História Hungry (III) - Tempest (ChanBaek) - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO, SHINee
Personagens Baekhyun, Chanyeol, D.O, Jonghyun Kim, Minho Choi, Taemin Lee
Tags Baekhyun, Baekyeol, Chanbaek, Chanyeol, Dorama, Exo, Jongtae, Lemon
Exibições 61
Palavras 2.891
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Lemon, Musical (Songfic), Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


ANNYEONG!
Inhaí, quanto tempo nenom? Espero que estejam todos bem, emocionalmente estáveis e etc ( ;D~

ÚLTIMO CAP!!!
(N, mentira, zoeira, n me batam -q~

Os capítulos tem ficado meio grandinhos (sorry~), mas n tem muito o que fazer, as coisas estão começando a se complicar na história pq estamos chegando perto do clímax de tensão, então apenas... ces sabem, perdoem, aceitem, sejam fortes, e por aí vai~

É isso, boa leitura!

Capítulo 6 - Dive


Fanfic / Fanfiction Hungry (III) - Tempest (ChanBaek) - Capítulo 6 - Dive


-- E-Eu... Eu não posso acreditar no que você está me falando... - Chanyeol tinha o olhar baixo enquanto o de Baek fitava-o fixamente.
-- É o melhor a ser feito. - disse o mais velho, a voz livre de qualquer hesitação. Yeol riu amargo, sem qualquer humor, e mordeu forte o lábio.
-- Melhor para quem? - o maior indagou, mas não houve resposta. -- Não ouse dizer que estava pensando em mim quando tomou essa decisão! - ele berrou, mas o outro não se abalou.
-- Você deveria saber que este momento chegaria. Tudo possui o seu fim, e este é o nosso. Simplesmente não era para ser. - não havia qualquer empatia na voz de Baekhyun. Ele permanecia inalterado como um iceberg e Chanyeol estremeceu.
-- Você... - ele iniciou, mas sua voz definhou no processo. Ele exasperou e ergueu os olhos para encontrar os de Baekhyun, e um outro riso amargo lhe escapou. -- Você chegou a me amar? Pelo menos um pouco?
-- Não. - Baek respondeu após uma pausa breve. -- Eu sinto muito. - desta vez sua voz soou terna, tinha uma nota de sinceridade e pesar embutida. Então finalmente deixou seu olhar cair.
-- Não é isso que seu corpo me diz quando transamos, BaekBaek... - disse Chanyeol com um sorriso convencido nos lábios, e se ajeitou no assento, aproximando-se da câmera. -- Eu diria até que você me ama muito. Você não vive sem mim! - e o sorriso se alargou ao notar através da pequena tela um leve rubor no rosto do outro.
-- Idiota! - Baek rosnou, sentindo suas bochechas quentes com o súbito tópico. -- Estúpido Yeol! - ele praguejou para a câmera de seu notebook, vendo o largo sorriso de Yeol tomar conta da tela e ouvindo as pancadas abafadas dos tapas que este desferia no colchão enquanto tinha sua estúpida crise de riso. -- Isso não tem graça! Você deveria estar me ajudando a passar o texto, e não fazendo piadas idiotas! - ele vociferou. -- E pare de me chamar desse jeito!

O riso de Yeol parecia não ter fim e uma veia já começava a saltar na testa de Baek. Ele afundou no colchão da própria cama, irritado, os braços cruzados sobre o peito.


Idiota. O que tem de tão engraçado na minha cara pra te fazer rir tanto? ... e eu nunca disse que te amava.

Aos poucos, Chanyeol foi suavizando seu riso, até que finalmente conseguiu contê-lo. Enxugou seus olhos marejados na manga de seu suéter e esboçou aquele sorriso radiante que fazia o coração de Baek perder o ritmo - era como uma mini-parada cardíaca cada vez que o via.


-- Hey, babe, - disse aquela voz barítona, tão morna que Baek podia praticamente sentir o calor que emanava daqueles lábios. -- vai dar tudo certo, eu prometo! Eu tenho acompanhado os teasers da sua série, sabia? Você estava perfeito!

Os lábios do rapper se aproximaram lentamente da câmera, encobrindo toda a tela do notebook de Baek, cujo coração ricocheteou em resposta.

Chanyeol, voltando à posição anterior, afagou o vazio diante de si com o dorso de seus dedos - formava a silhueta perfeita da bochecha do outro. Fazia mais de um mês desde a última vez que tinham se encontrado e com a agenda corrida de ambos, as chamadas tinham sido reduzidas a mensagens de texto. Para Chanyeol aquilo era insuportável.


-- Eu sinto muito... - murmurou em um tom triste, seguido de um sorriso fino, sem dentes. -- Prometi que voltaria antes, mas o máximo que te ofereço são chamadas de vídeo... - ele riu, amargo. -- Eu sou o pior, não sou? ... Mas ainda assim, eu queria estar com você nesse momento.

Baekhyun engoliu em seco.


-- Você está. - respondeu, sem qualquer nota embutida, mas sua voz era plana e cristalina e pela primeira vez Chanyeol não soube como reagir.

Embora aquelas palavras tenham-no escapado impulsivamente, Baekhyun não as pegou de volta.  Ele tocou a própria bochecha e, inexplicavelmente, estava morna. Não era o calor do aquecedor, ou um rubor repentino. Não... de algum modo ele podia sentir o toque Chanyeol. Talvez tivesse ficado gravado fundo em sua mente, ou talvez ele estivesse ficando louco, mas que diferença isso fazia?

Sustentando o olhar escuro de Yeol, Baek tocou o próprio pescoço, tentando imitar o modo como o outro o fazia.


Mais lento... apenas com as pontas dos dedos, quase sem tocar...

Os pelos de seu corpo se eriçaram e ele suspirou comprido. Fechou os olhos e umedeceu os lábios, pescando em sua memória qual seria o próximo passo.

O polegar friccionava seu lábio inferior com a mesma cadência com que Yeol o beijaria, enquanto a outra mão percorria seu tronco, tecendo círculos momentâneos sobre o mamilo e em seguida tateando cada centímetro àbaixo. Enrolou a bainha, adentrando com os dedos sob a camisa.

Prosseguiu trilhando sobre o umbigo, cruzando o abdomem de volta ao mamilo. Podia sentir sua pele tornar-se cada vez mais quente enquanto acariciava a si mesmo. A outra mão desceu pela lateral de seu corpo, apalpando o quadril, depois a coxa.


Mais... isso ainda não é o suficiente... esse ainda não é ele...

Espalmou a mão em sua bunda, apertando o glúteo com vontade sobre o tecido macio de seu pijama. Mordeu o lábio, sentindo o calor irradiar mais intensamente em seu corpo. Era isso, era essa a sensação. Por um momento pareceu-lhe que seu toque não era mais seu.

Deslizou a mão pela parte interna das coxas enquanto a outra havia deixado seu mamilo de lado e ocupava-se agora em penetrar dois dedos em sua boca, dançando com sua língua.

Acariciou sobre seu sexo rígido, sentindo-o pulsar em resposta, então adentrou a calça e a boxer, tocando-o apropriadamente. Estava quente e úmido, implorando por liberdade - a qual concendeu-lhe imediatamente. A mão fazia um lento movimento de vai-vém, acariciando o topo com o polegar.

Deixou escapar um gemido, que se fundiu com um segundo - barítono e longo. Abriu os olhos para encarar a tela do notebook, onde Yeol tinha a mais sublime das expressões: lábios entreabertos e cenho franzido, enquanto tocava a si mesmo, incapaz de segurar o impulso.

A mão de Baek aumentava gradativamente os movimentos de vai-vém, enquanto a outra trabalhava em explorar sua boca. Uma onda de calor o atingia cada vez que ouvia Yeol gemer, fazendo-o ricochetear e arquear sob aquelas enormes íris escuras. Ele não sabia ao certo o motivo, mas subitamente seu coração começou a bater mais rápido, tão forte que quase podia ouví-lo.


-- Baek... Aaahh! - a voz grave de Yeol gemeu alto, quase rosnando.

Uma nova onda de calor o atingiu, espalhando-se por todo seu corpo como se varresse-o por completo, exaurindo-o até a última centelha de si, e ele jorrou sobre o piso, deixando os braços caírem lateralmente como pêndulos.

A cabeça foi àbaixo quando deixou-se pender para a frente e seus cabelos correram na mesma direção. De repente ele sentiu que a coragem de encarar aqueles olhos havia sumido. Sentia-se estranho, o silêncio o incomodava. O corriqueiro seria ter Yeol envolvendo-o nos braços, tomando-o junto ao corpo e acariciando-o em silêncio, uma vez que tudo o que precisavam dizer um ao outro estava nas entrelinhas. Ele nunca precisou se expressar em palavras, mas...


E agora?


-- Baek?

A voz de Yeol era suave, mas o headphone tornava-a tão nítida que Baek sentiu seu corpo estremecer. Lentamente, a contragosto, ele ergueu o rosto, tendo a fronte ainda coberta pelas madeixas loiras que aderiram à pele úmida. Seus olhos se arregalaram ao verem Chanyeol.

A mão do rapper pairava no ar, em frente à câmera. Seus dedos estavam em uma posição curiosa, e Baek imitou-a, acompanhando o seguinte movimento de Yeol, como uma marionete a ter suas cordas puxadas.


Isso é...

Os fios que encobriam seus olhos foram varridos para o lado e a mão repousou na lateral de seu rosto, acariciando sua bochecha com o polegar. Então as íris de Baek tilintaram: lentamente, Chanyeol fechou os olhos e inclinou-se sobre a câmera, aproximando-se o suficiente para preencher toda a tela do mais velho, depositando um beijo - tão morno que Baek podia sentir o calor em seus próprios lábios.

Baekhyun podia ouvir o som de seu coração martelando no peito, lento e forte, a mesma cadência daquele bater de asas em seu estômago.


-- Está ficando tarde e você deveria dormir um pouco... você tem me parecido muito cansado ultimamente. - o tom na voz de Yeol era cálido, tanto quanto seu olhar escuro. Tinha nos lábios um meio sorriso que fez Baek exasperar todo o ar lentamente. -- Eu não tenho compromissos para amanhã, posso ficar com você, se quiser. - ele propôs, mas não houve qualquer resposta. -- ou... podemos desligar a chamada. - silêncio. Yeol deixou escapar um riso desanimado e coçou a nuca, sem jeito. -- ... acho que você dormiria melhor assim, certo?
-- NÃO! - Baek berrou subitamente, fazendo o outro saltar com o susto. Sua respiração estava pesada, em determinada altura sua garganta havia se fechado, prendendo o ar, e aquele foi o único meio de forçar as palavras a saírem.
-- Okay, babe. - Chanyeol respondeu, atraindo para si os olhos assustados do mais velho.

Lentamente, ele se deitou sobre a cama, alocando o celular escorado no travesseiro alto em frente a si. Yeol bateu gentilmente no espaço vago ao seu lado, lançando ao mais velho um olhar convidativo.

Do outro lado, inexplicavelmente trêmulo, Baek arrastou o notebook para o lado direito da cama, onde Yeol costumava dormir, e deitou-se no espaço ao lado, de frente para a câmera.

A tela estava preenchida com um Chanyeol de semblante sereno, cujos dedos se movimentavam na intenção de acariciar o rosto de seu Baekhyun.

Perduraram em silêncio, sustentando o olhar um do outro, até que as palpebras de Yeol se tornassem pesadas demais, fechando-se com relutância.

Baekhyun ainda encarava a tela, embora seus olhos ardessem bastante. O semblante profundamente adormecido de Yeol lhe pareceu tão cansado... a turnê parecia ir muito bem, o que significava que Chanyeol se esforçaria em dobro. Trabalho e bem-estar eram duas coisas que o rapper parecia ser incapaz de conciliar, Baek sabia muito bem disso.


-- Gezz, estúpido... - murmurou. -- você não deveria se esforçar tanto... o grupo não depende só do seu trabalho, sabia?

Chanyeol franziu suavemente o cenho e se remexeu, aconchegando melhor a cabeça no travesseiro. Era certo que as palavras do mais velho não faziam qualquer sentido ao maior adormecido, mas o simples som daquela voz o tranquilizava.

Baekhyun sentia o mesmo. A mera presença do outro lhe era suficiente para afastar, mesmo que temporariamente, aquela sombra rastejante e tornar seu dia tolerável. Talvez Yeol fosse o único para quem ele sorrira ultimamente, exceto quando estava filmando ou apenas tentando ser gentil com seus coo-trabalhadores.


"Apenas... dessa vez, só dessa vez, faça o que eu estou falando... por favor..."


-- ... Chanyeol-ah... - ele chamou, a voz embargada pelo sono, quase um sussurro. Então estendeu o braço na direção da tela, tocando a bochecha do outro, acariciando ali com as pontas dos dedos.


Está tudo bem em alguém como eu amar alguém como você?


"Você não vai querer envolver terceiros em escândalos, não é?"

Subitamente sentiu a garganta apertar, respirando lento e baixo.


"Porque você torna as pessoas infelizes. Você jamais será amado."


"Só dessa vez... por favor..."


"Tudo vai ficar bem, eu prometo."

- x -

Quando abriu os olhos, Chanyeol tinha-se ido - a tela do notebook estava completamente apagada.

Baek sentou-se na cama, ainda atordoado. Ecos desagradáveis soavam ainda altos em sua cabeça, como tinha sido nos últimos dias. Aqueles pesadelos simplesmente não cessavam e ele já havia adquirido certa aversão pelo sono. Toda vez que acordava tinha a sensação de estar mais cansado.

Abriu a gaveta do criado-mudo e logo o objeto que procurava saltou em sua visão: um frasco branco e arredondado que tilintava. Pegou-o e abriu-o, despejando duas pílulas vermelhas sobre a palma. Engoliu-as uma de cada vez logo em seguida, a seco.
Ficou de pé e tomou em mãos o notebook, depositando-o sobre a mesa logo à frente e plugando-o ao carregador. Alocou o headset sobre o aparelho e pegou o celular - que recebia carga sobre a mesma superfície.

Desplugou seu smartphone e deslizou o dedo sobre a tela, tecendo a senha de desbloqueio. Acessou a agenda e rolou a barra até a letra D, discando o primeiro número que apareceu.

Baek refez seus passos de volta à cama enquanto a ouvia a ligação chamar sem resposta. Ele apagou a luz do quarto, deixando apenas o abajur aceso, e deitou-se com as costas sobre o colchão macio, encarando o teto escuro.


-- ... O que você quer? - indagou a voz do outro lado da linha, pouco amistosa e rouca, após pelo menos cinquenta chamadas perdidas.
-- Você sabe muito bem.
-- Baek... - um grunhido pôde ser ouvido, mas o mais velho não se compadeceu. -- Deus, eu nem tenho a chave do quarto dele!
-- Peça ao agente de vocês, ele deve ter. - mais um grunhido vindo do outro lado, ao que Baek suspirou. -- Soo, você prometeu... - ele lembrou ao outro, que exasperou em resposta. -- Agora levanta a bunda daí e faz o seu trabalho!
-- Eu tava bêbado e você se aproveitou da situação pra me fazer prometer isso!
-- Não interessa, você deu sua palavra. Agora anda!
-- Aish! - Do resmungou, fazendo burburinho ao tentar ficar de pé enquanto segurava o celular à orelha. -- Eu não sei por que ainda me submeto a isso... é meu maldito dia de folga! - ele ainda reclamava, destrancando a porta ruidosamente. -- Eu devia bloquear você!
-- Amigos servem pra isso, é o que dizem. - Baek deu de ombros. Subitamente a ligação tornou-se muda.
-- ... O-O que há com você? Eu já estou indo, não precisa se esforçar tanto! - a voz de Do continha um riso estranho, trêmulo.
-- Você é idiota? - Baek riu de volta. -- Por que acha que aturo você e aqueles caras aqui? Te colocaria pra fora da minha casa a pontapés se não fôssemos amigos.
-- Você não está morrendo, certo? - Do indagou de súbito, assustado.
-- Gezz, você é mesmo um idiota! - foi a resposta irritada do mais velho. -- Anda logo com isso e para de enrolar!
-- Tá bom, tá bom! Vossa alteza real, Príncipe de Seul! - Do brincou, ouvindo o outro estalar a língua. Podia praticamente ver Baekhyun rolar os olhos. - Me dá um minuto, vou falar com nosso manager.

Não demorou para que Kyungsoo conseguisse o cartão-chave que dava para o quarto de Chanyeol com seu agente, uma vez que este já estava a par da situação. Dirigiu-se até o local logo em seguida, adentrando ao cômodo o mais silencioso possível.

Do era bom nisso, tinha pés muito leves - razão que levou Baekhyun a confiar-lhe tal tarefa. Moveu-se pé ante pé até a margem da cama e curvou-se sutilmente sobre Chanyeol, cujo branco dos olhos refletia na fraca luz do celular, tal qual um par de faróis. Com cuidado, Do deslizou seus dedos sobre as pálpebras do rapper, movendo-as delicadamente para baixo.

Saíu do cômodo do mesmo modo que entrou: hábil e silencioso, tomando cuidado extra ao fechar novamente a porta atrás de si. Ele bocejou, exausto, e alocou o celular de volta à orelha.


-- Missão cumprida! - declarou, ouvindo o outro suspirar em resposta. 

Kyungsoo não pode evitar de sorrir ao perceber o modo como Baekhyun ainda se importava com Chanyeol - não mudara em nada. Então seu sorriso se desfez quando recordou a última vez que esteve com seu amigo. Logo uma ânsia o consumiu, revirando seu estômago, e ele engoliu em seco.


-- Baekhyun-ah... você está bem? - Silêncio. Do já esperava por isso, mas sentia a necessidade de continuar. -- Novos rumores tem se espalhado sobre você. Eu soube que aquela... senhora deu novas entrevistas à emprensa... e que apareceu no estúdio essa semana, no momento em que você estava gravando. - ele fez uma pausa, deixando tudo aquilo assentar. -- Você tem se distanciado de nós... Minho e os outros não tem notícias suas e Chanyeol-sshi tem reclamado que você não atende a maioria das ligações. Isso não se parece com você. - A linha do outro lado estava praticamente muda, não fosse pelo ocasional som da respiração de Baekhyun. Kyungsoo mordeu o lábio, pensando se agira certo em trazer o assunto à superfície, mas ele já não podia mais ignorar tudo aquilo. Respirou fundo. -- De todo modo, apenas... saiba que mesmo se você tentar se isolar, nós não vamos te abandonar, nós vamos te defender e te apoiar. Todos nós. - E sorriu, melancólico. -- Afinal, pra isso servem os amigos, não é?
-- ... H-Hum. - foi tudo o que Baek conseguiu responder, sentindo a garganta agora mais apertada que nunca.
-- Nos vemos em breve então. Cuide-se bem... boa noite. - E desligou.

Baek ficou inerte, jazendo na própria cama a encarar o teto enquanto o som da chamada finalizada ecoava em sua orelha.


"Só dessa vez... por favor..."


"Eu te amo."
 


Notas Finais


HELLO... IT'S MEEEE ♪~
Perdoem o sustinho no começo (-q~

E as coisas ficando mais zoadas pro lado do Baby Byun... que dor no kokoro que é tudo isso.
(Baekkie, vc tem mta gente que te ama, fighting!~
Esse lemon foi básico tbm (pq né~), mas cheio dos sentimentos flutuantes (n sei se consegui passar isso~)


Ahm, esse cap foi refeito, então a história vai mudar completamente, e por esse motivo a demora pra postar.
(Sim, eu me livrei de todos os outros caps q havia adiantado~
Mas n se preocupem, provável que ritmo de postagem vai ser esse (2 caps por semana~)
Tá bom, nenom?

Motivo pelo qual excluí tudo?
Não tava de acordo com o personagem. Eu tava forçando demais o Baek e tudo tava ficando estranho. Agr ele ta mais flúido, vcs devem ter percebido (ou n~

Sugar kisses, até o próximo cap!
Bai bai!
❤~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...