História Hunters the Night - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Anjos, Bts, Demonios, Lobos, Vampiros
Visualizações 45
Palavras 2.027
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Ficção, Romance e Novela, Sobrenatural
Avisos: Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 5 - A Origem de um Vampiro.


Fanfic / Fanfiction Hunters the Night - Capítulo 5 - A Origem de um Vampiro.

“Se você achou essa carta... Provavelmente eu já estou morto.

        As coisas funcionam desse jeito para nós, os mundanos. Nada vem fácil, nada é o que achamos que é e a eternidade talvez seja mais uma maldição do que um presente ou um dom.

        Faço essas cartas às vezes, hoje elas me ajudam a não me esquecer do que sei. O que vi. As pessoas que passaram em minha vida.

        Talvez Jimin esteja certo... Talvez a eternidade seja tempo demais, tanto tempo que você acabe esquecendo e eu nunca pensei que teria medo de esquecer...

Mas, não sinta pena de mim por estar morto... A verdade é que no mundo em que cresci...

Estar morto...

Não significa parar de andar entre os vivos.“

                                                       ( Namjoon — Ano de 1624 )

 

 

      Na verdade ele pouco sabia sobre suas origens. Nunca tinha pensando muito sobre isso embora fizesse cartas e as deixassem espalhadas por aí, temendo que um dia a eternidade o fizesse esquecer-se de quem conheceu. De quem era realmente importante para ele.

     Temendo que uma hora ele se esquecesse das coisas que fez e do motivo de tê-las feito.

     Namjoon fora humano uma vez, talvez por volta de 1623 quando Mary morreu da epidemia que tomava seu vilarejo e sua única solução para salvá-la fora vender sua alma para um vampiro, visando mais tarde conseguir curar a doença de sua amada.

    Mas Namjoon não fora rápido o suficiente e ter de vê-la falecer fora algo terrível e insuportável. A fome por sangue aumentava a cada dia e ele se vira tantas vezes matando nas florestas, fugindo dos vilarejos com medo de matar pessoas inocentes que nada tinham com isso. Mas, nada era assim tão fácil para Vampiros, ainda mais os novatos e não demorou muito para que Gregory Harmy o fizesse um de seus discípulos.

   Gregory sabia que Namjoon estava em pedaços, Mary era a única coisa que o fazia sentir-se vivo e ambos estavam de casamento marcado. Era uma história de Romeu e Julieta a qual ele não suportaria, mas agora estava preso pela eternidade naquelas lamentações, naquele mundo de monstros onde ele se enojava de ser o que era e chegou até mesmo à loucura de se entregar para uma Hunter, clamando, pedindo pra que ela o matasse, para que ela tirasse sua vida...

    Mas... O que a Hunter viu nele para não matá-lo, foi algo que nem mesmo Namjoon soube responder e mais uma vez ele viu sua vida voltando a fazer sentido.

 

                                                                [...]

 

 

      O céu estava nublado e cinzento. As gotas d’água caiam lentamente fazendo o cheiro de terra molhada subir.

     Ele deslizou as asas até o terraço de uma mansão abandonada onde gárgulas ficavam ao redor e se escondeu entre elas enquanto aguardava o restante de seus aliados.

    Os cabelos loiros estavam molhados, respingando pela roupa. A blusa preta, a calça jeans, o tênis esporte. Ele desviou os orbes castanhos para o céu notando que um ponto branco deslizava em sua direção.

      Era Gabriel, o arcanjo.

— Gabriel... — Seokjin disse docemente para o líder que permaneceu sério. A barba loira que recobria seu rosto a fazer deixava um semblante severo e duro. As sobrancelhas se arquearam ao vê-lo. Os olhos verdes eram penetrantes e o rosto não tinha expressão.

— Vejo que se adiantou em chegar primeiro, Seokjin. — comentou dando passos em direção ao garoto pousando uma das mãos sobre um de seus ombros e abrindo um amplo sorriso. — É bom saber que ainda tenho discípulos responsáveis. — tirou a mão do ombro do garoto que arqueou os mesmos sorrindo de volta.

— É sempre uma honra servir ao senhor. — disse formalmente enquanto Jin olhava ao redor. A chuva agora estava quase parando e o céu abrindo.

— Deve estar se perguntando o motivo de ter pedido para que viesse aqui. — comentou sem encara-lo.

— Senhor, depois de tantos pedidos parei de fazer tantas perguntas... — Gabriel riu do comentário se virando para ele. — Mas, para que o Senhor me convocou exatamente? Colocou Alice e Mark na mesma missão. — as sobrancelhas de Jin se arquearam em curiosidade enquanto o homem passava uma das mãos pelos cabelos loiros e grisalhos pigarreando.

— Algumas coisas chegaram aos ouvidos dos arcanjos, Seokjin. Parece-me que estamos entrando em guerra... — o homem desviou os olhos pra Jin que ficou sério.

— Está dizendo que os arcanjos declararam guerra? — Gabriel concordou com a cabeça.

— Os Caídos estão começando a arrumar maneiras de acabar com os caçadores e conosco, Seokjin. A vingança por termos expulsados tais anjos do céu fez uma revolta começar no inferno. Deves imaginar que quem sofrerá com isso são os humanos. — Jin assentiu com a cabeça prestando bastante atenção. — Por isso, está encarregado de me trazer de volta uma caçadora. Infelizmente a presença dela será de extrema importância, mas não creio que ela ficará ao nosso lado tão facilmente. — ele desviou os olhos para Jin repreensivo. — Ela não pode cair em mãos erradas, Seokjin ou estaremos perdidos. — o garoto permaneceu em silêncio passando as mãos pelos cabelos lentamente. — Louise  tem uma coisa que quero de volta e só ela sabe onde está. — Gabriel fez uma pausa. — Mandarei mais duas anjas para ajudar no trabalho mais tarde, quero os Hunters nessa missão também, creio que Gregory e seus seguidores nos fará ter problemas. — Gabriel arqueou as asas as abrindo e esticando as penas como se estivesse pronto para voar.

— Isso é tudo? — Jin perguntou se afastando do homem que sorriu para ele.

— Isso é tudo.

 

 

                                                                [...]

        Louise estava irritada, boa parte de seu corpo já estava dolorido. Ela tinha ficado horas na frente da loja de roupas que Emmy tanto gostava. A garota gritava, fazia um escândalo monstruoso pelas roupas da nova coleção, mas, não era de se esperar menos que isso.

       Emmy era uma patricinha extrema de classe A e conseguia ter quase tudo que queria, não fosse uma boa saúde.

      Já era quase noite. As nuvens tampavam boa parte indicando que logo choveria e a cidade estava estranhamente vazia com o frio. Elas saíram pelas ruas ainda conversando, alguns carros passavam nas ruas de Elydium e Louise só iria para casa depois de deixar Emmy. Ela se preocupava com a garota que na maioria das vezes estava doente e naquele dia tinha imaginado de fazer compras com ela, já que sabia que Emmy era viciada em compras.

 

— Obrigada! — Emmy disse abraçando a garota gentilmente. — Precisava mesmo disso. — Louise riu.

— Você sempre precisa disso. — ela revirou os olhos recebendo um fraco soco de Emmy que riu também desviando os olhos para dentro da casa.

— Acho melhor você ir... — comentou murmurando. — Está ficando tarde... — ela passou os olhos pelo matagal que envolvia sua casa. Emmy morava um pouco afastada da cidade e o caminho de volta era algo assustador, repleto de árvores e uma estrada de terra que quando chovia ficava enlameada.

— Tudo bem. — Louise deu de ombros. — Eu sou forte. — ela riu da brincadeira fazendo Emmy rir também.

— Sim e pelo que sei tem Jimin nas mãos. — Louise arqueou as sobrancelhas corando.

— Oh! Não. — ela riu mais ainda revirando os olhos cinzentos os escondendo em baixo da pálpebra e estalando a língua provocando um baixo barulho enquanto suspirava. — Isso não é verdade, ok? — Emmy revirou os olhos gargalhando.

— Ok radiador de Bad Boys, tenha uma boa noite! — Emmy adentrou para a casa fechando a porta e a trancando enquanto Louise fechava o sorriso ainda rindo do comentário dela e se dirigindo para a estrada vazia.

     Pode jurar que via vultos a cercando de todos os lados.

 

                                                                [...]

 

     A estrada deserta começou a assombra-la. A noite tinha caído, as nuvens tampavam a lua e ela não conseguia ver nem mesmo suas mãos a sua frente.

    Podia ouvir várias folhas farfalhando, como se alguém a tivesse seguindo pelas árvores. Estremeceu quando ouviu um baixo “psiu” vindo de uma delas.

    Girou o corpo vendo um homem vestido de preto sem mostrar o rosto logo atrás de si e se apressou em continuar andando sendo repreendida por outro homem vestido de igual forma  de olhos vermelhos florescentes.

    Ela arfou. Podia sentir suas pernas estremecendo e frio em sua espinha começar a percorrer seu corpo. Os lábios se entreabriram para puxar ar enquanto ela tentava se distanciar dos dois homens pegando um novo caminho quando um terceiro apareceu tão rápido que seus olhos não o acompanharam.

    Ele a pegou pelo pescoço apertando lentamente fazendo a garota grunhir de dor enquanto ele colocava o corpo de Louise ao dele. Os olhos também vermelhos eram escondidos por cabelos negros.

 

— Hunter... Hunter... Você caça ou é a caçada? — disse em um sussurro ao ouvido de Louise fazendo os pelos de seus braços se arrepiarem. A palavra Hunter a fez estremecer e as pulseiras em suas mãos começaram a pulsar freneticamente.

— Me solte... — ela disse quase em um grito enquanto o homem tampava sua boca. Os homens que a seguiam também se aproximavam mostrando presas afiadas para ela. O rosto do homem que a segurava se contorceu em algo monstruoso, os olhos se tornaram vermelhos, a pele pálida, as lábios roxos.

— Dizem que o sangue de uma Hunter te faz mais poderoso. — ele roçou os lábios gelados contra o pescoço dela a fazendo se arrepiar e estremecer ainda mais lembrando-se do toque dos lábios de Kian. — Estou curioso para saber se é verdade.

— Pare! — ela gritou relutante quando alguém o empurrou para trás a tomando nos braços como uma criança indefesa.

     Os olhos dos homens se tornaram curiosos quando o mesmo garoto que Louise tinha encontrando na escola a envolveu nos braços musculosos os encarando como se fosse uma guerra silenciosa de olhares.

 

— Namjoon... — o homem de cabelos negros comentou surpreso arqueando as sobrancelhas. Estava tentando se levantar do chão com a roupa negra completamente suja de terra.

— Por favor, deixem-na em paz. — disse em um tom alto o suficiente para que eles escutassem.

— Namjoon, sabemos que é o mais velho presente, mas... Não é o puro-sangue entre nós. — Namjoon tomou os olhos vermelhos os encarando com raiva e ódio.

— Já me é o suficiente para matá-los. — murmurou em desafio fazendo os homens estremecerem.

— Ela é uma Hunter! — um dos homens apontou para Louise que os olhou confusa.

— Ela não é ameaça. — Namjoon a apertou nos braços agora a escondendo atrás do corpo. — Não tem com o que se preocupar, ela fica em minha responsabilidade. — murmurou mostrando as presas afiadas fazendo os homens se afastarem.

— Isso vai ser relatado para Gregory. — o homem comentou por fim.

— Desculpe-me Namjoon...  — o homem de cabelos negros sorriu maliciosamente. — Eu tenho outros planos...

 

     Ele se atirou contra Namjoon tentando acertar o rapaz que não se moveu. Apenas esticou uma das mãos para frente desviando o ataque segurando o pescoço do homem e o apertando com intensidade. O homem começou a se debater quando Namjoon mostrou os dentes afiados penetrando os mesmos no pescoço do homem, mordendo e arrancando a traqueia dele brutalmente.

    Ele jogou o corpo cadavérico para o lado. As garras afiadas tornaram-se ainda maior fazendo os homens restantes se afastarem.

 

— Você vai se arrepender disso, Namjoon! — um deles comentou fazendo Namjoon desviar os olhos para ele.

— Sumam daqui... — murmurou como resposta vendo os homens se esconderem na escuridão da floresta e virou-se lentamente para Louise que o olhava de olhos arregalados e tremula. O coração batia freneticamente, os lábios entre abertos tremiam tanto que Namjoon sentiu o coração apertar-se. Ela tinha medo dele?

— Não me toque! — ela pediu imediatamente assustada e se encolhendo junto a uma árvore quando ele esticou um dos braços para tocar Louise.

— Mas... — ele arfou estremecendo e recuou as mãos sentindo o peito se apertar. Ele era um monstro, que raio ele poderia fazer? — Desculpe-me... — pediu gentilmente virando-se de costas para ela. — Eu não queria te assustar...

 

     Ele saiu andando, o peito ardendo em saber que ela sentia medo dele, mas ele não poderia culpar Louise por isso. Ele sabia que isso iria acontecer e queria ter se apresentado de uma forma melhor, mas, era inútil.

    Quando ele sumiu entre as árvores ela puxou o celular de um de seus bolsos. Não conseguia se quer pensar direito e o único número pra qual conseguiu ligar para pedir ajuda, foi o de Jimin.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...