História Huh, Sensei? - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Hentai, Lovellly, One-shot, Originais, Porn Without Plot, Pwp, Shoujo
Visualizações 75
Palavras 2.789
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Ecchi, Escolar, Hentai, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


OHAYOOO, PESSOALLL!!!
Olha, como já devem ter reparado, eu finalizei "Ohayo, Sensei!" no capt. onde Marikawa reencontra Daisuke novamente e ela o perdoa, finalizando a história ali. Eu tive um block de criatividade naquela fanfic, e eu realmente sinto muito aos que esperavam o próx. capt. (q seria o +18).
NO ENTANTO..............

Escrevi essa one-shot, onde minha escrita (bom, pelo menos p/ mim) se encontra mais aprimorada, assim por dizer. São de dois personagens originais meus, a Rei Uzumaki e Hideki Tosaku. Escrevi fichas deles, caso quiserem saber mais a respeito dos meus personagens. A aparência de Hideki é baseada em Kishou Arima, de Tokyo Ghoul, e de Rei, em uma fanart de personagem original que eu encontrei.

A fanfic contém conteúdo sexual, não leia se não se sentir bem com o material apresentado por aqui!

E boa leitura ♥
Obs: capt. narrado por mim mesma.

Capítulo 1 - Capítulo Único


 

.-.-.-.-.-.-.-.

 

Suspiros de alunos cansados, ventos leves soprando à janela, o barulho do giz riscando o quadro e muita ansiedade para o final daquela aula. Afinal, era sexta-feira, e todos os alunos queriam logo aquele final de semana. Entretanto, como sempre a qualquer lugar que vá, sempre há exceções, como é o caso de Rei Uzumaki. Uma garota muito bem sucedida e invejada intelectualmente, fisicamente e socialmente. Bem famosa naquela escola, era caracterizada por uma timidez anormal, de um simples gaguejo até algum objeto derrubado por sua causa. Muito comum também em ser uma garota desastrada. Parecia até mágica! Encostava em um objeto e ele caía. Odiava isso, além de ter de usar óculos por causa da miopia. Não enxergava bem sem eles, não vendo nada além de enormes desfoques à sua frente. Outras garotas de sua idade nem eram mais virgens, e nem se preocupavam com isso. Rei esperava de tudo, menos ter dificuldade em alguma matéria, em específico, Biologia. Matéria detestada por muitos dali. Não gostava dela, porém era fácil. E naquele bimestre, o conteúdo era bem mais complicado. 

 

Sentada à sua cadeira e brincando de rodar a caneta com os dedos, o professor, Hideki Tosaku, finaliza às aulas, logo em seguida, tendo  o estridente som dos sinos tocarem. 

 

— Muito bem, turma. As aulas já acabaram, estão liberados. — disse. 

 

Seu tom não era o mais alto, e acompanhado do sinal tocando lá fora, todos os outros alunos recolheram seus materiais e saíram dali, animados. Alguns, mais barulhentos, e outros, mais calmos. Só uma permaneceu ali, como resultado da conversa de mais cedo. Rei, com dificuldades em Biologia, como qualquer um faria, pediu para que o seu professor a ensinasse naquele conteúdo. O pensamento da garota era em Satoshi... Cada mínimo detalhe dele, dos pés à cabeça, era apreciado por ela. O seu senho ainda era namorar Satoshi, e conseguia se iludir por cada pequeno detalhe, como quando ele pegava alguma caneta dela que caía no chão e entregava à ela. Satoshi Akihiro, de sua turma, era o verdadeiro príncipe encantado de Rei. Pobre garota... Se soubesse que ele apenas se aproveitava dela, conseguiria se desfocar dele. Já o seu professor focava apenas nela, desviando olhares discretos e sorrateiros direcionados às pernas expostas da garota pela saia do uniforme. 

 

Suas pernas branquinhas e bem caprichadas ficavam à amostra, e só de pensar em outros olhando suas pernas, o platinado já conseguia sentir ciúmes! Em passos curtos, Rei foi para mais perto de seu professor, com o livro aberto na página onde se iniciava o capítulo que seria estudado. Pensou em sair mais cedo e recusar a proposta de estudar com Hideki para ler algumas de suas HQ's, só que pensando nos estudos, achou melhor deixar de lado suas histórias fantasiosas onde heróis combatiam o mau ou algo semelhante. Guardara as HQ's e foi estudar. Só que não foi bem isso o que aconteceu naquela tarde pós-aulas. 

 

Ela chegou perto dele, e sem muita vergonha, encarou sua face, esperando alguma orientação por sua parte. Enquanto o olhava, pôde perceber alguns traços em seu belo rosto bem cinzelado. Ele tinha trinta e dois anos de idade, como todos lá sabiam, e era o professor mais velho e experiente daquele colégio. E parecia que era o contrário, quanto mais velho ficava, mais atraente era, pois para a sedução ou beleza não existia idade. Hideki notara o olhar de sua aluna, avaros de coragem, e desviados ao chão. Começou a falar: 

 

— Rei-san, como a senhorita me pediu hoje, eu vou revisar um pouco com você após as aulas. Fico feliz em saber que quer aprender mais ainda para se der bem nas provas deste bimestre. Conto com seu raciocínio, pois Biologia não é lá tão fácil assim. 

 

A voz firme do professor deixou Rei com medo, por algum motivo. Ele estava de pé, a apenas um metro de sua mesa que ficava na frente, sendo a primeira da fila. Achando aquele silêncio perturbador, ela respondeu: 

 

— H-hum-hum, pode deixar, sensei. E-Eu agradeço por me ajudar...

 

Rei começou a brincar com os dedos, em um claro ato de nervosismo e vergonha. Os pensamentos dirigidos a Satoshi pararam. Pensando bem, seu professor era muito mais bonito que ele, não? E naquele instante, inevitavelmente, começou a sentir sua face esquentar. Iria mesmo o sensei perder tempo ensinando algo à ela? Ele tirou-na dos pensamentos. Hideki se sentou em uma cadeira ao seu lado, abrindo o livro dela na página correta. Ela o olhava lendo e começando a explicar alguns assuntos, ele era, sem dúvidas, muito mais inteligente e experiente do que ela era. Presta atenção atentamente nele, vendo-o detalhar cada mínimo parágrafo. Linhas e mais linhas, resultando em parágrafos, que se tornavam páginas, e por fim, um dos capítulos do livro. Agora, a garota havia aprendido! Foi uma ótima explicação dele, na verdade, todas as suas explicações foram ótimas. Após minutos em um silêncio, Rei quebrou-no. 

 

— Sensei, muito obrigada por tudo! 

 

Disse, num sorriso tímido e agradecido. O homem também sorriu para a garota, e logo olhou em seu relógio. Haviam se passado uns vinte minutos desde que começaram a revisar ali e tiverem feito algumas questões no caderno dela. O platinado ficou feliz em ver que seu interesse havia entendido muito bem. Depois de uma rápida despedida dos dois, Rei recolheu seu caderno e livro, colocando-os na bolsa de ombros. Estava prestes a sair de lá. Só que o seu sensei não deixaria quela oportunidade passar. Sem que ela visse, sorriu lascivamente e andou sem fazer barulho até ela, que estava de costas, com a mão encostada na maçaneta da porta. Removeu seus óculos para fazer aquilo, e rapidamente, ele segurou-a pelos ombros e virou-na, prensando Rei contra à parede, fazendo com o que agora, ela enxergasse sua face e seu sorriso torto. Estremeceu. Não em medo, mas em outa coisa. Aquele sentimento... Era parecido com algo que ela não soube assemelhar. 

 

E nem teve tempo de raciocinar. 

 

Hideki a trouxe para mais perto num rápido movimento, deslizando uma de suas mãos, que a segurava no ombro, para a nuca dela, acariciando seus cabelos naquele quente beijo. Como era uma situação inicial, ele havia ido mais devagar. Rei não soube o que fazer. Mas o que poderia fazer? Era uma garota fraca, ante a um homem bem mais forte. E mais... bonito, inteligente, sedutor, atraente e bem-sucedido. Aquilo deixou-na indecisa, muito indecisa. O que fazer? Àquela altura, nada mais do que ceder, e foi isso que ela fez. Ajudou-o a aprofundar aquele beijo, se movimentando junto do professor. Os dois romperam aquele beijo bruscamente por falta de ar, e ficaram ali, um recuperando  o fôlego do outro. 

 

A face de Rei parecia que iria até entrar em chamas de tão quente, suas pernas bambearam e seu coração acelerou, deixando-a mais confusa ainda. Aquele sentimento, era bem semelhante com o que sentia ao lado de Satoshi. Como iria deixar de ceder àquele olhar? Àquele toque? Àquele momento? E principalmente, àquele homem? Deduzindo isso, que estava valendo muito mais à pena se entregar ao próprio professor — por mais que fosse uma mera atração, pois ele pelo menos valorizaria ela — do que Satoshi, que não lhe dava nenhum mísero valor. Decidida, entretanto ainda tímida, cortou aquela lonjura entre os dois e pousou as mãos na face do adulto, puxando-o novamente para mais um beijo. Foi dificultoso para ela manter-se ali, pois estava na ponta dos pés, e Hideki notou isso. Sorrateiramente deslizou suas duas mãos até as coxas da garota, erguendo-a no colo sem nenhuma dificuldade.

 

De súbito, ela havia se assustado, mas sem interferir naquele contato. Sentir o atrito dos lábios dos dois aliados àquele toque firme de suas mãos em suas coxas e parte íntimas roçando, Rei gemeu durante aquele beijo. Sentiu-se ser levada até a mesa dele, sendo sentada ali. As grandes mãos dele seguravam seus quadris, e agora, os dois haviam parados, ofegantes. Seu professor sorria torto e travesso em vê-la daquele modo, era só o começo e já estava assim? Não se conteve em perguntar: 

 

— Você gosta disso, não é, Rei-san? 

 

A enfase que ele deu em seu nome fez ela estremecer mais uma vez, e ele aproveitou aquele seu devaneio para mais uma vez puxá-la para um beijo, e bem mais avançado. Ele invadiu sua caverna bucal usando a língua, provando de cada parte dela. Rei nunca havia feito aquilo, e tentava retribuir aos poucos os toques e carinhos. Alguns pequenos estalos eram ouvidos, comum em beijos assim. As duas línguas enroladas uma na outra, e Rei, gostando disso, o trouxe para mais perto, envolvendo os braços em seu pescoço.

 

"Quer saber, que se foda o Satoshi!" — pensou. 

 

Mãos sorrateiras à descer por seus seios deixaram a garota de face mais rubra ainda. Seus seios medianos agora eram apertados por cima de sua roupa, e leves gemidos escapavam durante aquele contato. Já haviam parado aquele beijo, por isso, era possível ouvir os gemidos contidos dela. E Tosaku se esfregava propositalmente em sua aluna, ouvindo ela soltar uns tímidos e envergonhados gemidos. Ver que ela estava cedendo o deixava louco, sinal que queria aquilo, inclusive, ele! Convencido de que ela tinha gostado daquilo — e com certeza gostaria mais ainda do que estava por vir — começou a tirar a parte superior do uniforme dela, revelando seus seios medianos cobertos por um sutiã branco. Sem delongas, desfez o fecho que ficava na parte de trás dele, e depois, terminando de retirar aquela peça de roupa. 

 

Não havia mais nenhuma peça de roupa que empatasse a visão completa do torso de Rei. Só aquelas peças de roupas da parte de baixo, que logo logo, removeria-nas. Deu atenção aos seus seios após uma intensa vislumbrada neles. A estudiosa se envergonhou ao ter a nudez exposta assim, já era tímida por natureza, mas naquele momento... O olhar atento dele até seus seios a fez até sussurras palavras sem sentido ou incompreensíveis. Imagina que perderia a virgindade com Satoshi, não com o próprio professor em meio ao horário pós-aulas. Um gemido bem contido ela escapou ao sentir a língua do mais velho lamber-lhe o seio esquerdo. A mão esquerda descia até a cintura, enquanto a direita, trabalhava apalpando o outro. Uma excitação estranha tomou conta dos dois ao perceberem que poderiam ser pegos a qualquer momento. Rei não se conteve, gemeu mais uma vez, entre gemidos:  

 

— Ahn, i-isso é tão bom...

 

Aquilo era anormalmente excitante, adrenalina de serem pegos juntos à uma relação sexual em um ambiente escolar fizeram os dois provarem da melhor mistura possível de sentimentos! Terminando as carícias pelo tronco da estudante, e também sabendo que ela seria tímida demais para remover suas roupas, ele se separou dela por um instante, deixando-a desapontada. Hideki terminava de remover a camisa social, e após desfazer aquela série de botões, a deixou em um lugar qualquer daquela mesa. A adolescente ficou mirando ele sem aquela roupa, ele era perfeito! Aquele corpo bem escupido — mas nem tão atlético assim — era maravilhoso, tudo nele era incrível! Sua boca entreaberta e seu olhar direcionado até o peitoral dele o deixou excitado. Sorriu malicioso, enquanto se aproximava, perguntando: 

 

— Gosta do que vê, não é? 

 

Mais uma vez, não deu tempo para que Rei respondesse. A sua face corada, boca entreaberta e excitação disfarçada já eram a resposta para a pergunta anterior. Depositou outro beijo nela, envolvendo, mais uma vez, a sua língua. A saliva dos dois se misturava, um tendo gosto da cavidade bucal do outro. O torso exposto do platinado se espremia contra os seios da garota. Suas duas mãos seguravam sua face, enquanto os braços dela estavam envolvidos em seu pescoço. Peles cada vez mais necessitadas de contato. No meio das pernas de Hideki, o homem podia sentir um calor proveniente da própria genital, que se encontrava ereta e pronta para o momento. Já com a aluna era diferente, ela sentia a própria intimidade cada vez mais molhada e lubrificada, também já pronta para começar. 

 

O homem se adiantou, se afastou um pouco para desabotoar a calça social preta, removendo ela por inteiro. Tirou também a roupa íntima, desesperado de excitação, e ficando completamente nu. Voltou sua atenção para Rei, que ainda possuía as duas últimas peças de roupa em si. Ele puxou as duas de uma só vez, deslizando-as até os tornozelos da adolescente, elas deslizaram até algum lugar qualquer do chão. Seus quadris se moveram instintivamente para que se encaixassem. Uma de suas mãos segurava um dos quadris da loira, enquanto a outra, segurava a própria genital. Esfregou sua glande na entrada úmida dela. 

 

— Anhh, s-sensei... Anh...!! 

 

Depois, se deslizou dentro dela. Aquela pressão que ela exercia sobre ele era imensa. O calor de sua intimidade virgem também. Ele gemeu junto um "você é mesmo apertada". Aquela sensação foi maravilhosa, finalmente começar aquilo que já deviam ter feito a muito tempo, em sua opinião! Entrou por inteiro dentro dela no mesmo minuto, quase indo às estrelas à medida em que aquele calor o envolvia. Só que, indo até o ponto de vista de Rei, aquilo não era nada bom ou muito menos confortável. Cerrou seus olhos em dor, deixando algumas lágrimas escaparem. 

 

— S-Sensei, isso dói! 

 

Exclamou. Ele entreabriu os olhos para olhá-la, vendo algumas lágrimas escorrerem sua face. Parou de se mover, fazendo com o que aquela dor cessasse mais um pouco. Ainda era um incômodo senti-lo por dentro dela, mas pelo menos, ele já havia parado. A pedido da mesma, alguns minutos após pararem, ela pediu para que o professor começasse. Em movimentos lentos, fora a primeira estocada. Dolorosa, mas como antes. A segunda, depois terceira, quarta e até a décima. Movimentos bem lentos e cuidadosos, que ligeiramente, iam aumentando sua velocidade. Aos poucos, o interior de Rei ia se ajustando com o tamanho dele, tornando aquilo bem menos doloroso, numa sensação neutra: nem tão ruim, e nem tão bom. E aquilo foi se tornando uma sensação boa para Rei. Pediu para que ele acelerasse.

 

— V-Vai mais rápido, sens----!

 

Não deu tempo nem de terminar, e Hideki agora continuava num ritmo bem mais rápido, se deslizando facilmente dentro dela com aquela lubrificação. Os gemidos ensandecidos dela eram bem audíveis ao sensei, ficando satisfeito ao ouvir aquilo. O ritmo inevitavelmente tornou-se mais rápido. Os dois rostos estavam bem vermelhos. Às vezes trocavam beijos enquanto continuavam com aqueles movimentos. As mãos do homem seguravam firmemente os quadris dela, a trazendo para mais perto. Unhas pontudas fincavam nas costas do mais velho, e aquilo não o incomodava. Os deslizes por dentro do interior da aluna eram a melhor sensação do mundo. Rei, agora, estava gostando muito mais de fazer aquilo. Suas mãos largaram as costas do sensei, e acariciavam seus cabelos platinados. Implorava cada vez para que fosse mais rápido. Tudo estava bagunçado em sua mente. Desde sentimentos até pensamentos.

 

Parando para pensar melhor, o seu sensei fez ela se sentir MUITO melhor naqueles minutos do que Satoshi em um semestre inteiro. Ele era muito melhor que Satoshi, e agora tinha certeza absoluta disso! Assim que aquele momento — infelizmente — acabasse, ela iria se confessar, mesmo em meio a um verdadeiro caos emocional e complexo. Aquela repentina mudança de sentimentos deixou ela em dúvidas. Que logo se mudaram após sentir aquele prazer insano percorrer seu corpo inteiro, sentindo seu interior esquentar. Gemia controladamente. A adrenalina de fazer aquilo mesclada ao prazer do momento e somadas ao prazer do pré-ápice fez com o que o platinado aumentasse o ritmo ainda mais. Sabiam que estavam perto do ápice pelos sentidos bagunçados e movimentação desesperada. Logo, Tosaku não aguentou. Ejaculou bem dentro de Rei, e ambos soltaram um último alto e desgovernado gemido. As unhas dela fincaram mais forte em nele, e o interior se contraiu, sentindo aquele líquido denso lhe adentrar em jatos. 

 

Hideki saiu de dentro dela, exausto. Aqueles minutos foram os melhores de sua vida! Rapidamente, os dois se vestiram, por medo de que alguém entrasse ali. Era melhor que os dois acalmassem-se vestidos. Rei limpava o suor da testa, mas a vermelhidão em seu rosto permanecia ali. O adulto olhou a aluna sentada em sua mesa, já vestida, e ofegante. Após rápidos olhares, os dois trocaram um calmo beijo. Não haviam perguntas a serem feitas e nem respostas a serem dadas. Mas de uma coisa, Rei Uzumaki sabia. Não queria mais Satoshi de jeito nenhum, mas Hideki Tosaku, sim! Principalmente depois daquele dia. Um passou a dar mais atenção a outro, enquanto Rei nem se importava mais com outro além do próprio professor. E se não tivesse aceitado a ajuda dele? Provavelmente estaria lendo alguma HQ que levava em sua mochila e se iludindo pensando em quem não a queria. Agradecia mentalmente por tudo o que havia acontecido ali. 

(...)

FIM. 


Notas Finais


LINK PARA O JORNAL COM AS FICHAS DOS PERSONAGENS: https://spiritfanfics.com/jornais/meus-personagens-9746350

Gente, essa foi a minha one-shot de hentai mais caprichada de todas, e eu espero que tenham gostado dela!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...