História I Can't Even - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias As Crônicas de Bane, Os Instrumentos Mortais, Shadowhunters
Personagens Alexander "Alec" Lightwood, Magnus Bane
Tags Clace, Malec, Sizzy
Visualizações 728
Palavras 1.055
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 2 - Capítulo 2


Fanfic / Fanfiction I Can't Even - Capítulo 2 - Capítulo 2

 

Capítulo 2

Não cortem as cabeças.

 

Simon Lewis acaba de ser efetivado como contador nas empresas Bane e tudo o que ele precisa fazer para não perder a cabeça é seguir as ordens de Clarissa Morgenstern. A sua cabeça poderia rolar a qualquer momento e a carta do empréstimo estudantil pesava mais do que o necessário na sua bolsa.

Por causa da morte do seu pai, a sua família se desequilibrou financeiramente a sua mãe, Elaine, teve que voltar a trabalhar e hoje ambos custeiam os estudos de Rebecca, irmã mais nova de Simon.

Ao entrar na boate, ele observa à ruiva, com os braços cruzados analisando o ambiente.

Todo o lugar estava decorado, havia tendas por todos os cantos, almofadas e a iluminação estava colorida.

-Senhorita Morgenstern. –Cumprimenta, ficando ao lado da ruiva.

-Preciso que faça algumas coisas para mim. –Avisa, seguindo em direção a um trabalhador. –Mais para esquerda... Está festa tem que estar perfeita. –Resmunga, irritada.

-O que gostaria que fizesse, senhorita? –Pergunta, apreensivo.

-Que trabalhe. –Responde, virando-se em direção ao homem. –Vi o seu currículo, sei que foi a pouco tempo efetivado, portanto, está na linha do corte. –Avisa, analisando-o com atenção, fazendo-o engolir em seco. –Eu preciso que contrate essas pessoas. –Manda, passando uma lista para o rapaz e o deixando para trás.

 

***

 

O homem que está no auge dos seus vinte e cinco anos, havia se formado em administração de empresas, bom lutado, galinha assumido, o irresponsável, o protetor, aquele que sempre está disposto a ajudar todo mundo, esse era Alexander Gideon Lightwood. Filho mais velho de Maryse e Robert, irmão de Isabelle e Max, melhor amigo de Jace.

Alec, como gostava de ser chamado, não tinha a mínima intensão de ficar preso em um escritório o resto da sua vida, ele queria liberdade, ele queria escolhas e agarrou o que quis e o que não quis com unhas e dentes.

Gay assumido, Alexander era dono de invejáveis olhos azuis, lisos e sedosos cabelos negros, dono de um físico de dar inveja a qualquer um e com a pele tão branca que qualquer movimento brusco lhe causava marcas, o homem estava bastante irritado, aquelas duas estavam o enlouquecendo o dia inteiro.

Agora estava à frente de Lydia, que o encarava com uma expressão desafiadora.

-Eu não tenho culpa se a madrasta do seu chefe é uma piranha que acha que pode mudar a vida das pessoas. –Garante, aproximando-se da loira, que revira os olhos.

-Não importa o que você acha, o importa é que se Magnus Bane estiver insatisfeito com essa festa, todas as nossas cabeças vão rolar. Inclusive a sua. –Avisa, apontando em direção a Alexander, que alisa o seu rosto.

-Minha boate não é de quinta, é uma das mais bem frequentadas da cidade... E é muito bem vigiada, só que eu não posso permitir câmeras na pista de dança... É contra as normas. –Revela, nervoso.

-Não estou dizendo que a sua boate é de quinta, mas nós... –Lydia interrompe-se, quando ouve o som dos saltos, som esse que quase é abafado pelo som dos trabalhadores.

-Eu estou. –Afirma Clarissa, aproximando-se dos dois.

-Se me ofender mais uma vez, eu pago com prazer a rescisão do contrato. –Ameaça, entre os dentes.

-Não teria como pagar. –Avisa, debochada, fazendo Alec revirar os olhos. –O ponto é... Se isso der certo, todos nós saímos ganhando. –Revela, cruzando os braços.

-O que eu vou ganhar com isso? –Pergunta, suspirando. –E não me venha dizer que é sua eterna gratidão. –Avisa, revirando os olhos.

-A minha gratidão abre muitas portas, Alexander. –Avisa, analisando-o com atenção.

Alec não entende a ruiva, normalmente, ele é bom em ler pessoas, mas Clarissa continuava sendo um enigma a cada minuto que passava com ela.

Ela poderia estar mesmo desesperada, ou era extremamente mandona.

-Tudo bem, pode instalar as câmeras. –Revela, desgostoso.

A Pandemonuim prezava a privacidade, era por conta disso, que a boate tinha a politica de não ter câmeras de segurança na pista de dança, porém a ruiva a sua frente estava disposta a tudo para conseguir que Alexander quebrasse a sua única e derradeira regra.

-Obrigada. –Agradece, virando-se e deixando Lydia com os olhos arregalados.

-Sinta-se lisonjeado, Clary não agradece com frequência. –Comenta, espantada.

-O quão desesperada ela está? –Pergunta, confuso.

-Num nível altíssimo. –Responde, suspirando.

-Por que Camille alugou a minha boate? –Pergunta, temeroso com a resposta, porém era uma resposta necessária.

-Para humilhar o Magnus. –Responde, fazendo Alec engolir em seco. –Magnus Bane é totalmente voltado ao trabalho, ele é sério e bastante compenetrado... Ele nunca, em hipótese alguma faria um evento do trabalho numa boate, por mais que ela seja famosa. –Explica, fazendo Alec concordar com a cabeça.

-Homem poderoso? –Pergunta, mordendo o lábio.

-Não imagina o quanto. –Responde, suspirando, mas Alec queria imaginar.

 

***

 

Isabelle Sophia Lightwood, mas conhecida como Izzy, é a linda filha do meio de Maryse e Robert, sempre com os seus lábios pintados de vermelho, os cabelos cacheados.

Izzy é especialista em causar danos por onde passa.

Mesmo com os seus saltos altos e as suas roupas apertadas, dona de curvas invejáveis, cabelo escuros de olhos castanhos escuros sabia fazer era arrumar problemas em cima de problemas, Isabelle é um desastre ambulante.

A morena trabalha com o pai num turno e no outro está terminando o seu curso de administração, já que o pai não poderia contar com Alec, Izzy, que tem a mesma idade de Jace e é dois anos mais nova que Alec, estava seguindo para a Pandemonuim depois de conversar com Jace, que estava bastante espantado com o que estava acontecendo na boate do irmão.

-O que diabos está acontecendo aqui? –Pergunta, confusa.

-Estou me fazendo está mesmo pergunta desde que aquelas duas invadiram o meu estabelecimento. –Responde Alec, ao se aproximar.

-Quem alugou o espaço, afinal? –Pergunta, curiosa.

-Camille Bane, mas quem está... –Alec interrompe-se, quando Izzy abre um enorme sorriso.

-Magnus Bane? Ai meu Deus! –Comemora, animada.

-Você o conhece? –Pergunta, confuso.

-Qualquer ser vivente conhece. –Responde, revirando os olhos.

-Diz que ele é tão lindo, quanto é exigente. –Pede, mordendo o lábio.

-Ele é... Eu garanto. –Afirma, rindo da expressão do irmão.

-Alexander... Ele está vindo. –Avisa uma mulher ruiva, aproximando-se dos dois.

-Acho que vou conhecer o famoso, Magnus Bane. –Comenta, tremendo as mãos, fazendo Izzy rir.

 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...