História Hurricane Jimin - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bangtan Boys, Jimin, Park Jimin
Exibições 115
Palavras 3.288
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Ecchi, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oieee! Gente que saudades de vcs. Sei que sou uma vaca completa por ter deixado a fic parada mas é que eu tive alguns problemas e tudo o que eu escrevia ficava péssimo. Então eu esperei as coisas se resolverem e isso demorou um pouco muito. Me desculpem de verdade. Bom, espero que não tenha decepcionado vocês por esse cap ainda não ter hentai xD mas eu já estou adiantando as coisas e bom... Altas surpresas pra vocês e.e Muito obrigada a todos os 70 favoritos. Amo vocês

Capítulo 7 - Pipoca


O toque do meu celular me acorda, abro os olhos relutante e procuro pelo aparelho no criado-mudo ao lado da cama mas não o encontro. Ainda meio dormindo, obrigo-me a levantar e logo vejo o coitado no chão, virado de cabeça para baixo. Desejando que a pessoa que ligou morra da pior maneira possível, pego o celular e vejo a chamada. Número Desconhecido. Resolvo não atender, com certeza deve ser engano.

Já quase totalmente acordada, pego uma roupa qualquer de dentro do guarda-roupa e visto. Caminho até o espelho e vejo o desastre que estou. Meu cabelo está todo desgrenhado, apontando pra todos os lados e desafiando a lei da gravidade, fora o fato de meus olhos estarem inchados e vermelhos, me deixando com uma aparência horrível. Como se não bastasse, ainda estou com uma terrível dor de cabeça. Dou uma olhada rápida pelo meu quarto... As roupas que usei ontem estão todas espalhadas pelo chão e nem me lembro de ter ido dormir. Na verdade, não me lembro de nada da noite anterior, só que fui a uma festa com Na Young... O resto, minha cabeça se recusa a se lembrar. Com um suspiro, jogo o celular na cama e saio do quarto, rumo a cozinha.

Descendo as escadas, percebo como o dia está lindo e radiante, totalmente o contrário da minha situação atual. Chego na cozinha, que parece brilhar sob a luz do sol que entra pela janela. Procuro pela caixa de remédios, pego um comprimido pra dor e tomo, desejando mais uma vez não ter acordado com o maldito toque do meu celular. Ainda não sei bem o que aconteceu ontem a noite e ficar pensando nisso faz com que a dor aumente ainda mais. Maldita hora em que fui nessa festa... Devia ter ficado em casa, como sempre e nada disso, desde a dor de cabeça até a imensa bagunça em meu quarto, não estaria acontecendo. Bom, penso comigo mesma, já passou e é bom que eu tenha aprendido de vez a não beber mais. Olho de relance para o relógio na parede. Meio-dia. Não acredito que dormi tanto assim. Meus pais chegam amanhã e a casa está uma bagunça total. Minha mãe teria um ataque se visse a casa dela nesse estado. Ignorando a dor de cabeça, corro pela casa para pegar os materiais de limpeza e começo a faxina matinal.

                                        ※

Já passa das duas horas da tarde quando resolvo fazer uma pausa rápida para o almoço. Passei o dia descendo e subindo as escadas, carregando baldes, vassouras e produtos de limpeza. A dor de cabeça não passou, apesar de eu ter tomado o remédio, mas eu não podia parar. Mamãe chegaria amanhã junto com papai e quero que descanse, por isso resolvi dar uma geral na casa. Claro, teimosa do jeito que é, provavelmente irá refazer tudo no dia seguinte. Termino meu almoço, que na verdade era macarrão instantâneo, e ouço meu celular tocar. Deve ser aquele número desconhecido. Deixo a tigela no balcão da cozinha e subo as escadas correndo.

No meio da cama desarrumada, pego o meu celular e suspiro ao ver o número. Atendo e ouço a voz de minha mãe. 

 - Eunjung, por  que demorou tanto pra atender? Aconteceu alguma coisa? - minha mãe pergunta, preocupada. 

- Não, mãe. Eu só... Estou um pouco ocupada. Estou preparando tudo pra sua chegada amanhã. - digo. 

- Não precisa se preocupar com essas coisas, filha. Você devia estudar e descansar pra amanhã. Não se preocupe com essas coisas. Eu... - ela começa a dizer mas eu a interrompo. 

- Não, eu quero deixar tudo pronto para que a senhora e papai descansem da viajem quando chegarem. 

- Você sempre foi uma boa filha Eunjung, apesar de que eu acho que você se preocupa demais. - mesmo pelo celular, sei que ela está sorrindo. - Bom, amanhã chegaremos em casa, provavelmente de manhã, enquanto você estiver na escola. 

- Ah, que pena... Mas vou tentar chegar mais cedo em casa pra poder ver vocês. Estou morrendo de saudades. - digo, tentando disfarçar a emoção em minha voz.

- Eu e seu pai também estamos morrendo de saudades de você. Espero que esteja tudo bem. Resolveu aquele problema? - pergunta ela e demoro um tempo até descobrir que ela se refere ao meu problema com Jimin. 

- Sim, resolvi sim. Era só um problema da escola. - minto. 

- Que bom. Preciso ir agora, tenho que acordar seu pai pra ele me ajudar com as malas e você sabe como ele dorme que nem uma pedra. - nós duas rimos. - Fique bem até eu chegar aí. Te amo, filha. 

Ficarei bem. Também te amo. - me despeço e desligo o celular. 

Pego meu travesseiro e o abraço, ignorando a vontade de chorar. Sinto tanta saudade de meus pais, mais do que qualquer outra vez em que eles ficaram fora. Felizmente, meu celular vibra, notificando uma mensagem de Na Young. 

Na Young: Bom dia, flor do dia!  Como está? 

Na Young e seu super entusiasmo... Digito uma resposta. 

Eunjung: Bom dia só se for pra você. Parece que tem um martelo dentro da minha cabeça. 

Na Young: Hahaha Relaxa. Primeira ressaca é assim mesmo. Daqui a pouco passa. Mas me conta... O que aconteceu com você e Jimin ontem? 

Eunjung: Do que você está falando? 

Na Young:  Não acredito que você se esqueceu!  Do seu beijo com o Jimin, claro. 

Quase deixo meu celular cair no chão. Eu beijei o Jimin? Mas... Isso não pode ter acontecido. De repente me lembro do que aconteceu. Eu estava sentada no banco do estacionamento quando Jimin me encontrou. Nós discutimos e enquanto eu voltava pra dentro do bar, Jimin agarrou meu pulso e mesmo eu dizendo que não, ele me beijou. Estávamos tão... próximos. Minhas mãos nos cabelos do garoto, suas mãos em minha cintura, os pequenos gemidos que soltávamos... O barulho de notificação do meu celular me desperta do meu devaneio. 

Na Young: Heey! Ainda está aí? 

Eunjung: Obrigada por deixar meu dia melhor. 

Na Young: De nada. Espera... Você está sendo sarcástica? Porque se estiver, pode ir parando. Você devia ter visto sua cara quando voltou pro bar depois do beijo. Parece que a coisa foi quente! 

Eunjung: Quer por favor calar a boca? Estou brava com você agora. 

Na Young: Não gaste seu tempo ficando com raiva de sua unnie. Devia é estar agarrando a bunda do Jimin. Ele tem uma bela bunda. ;-) 

Eunjung: Ok. Amanhã eu mato você. 

Bloqueio o celular e o jogo na cama novamente. Não estou com raiva de Na Young, não de verdade. Mas não quero que ela fique me lembrando de algo que eu obviamente quero me esquecer... Ou penso que quero. Acontece que eu não quero confessar a mim mesma que gostei do beijo. Quer dizer, Jimin é um gato e tudo o mais, porém ele acha que sou uma qualquer que ele pode usar e jogar fora, como aquela vaca da Hyerin. Não, eu não sou assim. E quero deixar bem óbvio pra aquele garoto arrogante. Pra esquecer de vez esse assunto, começo a arrumar meu quarto, que está uma zona total. 

Pego todas as peças de roupas espalhadas no chão e coloco no cesto de roupas sujas, no canto ao lado do guarda-roupa. Pego os tênis surrados que usei e guardo na sapateira. Apenas estico o edredom da cama, já que nem me dei o trabalho de me cobrir ontem. Terminado tudo, começo a me sentir entediada. Resolvo ir ver televisão, então desço novamente as escadas e jogo-me no sofá da sala. 

Ligo a TV de tela plana e começo a procurar em vão por algo que preste. Deixo num canal qualquer, onde está passando a reprise de uma série que não conheço e fico assistindo, ainda entediada. Pego o celular, por puro hábito e vejo as notificações. Há uma chamada perdida, do número desconhecido de hoje cedo e resolvo retornar pra ver quem era. Um, dois, três toques depois, escuto uma voz grossa, porém bastante familiar. 

- Alô, Eunjung? - a pessoa parece surpresa ao ver que retornei a ligação. 

- Oi, sou eu... - aos poucos me dou conta de quem é. - Jin, é você? 

- Sim, sou eu... Te liguei mais cedo mas você não  atendeu. - responde ele. 

- Ai meu deus, Jin!  Me desculpe! - bato a mão na testa. - Me desculpe. Eu esqueci completamente que você ía me ligar hoje para combinarmos onde iríamos mas eu realmente nem lembrei. 

- Tudo bem. - diz ele. Apesar de ele soar como se realmente não tivesse problema nenhum, eu continuo me sentindo horrível. - Eu que peço desculpas por ter te incomodado. 

- Você não incomodou, Jin. Eu disse pra você me ligar hoje pra combinarmos a hora e onde iríamos mas eu realmente nem lembrei. 

- Não tem problema. - Jin faz uma pausa. - Combinamos outro dia, certo? 

- Claro... - digo mas uma ideia surge. - Jin, não está tão tarde assim. Você poderia vir aqui em casa assistir um filme comigo, não? Meus pais não estão em casa.

Ele fica em silêncio e aos poucos me dou conta do que acabei de dizer: - Quer dizer... Eles não estão mas com certeza não vão se importar se você vier.

- Tudo bem então. - Jin responde. - Estarei aí em 20 minutos. 

- Sabe onde moro? 

- Eu e Namjoon somos vizinhos e, bem... Vi ele chegar tarde em casa esses dias e fui perguntar a ele onde estava e ele disse que te acompanhou até em casa. Eu perguntei pra ele onde morava. Me desculpe. 

- Tudo bem, sem problemas. - respondi, apesar de estar um pouco intrigada. - Então, te vejo daqui a 20 minutos?

- Sim, 20 minutos - confirma ele. - Eu vou... Ir me arrumar então.

- Claro, também vou. Até daqui a pouco. - desligo o celular e saio correndo em direção ao banheiro. Teria 20 minutos pra me arrumar e receber Jin em minha casa.

                                       ※

Saio do banho apressada, com a toalha enrolada no corpo e procuro desesperadamente por uma roupa boa o bastante pra receber Jin em minha casa. Pensei em usar um vestido listrado que tenho a alguns anos mas ele já deve estar curto pra mim. Penso em calça jeans e camiseta, porém eu estaria em minha própria casa, teria que ser algo mais confortável. Por fim, resolvo usar uma regata azul marinho com desenhos de âncoras brancas e um short jeans. Nada muito formal. Meu cabelo ainda está rebelde, apesar das inúmeras tentativas de escová-lo, porém desisto e o prendo num coque. Por algum motivo esquisito, me sinto nervosa. Talvez seja porque nunca recebi um garoto em minha casa antes, ainda mais sozinha. Não teria como saber se ele tem boas intenções. Balanço a cabeça, afastando meus pensamentos. Jin é o garoto mais doce que conheço, não teria como me fazer mal, não é? A campainha toca, fazendo o blá blá blá em minha cabeça se calar, porém meu estômago começa a se revirar de nervoso. 

Desço as escadas correndo e paro em frente a porta de entrada. Respiro fundo antes de abrir a porta, mas logo perco o fôlego com o que vejo. Jin está parado na soleira, com um sorriso tímido. E confesso que está lindo de morrer. Ele usa uma blusa preta por baixo de uma jaqueta jeans e calças pretas apertadas, rasgadas nos joelhos. Ele deve ter percebido o meu olhar sobre ele (e que eu estou estou de boca aberta) porque cora e diz:

- Oi. - ele dá aquele sorrisinho tímido. 

- Oi... - murmuro, parecendo uma idiota. - Quer dizer, entra. 

Deixo o garoto entrar e se instalar na sala. Fecho a porta e caminho atrás dele. Respira fundo, Eunjung, é só um amigo, penso, tentando me acalmar. Jin olha ao redor, observando a sala, paro um pouco atrás dele, um pouco muito nervosa, sem saber o que fazer. 

- Ah... Você... Quer se sentar? - pergunto a ele, afastando as almofadas, desajeitada. Ele se senta e um silêncio constrangedor se instala sobre nós. Fale algo, faça algo! Minha mente grita comigo, porém não consigo fazer as palavras saírem.

- Bem... Que filme iremos ver? - Jin pergunta, surpreendendo-me. 

- Ah... Não sei. - digo mas pigarreio. - Mas tenho um monte aqui. Podemos escolher um. O que gosta de ver? - pergunto, indo até o móvel abaixo da televisão pra procurar pelos DVD's. 

- Eu... Bem... - Jin fica tímido novamente. - Gosto de romance. 

- Romance? - fico surpresa. Olho para trás e o vejo corar. - Não gosto muito de romance...

 - Do que gosta então? 

- Eu costumo assistir a filmes de terror. - digo, e ele parece surpreso. Temos um problema. - Parece que somos totalmente o oposto um do outro... 

- Ah, mas deve ter algo que nós dois gostamos. - ele diz e se levante para sentar no chão ao meu lado e começa a ver os DVD's que tenho. - Gosta de comédia? Ou ação? 

- Huum... Ação. - digo e o vejo fuçar novamente. 

- Este aqui. Os Vingadores. Pode ser? - ele olha pra mim. 

- Pode sim. - sorrio pra ele, feliz de termos chegados num acordo bem fácil. 

Jin liga o aparelho e coloca o DVD pra rodar. Ligo a TV e nós dois nos acomodamos no sofá. Antes que o filme comece me dou conta de uma coisa. 

- Me esqueci da pipoca. Já volto. - saio correndo em direção a cozinha. 

Procuro no armário pelo pacote de milho de pipoca. Poderia fazer no micro-ondas mas acho que Jin gostaria mais se fizesse na panela mesmo, por isso rasgo o saco com os dentes e coloco uma quantidade de milho em uma panela grande. Jogo um pouco de óleo dentro, coloco uma pitada de sal e ligo o fogo. Me encosto na pia enquanto espero a pipoca estourar mas demora tanto que volto pra sala. Jin havia pausado o filme e me acompanha com os olhos até que eu fique ao seu lado. Um silêncio constrangedor se forma entre nós. Penso em perguntar algo sobre porque ele pediu meu endereço ao Namjoon mas não tenho coragem.  

- Então, os seus pais estão fora?  - Jin, felizmente, quebra o silêncio. 

- Ah, sim. Eles estão em Sydney a negócios. Chegam amanhã.  - dou um sorrisinho. 

- Ah... E você sempre fica sozinha quando eles viajam? - Jin realmente parece interessado no assunto. 

- Sim. Bem, eu meio que já me acostumei. Eles nunca demoram mais do que algumas semanas. 

- Não é chato pra você ficar sozinha? 

- Às vezes... Mas passa rápido. 

Jin assente com a cabeça e o silêncio volta. Não consigo pensar em assunto nenhum, mas o vejo fazer algumas caretas, como se estivesse sentindo um cheiro ruim. 

- Está sentindo esse cheiro? - Jin pergunta e faz uma pausa, enquanto inspiro lentamente, sem sentir cheiro nenhum. - Parece que tem algo queimando. Você não estava... 

- A pipoca! - grito e me levanto num pulo do sofá. Corro pra cozinha, que está toda cheia de fumaça e cheirando a queimado. Tossindo, desligo o fogo e tiro a panela cheia de pipoca, que, graças a mim, agora está toda queimada. - Aish! 

- Quer uma ajuda? - Jin pergunta. Ele está encostado ao lado da entrada da cozinha e percebo que está se segurando pra não rir. 

- Não precisa, obrigada. - concentro-me na panela com pipoca queimada. Jogo tudo dentro do lixo e deixo a panela na pia pra ser lavada depois. - Me desculpe Jin. Parece que não vai ter pipoca. 

- Estou me perguntando como seus pais deixam você aqui sozinha. - ele balança a cabeça, sorrindo. Olho pra ele, parecendo magoada com o que disse. - D-desculpe. Eu não quis dizer... 

- Tudo bem, Jin. - sorrio pra ele. - Concordo com você. Mas geralmente eu não uso o fogão pra nada. Toda a comida que eu como já é pronta. Vamos, já perdemos tempo demais com a desastrosa tentativa de eu fazer pipoca. - sem pensar muito, pego a mão de Jin e o arrasto de volta pro sofá. 

Nos sentamos um do lado do outro, não muito perto mas também não muito separado. Jin aperta o play e o filme começa. Confesso que acho filmes de ação bem chato e esse não é muito diferente de qualquer outro filme sobre super-heróis. Jin não tentou nada, não tentou colocar a mão sobre a minha nem o braço envolta do meu pescoço. E isso me deixou aliviada. O filme já está na metade quando meus olhos começam a pesar e eu começo a cochilar. Tento me manter acordada mas o filme é tão chato e estou tão cansada... De repente, não vejo nada. 

                                       ※

Não consigo abrir os olhos. Está tão bom aqui. Confesso que a coisa sobre qual minha cabeça está pousada é um pouco dura mas a sensação da mão que acaricia minha cabeça faz todo o desconforto sumir. Mão... De quem? Não sei. Abro um pouco os olhos. Na televisão em frente o sofá está passando os créditos de um filme que não assisti. E vejo pernas. Uma calça preta, com buracos nos joelhos. A pessoa funga. Jin.

                                       ※

Abro os olhos e levanto a cabeça. Jin me olha e cora. Olho dele pra televisão, onde passa os créditos do filme que eu obviamente perdi. Volto meu olhar para o Jin e sua expressão tímida confessa que sim,eu realmente dormi durante o filme e sim, eu estava usando as pernas dele como travesseiro. 

- Jin, me desculpa. - começo a me desculpar enquanto tento me levantar, toda desengonçada, o coque se desfazendo, deixando mechas do meu cabelo caindo. - Sou uma péssima amiga. Dormi durante o filme todo. 

- Não... Bem... Eu não me importo, você estava realmente parecendo cansada e achei melhor que dormisse. - Jin responde, ainda corado. 

- Jin, eu falei pra você me ligar mas não atendi quando ligou. Fui fazer pipoca pra você e tudo queimou. Quando vou assistir o tal filme, eu durmo em cima de você. Tem como esta noite ficar pior? - digo tudo de uma vez, realmente nervosa comigo mesma. 

Jin aos poucos se levanta e começa a vir em minha direção. Para em frente a mim, fazendo com que eu tenha que olhar pra cima pra ver seu rosto, devido a minha baixa estatura. - Eunjung. - Jin diz, com a voz baixa. - Eu me diverti. Esta noite não está ruim. Foi legal. Não é culpa sua ter dormido. E eu nem ligo. 

Agora quem fica corada sou eu, mas Jin sorri e, de repente, me abraça. Um simples abraço. Como se fôssemos bons amigos se encontrando. Sinto-me tranquila nos braços dele e acho que isso realmente significa que somos amigos. 

- Preciso ir agora. Já passa das 19 horas e você provavelmente quer dormir. - Jin me afasta lentamente e olha pra mim, sorrindo. 

- C-claro. - digo, ficando tímida de repente. - Acompanho você até a porta. 

Vou com Jin até a porta da sala e com um simples sorriso e um "até amanhã" de Jin, me despeço dele e o vejo descer a rua. Fecho a porta devagar e me encosto nela. Penso em tudo o que aconteceu durante o dia. Claro, não aconteceu nada entre nós. Jin não teve outras intenções nem tentou nada. Mas por algum motivo, meu coração está acelerado e minhas bochechas quentes. Por algum motivo que ainda não sei qual, talvez, só talvez, eu esteja começando a gostar de Jin. 


Notas Finais


E foi isso pessoas. Espero realmente que me perdoem por não ter hentai e pelo péssimo cap mas eu to me esforçando. Sobre o hentai, mais dois caps quem sabe... E terá surpresinha haha Falando em surpresas... Alguma Jin biased e fã de Black Pink aqui? e.e
Não se esqueçam ARMY's de beberem muito líquido pra hidratar o rim. Temos que vender um rim pra ir no show do BTS, neh?
Se cuidem e até o próximo cap 💞⛄


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...