História Hunhan (não) está morto - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO, Lu Han
Personagens Lu Han, Sehun
Tags Hunhan, Lemon, Limão, Luhan, Sehun, Yaoi
Exibições 47
Palavras 1.051
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Fantasia, Ficção, Lemon, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Meu Deus... Eu demorei muito neh?... ashahhsuaha
Desculpa... Fiquei sem Net uns três dias.

Ah... Eu não gostei desse capítulo... 😭😭😭😭😭 Socorro...

Ok, sem mais enrolações. Bom capítulo!
(Leiam as notas finais)

Capítulo 5 - Fate


Fanfic / Fanfiction Hunhan (não) está morto - Capítulo 5 - Fate

"Bonito mesmo é quando tudo acontece por acaso

Sem data, sem horário, apenas coincidência, ou então destino."

 

 

- Uhuuuuuuuuuuuuuuu!!!! - estava rodando que nem louco naquela xícara, aquilo era realmente legal. - Mamãaaaae!

- Olha pra cá, Luhan! - mamãe gritou com uma câmera na mão, apontando-a para mim.

Olhei para ela e estiquei os braços para o alto sorrindo. Ela tirou a foto ao longe, e eu voltei a girar mais rápido ainda.
Aquela era minha primeira vez no brinquedo, e estava achando aquilo realmente divertido! Não pensava que era tão legal assim, como na TV.

- De novo! De novo! - disse quando saí do brinquedo e fui até minha mãe.

- Depois, Luhan. Ainda tem muitos outros para você ir! - ela disse sorrindo.

- Ta bom... - disse fazendo bico.

- Vamos. - ela pegou na minha mão, e começamos a andar pelo parque.

Caminhamos pelo parque até achar algo divertido para fazer, várias crianças corriam de um lado para o outro brincando e gritando.
O vento vindo na nossa direção, batia em meu rosto fazendo meus cabelos cobrirem um pouco de minha visão.

- Mãe... - puxei a manga de sua blusa para baixo, chamando sua atenção.

- Diga, filho...

- Quero algodão doce... - disse fazendo bico.

- Ta Luhan, vamos lá! - ela riu, e mudamos de direção.

                                   • • •

- Hummmmm... Muito bom! - disse enfiando mais um pedaço de algodão doce na boca.

- Que ótimo, filho!

E mais uma ligação.

- Alô? - mamãe disse enquanto atendia o celular. - Não acredito! E o Luhan? - ela esperou um pouco. - Ok, estou indo.

- O que foi mamãe? - perguntei enquanto ela colocava o celular na bolsa.

- Seu pai ligou, disse que esqueceu algo comigo e vem buscar. Luhan, vou ir até o estacionamento rapidinho e já volto, ok?

- Ok...

- Então não saia daí, e não siga nenhum estranho. Nem que ele te chame para ver alguma coisa, entendido?

- Entendido.

Ela beijou o topo de minha cabeça, e saiu me deixando sozinho num banco do parque.
Continuei comendo meu algodão doce e olhando as crianças se divertindo nos brinquedos ao meu redor. Era tudo tão legal, tudo parecia divertido e animado.
Nada podia atrapalhar!

Estava sentado balançando as pernas para frente e para trás, e com o sol batendo em meu rosto, quando sinto uma sensação estranha pelo meu corpo.

Sabe aquela sensação, de que alguém está te observando? Você sente que uma pessoa esta olhando para...

E era isso que estava sentindo no momento, quando olhei para um banco do meu lado esquerdo, um menino me observava.

Normalmente, quando você está observando uma pessoa, e em um indeterminado momento ela te olha, automaticamente você desvia o olhar.

Mas ele não... Ele continuou parado olhando para mim... Me olhava dos pés a cabeça, sem nenhuma vergonha na cara.
Minhas bochechas coraram rapidamente, e em segundos já estava na minha posição inicial, olhando para as pessoas e comendo meu algodão doce, tentando disfarçar.

Sem conseguir evitar, olhei de canto para ele e o mesmo ainda me observava, fazendo com que corasse ainda mais.
Ele estava me comendo pelos olhos!
E isso é estranho... Nunca ninguém tinha feito isso comigo - acho que é pelo fato de eu ser um garoto de 10 anos-.

Continuei comendo como se nada tivesse acontecido, e me desliguei um pouquinho dele. Joguei o palitinho do algodão doce num lixo do meu lado, e me lembrei de que havia trazido minha mochila.
Coloquei ela no chão na minha frente, e tirei de lá um caderninho de desenhos. Pequei o caderninho e coloquei sobre meus joelhos, começando a desenhar coisas aleatórias que vinhão na minha mente.

Estava tão entretido desenhando, que nem reparei quando aquele garoto do banco ao lado, se sentou junto a mim. Não reparei que o mesmo observava meu desenho e ficava me olhando de soslaio na maior parte do tempo.

- Olá... - ele disse finalmente.

Olhei para o lado e arregalei os olhos ao ver o menino alí. Ele era muito lindo, tinha uma expressão séria, porém muito bonita. Seus cabelos eram divididos na direita, com uma mecha caída para o lado.
Estava em silêncio encarando-o de boca aberta.

Sério... Aquele era o menino mais bonito que já vi na minha vida!
Estreitei os olhos, tentando reparar mais em seus detalhes.

Sabe quando você sente que já conhece aquela pessoa? Você fica tentando lembrar do lugar, em que provavelmente já tenham se encontrado?

Então... Foi bem assim com ele...
Parecia que eu o conhecia a anos, mas só estamos nos reencontrando agora.

- Oi... - ele disse quebrando o silêncio.

- O-i... - ainda estava o encarando de boca aberta - V-você... Me conhece? - perguntei pressionando a caneta nas minhas mãos.

Ele rio.
E era aquela risada gostosa de se ouvir. Como a dos bebês, você pode ouvi-lá o dia todo, que sempre vai achar linda e nunca se cansar de ouvir.

- Bom... Acho que não.  Mas esse poderia ser um ótimo momento! - sorriu de lado.

Minhas bochechas coraram instantâneamente.

- Bom... - ele voltou a falar. - Qual é seu nome?

- Luhan... - apertei ainda mais o caderninho e cacaneta nas mãos. - E-e o seu?

- Sehun! - ele sorriu largo. - O que estava desenhando, Luhan?

- É... Bom... - abri meu caderninho na página que estava desenhando. - Isso aqui! - estiquei meu caderninho, entregamdo-o para ele.

Eu mesmo estranhei meu ato, não entregava meu caderninho para ninguém! Nem mesmo minha para mãe, e agora... Estou entregando para um estranho - nem tão estranho assim.
Ele me passava uma energia tão boa, tão positiva.

Ele observou meu desenho por vários segundos. Olhava cada canto da folha, como se aquilo fosse a obra de arte mais conhecida do mundo.

- Luhan... - ele fitava o desenho. - Acredita no destino?

- Ahn... Destino? - perguntei desentendido.

- Sim... Você acredita? - ele perguntou olhando nos meus olhos.

- N-não sei...

- De onde você tirou isso? - ele apontava para o monstro que eu havia desenhado na folha do caderninho.

- Da minha cabeça... Por que? - Esse menino é estranho.

- Por que eu sonho com ele todas as noites...


Notas Finais


Ahhhh, uma coisa pra avisar. Minhas provas acabaram, e faltam 4 dias para as férias! *joga confete*
Eeeee, eu vou ter bastante tempo para escrever! Porque eu sou uma bosta e não faço nada da vida.

OK! Era só isso.
Tenham uma boa semana!^^

NÃO, PERA PERA!!!
EU ESQUECI DE FALAR, na capa ta o Baekhyun porque eu fiz errado, ok?
Era para colocar o Luhan... Só que foi o Baek! Como eu sou burra! Ajsuahushauaja (vou arrumar)

Agora sim, byeeeeee!^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...