História I Belive I Can Fly! - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Divergente, Meu Coração é Teu
Personagens Ana Leal, Beatrice "Tris" Prior, Christina, Eric, Jennifer "Jenny" Rodríguez, Personagens Originais, Peter, Tobias "Quatro" Eaton, Will
Exibições 44
Palavras 1.771
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela
Avisos: Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Gente eu estou muito feliz com os 23 favoritos que tenho,muito obrigada mesmo, claro que como todo mundo que escreve eu queria ganhar uma plaquinha de mil inscritos kkkkkkkkkkkkkk, mas estou felicíssima por estar alcançando mesmo que lentamente mais pessoas. A satisfação de ver uma galerinha ligada no que eu escrevo, esperando atualização é muito boaaaaaaaa. Nossa! KKKKKKKKKK me faz bem.

Obrigada.pelos comentários que amooooooooooo receber e ler, isso da um gás e uma vontade absurda de continuar.
Bendito o dia em que eu favoritei uma fic da categoria divergente, o casal grudou em mim, me apaixonei ainda mais por eles e tive a ideia de fazer essa fic.
Através dela encontrei outras fics que amo e melhor que isso...
Encontrei amorinhas que fazem dos meus momentos aqui no site melhores, empolgantes e divertidos.
Valeu mesmo minhas belas.

Capítulo 17 - Capitulo 17


Beatrice teve mesmo que fechar a loja para poder dar toda a sua atenção para Lexi que não conseguia se acalmar. Tentou entreter a pequena com um momento entre canetinhas e desenhos, mas as horas foram passando e Tobias ainda não tinha  dado notícias fazendo a menina ficar ainda mais agitada.

   A lua dominava o céu e já estava tarde para Lexi continuar acordada, por isso Beatrice com toda a sua sutileza e paciência conseguiu convencê-la a jantar a simples refeição que a loira fizera, tomar banho e descansar.

 

 -     Bea, será que a vovó está bem? Eles estão demorando tanto! - Lexi perguntou entristecida enquanto a loira a cobria confortavelmente na cama.

 -      O doutor deve estar examinando bem direitinho a sua vovó, pra não ter dúvidas de nada- Bea disse docemente alisando o rosto da menina sentando na beira da cama.

 -     Hm... entendi, mas porque ele não ligou?  -  essa era a pergunta que Beatrice fazia a si mesma a mais ou menos 3 horas. Qual seria o motivo de Tobias não dar notícias?! - A gente pode ligar de novo pra ele?

 -     Princesa! O celular dele descarregou, mas não se preocupe... Eles logo vão aparecer.

 -     Bea eu estou com medo!- declarou Lexi  por fim, sentando e se jogando no colo de Beatrice que ficou de coração partido abraçando fortemente a menina.

 -     Vai dar tudo certo princesa. Você vai ver.

 Bea ficou ali até a pequena adormecer, em seguida saiu do quarto e caminhou em direção a   cozinha.

 

Erica estava tão preocupada que nem se queixou tanto assim sobre a loira estar em sua casa por várias  horas,  a adolescente se encontrava  na poltrona ao lado do telefone fixo á espera de uma ligação de Quatro.

Bea, ao passar pela sala, a viu na mesma posição de horas atrás. Ao chegar na cozinha percebeu que a garota não tinha nem tocado na comida sobre a mesa. Suspirou, seria bem difícil de dobrá- la, Érica  era o oposto de Lexi.

 

- Erica!- Beatrice a chamou encostada na entrada da sala.

 -     O que foi? - a menina respondeu fanhosa e sem vontade.

 -     Você está aí a mais 5 horas! Vem comer alguma coisa! Preparei macarrão com queijo, Lexi disse que você gosta.

 -     Não estou com fome.

 -     Come só um pouquinho, não comeu nada a tarde toda.

 A garota sentiu o estômago pedir algum alimento, porém  não respondeu, apenas limpou as lágrimas olhando para o telefone.

Beatrice suspirou rendia, não iria ficar insistindo.

 -     Então tome pelo menos um banho para esfriar a cabeça.

  Erica a encarou como se a loira tivesse dito uma barbaridade.

 -     Não seja ridícula Beatrice! Um banho não vai melhorar em nada. Use essas frases com Lexi, não comigo.

 -     estou tentando te ajudar Érica - Bea respondeu surpresa com a malcriação da menina - e fale baixo que sua irmã finalmente dormiu.

 -     Me deixa em paz. Nem precisava ter ficado.Se quiser pode ir, eu cuido da minha irmã, não  precisamos de você aqui.

 

 O rosto de Beatrice queimou, iria responder, mas desistiu, ficar discutindo com Érica não ajudaria nada.

 A loira era uma garota de pavio longo e sabia que Érica estava passando por um momento difícil, por isso não deu muita importância para as grosserias da menina, porém esperava nunca perder a paciente. Porque se perdesse... Ah! Se perdesse! Sua relação com a família Eaton não seria mais a mesma. Claro que não sairia nos tapas com a menina, mas iria falar umas verdades que poderia doer mais do que qualquer surra.

Beatrice então endireitou o corpo e voltou a cozinha, terminou de lavar a louça que ela e Lexi usaram e então saiu da casa pela porta da cozinha e se  sentou na varanda. A música da quermesse organizada pela igreja da cidade para arrecadar fundos era branda dali, as luzes estavam altas e alguns fogos eram queimados. Seus planos não era ir, então não fez diferença estar nos Eaton ou não. Beatrice cruzou as pernas se acomodando, mas logo voltou para dentro. O fixo tocou uma única vez, Érica atendeu rapidamente.

 

 -     Alô!... Caramba Quatro! quer nos matar? Como está a vovó? Já estão voltando?

 

     " Estamos ainda aqui, desculpa não ter ligado. Meu celular descarregou e conseguir usar o telefone daqui foi quase impossível.  A vovó está bem, mas vai precisar passar uns dias aqui apenas para observação."

 

-     Não está me escondendo nada, não é? Ela está bem mesmo?

   

"Ela está bem sim, fica tranquila, agora eu quero que você arrume uma pequena mala com as roupas dela. Depois passo para pegar, só preciso conseguir uma carona"

No desespero Tobias só pensou em entrar na ambulância e segurar na mão da mulher que gemia de dor.

 

 -     Está bem!  

" Beatrice ainda está aí?"

Érica olhou a loira de pé a sua frente de braços cruzados  esperando por notícias.

 -     Sim.

 

" Espero que esteja se comportando Érica, estou confiando em você - Tobias pediu, torcendo para a irmã não ser mal educada com Beatrice que estava lhe fazendo um belo favor - olha! Depois de arrumar as coisas vai se deitar, amanhã nos falamos, tudo bem?"

 -     Mas eu quero estar acordada quando você aparecer.

 

 " Não, amanhã você e Lexi tem aula, não podem faltar"

 

- Mas Quatro…

 

 " Sem "mas" Érica, por favor, faça o  que eu pedi e vai dormir, te amo. Agora deixa eu falar com Beatrice."

 

 -     Tá!- resmungou. Em seguida levantou e esticou o aparelho para Beatrice - Quer falar com você. Boa noite.

 

 A menina saiu da sala e seguiu para o quarto da avó. Só não dormiria ali porque o colchão de Poliana era duro demais, do contrário passaria a noite envolvida nos lençóis que tinham o cheiro suave  de erva doce.

 

 -     E Ai?- Bea estava ansiosa por notícias.

 

" O tombo foi feio, ela fez uma pequena cirurgia e vai precisar ficar em observação durante uns dois, três dias."

 

 -     Nossa! Mas correu tudo bem?

 

 " Sim, não teve complicações."

 

Beatrice sorriu aliviada.

 

 -     Que bom.

 

" E como estão as coisas por aí? Me diga que Érica não tentou colocar fogo em você?"

 

Bea não teve como não gargalhar discretamente.  

O Coração de Tobias quase entrou em erupção. O sorriso do rapaz se projetou de um jeito que poderia lhe dar câimbras no maxilar ao ouvir aquele som.

 

 -     Estou sobrevivendo - falou ela por fim.

 

"Ai Érica!"

 

 -     Não se preocupe, ela está se comportando- Bea omitiu as farpas que a garota lhe lançou em palavras. Tobias tinha coisas mais importantes para resolver.

 

"Mesmo?"

 

 -     Sim. Relaxa!

 

"Obrigado por estar aí Bea e desculpe pelo horário."

 

- Não se preocupe, amigos são pra isso.

  

 

" E Lexi? Já dormiu? Ela estava tão desesperada! Estou preocupado."

 

 -     Tudo está sobre controle Quatro! Ela está bem e dorme tranquilamente.   

O carinho e cuidado dele  era tão bem visto pela loira que a mesma se encantava com o valor que Quatro dava em sua família. Assim como ela dava em sua mãe.

 

"Que ótimo."

 

- Acho lindo ver você cuidando delas.

 

Tobias sorriu timidamente.

 

 " Faço o melhor que posso!"

 

 -     E está se saindo muito bem. Eu não sei se daria conta.

 

" Quando tiver filhos, vai ver que dará sim."

 

 -     Então nunca vou saber - sorriu enrolando o fio do telefone com o dedo.

 

 " Que papo é esse?"- perguntou ele confuso.

 

 -     Não vou ser mãe!

 

" Sério?! pensei que gostasse de criança, você e Lexi se dão tão bem."


 

 -     E gosto. Eu não gosto dos homens, sem ofença meu amigo.

 

Tobias engasgou com a própria saliva. Seu corpo estremeceu de decepção, com a dedução que lhe veio ao ouvir aquilo.

 

     " Bea?!... está me dizendo que... que gosta de mulher?"

  

Ela riu novamente.

 

- É o Que?! Quatro! Claro que não! Para ter filhos preciso estar com alguém, como decidi que não vou me relacionar com mais ninguém...- ergueu os ombros rindo - ... resultado: nada de bebês.

 

Se ele não tinha tomado banho, acabou de tomar um balde de água fria.

" Bem radical essa decisão - falou ele com esperança abaixo de zero - O que a fez desistir de vez de um relacionamento? "

 

Bea apenas suspirou fundo, Quatro esperou um pouco, mas logo suspirou também.

 

" Deixa eu adivinhar?! Longa história?!"

 

 -     Exatamente - Bea sentou na poltrona jogando a cabeça para trás de olhos fechados, não queria contar nada de nada. Aquele era um livro que ela não queria reler mais - Os homens são sem coração, manipuladores, sujos  e covardes Tobias - disse se referindo a Andrew e Eric, o maxilar da garota enrijeceu.

 

" Ai! Essa doeu! - ele disse com a voz grave - estou incluso nisso aê também?"

 

 -     não, você faz parte daquela exceção minúscula que existe.

 

" Olha só Bea...- Tobias falou acolhedor ao limpar a garganta -... eu não sei que canalha entrou na sua vida e estragou tudo pra te fazer ter essa atitude de não querer estar com outra pessoa, mas quero que saiba que a vida vai muito além de uma experiência ruim. Não se feche totalmente, garanto que se der uma chance pra você logo verá que existe... alguém que te quer bem."

 

Bea ouviu aquilo e logo se emocionou silenciosamente, a loira secou as lágrimas e falou já sem esperança.

 

 -     Acho que não Quatro. Estou muito bem assim. Sozinha. Livre, assim como você.  Não é ótimo estar sozinho?! Sem pressão, sem toda aquela loucura?!


 

" É! Ter um tempo sozinho é bom sim, mas não para sempre dona Beatrice. Existem bilhões de caras bacanas no mundo."

Ela gargalhou de novo.

 

 -     Existe?! E onde estão que não estou vendo?!

 

A frase ESTOU BEM AQUI, quase escapou de seus lábios, porém o mesmo se conteve em apenas dizer:

 

"Por aí!"

 

 -     Gosto de falar com você! - Declarou ela de repente - você é diferente Tobias. Com você descobri que o melhor para se ter dos caras é a amizade. O amor dói. A amizade não.  Amor, confiança e casamento. São uma perda de tempo. Por isso obrigada pela sua amizade Quatro.

 

 Ali sem perceber a loira esmagava o pobre coração do rapaz. Que perdeu a fala.

 

- Quatro?! Está aí?!

 

" sim... é... eu vou ter que desligar agora, tenho que achar uma carona pra casa."

 

 -     Tudo bem. Quer que eu pegue o carro? Posso te buscar, assim…

 

" Não, não... eu me viro, até logo Beatrice."

 

 -     Até...


Não deu pra terminar, ele já havia desligado.

 


Notas Finais


Quem no começo quis ninar a Lexi
No meio matar a Erica
E no final bater na Bea levanta a mão...

Kkkkk
Bjuuu


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...