História Hyung, amar você dói como o inferno - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Monsta X
Tags Changheon, Changkyun (i'm), Homofobia, Jooheon, Jookyun
Visualizações 29
Palavras 1.433
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Yaoi
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


One shot baseada na música da Fleurie - Hurts like Hell

Capítulo 1 - Hyung, amar você dói como o inferno.



 - Precisamos conversar. 


Changkyun e Jooheon disseram ao mesmo tempo, porém sem a mesma entonação na voz. Era mais do que óbvio ver como Jooheon estava animado, assim como era mais do que óbvio ver como Changkyun estava nervoso. 


 - Eu falo primeiro. - Jooheon disse ignorando o nervosismo do menor a sua frente. 


 - Não. - Changkyun cortou com a voz mais séria do que pretendia - Eu preciso falar primeiro Hyung, é realmente importante. 


Jooheon analisou o garoto de cima a baixo e reparou que o mesmo suava, também reparou nas mãos trêmulas do mesmo e entendeu que era realmente sério. 


 - Tudo bem, você fala primeiro. 


Changkyun engoliu seco pensando em como começaria a falar sobre aquele assunto com seu hyung. Já sabia qual seria a reação do outro, mas realmente não aguentava mais todo aquele peso em suas costas. 

  Respirou fundo algumas vezes e mordeu o lábio tentando ser forte o suficiente e principalmente tentando segurar as lágrimas a todo custo, elas não podiam cair, não agora, não na frente dele. 


Como posso dizer isso sem desmoronar?

Como posso dizer isso sem arcar com as consequências?

Como posso transformar isso em palavras

Quando é praticamente demais para a minha alma sozinha?


  - Hyung... Eu... Eu amo... - Diga logo, apenas diga Changkyun, se livre desse peso, você consegue, vamos lá - Jooheon eu amo você. 


Disse de uma vez e esperou a reação do outro, que apenas continuou o olhando sem nenhuma reação deixando Changkyun mais nervoso do que ele já estava. 


 - Eu também amo você cara, você é meu irmãozinho. - Jooheon riu e bagunçou os cabelos de Changkyun que se encolheu ao toque do outro - Era isso que queria me falar? 


 - Você não entendeu Jooheon. - Olhou nos olhos do outro tentando passar toda confiança e sinceridade - Eu amo você, eu amo você como homem... No sentindo romântico da palavras. Hyung eu te amo desde que nos conhecemos e eu realmente não posso aguentar isso sozinho, todas as vezes que você me tocava e fazia aquelas brincadeiras eu sentia meu coração bater mais forte. Sempre que via você ficando com todas aquelas garotas eu tinha vontade de chorar e sentia inveja delas porque queria que fosse eu. Quando você ia dormir lá em casa e dividimos a cama eu ficava te olhando dormir e pensando em como seria quando você descobrisse que eu te amo, todas as possibilidades me machucavam e eu não conseguia contar, eu não conseguia imaginar você se afastando de mim por causa disso, mas eu realmente não consigo mais aguentar sozinho, me desculpe por te amar tanto assim. 


As lágrimas que o menor seguravam agora rolavam pelo rosto triste do garoto, como esperado ele não conseguiu falar sem desmoronar, sem parecer fraco e indefeso diante o outro. O olhar de Jooheon para o Im era uma mistura de confusão, tristeza, decepção e nojo, Changkyun percebeu isso e naquele momento ele sentiu o peito doer como o inferno. 


 - Você está brincando certo? - Jooheon pergunto sério, Changkyun tentou falar e se aproximar dele, mas o Lee deu alguns passos para trás se afastando do garoto - Changkyun você... Você tem noção do quão nojento isso é? Quer dizer um cara gostando de outro cara é tão... Estranho, isso vai contra as leias dá natureza. Cara você é uma aberração. 


Jooheon dizia de forma fria e cada palavra era como um tapa na cara do menor, Chang estava arrependido de ter contado, porém ao mesmo tempo, aliviado por ter tirado aquele peso das costas. Estava doendo, doendo mais do que ele achou que suportaria, não tinha o que dizer, ele sabia que essa reação é melhor do que todas as outras que Jooheon poderia ter. 

 Onde eu estava com a cabeça quando resolvi me apaixonar por um hétero homofóbico? 


 - Hyung eu não pedi para amar você, não pedir para gostar mais de você do que de mim mesmo, eu nem sabia que eu podia amar alguém como eu te amo e eu me sinto mal por isso, porque sei que agora ira se afastar de mim e não era isso que eu queria. 


Changkyun falava enquanto tentava chegar perto, a voz do garoto estava trêmula e as lágrimas grossas e quente caiam sem parar, Jooheon sentiu uma pontada no coração, não gostava de ver seu dongsaeng daquele jeito, mas não podia fazer nada, na visão do Lee aquilo era tão errado, tão... Nojento. 


 - Não chega perto de mim! - Disse se afastando do garoto ainda mais - Merda Changkyun, o que tem de errado com você? Por que você tem que ser essa aberração? 


 - Jooheon...


 - Cala a boca. - O Lee aumentou o tom se voz, mas não gritou - Merda, merda, merda. 


 - Hyung...


 - EU MANDEI CALAR A PORRA DA BOCA. - O Lee gritou assustando o menor - Escuta, eu só não bato em você porque você é meu dongsaeng e eu sei que isso é só uma fase, certo? Logo, logo você vai voltar ao normal, você vai ser curado, sei lá, mas você vai parar de ser essa coisa que você é agora.


O Im não respondeu, apenas abaixou a cabeça e se permitiu chorar ainda mais, Jooheon nunca o aceitaria e eles nunca mais se veriam ou se falariam. 


 - Escuta. - O maior começou a falar novamente depois de um momento em silêncio - Eu pedi a Nora em namoro, sou um cara comprometido agora e não quero saber de você, eu não gosto de você e acho que será bem melhor para nós dois que nossa amizade termine aqui, você vai ter tempo para repensar sobre toda essa merda e eu vou ficar em segurança em um lugar que você não possa me contagiar. 


Changkyun riu com desdém, aquilo era tão doloroso e difícil de se ouvir. O menino Im estava se sentindo sem chão, humilhado e desolado.


Eu não quero que eles saibam os segredos

Eu não quero que eles saibam o jeito como eu amei você

Eu não acho que eles entenderiam, não

Eu não acho que eles me aceitariam, não

 

- Se é assim que você quer, vou respeitar sua vontade. - Im disse depois de respirar fundo - Mas posso te pedir uma última coisa antes? 


Olhou nos olhos do Lee e aquilo foi desconfortável para o mesmo. Jooheon endireitou a postura e desviou o olhar do garoto a sua frente para qualquer outro lugar insignificante. 


 - Desde que não envolva tocar em você, tudo bem. 


Changkyun respirou fundo novamente e abaixou o olhar, já estava sendo humilhante de mais Jooheon saber sobre o amor que o menor sentia, não queria que os seus outros hyungs soubessem também, não precisava de mais ninguém o humilhando. Não precisava e não queria. 


 - Pode manter isso em segredo? - Disse em um fio de voz - Eu não acho que os hyungs precisem saber disso, também não acho que eles entenderiam ou me aceitariam, então... Pode por favor não contar a ninguém? 


Jooheon não respondeu de imediato, mas depois pensou um pouco na ideia e deu de ombros. 


  - Eu não iria contra se qualquer jeito, seria vergonhoso para mim alguém souber disso, vai que eles pensem que eu também sou viado. 


Changkyun mordeu o lábio inferior até sentir o gosto metálico do sangue antes de olhar novamente para o seu amado. 


 - Então, adeus hyung. 


 - Adeus Im. 


Depois disso os dois se encararam por um tempo sem dizer nada. Como Changkyun não tinha coragem para se mover foi Jooheon quem foi embora primeiro, sem nem olhar para trás. Changkyun estava arrependido por ter falado, mas sentiu o peso em suas costas ir embora junto com Jooheon, estava sendo doloroso, tudo aquilo foi humilhante. 

  Changkyun se sentia sem força, sem nada. Parecia que tudo havia sido tirado dele, e de certa forma era realmente isso, tinha perdido a dignidade, tinha perdido a esperança de ser aceito, tinha perdido o melhor amigo - e consequentemente os outros amigos também -, e tinha perdido o amor da sua vida.

  O coração do pequeno Im estava devastado, a sensação de impotência, vergonha e coração partido eram tão grandes que o garoto começou a sentir dores físicas no peito e na cabeça, ignorou tudo aquilo e continuou chorando, esperando que toda a dor e todo o amor que sentia pelo  Lee fosse embora junto com as lágrimas. 


Eu amei e te amei e te perdi

Eu amei e te amei e te perdi

Eu amei e te amei e te perdi

E dói como o inferno

Sim, dói como o inferno


Notas Finais


Senti muita dó Kyunnie enquanto escrevia e revisava o capítulo... Também senti vontade de bater no Lee Jooheon dessa fic...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...