e fazer isso...

Segurei seu rosto selando os nossos lábios. Minhas mãos bagunçava os seus cabelos, e os seus braços me rodearam, fazendo os nossos corpos ficarem mais proximos. Lentamente, o ar ficava escasso e quando respirar tornou-se necessário, nos afastamos, ofegantes. Mordi o lábio, com a testa encostada na dele, abri o olhos e sorri, afastando-me dele quando ouvi uma risadinha vindo da porta da cozinha.

— Ei, monstrinha. Venha aqui. — Ryland suspendeu Anna no ar, e com apenas um braço em seu abdome ele levou ela de volta para cozinha. 

— Eu vou me trocar. — Avisei.

— Okay. 

— Okay. — Sorrimos. Caminhei até a cozinha, recebendo um olhar malicioso dos três.  — Vem, Anna. Nós vamos passear.

— Eba. — Ela largou o visco sobre a bancada e deslizou até mim.

— Cuidado. — Repreendi, lhe puxando para o meu colo. Subi a escada e entrei no quarto de Anna. Troquei a sua fralda, coloquei o jeans claro, uma camiseta de mangas compridas vermelha e o casaco marrom, coloquei em seus pés a bota preta, soltei o seu cabelo que estava ondulado pela trança e coloquei a touca vermelha com um raio amarelo. Segui para o meu quarto, deixei Anna na cama, vesti o jeans skinny , a blusa preta e o casaco branco, arrumei o meu cabelo, enfiei o celular no bolso, peguei Anna e desci. Ross já estava pronto, nos despedimos dos três e saimos. Ross tirou o carro da garagem, entramos e ele partiu rumo a cidade.

O Lynch colocou o carro no estacionamento e começamos a caminhar, entramos em várias lojas, até achar algo para Stormie Lynch. Compramos o presente de Mark e papai, Ross e eu nos separamos, ele foi atrás dos presentes dos irmãos e eu das meninas. Anna estava em meu colo, balançava as pernas e saboreava uma pequena barra de chocolate, enquanto aguardavamos o sinal para atravessarmos. Ao nosso lado estava um casal homossexual, eles trocaram um rapido beijo e Anninha observou eles curiosa. 

— Mamãe, por que aqueles dois homens estão se beijando? — Indagou.

— Ah, querida. Por que eles estão apaixonados. São um casal.

— Como a vovó e o vovô?

— É, filha. A única coisa que importa é o amor. — Expliquei. Ela ergueu as sobrancelhas e sorriu.

Tendi. — Sorri, beijando o seu rosto.

O guarda de trânsito, parou no meio da rua com a placa ''Pare'', e fez sinal para nós irmos. Atravessamos a rua, e segui para a loja. Procurei por algo que eu sabia que agradaria a minha melhor amiga, e comprei, depois segui para a outra comprando o de Delly e o da Vanessa. Esperei Ross no fast food, e pedi dois lanches e dois refrigerantes, Ross logo chegou, juntou-se a nós e fez o seu pedido. Anna estava animada, já que fast food era completamente raro.

Após pagarmos pelo lanche, terminamos as compras juntos e voltamos para o estacionamento. Guardamos os presentes no porta-malas, coloquei Anna na cadeirinha que tomava a mamadeira observando a janela. Entrei no carro e Ross dirigiu para a nossa casa. Ao chegarmos, Ross carregou os presentes para o seu quarto e eu peguei Anna entrando na casa.

—  Vocês demoraram. —  Vanessa disse, ninando Giovanna.

—  Nós paramos para lanchar. E tinhamos muita coisa para comprar. —  Disse, sentando ao lado dela com Anna agarrada a mim.

—  Ah, sim. —  Ela disse.

—  Papai, Mark e Stormie chegaram?

—  Chegaram, eles compraram tanta coisa. —  Balançou a cabeça. —  Aposto que a maioria é das crianças. —  Ri assentindo.

—  Com certeza. —  Puxei as botas dos pés de Anna que encolheu as perninhas afundando o rosto em meu peito. —  Cade as meninas? 

—  Raini está tomando conta do Jace, e Rydel saiu com Ellington.

—  Ah.

—  Estou cansada. As meninas choraram a noite toda. —  Vanessa resmungou. —  Elas poderiam ser como a Anna, né?

—  Anna é mais velha, Nessa. As suas meninas são recem-nascidas. A minha já tem quatro anos.

—  Não deixa de ser um bebê. —  Ela riu fraco, afagando a perna de Anna.

— É, e ela ainda acorda de madrugada, sabia? —  Disse. —  É manhosa e muito ciúmenta. —  Nós rimos. —  Mas eu não mudaria nada nela. —  Apertei o corpinho de Anna contra o meu, que sorriu se aconchegando. —  As suas meninas choram menos que Jace, Nessa.

—  Isso é verdade. —  Ela concordou. —  Estou reclamando á toa, vou leva-la para o quarto. —  Levantou-se e subiu a escada. Peguei as botas e subi para o quarto de Anna. Troquei a roupa de Anna por um pijama quente e confortavel, arrumei ela na cama e a cobri, deixei um beijo em seu rosto e segui para o meu quarto. Tomei um banho quente e me vesti confortavelmente, sai do quarto, encostando a porta atrás de mim e encontrei com Ross no caminho.

— Ei. — Ele disse, sorri abraçando-lhe pela cintura e juntos descemos a escada.

— Aonde vai todo arrumado? —  Perguntei, erguendo as sobrancelhas. Ele deu um pequeno sorriso.

— Os meninos e eu vamos encontrar com Emmett no pub do Yoshi. — Disse.

— Ah. — Murmurei.

— Por que vocês não gosta dele? — Indagou.

— Porque ele foi muito inconveniente naquele outro dia. — Respondi. Ele assentiu. 

— Ele realmente foi. — Concordou, cruzando os braços. — Eu vou conversar com ele. — Disse, virando-se para mim. — Vou indo, os caras já estão lá fora.

— Ta bem, divirta-se. — Ele beijou o meu rosto, enfiou a chave e o celular no bolso e saiu, acenando um tchau. — Tchau. — Segui para cozinha, encontrando Rydel, Raini e Vanessa.

— Laura. — Delly disse, assim que me viu na porta da cozinha.

— Oi. — Disse, me aproximando dela e sentando na bancada.

— Já que você é uma das minhas madrinhas, e a menos indecisa de nós três, qual dessas cores para a toalha de mesa? — Indagou. Peguei os quatro panos médio nas cores vinho, rosa, vermelho e lilás, observei atentamente e imaginei o cenário da festa.

— Vinho. — Disse. Ela sorriu.

— Otimo, obrigada. — Pegou os panos de volta. — Temos o primeiro ensaio amanhã, não se esqueçam.

— Não iremos. — Raini disse, dando um gole na xicará de café.

— Ah, eu estou tão ansiosa. — Ela disse, sorridente. — Depois do ensaio teremos a prova dos vestidos, e Anna será a minha daminha e John o pajé — Sorri, descançando a cabeça em seu ombro. Nós quatro ficamos alí, apenas aproveitando o silêncio confortavel que se instalou na cozinha. 

— Nossa, como vocês estão quietas. — Viramos para porta e sorrimos para Stormie. — O que houve?

— Nada. — Disse. 

— Estavamos apenas aproveitando a companhia uma da outra. — Raini disse. Stormie sorriu, parando ao lado de Vanessa e afagando a sua cabeça.

— Infelizmente terei que atrapalhar vocês, tenho que fazer o jantar. — Disse.

— Eu ajudo você. — Pulei da bancada.

— Obrigada, querida. — Sorriu.

— Eu também ajudo. — Delly disse. E, terminamos as quatro ajudando Stormie na cozinha. Fizemos arroz, frango ao molho madeira, salada de cenoura e suco de maracuja. Acordei Anna para jantar, e jantamos nós seis juntas. Depois tomamos chocolate quente, e comemos cookies, enquanto viamos o crossover de heróis da DC.

•••

00:15, eu estava na sala, terminando um episodeo de The Walkind Dead enquanto Anna tomava uma mamadeira de leite, quase adormecida. A porta foi aberta, Papai e Mark foram os primeiros a entrar, seguidos de Calum, Ryland e Ratliff, depois vieram Rocky, Riker e Ross, os cinco garotos machucados.

— O que houve com vocês? — Perguntei, levantando-me do sofá.

— Brigamos. — Ryland disse, jogando-se no sofá.

— Ah, isso está bem claro. — Aumentei um pouco o tom de voz, observando eles se sentarem no sofá. Mark e meu pai continuaram parados proximos ao sofá. — Podem levar Anna para o quarto? — Perguntei para os mais velhos. Papai assentiu, pegando Anna do meu colo e subindo com o melhor amigo. Coloquei as duas mãos na cintura e encarei eles, com as sobrancelhas arqueadas. — O que é que aconteceu?

— Bem...— Ryland começou. E antes que ele pudesse continuar, Raini, Rydel, e Vanessa desceram a escada.

— O que aconteceu com vocês? — Rydel indagou.

— O que é que vocês estavam pensando? — Raini disse, brava.

— Sabe, eu ia explicar, mas vocês chegaram e me interromperam. — Ryland disse.

— Cala boca. — Riker sussurrou, dando uma leve cotovelada no irmão. 

— Bom, nós estavamos conversando em uma mesa, de boa. — Calum começou. — Os amigos do Yoshi apareceu, eles estavam bebados, começaram a falar algumas besteiras, nos provocaram e começamos a brigar.

— Pelo amor de Deus. — Vanessa disse. — Desde quando violencia resolve alguma coisa? — Indagou, colocando uma mão na cintura.

— Só para constar, não foi eu que dei o primeiro soco. — Riker se defendeu, recebendo um olhar mortal de Vanessa. 

— Mas o que eles disseram que fizeram vocês brigarem como selvagens? — Delly disse.

— Besteiras, amor. — Ratliff disse. — Eles falaram coisas sobre vocês. — Ergueu os ombros, tensos. — Cruzei os braços, e suspirei. — E sabemos que violência não resolve nada, mas ninguém consegue ouvir o que eles disseram sem tomar alguma atitude.

— Está tarde para termos essa conversa, falamos sobre isso quando amanhecer. — Eu disse. Ryland levantou-se, ergueu o polegar para mim e sorriu.

— Otimo. Estou morto. — Subiu os degraus, seguindo para o seu quarto. 

— É melhor limpar esses machucados. — Eu disse, me aproximando de Ross para ve-lo melhor.

— Vou pegar a caixa de primeiro socorros. — Vanessa disse, subindo. Me sentei no braço do sofá e Ross virou-se para mim, dando um pequeno sorriso encabulado.

— Eu falei com Yoshi. — Ele disse. — Ele disse que sente muito, e que não queria deixa-la constrangida.

— Hum. — Murmurei.

— Você está brava? — Indagou.

— Não. — Respondi, aproximando-me da minha irmã para pegar algodão e agua oxigenada. Voltei para perto de Ross, limpei a sua sobrancelha e a bochecha que tinha a marca de um anel e coloquei um bandeide.

— Você não parece não estar brava.

— Eu não estou. — Disse. — Talvez um pouquinho. — Ele riu.

— Me desculpe, mas eu perdi a cabeça. Eles disseram cada coisa, eu tinha que fazer algo. — Suspirei, passando os braços em seus ombros e encostando a cabeça na sua.

— Ta bem. Mas você não pode bater em todo mundo que disser algo sobre mim e as meninas. Tente não dar ouvidos.

— Eu vou tentar. — Disse, passando os braços em torno da minha cintura e me puxando para o seu colo. Fechei os olhos, descançando a cabeça na dele, sentindo o aroma suave do seu shampoo. Ele descançou em meu peito, e eu afaguei seu cabelo loiro. — É melhor irmos deitar, está tarde. — Ele sussurrou.

— É. — Concordei, mas sequer movemos um músculo. Depois de alguns minutos, quando o sono se fez presente, Ross se levantou, me erguendo em seus braços. Deitei a cabeça em seu ombro e fechei os olhos, soltando um leve bocejo. O loiro me carregou até o meu quarto, deitou-me na minha cama e puxou o cobertor até os meus ombros, beijou a minha testa e sussurrou:

— Boa noite, Honey.

— Fica. — Eu pedi, baixinho. Ele sorriu, assentindo.

— Eu já volto. — Disse. Eu não vi quando ele voltou, mas senti seus braços me puxarem para perto do seu seu corpo. Coloquei a perna em sua cintura e o braço sobre o seu peito, enfiei o rosto na curva do seu pescoço e adormeci.

•••

Na manhã seguinte, eu acordei com a luz solar invadindo o meu quarto. Soltei um suspiro baixinho, abraçando o corpo de Ross e afundando o rosto em seu peito. Ele me abraçou mais forte, soltando um resmungo baixinho.

— Bom dia, casal. — Pisquei algumas vezes virando-me para criatura loira animada que invadirá o meu quarto.

— Rydel. — Resmunguei. Ela sentou-se na ponta da cama e puxou o cobertor.

— Delly. — Ross disse.

— Deixem de serem preguiçosos. — Ela puxou o meu braço, forçando-me a levantar.  — Vamos, é o ensaio do meu casamento.

— Ta, eu acordei. — Delly sorriu alegre, beijou o meu rosto, deu um tapa na perna de Ross, fazendo ele resmungar e saiu cantarolando. Cocei os olhos, bocejei e balancei a perna de Ross. — Levanta, antes que ela volte aqui. — Ele suspirou, sentou-se na cama e coçou os olhos, me oferecendo um pequeno sorriso.

— Bom dia. — Ele disse.

— Bom dia. — Respondi, inclinando-me na cama e beijando a sua bochecha, segui para o meu closet. Peguei as peças intimas, uma saia vinho, blusa branca e um casaco preto. Voltei para o quarto, Ross levantou-se da cama, esticou os braços, sorriu para mim e seguiu para o seu quarto. Entrei no banheiro, retirei as minhas roupas e entrei no box, tomei um banho quente e demorado, aproveitando para escovar os meus dentes. Sai, sequei-me, passei hidratante, vesti-me e parei em frente ao espelho. Penteei meu cabelo, prendendo em um rabo de cavalo alto, passei um batom vermelho e sai, levando as sandalhas nos dedos. 

— Bom dia. — Stormie disse, parando para me dar um beijo.

— Bom dia. — Respondi, seguindo para o quarto de Anna. Abri a porta, largando minhas sandalhas no chão e caminhei até a cama de Anna, baixei as grades e balancei o seu pequeno corpo. — Ei, bebê. Hora de acordar. — Disse, beijando a sua bochecha. Ela encolheu-se na cama, antes de abrir os olhos sonolentos e dar um sorriso preguiçoso. — Bom dia.

— Bom dia, mamãe. — Murmurou, esticando os bracinhos para mim. Passei os braços em torno do seu corpo e lhe puxei de encontro ao meu colo, abraçando-lhe fortemente e deixando um beijinho em seu rosto.

— Vamos tomar banho que temos que sair. — Disse, afastando-lhe para observar o seu rosto.

— Onde nós vamos, mamãe? — Indagou.

— Nós vamos para o ensaio de casamento da tia Delly. — Respondi.

— Ah. — Ela disse. Levantei-me, caminhando até o seu guarda-roupa. Equilibrei-lhe em minha cintura e abri, começando a procurar as roupas. Peguei uma fralda,  um vestido vermelho, sapatilhas da mesma cor e um casaco comprido todo colorido. Larguei as coisas na cama, coloquei Anna de pé e tirei o seu pijama, junto da fralda. Levei a pequena Lynch até o banheiro, abri a torneira da banheira, esperei enxer e fechei. Coloquei Anna sentada lá, banhei-lhe e a retirei, enrolada na toalha branca, deitei Anninha na cama, lhe sequei e a vesti. Penteei seu cabelo, deixando solto e coloquei o arco vermelho.

— Prontinho, vamos tomar café?

— Vamos! — Exclamou. Peguei Anna no colo, enfiei as sandalhas nos meus pés e desci, encontrando todos reunidos na cozinha, conversando. Stormie fazia panqueca, Ross fritava ovos e bacon e chacoalhava a mamadeira de Anna, os outros já estavam sentados á mesa. 

— Bom dia. — Disse.

— Bom dia. — Responderam. 

— Aqui, Laura. — Ross esticou o braço por sobre Ryland e me entregou a mamadeira.

— Obrigada. — Agradeci, entregando para Anna. Sentei-me entre Raini e Rocky, com Anna em meu braços. Servi um copo de suco, e comi um pedaço de bolo, separando os cookies para Anna.

Após o café da manhã, nos dividimos nos carros e Ross deu partida até o local onde a cerimonia e a festa de casamento ocorreria. O organizador do casamento Lenny O'Brien, nos aguardava na entrada, segurando uma prancheta.

— Ah, chegou a minha familia favorita. — Ele caminhou até nós, com uma das mãos suspensa no ar.

— Oi, Lenny. — Comprimentamos. Ele respondeu alegre, e nos guiou para dentro, poucos minutos depois Os Hutcherson's e os Lerman's chegaram. 

— Vamos começar com esse casal aqui. — Disse, estendendo ambas as mãos para Anna e John, que seguraram de bom grado. 

Nós ficamos quase três horas lá, ensaiando a entrada dos noivos, das madrinhas e padrinhos, das crianças. Depois saimos para almoçar, e após isso, nós, mulheres, seguimos para a loja que Rydel escolherá para comprar o vestido de noiva, o das madrinhas e o de Anna, Sabrina e Marlee.

— Olá, Rydel. — Uma jovem senhora se aproximou, sorriu gentil e nos comprimentou.

— Olá, Sharon. Essas são as minhas madrinhas, a minha mãe e as daminhas.

— Oi, me sigam por favor. — Pediu. Nós seguimos Sharon até uma sala espaçosa. Havia dois sofás brancos, uma mesa de centro, um pequeno palco e três grandes provadores. — Vamos começar com quem? — Indagou.

— Com as crianças. — Delly disse. 

— Otimo, vou trazer diferentes modelos para você escolher. — A mulher saiu. Anna estava deitada em meu colo, balançava as perninhas enquanto jogava no tablet. — Pronto.

— Dê aqui para mamãe, querida. Vai lá com a tia Delly. — Peguei o tablet da mão de Anna e a coloquei no chão. Ela esticou a mão, segurando a de Rydel e as três seguiram Sharon até o provador. Após Delly decidir o vestido das meninas, os das madrinhas e ajudar Stormie a escolher o dela, ela começou a provar os vestidos de noiva. Vestidos, vestidos e mais vestidos, até Rydel encontrar um que aos olhos de todas nós era perfeito para a loira. Deixamos as medidas, pegamos o carro e seguimos para casa, Anna, Sabrina e Marlee, e os gemêos da Jenn já estavam adormecidas.

Ao chegarmos em casa, os meninos já assistiam a uma partida de futebol, comendo pipoca e bebendo refrigerante. Eles conversavam e as vezes gritavam com os jogadores.

— Oi, meninas. — Disseram.

— Olá. — Comprimentamos. Equilibrei Anna em meu braços, e acenei para Alex e Rose me seguirem. Subimos e colocamos as meninas na cama de Anna, ergui as grades para elas não cairem e voltamos para baixo.  Seguimos para o jardim dos fundos, onde as mulheres se preparavam para jogar volei. Tirei as sandalhas e o casaco e entrei no grupo de Raini, Jenn e Stormie. Nós jogamos algumas vezes, até os meninos se juntarem a nós, então foi meninas vs meninos. E no fim, nós vencemos.

Pouco depois do jantar, nossos convidados foram embora. Deixei Anna brincando com Ryland, Rocky, papai e Mark no quintal e entrei topando com Vanessa, Rydel, Raini e Ross, os quatro sentados no sofá assistindo Arrow. Me juntei a eles, começando a prestar atenção no episodeo. Stormie, Ratliff e Calum juntaram-se a nós na sala.

— Ah! — Vanessa exclamou, trazendo a atenção de todos para ela. — Laura, Ross. — Ela disse, dando um sorriso. 

— O que você aprontou? — Questionei.

— Bem, já que vocês decidiram continuar amigos, eu marquei um encontro duplo para vocês.  — Sorriu maléfica. 

— Não. — Eu disse, de repente. E torcia para que todos pensasse que eu estava negando ao meu, não ao do Ross. Mas as minhas bochechas começaram a queimar, e os dois casais deram um risadinha.

— Jason e Mackenzie, eles trabalham comigo.

— De jeito nenhum. — Ross e eu dissemos junto, cruzando os braços.


Notas Finais


Boooom, é isso. Espero que tenham gostado do capitulo e até mais, queridos. Beijinhos. ♥♥

Malfeito feito.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...