História Hurricane - Capítulo 31


Escrita por: ~

Postado
Categorias BEAST (B2ST), M.I.B (Most Incredible Busters), MBLAQ, Super Junior
Personagens Han Geng, Heechul, Henry Lau, Joon, Kim Jongwoon, Kim Ryeowook, Kim Youngwoon, Lee Donghae, Lee Hyukjae "Eunhyuk", Mir, Park Jungsu, Yesung, Yoon Doo Joon, Zhou Mi
Tags 2jun, Dongseung, Eunhae, Hackers, Hanchul, Hanseung, Joomir, Kangteuk, Lemon, Mpreg, Seungdoong, Yewook, Zhoury
Exibições 220
Palavras 3.417
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Crossover, Famí­lia, Lemon, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


HELLO.............

ITS MEEEEEE

Vamos encarar o assunto: TIA KILLER É UMA MÁQUINA DE PLOT, PORÉM NÃO MÁQUINA DE ESCREVER. Eu adoraria ser igual essas pessoas extraordinárias que escrevem uma porrada de fic ao mesmo tempo, mas eu SO LOKAAAAAA(pra quem conhece esse grande bordão da tv brasileira, eu gostaria de dizer que RICAAAAA serei um dia), e vou postando as fics, fudendo vcs, fudendo eu, pra no final ficarmos todos bem fodidinhos e querendo capítulos. Porque, sim, eu sou a loka que adora saber o que vai acontecer nas minhas fics PQ EU NÃO PLANEJO A MAIORIA DAS COISAS.

Tá, mas deixa eu contar o principal: Eu tive uma ideia nova. Na verdade, antiga, porém nova. Eu escrevia uma fic (Look at me now) que era DooWoon, JunSeung e KiSeob (esse ultimo couple não tenho certeza), mas eu parei ela, e excluí, porém resolvi reescrevê-la, mas mudei praticamente TUDO, então virou meio que uma fic nova (?), pois é. Eu vou postar ela, sim. Eu sou doida? Sim. Mas gente, ela é tão amorzinho.

PORÉM, NÃO VENHAM DOIDOS QUERENDO ME MATAR NÃO. Eu não vou postar ela agora (espero, pelo amor de Deus alguém me segura EU SO A LOKA DAS POSTAGENS); tô esperando montar uns cinco capítulos e aí sim o bagulho ferve. Eu quero lotar o SS de 2JUN, me desculpa.


Recado (textão ENEM 2017, aqui vou eu) dado, mais dado que isso só o JunHyung. EU TO BRINCANDO *foge das pedras*, beleza, tô indo, xaus.

Tia Kill ama vcs muitão assim ó, isso msm, não dá p enxergar pq meu coração é de gelo só habita trevas de solidão

(frase em homenagem ao Yesung, emogótico mais lindo do mundo)

Enfim,

Boa leitura. ;*

Capítulo 31 - Stay with me.


"Algum dia

A fama vai sumir

O dinheiro que ganhei

Vai ser gasto em algum lugar

Pessoas que estavam ao meu redor

Vão embora

Mas, amor, você

Espero que você fique comigo

Espero que você fique comigo

Nunca mude, mas para sempre

Fique comigo".

Stay With Me – Jay Park

 

 

JongWoon estava sentado no sofá de sua casa folheando algumas anotações, ele tinha um livro novo para entregar na próxima semana, era mais um inspirado em certo moreno que estava sentado ao seu lado, com cara de tédio. O homem sabia que RyeoWook gostava de vê-lo trabalhar, mas nas últimas semanas JongWoon fez apenas isso, e tinha noção de que o garoto estava sentindo-se deixado de lado. Ele não queria deixar seu anjinho achando que não era mais amado, mas tinha a necessidade de terminar o livro e entregá-lo para Heechul, antes que esse arrancasse sua cabeça e fizesse um churrasco.

 

Nesses últimos tempos juntos, JongWoon conheceu muita coisa do seu garoto. RyeoWook era tímido e reservado, mas quando estava com os pais – ou com os amigos –, ficava mais livre. Ele fazia piadas fora de hora e ria de coisas aleatórias, o que encantavam Yesung ainda mais. Ele achou que não teria como se apaixonar mais do que já estava, mas é claro que RyeoWook tinha que quebrar essa regra. Ele se sentia a cada dia mais encantado com o garoto, seus pequenos gestos eram como um tesouro e JongWoon guardava cada um em sua mente, esperando para repassá-las durante a noite, antes de dormir, para poder lembrar do sorriso alegre de seu garoto.

 

O mais velho também teve de aceitar algumas coisas, uma delas, por exemplo, foi que o pai de RyeoWook não o aprovava. Infelizmente, teria que contentar-se com isso. Ele sabia que YoungWoon só queria o melhor para o filho e, por algum motivo, resolveu que JongWoon não era esse “melhor”. Se aquilo magoava JongWoon? Sim. Ele sabia melhor do que ninguém que nunca forçaria RyeoWook a nada e que sempre daria tudo que seu garoto quisesse, mas YoungWoon era superprotetor e proibia tudo. Desde as saídas durante a noite, até as tardes no apartamento de JongWoon.

 

Claro que, depois de uma carinha fofa, várias lágrimas – que JongWoon tinha de dizer, eram falsas –, RyeoWook conseguiu convencer o pai a deixá-lo passar ao menos os finais de semana em companhia do namorado. YoungWoon não estava contente com aquilo, mas JongWoon sabia que ele não conseguia dizer “não” quando seu garoto começava a chorar. RyeoWook sabia manipular o pai.

 

 

– O que foi, bebê? – JongWoon murmurou, ao ouvir RyeoWook bufar pela quinta vez. – Está entendiado?

 

– Sim… – O moreninho suspirou, desanimado. – Sei que tem que terminar seu livro, mas já faz semanas que não me dá atenção, JongWoon…

 

– Eu sei, amor. Mas já combinamos que quando eu terminar esse, entrarei de férias e irei te mimar bastante. – JongWoon acariciou o rosto do namorado com a mão livre. – Já falei o quanto você ficou lindo moreno?

 

– Não adianta me bajular, JongWoon. – RyeoWook irritou-se, cruzando os braços e virando a cara. Parecia um gatinho raivoso, na visão de YeSung. – Você poderia me dar atenção, pelo menos hoje.

 

– Tudo bem, bebê. – JongWoon largou as anotações na mesa de centro, virando-se para o moreninho e puxando-o para perto. – O que quer fazer?

 

– Ficar assim com você. – O menor respondeu, aconchegando-se no peitoral do mais velho. – Faz tempo que você não para, JongWoon. Não é só porque estou carente e, sim, porque estou preocupado com você.

 

– Eu estou acostumado com isso, amor. – YeSung acariciou os fios escuros do cabelo alheio. – HeeChul me faz trabalhar como um louco quando o prazo final está acabando… Um dia você se acostumará com isso também.

 

– Não acho que eu vou. – RyeoWook sentiu o corpo do namorado retesar-se abaixo do seu, entendendo o que o mais velho tinha pensado. – Eu não estou falando que vamos terminar, amor. Só estou falando que não vou me acostumar com HeeChul entrando por aquela porta e revirando nossa vida de cabeça pra baixo por causa de um livro. Eu entendo que é o seu trabalho, mas eu gosto de ter você pra mim. E se tivermos filhos? Já pensou como seria? HeeChul entraria, mandaria você escrever como um louco e eu ficaria encarregado de cuidar da casa e das crianças sozinho. Acho que mataria você e ele.

 

 

JongWoon riu, sentindo seu coração quente. Ele amava imaginar aquele apartamento cheio de pequenos, ainda mais se fossem parecidos com RyeoWook. Desde que soube que o garoto era um portador, seu sonho de ter filhos aumentou drasticamente. Ele só conseguia imaginar um futuro onde RyeoWook estivesse, e também existisse pequenos iguais a ele. Aquilo emocionava o mais velho, ele nunca pensou que chegaria ao ponto de querer construir uma família com alguém, ele sabia que RyeoWook estava cada vez mais enraizado em sua vida.

 

 

– Não se preocupe, eu nunca te deixaria sozinho. – O mais velho respondeu, beijando a testa do menor. – Você e nossos bebês teriam toda a minha atenção. Quando construirmos uma família, eu vou lidar com isso melhor, mas, por enquanto, eu quero trabalhar o máximo que puder para conseguirmos viver bem. – JongWoon segurou no queixo do mais novo, fazendo-o olhar em seus olhos. – Minha vida era vazia sem você, bebê, mas quando você chegou, trouxe coisas que eu nem imaginava que queria. Eu quero casar com você, quero que venha morar comigo e quero vários pequenos enchendo nossa vida de alegria, mas preciso trabalhar para que vocês possam viver confortáveis.

 

 

JongWoon observou os olhos do seu garoto encherem-se de lágrimas, as quais escorreram quando ele piscou os olhos. O homem secou as lágrimas com os polegares, recebendo um sorriso tímido de seu namorado.

 

 

– Você me faz parecer egoísta. – RyeoWook murmurou e JongWoon abriria a boca para negar, mas foi interrompido. – Não precisa se matar de trabalhar só para me dar uma vida confortável, eu já terei essa vida se você estiver nela. Você é o meu confortável, JongWoon. Não consigo sentir com outra pessoa o que sinto com você, não consigo me imaginar tendo filhos de outra pessoa. Você é o meu porto seguro, e tendo você eu já tenho o mundo.

 

 

JongWoon não achou palavras o bastante para responder aquela declaração, por isso cobriu os lábios pequenos com os seus, iniciando um ósculo lento e cheio de amor. Porque era isso que ele tinha para dar a RyeoWook, um amor grande e intenso, que ultrapassaria todas as barreiras necessárias. Ele beijou o menor com todo seu amor, sua devoção e sua confiança, mostrando ao garoto que nada importava se eles estivessem juntos, com seus corações batendo como um só.

 

O garoto subiu no colo do mais velho, retribuindo ao beijo de bom grado. JongWoon amava aquele lado de RyeoWook, ele era carinhoso e quebrava-o com palavras lindas, fazia com que o escritor pensasse seriamente quem era o mais sábio ali, porque o mais novo realmente orgulhava-o com o quão maduro poderia ser. JongWoon suspirou quando suas línguas foram entrelaçadas, ele sentia as mãos de RyeoWook puxarem seus cabelos e ditarem um ritmo mais rápido ao beijo. Semanas antes do homem afundar-se nos livros, o garoto resolveu que queria consumar seu namoro com o escritor, mas o mais velho não achava que ele estava pronto e por isso não fizeram nada, mas agora, depois de ter ouvido tudo isso, ele tinha certeza de que seu moreninho estava pronto.

 

 

– Você quer mesmo isso? – JongWoon perguntou, apenas para ter a certeza e recebeu um aceno positivo do mais novo. – Mas não há nada especial para o momento…

 

– Ter você já é especial, JongWoon. – O menor confessou, contra os lábios vermelhos do mais velho. – Não vamos nos prender a detalhes.

 

 

JongWoon apenas afirmou com a cabeça, deitando o mais novo no sofá. Ele ficou entre as pernas de RyeoWook, sentindo a respiração do mesmo oscilar quando mordeu levemente o lóbulo de sua orelha. YeSung amava aquelas reações, era tão automático, cada toque gerava uma corrente elétrica que percorria o corpo do mais novo e tirava-lhe a respiração. Era tão prazeroso saber que causava aquilo em alguém, não tinha palavras que descrevessem aquilo. JongWoon puxou a camiseta do mais novo para cima, tirando-a e jogando para o chão, ele não se importava com aquilo no momento. Seus lábios percorreram o corpo de RyeoWook em uma carícia, ele deslizava-os tão suavemente, despejando beijos tão delicados que só restava ao mais novo suspirar em contentamento, deliciando-se com aqueles lábios macios e quentes. JongWoon, sem a miníma pressa, dava todo o carinho que seu garoto merecia. Eles tinham adiado aquilo demais, mas não se arrependiam, tudo em seu devido tempo.

 

Os lábios quentes chegaram no mamilo direito do mais novo, dando-lhe suaves beijos, para então contorná-lo com a língua, causando uma reação imediata em RyeoWook. Os pelos de seu corpo arrepiaram e sua respiração tornou-se rarefeita, ele sentia como se uma corrente elétrica desse-lhe choques a cada vez que a língua de JongWoon encontrava o bico de seu mamilo, levando-o a um estado de prazer que nunca tinha sentido. RyeoWook era virgem, e o mais velho sabia disso, mas sentir todos aquelas reações vindas dele só davam-lhe mais vontade de sentir como seria quando estivessem conectados, unidos tanto em alma quanto em corpos; Eles precisavam daquilo.

 

JongWoon fez todo seu caminho com calma, ele sugou primeiro o mamilo direito, deixando-o eriçado e ouvindo ofegos prazerosos de seu garoto, para então deslizar seus lábios até o mamilo esquerdo, repetindo o mesmo ato e tendo a mesma recompensa: os grunhidos baixos que seu moreninho soltava; Era ótimo ouvir aquilo, seu coração enchia-se de amor cada vez mais e sentia prazer apenas em tocar seus lábios na pele quente do menor. O mais velho trilhou beijos, descendo os lábios até a calça que o menor usava, JongWoon olhou para o mais novo, fixando seu olhar no dele enquanto abria a calça do garoto e puxava-a para baixo. Ele livrou RyeoWook daquela peça incômoda e olhou para o menor, notando o volume na calça do mesmo. O moreninho corou e virou o rosto para o lado, ouvindo o riso baixo do namorado.

 

 

– Não precisa sentir vergonha. – JongWoon murmurou, e RyeoWook voltou a olhá-lo, mesmo ainda estando vermelho.

 

– É fácil falar… Eu nunca fiquei assim com ninguém. – O mais novo suspirou, sentindo suas bochechas arderem.

 

 

JongWoon mordeu o lábio inferior, controlando-se para não estragar o momento tendo um ataque de ciúmes. Ele quase imaginou outra pessoa tocando a pele de seu garoto, e aquilo era horrível. Não, nunca. RyeoWook era seu, e sempre seria.

 

 

– Eu sei… – Respondeu, sua voz suave. – Fico feliz com isso, ou teria um ataque de ciúmes agora mesmo.

 

 

RyeoWook riu, relaxando o corpo novamente e jogando a vergonha para o alto. Não que não sentisse suas bochechas ardendo, porque claro que sentia, mas ignoraria isso. Era seu namorado ali, disposto a dar-lhe todo o prazer que necessitasse, tinha de aproveitar isso.

 

O mais velho tocou no membro do mais novo por cima da boxer, recebendo um gemido arrastado em resposta. JongWoon percebeu que seu moreninho era muito sensível ao toque, e aquilo alegrava-o imensamente, cada mínimo deslizar de seus dedos causava um gemido diferente, deleitando-os e mesmo que quisesse provocar seu garoto, já não tinha mais como aguentar segurar a própria excitação dentro das calças. O maior retirou a boxer do mais novo, revelando seu membro desperto. JongWoon não se fez de rogado, segurou no membro do menor e colocou-o na boca, iniciando uma sucção lenta. RyeoWook gemia sem controle, e mesmo que tentasse morder os lábios para abafar os gemidos, sempre acabava esquecendo-se e gemendo novamente. Ele era inexperiente, e JongWoon queria matá-lo com aquela boca que sabia chupá-lo tão bem.

 

JongWoon quase gemeu de tanto tesão ao ver RyeoWook abrir as pernas inconscientemente, o mais velho parou de chupar o membro alheio, mas continuou masturbando-o. Seu olhar percorreu todo o corpo do mais novo, até parar na entrada rosada e apertada, ele sabia que seria um sacrifício entrar ali, e aquilo quase o fazia ter vontade de desistir, só de pensar em machucar seu garoto já sentia-se a pior pessoa do mundo, mas duvidava que RyeoWook permitisse que parassem ali, ele queria aquilo tanto quanto o mais velho. JongWoon sugou dois dedos, levando o indicador até a entrada do menor e circulou-a, sentindo-a pulsar contra seu dedo.

 

 

– Relaxe, amor. – O maior murmurou, capturando os lábios do mais novo com os seus.

 

 

O beijo era calmo e delicioso, misturando-se com a mão de JongWoon que ainda masturbava o membro do menor e o dedo que penetrava-o lentamente, fazendo o moreninho ir do céu ao inferno. Aquilo ardia e doía, mas misturados com a dose certa do beijo e da masturbação, fazia RyeoWook ignorar a dor e continuar, tão faminto por mais de JongWoon que suportaria qualquer coisa. O mais velho moveu o dedo algumas vezes dentro de RyeoWook, ouvindo os finos gemidos que saiam por entre o beijo e quando achou que o rapaz estava acostumado, inseriu outro dedo. O moreninho gemeu de dor, mas esta logo foi ignorada com a velocidade da mão de JongWoon em seu membro aumentando, levando-o para outro mundo.

 

O mais velho sabia como distrair seu garoto e, aproveitando-se disso, moveu os dedos em seu interior, ouvindo as lamúrias de dor e prazer. RyeoWook já nem sabia o que estava sentindo direito, ele só tinha certeza de que queria mais, mesmo que a dor fosse péssima, ele conseguia sentir algo prazeroso naquilo, ainda mais com seu membro sendo bombeado. JongWoon forçou os dedos com mais velocidade, e os gemidos que antes continham dor, foram mudando para prazer. RyeoWook já nem sabia distinguir o que estava acontecendo, ele apenas necessitava de mais. O maior penetrou outro dedo e, dessa vez, o gemido de dor foi audível, mas ele ignorou sua voz interior que o mandava parar com isso e continuou a mover os dedos, ouvindo os choramingos de seu pequeno. Ele achou que RyeoWook não iria se acostumar, mas logo o garoto estava gemendo novamente de prazer contra seus lábios.

 

 

– Amor… – JongWoon tentou chamar a atenção do menor, mas foi impossível, ele estava muito perdido nas sensações, por isso o mais velho retirou os dedos de dentro dele e diminuiu o ritmo da masturbação. – Bebê…

 

– O que? – O mais novo suspirou, sentindo-se vazio. Ele queria sentir JongWoon tocando-o ali dentro de novo. – Eu preciso de você.

 

– Eu sou muito maior do que esses dedos. – O maior mordeu o lábio inferior, ele estava indeciso. – Tenho medo de te machucar.

 

– JongWoon, eu confio em você. – RyeoWook falou, olhando nos olhos do namorado. – Eu confio e amo você, por favor, me torne seu.

 

 

O mais velho apenas balançou a cabeça positivamente, soltando o membro do mais novo. Ele retirou a blusa que usava, revelando o peitoral bem cuidado que logo foi tocado pelas mãos inexperientes e curiosas do menor, que passava o dedo por cada gominho, adorando aquilo. Quando o mais velho foi retirar a calça, RyeoWook balançou a cabeça negativamente e abriu a calça do maior, puxando-a para baixo. O pequeno arregalou os olhos ao ver a marcação na boxer do mais velho e suspirou, mordendo o lábio inferior. RyeoWook tinha noção de que ele era grande, mas não tinha noção de que era tão grande e não fazia ideia se daria conta daquilo tudo.

 

 

– Grande… – RyeoWook pronunciou, automaticamente. Sua mão já estava no volume, tocando-o levemente e recebendo um gemido em resposta. – Tenha cuidado.

 

 

JongWoon balançou a cabeça positivamente, vendo a determinação no olhar de seu garoto. RyeoWook puxou a boxer para baixo, ajudando o mais velho a jogá-la para longe junto com a calça. Os olhos do moreninho se arregalaram, era realmente grande, mas também era relativamente grosso e aquilo certamente doeria bastante. Antes que JongWoon tivesse a chance de perguntar se o mais novo queria parar, RyeoWook o puxou para seus braços, beijando seus lábios longamente, para então sussurrar:

 

 

– Camisinha.

 

 

O mais velho apenas concordou, levantando-se rapidamente e pegando uma das milhares de camisinhas que HeeChul deixava espalhadas pela casa, o amigo era um inconveniente mandando-o transar sempre, mas, pelo menos, aquilo serviu para algo. JongWoon voltou para o sofá, abrindo o pacote de camisinha e desenrolando-a em seu membro com agilidade. Ele ficou entre as pernas do mais novo, notando como ele estava ansioso e nervoso, sabendo que aquela combinação não ajudaria em nada no momento.

 

 

– Bebê, você precisa relaxar. – Falou, notando que aquilo não adiantaria.

 

 

JongWoon beijou o mais novo, arrancando o fôlego deste com um beijo cheio de desejo e amor, deixando RyeoWook completamente disperso. Aproveitando-se disso, o mais velho encaixou seu membro na entrada no mais novo e forçou-o lentamente, entrando aos poucos. JongWoon estava sentindo-se apertado entre aquelas paredes, mas aquilo não deixava menos prazeroso. Já para RyeoWook a dor era insuportável, mas ele tentava se concentrar no beijo e relaxar sua entrada, era inexperiente, mas não burro, ele sabia que seria muito pior se não conseguisse relaxar. O mais velho parou ao estar completamente dentro do menor, ele beijava, mordia levemente e até começou a masturbar novamente o menor para que o mesmo esquecesse da dor. Longos minutos se arrastaram, JongWoon sentia-se quente como o inferno e RyeoWook sentia que aos poucos conseguiria continuar, enquanto amaldiçoava o namorado mentalmente por ser tão grande.

 

JongWoon recebeu um aceno de cabeça do mais novo e entendeu aquilo, ele começou a mover-se lentamente, ainda vendo o semblante de dor preencher seu pequeno, mas alguns gemidos escapavam entre os lábios do menor e não eram apenas de dor. O mais velho controlou-se para não gemer, isso até não aguentar mais e tirar metade de seu membro de dentro do menor, para voltar com força, acertando fundo dentro do garoto. RyeoWook gritou, uma dor misturada com prazer que ele nunca entenderia o motivo de gostar, e JongWoon gemeu arrastado, sentindo o interior apertado contrair-se contra seu membro, levando-o a loucura.

 

A partir daí, o mais velho talvez não se orgulhasse de seus ato. Deixando-se ser levado pelo prazer, JongWoon começou a aumentar o ritmo das estocadas cada vez mais, claro que sempre notando se seu pequeno estava gostando, e em pouco tempo estava indo tão rápido e fundo que não tinha como parar. RyeoWook gemia sem pudor e arranhava as costas do mais velho, ele sentia JongWoon tão fundo e forte, tão inesquecível. Mesmo com a pouca dor que restava ele só queria mais, e cada vez mais lhe era dado. Tudo só melhorou quando JongWoon achou a próstata do mais novo, arrancando um grito de prazer o rapaz, que não sabia mais o que era pudor.

 

Os corpos estavam uma mistura de suor, desejo, necessidade, amor, companheirismo e vários outros sentimentos que carregavam consigo. JongWoon olhava o menor com amor, seus olhos conectados o quanto era possível, já que RyeoWook mal conseguia mantê-los abertos a cada estocada que acertava seu ponto de prazer. Ele mal conseguia raciocinar o que estava acontecendo, mas sabia que estava perto. O moreninho tinha que avisar o mais velho, mas era impossível, então deixou que seus gemidos desvairados avisassem por si mesmos e aquilo só instigou JongWoon a dar-lhe mais. Mais estocadas, mais acertos, mais amor. Os corpos não eram só desejo, e sim sentimentos. Suas almas não eram só apaixonadas, e sim companheiras.

 

Em um beijo cheio de paixão, RyeoWook gemeu, explodindo contra os abdômens e manchando-os. JongWoon não aguentou as contrações fortes contra seu membro e gozou, enchendo a camisinha com seu prazer. Os lábios permaneceram colados, desfrutando daquele momento e daquela letargia. O corpo cansado do mais velho caiu sobre o do menor que, após seu momento desligado de tudo, começou a acariciar as costas do maior e notá-las totalmente arranhadas.

 

 

– Você está bem? – JongWoon perguntou, a voz rouca e deliciosa.

 

– Eu estou ótimo. – O menor respondeu, um sorriso bobo estampado em sua face. – Suas costas não estão doendo?

 

– Estão, amor, mas não importa. – JongWoon fez menção de retirar-se do mais novo, mas foi impedido. – O que foi?

 

– Eu vou sentir dor quando você sair. – RyeoWook confessou, envergonhado. – E eu me sinto completo com você aqui… Apenas fique.

 

 

JongWoon sentiu o coração aquecer mais uma vez, seu garoto tinha esse dom. Ele teria que sair para comprar algo que aliviasse a dor do moreninho, mas, por enquanto, poderia ficar da forma que ele queria. Pensando dessa forma, resolveram deixar com que fossem levados para o mundo dos sonhos, enquanto seus corpos permaneciam unidos, como suas almas. Eles eram um e não havia dúvidas.


Notas Finais


Eu gosto da forma como o RyeoWook pensa! Ele foi o único (depois de Hyunseung) que lembrou da camisinha (mas o Hyunseung esqueceu depois também, então não conta); Gente, vale lembrar que a camisinha não é só pra não engravidar, é pra não pegar doença também, então tia Kill conscientizadora tem que dar uma de mãezona, sim. E é pra vocês usarem camisinha, viu?! Nada de dar uma de JunHyung da vida.

Lemon mais amorzinho que eu consegui fazer, porque YeWook merece. Lembro-me que tem uma leitora que só lê por causa de YeWook, então, aqui está <3

PRA QUEM PULOU AS NOTAS INICIAIS: Vá ler.

PRA QUEM ACOMPANHA CURIOUS, MAS NÃO O SS NÃO MANDOU ATT: O capítulo dois já foi postado!

POSTEI UMA ONESHOT COM A RAQUEL, quem quiser, só vem: https://spiritfanfics.com/historia/after-the-storm-6736170

TAMBÉM tenho uma oneshot que não divulguei aqui (eu acho), SÓ VEM: https://spiritfanfics.com/historia/bioterrorism-6421569 (se eu já divulguei, perdoa eu sou de humanas)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...