História I Didn't Just Kiss Her - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias TWICE
Personagens Chaeyoung, Dahyun, Jihyo, Jungyeon, Mina, Momo, Nayeon, Sana, Tzuyu
Tags Twice
Visualizações 57
Palavras 6.444
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Fluffy, Romance e Novela, Yuri
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá ^^ Link para a música nas notas finais.

Boa leitura!

Capítulo 8 - Capítulo 7 - Respostas


Fanfic / Fanfiction I Didn't Just Kiss Her - Capítulo 8 - Capítulo 7 - Respostas

"Que tal esse?" Momo, que estava deitada de qualquer forma, já cansada de ver sua amiga indecisa com a roupa que deveria ir, olha entediada para o vestido que Sana segurava contra o corpo antes de encará-la.

"Se você quer ir fantasiada de bolo de casamento, o problema é seu." Sana grunhiu em resposta, largando o vestido com a saia estufada na enorme pilha de roupas na cama, ao lado de Momo. "É um convite para uma festa casual! Por que você quer ir vestida de princesa?" Questiona ao se sentar com as pernas cruzadas, observado Sana escolher mais uma de suas roupas.

"Eu tenho que impressionar a Tzuyu. Sinceramente eu não sei o que eu posso fazer além disso." Responde triste. "Ela pelo menos perguntou sobre mim?" Momo encara as próprias unhas na intenção de evitar a pergunta. Sana bufa frustrada, indo em direção à amiga e se sentando ao seu lado na cama. "E a Mina?" Momo ri antes de responder:

"Da última vez que verifiquei, você estava como a primeira na lista negra dela. E do jeito que ela e Tzuyu estão..." Sana engole em seco em imaginar as duas juntas. Não sabia se suportaria.

"Você acha que existe mais alguma coisa entre elas?" Com a expressão séria, Momo encolhe os ombros com uma expressão triste. Ela se levanta e caminha até o closet da amiga.

"Você poderia usar esse rendado e preto. Vai mostrar essas suas coxas deliciosas." Indo até onde os vestidos estavam pendurados, Momo pega um, colocando-o contra Sana e observando com um leve sorriso.

"Odeio seus silêncios." Sana sopra triste.

"E eu adoro os seus vestidos. Vai me emprestar qual?" Sana demonstra seu descontentamento com um revirar de olhos.

"Não acredito que eu tenho a pior melhor amiga de todas." Momo sorri para ela.

"Cada um tem o melhor amigo que merece, não é?!" Sana nada diz, e continua em busca do look perfeito.

"Mas e a Dahyun? Ela sente minha falta?" Momo estreita os olhos para Sana, querendo explodi-la pelo poder da mente.

"Cala a boca!" Sana gargalha. Aproveitando a chance, Momo pega um vestido, o segurando firme contra si.

"É esse aqui!" Anuncia feliz. Sana observa confusa enquanto Momo caminha de costas até a porta. "É com esse que eu vou, então preciso me arrumar. Cabelo, maquiagem, meu deus, que loucura! Tchau, Saninha! Vê se não perde a hora, como sempre!" Momo diz tudo rapidamente e sai do quarto antes mesmo que Sana pudesse protestar.

"Melhor amiga do mundo." Reclama para ninguém em especial. Ela observa as roupas empilhadas na cama. Sabia que talvez uma roupa não ajudasse, mas no que mais ela poderia acreditar?!

Com um suspiro pesado, Sana volta para sua busca em seu closet.

--------------

Tzuyu respira fundo, se recostando um pouco mais no banco na entrada da academia, jogando a cabeça para trás, podendo assim encarar o céu escuro acima dela. Ela estava entediada. Era um pouco difícil lidar com o seu costume de ter que fazer todas as coisas cedo e acabar chegando cedo demais nos lugares.

Ela e Mina combinaram de se encontrarem do lado de fora da academia, porém a japonesa ainda não tinha aparecido. Agora Tzuyu se arrependia de não ter deixado Mina a buscar em casa. Mas era melhor esperar do que ser bombardeada por sua mãe e suas perguntas.

"Buh!" Alguém grita perto de Tzuyu na intenção de assustá-la, mas ela que apenas observa com calma para o rosto da pessoa.

"Nossa, que susto." Ela leva a mão acima do coração, mas sorria para a menina que a encarava entediada.

"Fria como sempre. Nada de novo." Chaeyoung toma a liberdade de se sentar ao lado de sua chingu com um sorriso amigável no rosto. "Acho que eu deveria ter me vestido melhor. Você está linda, Tzuyu-ah." A baixinha sorri ao ver Tzuyu corar.

"Queria eu ter vindo de jeans. Odeio frio." Reclama ao tentar puxar o vestido preto para cobrir um pouco mais de suas coxas. "Mas você está linda também." Chaeyoung estava extremamente casual, de jeans e uma camiseta simples, ao contrário da maioria que já havia passado por ali, que estavam vestidos como se fossem a um evento de gala. Após alguns segundos, Tzuyu prossegue curiosa:

"Então com quem você veio?"

"Ninguém. Eu me ofereci para ajudar com algumas coisas na festa. Somi disse que é um tipo de demonstração de quando você é um idol e um escravo. Tô só esperando para ver onde são as celas." Tzuyu gargalha.

"Boa sorte com o porão da SM." Chae sorri, mas logo sua expressão fica mais séria.

"Chou Tzuyu, eu quero que você seja sincera." A baixinha olha a amiga nos olhos. Tzuyu levanta as mãos em rendição e surpresa. "Você e Mina unnie são bem próximas agora, não é?" Tzuyu assente. "Ela está chateada comigo?" O semblante antes sério, se tornou um olhar triste, quase choroso.

"O que?! Claro que não, Chaegie! Unnie nunca ficaria chateada com você." Tzuyu se movimenta para se aproximar da amiga, mas acaba desistindo. Não queria causar desconforto a ela. Também não sabia ao certo se deveria fazer aquilo.

"Então por que ela não tem falado comigo direito?! Eu- eu- eu-" Ela balança a cabeça, negando-se a chorar. "Eu preciso ir." Tzuyu observa com espanto a mudança de comportamento da amiga, e não consegue a impedir de se levantar e entrar na academia ás pressas.

"Aquela era a Chaeyoung?" Momo surge ao lado de Tzuyu, olhando a baixinha correndo entre as pessoas na entrada da academia.

"Estou preocupada com ela." A japonesa a olha com curiosidade. "Ela parece estar num tipo de guerra, e não deixa ninguém ajudar." Momo assente em compreensão.

"Talvez eu consiga falar com ela. Não sei se você sabe, mas eu sou a mente mais genial desse continente. " Tzuyu a encara sem estar impressionada. "Meu deus, que garota difícil. Eu vou embora." A maknae gargalha ao assistir Momo se afastar balbuciando ofensas pelo descaso dela.

-----------------------------------

Sana encerra a nota com pequeno sorriso.

Estava muito próxima da hora de se apresentar e não queria que nada desse errado. Suas técnicas vocais haviam sido aperfeiçoadas, e ela torcia para que sua voz chegasse ao coração de Tzuyu e destruísse qualquer barreira que existia por lá.

Tinha que dar certo. Ela não iria aguentar mais tempo sem dizer o que ela precisava dizer a Tzuyu.

"Oh! Hum..." Sana olha assustada ao redor, e encontra Dahyun na entrada da sala com os braços cruzados, apertados contra seu corpo, a olhando com curiosidade. "Não sabia que você podia cantar assim." Sana dá um pequeno sorriso.

"Nem eu." Dahyun sorri em resposta. "Eu queria pedir desculpas à você." Sana diz após um tempo observando a mais nova. A transição da expressão relaxada para uma magoada não passou despercebida.

"Não precisamos falar sobre isso. Já passou, eu estou feliz com a Momo e você tem uma chance de realizar o sonho de muitas pessoas aqui, então..." Dahyun dá de ombros e sorri. "Está no passado." Sana sorri em resposta.

"Queria te abraçar, mas a Momo me mata se eu me aproximar de você." Dahyun gargalha e abre os braços.

"Darei um jeito na Momorin. Vem cá." Dahyun se aproxima e a abraça Apertado por um tempo. Ao se separar, Dahyun a segura pelos ombros, a olhando nos olhos. "Por favor, não faça mais bagunça com o coração das pessoas." Suplica com tristeza.

"Eu prometo isso a você." Sana diz com firmeza e se afasta. Dahyun sorri satisfeita com a resposta e a deixa só novamente na sala de canto.

Sana suspira feliz antes de voltar a sua prática.

------------------

"Ah! Aí está você!" Momo diz ao ver Chaeyoung com uma bandeja cheia de petiscos. Ela não deixa passar a chance de beliscar algumas coisas.

"Você está falando comigo ou com a comida?" Chaeyoung questiona, dando um tapinha na mão de Momo, já cheia de comida.

"Eu... Não faça perguntas difíceis." Chaeyoung ri e volta a caminhar pelo salão já com algumas pessoas. Momo a segue, prosseguindo com a conversa."Eu vi você e a Yoda-ah conversando mais cedo, e vi o jeito que você foi embora. Nós duas ficamos preocupadas com você." Chaeyoung finge não ouvir e segue seu caminho entre as pessoas.

Aborrecida, Momo agarra a bandeja, dá para uma pessoa próxima segurar e puxa Chaeyoung para um lugar mais vazio do salão.

"Qual é o problema de vocês maknae ignorando suas unnies?" Momo reclama ao parar com Chaeyoung a encarando com tédio.

"Qual é o problema das trainers japonesas, que amam suas maknaes?" Ela rebate. Momo limpa a garganta com uma falsa tosse antes de voltar a falar.

"Comece a falar: Como vão as coisas entre você e Mina-ya?" A mais nova dá de ombros antes de cruzar os braços e desviar o olhar para o chão. "Você vai mesmo ficar de braços cruzados? Não vai nem tentar lutar?" Chaeyoung balança a cabeça em descrença.

"Como se luta contra o silêncio?! Como se luta contra uma coisa que você não sabe o que é?! Como se luta quando se tem medo?" Momo a toca no ombro, a acariciando em consolo.

"Medo da Mina?! Ela não levanta a voz nem para quem merece." Chaeyoung não reage a brincadeira. "Eu sei o que você quer dizer. Mas você não vai conseguir quebrar o silêncio se você não tentar gritar, e muito menos saberá de algo se não perguntar." Chaeyoung enfim olha Momo, que sorria para ela. "Às vezes as coisas não são como imaginamos, sabe?! Quero dizer, tem gente que acredita que existe vida em outros planetas e outras que não. Mesmo elas estando muito, mas muito erradas, se elas procurassem saber mais, saberiam que eles já estão entre nós." Chaeyoung estreita os olhos em confusão.

"Do que você está falando agora?!" Momo a imita também confusa.

"Estou dizendo que você tem que ir lá e buscar a sua mulher." Segurando o outro ombro da baixinha, Momo a vira em direção a multidão. "Vai Chaeng-Chaeng! Marca pro nosso time!" Momo grita para apoiá-la e observa enquanto Chaeyoung caminha entusiasmada entre as pessoas.

Ela estava motivada, e ela tiraria de vez qualquer situação estranha entre ela e Mina. Não iria desistir tão fácil.

-------------------

Sana guarda sua maquiagem e se encara no espelho do camarim. Sua expressão relaxa era apenas uma fachada, já que ela queria desesperadamente descontar seu nervosismo em qualquer coisa. Nem os lábios poderia morder, já que não queria estragar o batom.

"Pronta pro show?" Jungkook perguntou ao entrar no camarim, assustando Sana no processo. "Wow! Respira! Desmaiar no palco não vai parecer muito glamouroso." Sana debocha com uma careta.

"Então... Você fez o que você disse." Ele assente com um grande sorriso.

"Ele está arrumando o violão, então você tem que ir agora." Sana assentiu e sorriu para ele.

"Obrigada." O garoto despensa com um gesto de mão.

"Apenas não estrague tudo. Sr. Park estará observando." Sana engole em seco ainda mais nervosa.

"Espero que ele não me atire nada." Jungkook gargalha em resposta.

"Talvez um kimbap. Ele comeu a maioria que viu pela frente. Foi nojento." Faz uma careta. "Agora vai. Sua garota te espera." Sana assente em resposta e se retira do camarim.

"MINATOZAKI SANA!" A japonesa procura assustada por quem a chamava.

"Ah. É só você." Ela revira os olhos e caminha com a outra pessoa a seguindo.

"Como assim sou só eu?! Pelo menos finge que eu sou importante para você!" Momo reclama, mas desiste de prosseguir após ver Sana morder o próprio lábio. "Você está aprontando. O que é dessa vez?" Momo a para.

" Eu...Vou cantar." Momo bufa.

"Você vai quebrar o clima da festa com a música, não é?!" Momo repreende Sana que ri antes de dar de ombros.

"Eu não ligo. Me deseje sorte."

"Fighting!" Ela grita entusiasmada em resposta. Sana respira fundo algumas vezes antes de caminhar para o centro do palco e tendo uma luz sobre si. Ela busca entre as pessoas que a olhavam surpresas até encontrar o olhar surpreso de Tzuyu. Sana sente algo dentro de si se mexer em nervosismo.

Ela estava ali e ela poderia fazer aquilo.

------------------

"Desculpa pela demora." Mina se desculpa assim que encontra Tzuyu sentada, olhando o celular com pouco interesse.

"Tudo bem. Valeu a pena esperar. Você está deslumbrante, unnie." Elas sorriem uma para a outra. Tzuyu toma a iniciativa de tomar o braço da japonesa e caminhar junto à ela para onde os outros estavam reunidos.

Assim que entram no lugar, vêm Momo e Dahyun, dançando como se não houvesse amanhã. Momo é a primeira a vê-las e logo estava puxando Dahyun para perto delas.

"Bonito! Que bonito, hein?! Estão combinando!" Dahyun diz e sorri para as duas.

"E nem combinamos. Coisas do destino." Tzuyu diz com um sorri. Momo a imitou com deboche.

"E nem combinamos. Coisas do destino." Momo imitou com deboche. "Vocês são um casal rookie. Não tente se comparar com um casalzão desses aqui, OK?" Mina e Tzuyu gargalham.

"Com medo?" Mina pergunta ao abraçar Tzuyu pela cintura, mas ainda encarando Momo.

"Meu único medo é se o jokbal de amanhã vai estar fresco." Mina volta a rir. Momo só fala de comida.

"Vamos para a pista de dança!" Momo puxa Mina, a separando de Tzuyu. As mais novas as seguem.

As quatro dançam juntas, se divertindo. Momo e Dahyun evitavam ficar muito juntas para evitar boatos, enquanto Mina e Tzuyu dançavam de forma comportada perto uma da outra.

"OK, eu preciso beber alguma coisa." Dahyun diz cansada e se pendurando em Momo.

"Quer que eu pegue água pra você, bebê?" Momo a questiona ao abraçá-la pela cintura. Dahyun responde que não.

"Vem comigo~" Pede manhosamente fazendo Momo sorrir enquanto Tzuyu e Mina só queria vomitar com a cena.

"Nós já voltamos, OK?" Momo avisa para as duas.

"Vamos dançar até o salto quebrar quando voltarmos, certo, Momozão?" Dahyun pergunta ao apertar as bochechas da japonesa de franjinha. Mina e Tzuyu olhavam enojadas para as duas.

"Por favor, nunca mais façam isso na nossa frente." Tzuyu pede com uma careta. Momo gargalha e aperta Mina e Tzuyu em um abraço.

"Já voltamos! Não façam nada de divertido sem nós." Momo adverte antes de partir.

"Devíamos ter trazido a fita adesiva." Mina comenta rindo junto com Tzuyu.

"Parece que sim." Ela concorda.

As duas se encaram por um momento antes de Mina voltar a falar:

"Como vai a pontuação?" Tzuyu finge tirar um bloco de um bolso imaginário em seu vestido e folhear em busca de algo.

"Aqui!" Aponta em uma folha imaginária. "Nós ganhamos 100 pontos se não nos chamarmos por apelidos fofos, então estamos na liderança." Mina gargalha.

"Sabia que nós iríamos ganhar." Sorri para a mais nova. "Merecemos uma dança em comemoração?" Tzuyu assente.

"Justo."

As duas se aproximam um pouco mais, conversando enquanto dançavam. Mina estava satisfeita com a situação atual.

Tzuyu se sentia aquecida, confortável com o sorriso de Mina enquanto a mesma a balançava lentamente com o ritmo da música. Ela podia sentir o próprio sorriso crescer lentamente, e sentia que enfim estava tudo bem.

"Olá, pessoal! Boa noite!" Uma voz irrompe com o parar de repente da música. "Para uma apresentação especial entre um trainer e um debutado, chamo ao palco: Jae Park e Sana Minatozaki." Tzuyu vira rapidamente para olhar o palco, abrindo a boca em surpresa ao ver Sana depois de tanto tempo. Ela não podia negar que Sana estava linda.

"Olá, pessoal!" Sana começa timidamente. "Eu venho aqui hoje pra cantar, e..." Ela engole em seco ao ver Mina segurar possessivamente o braço de Tzuyu. "Espero que essa canção possa esclarecer algumas coisas." Ela assente pro garoto, que a observava em espera. Ele inicia a melodia no violão.



"Num pedaço de papel rasgado

Escrevi o que realmente sinto

Então algo sobre você fica claro

Sim, somos iguais, mas diferentes

Você também se sente assim?

Estou ficando cheia de esperanças

Quando um dia, mês, ou ano passar

Estaremos vivendo vidas diferentes?"


Tzuyu não pode esconder sua surpresa ao ver Sana cantar, a fazendo se prender a cada sílaba ditada de forma melodiosa pela japonesa, presa por aqueles olhos castanhos que carregavam tanta dor.


"Eu não

Não é fácil pra mim

Você ainda preenche meus dias

Ainda não

Digo pra mim mesma, como uma tola

Não consigo engolir as palavras entaladas

Não está tudo bem

Ah ah ah ah não está tudo bem"


De repente, Tzuyu se viu novamente no café, vendo Sana triste, sentada sozinha, sem esperanças pela primeira vez. Era o mesmo olhar que ela tinha agora, e essa constatação fez o coração dela doer.


"Com meu cabelo firmemente preso

Estou arrumando meu quarto

Estou procurando por algo novo

Às vezes tenho a esmagadora sensação

De que tenho que fazer algo

Então faço coisas, mesmo sem precisar

Quando um dia, um mês, um ano passasse

Você disse que se lembraria sorrindo, mas

Eu não

Não é fácil pra mim

Você ainda preenche meus dias

Ainda não

Digo pra mim mesma, como uma tola

Não consigo engolir as palavras entaladas

Não está tudo bem

Ah ah ah ah não está tudo bem"


Tzuyu sentiu um aperto envolta de si, e aquilo simplesmente não parecia tão certo agora. Ela se sente sufocar.

"Mina..." Tzuyu sente o aperto sobre si se aliviar, e ela pode enfim olhar a bailarina nos olhos.Mina podia ver a inquietação na menina a sua frente. Como, apesar de seus olhos estarem de frente aos seus, o coração da menina não estava lá.

Ela soube então que nunca poderia ter o coração da menina a sua frente, porque não a pertencia mais.

"Às vezes nós precisamos nos distanciar do quadro para entender a arte. O que é a vida senão um quadro bagunçado, mas que é uma das mais belas obras primas?!" Mina dá um pequeno sorriso para a garota a sua frente. O coração dela aperta ao ver que Tzuyu assentir em concordância. Doía, mas deveria fazer o que sentia que era o correto. Talvez o universo a compensasse depois.


"Entre piadas sem sentido, conversas

E pessoas, eu pareço estar bem

Finjo não sentir nada e tento sorrir

Tento esquecer a sombra que é você, mas

Eu continuo pensando

No nosso último momento

Você terminou tudo de forma simples, com um: se cuida

Ainda não

Digo pra mim mesma, como uma tola

Não consigo engolir as palavras entaladas

Não está tudo bem

Ah ah ah ah não está tudo bem oh

Ah ah ah não está tudo bem"


A música se encerra assim como o contato entre Tzuyu e Mina.

Sana assistia atenta toda a interação das duas, com medo do que poderia ver, ela acaba desistindo de observar. Tzuyu não prestou a atenção que ela esperava, e agora ela estava lá, com Mina. Não tinha dado em nada todo seu esforço.

Ela sentiu o nó em sua garganta apertar, mas teve que sorrir, já que um público a observava atentamente agora. Se apressou em agradecer, e se retirar do palco.

"Ei, Sana!" O menino de óculos a chama, e para próximo a ela. "Sr. Park disse pra você ir pro salão de dança. Ele parecia mal-humorado." Sorri amigável, e se afasta.

Ótimo, era só o que faltava.

-----------

Tzuyu estava paralisada com o caos que havia em sua mente. As palavras de Mina a fizeram questionar várias coisas, incluindo o que Sana queria com aquela canção e olhar intenso. Todos os dois direcionados a ela, lhe atingindo com vários sentimentos e questões.

Ela acreditou por um instante que não era apenas um passatempo para Sana. Ela riu de si mesma pela conclusão. Ela estava sendo estúpida mais uma vez, se deixando ser enganada. Ela não consegue conter a grande gargalhada que a faz tremer pela intensidade.

Mina olha assustada para a mudança de comportamento de Tzuyu.

"O que é tão engraçado?" Ela pergunta a menina que ainda ria em sua frente. Ela foi parando aos poucos de rir, e olhou para a japonesa de forma divertida.

"Não consigo acreditar no quão boba eu fui." Mina continua sem entender, e logo ela continua. "Todo esse show, o lance de hipnose... Ela merece um oscar por melhor atuação, realmente. Vai ser uma ótima idol." A bailarina a observa com preocupação. Sabia o que Tzuyu estava fazendo: Estava levantando suas paredes, se protegendo atrás de sarcasmo e incredulidade.

"Unnie! Podemos ir dançar agora?" Tzuyu pergunta animada, e passa os braços pelo pescoço da mais velha, dando um sorriso que não a atingiu os olhos.

Antes que qualquer uma das duas pudessem dizer qualquer coisa, Chaeyoung surge ao lado delas, fingindo uma tosse para chamar a atenção das duas.

"Tzuyu-ah..." Inicia assim que as duas olham para baixo para vê-la. "Jihyo unnie estava te chamando no salão de ensaio. Ela parecia nervosa." Tzuyu a olha confusa por um instante antes de soltar Mina.

"Ok, faça companhia a Mina. Eu já volto." Se apressa a andar rapidamente em direção às salas. Mina observa com curiosidade a baixinha e ansiedade.

"Então..." Chaeyoung toca o ombro da japonesa. "Eu-er... Já provou o kimbap? Eles estão ótimos." Mina ri.

"Ótimo papo furado. De verdade." Ri junto com a outra. "E ainda não. Que tal nós irmos lá depois dessa música?" Chaeyoung sorri, e assente.

---------------

Tzuyu não consegue controlar a onda de ansiedade assim que chega ao corredor e vê Sana um pouco mais a frente, indo em direção ao salão de ensaio.

"Talvez ela vá para o banheiro." Pensa ao diminuir a velocidade da caminhada para não alcançá-la, mas tudo foi em vão ao ver Sana entrar no mesmo lugar para onde ela estava indo. "Droga! Mas pelo menos Jihyo vai estar lá." Tzuyu sentiu seu coração acelerar. Ela respirou fundo algumas vezes antes de entrar na sala.

Sana não escondeu sua surpresa ao ver Tzuyu entrar e fechar a porta atrás de si. Elas se olharam com claro choque em suas feições, mas logo mudou para estranheza.

Tzuyu se sentiu sufocada pela ansiedade, e por seus pensamentos. Ela estava sozinha com Sana.

Sozinha?

"Você viu a Jihyo? Ela me chamou aqui." Tzuyu questiona observando qualquer coisa menos Sana.

"Acho que ela e o Sr. Park devem estar atrasados." Sana dá de ombros. Ela observava com cuidado a menina que permanecia próxima a porta. "Nós devemos aguardar aqui?" Sana pergunta cuidadosa, com as palavras, mas só a menção de um nós fez Tzuyu tremer por dentro. Ela não devia ficar tão próxima de Sana, não poderia se deixar enganar novamente.

"Eu dispenso." Responde sarcástica, e tenta sair da sala, mas a porta simplesmente não abria. Ela forçou uma, duas, três vezes a porta, que não cedeu a sua força.

"Tzuyu, o que-"

"Fique longe de mim!" Sana que se aproximava, para acuada pelos gritos da mais nova, voltando para perto do espelho, observando a mais nova frustrada.

------------------------------------

Chaeyoung segura Mina pelos ombros, se movendo lentamente com a música. Ainda com um pouco de vergonha, ela encosta a cabeça contra o ombro da mais alta, fechando os olhos em seguida.

"Chaengie?!" A chama, com medo de o som forte das batidas de seu coração conseguissem ser mais altos que a música que tocava lentamente no fundo.

"Eu só... Quero pedir desculpas por ter te afastado, Minari." Mina para de dançar e se afasta o suficiente para olhar as expressões tristes no rosto da baixinha.

"Eu senti sua falta." Mina confessa. "Podemos ter essa conversa em algum outro lugar?" Chaeyoung assente e a puxa pela mão. As duas caminham em silêncio até a parte de trás da academia, parando de frente para o banco das duas.

"Como nos velhos tempos?!" A baixinha questiona insegura. Não sabia como Mina se sentia em estar ali novamente com ela.

"Como nos velhos tempos." Mina sorri e se senta acompanhada da outra. "Quero te contar uma coisa, e eu preciso que você me prometa que não vai mais embora independentemente do que eu vou te falar. Por favor." Suplica com um leve aperto na mão que ela ainda segurava.

"Eu prometo." Chaeyoung a olha nos olhos e junta sua outra mão com a de Mina. O coração dela pula uma batida com o gesto. A japonesa inspira e suspira longamente, tomando o tempo para escolher as palavras. Era sua chance, ela podia dizer o que sentia. Tinha a promessa de Chaeyoung de que ela não fugiria. Com toda a coragem que não tinha, Mina encara a menina em frente a ela.

"Eu conheci essa pessoa, que é incrível. É como se ela pudesse fazer qualquer coisa." Sorri em admiração. O coração de Chaeyoung vacila com o medo do que poderia escutar. "Ela me passa segurança, e eu sempre sinto que eu posso ser eu mesma quando estou com ela. É como se eu não tivesse que me preocupar com o que vai acontecer no futuro." Chaeyoung assente em compreensão e observa suas mãos juntas por um instante. Ela não podia fugir que estava prestes a ouvir. Em antecedência ao que viria a seguir, a maknae fecha os olhos.

Com uma inspiração alta, Mina completa:

"Meus sentimentos estão ficando obviamente claros para você. Eu tenho tantas coisas para te dizer..." Mina aperta a mão de Chaeyoung, que enfim a olha nos olhos. "Eu estou apaixonada por você." Com olhar surpreso de Chaeyoung nos seus, Mina suplica: "Me diga que você também."

"Meu coração vai ser pra sempre seu." Chaeyoung sorri ao secar uma das lágrimas no rosto de Mina e a abraça com força. "Posso te beijar?" Ela sussurra e aguarda com ansiedade. Ela mal podia acreditar que aquilo estava acontecendo enfim!

Mina assente, soltando um "sim" baixo e tímido.

Chaeyoung se aproxima com cautela, segurando firme uma das mãos e acariciando sua bochecha antes de fechar os olhos e tocar seus lábios com os de sua amada.

Mina sente seu rosto arder em vergonha, mas não se importa. Ela só queria sorrir e abraçar a maknae e não soltá-la mais.

Elas se separam e se encaram sorrindo.

"O que?! Sem língua?!" Momo grita indignada, as duas criam mais distância, ficando cada uma em uma ponta do banco e parecendo envergonhadas. "Tirei uma foto como recordação. Foi lindo. Parabéns aos envolvidos." Momo bate palmas animadíssima enquanto Chaeyoung a observa confusa.

"O que você está fazendo aqui?" Momo sorri travessa.

"Vim ficar com a Dahyun, mas o lugar já estava ocupado." Diz com tédio. "Sim, Kim Dahyun, todo mundo já sabe que você está escondida. Não se faça de sonsa." Momo busca a namorada, revelando seu esconderijo atrás da cerejeira.

"Oi..." Cumprimenta envergonhada. "Eu tentei tirar a Momorin daqui, é sério." Mina estreita os olhos para as duas.

"Certo..." Sopra sem acreditar. "Agora podem ir?" Momo balança a cabeça avidamente em um não.

"Se nós não podemos, vocês muito menos. Vamos dançar!" Chaeyoung e Mina se encaram por um instante antes de darem de ombros e se levantarem. As duas juntam suas mãos antes de começarem a andar na frente. Momo se atira em cima de Mina, a agarrando pelo ombro com um sorriso satisfeito.

"Obrigada por satisfazer meu coração de shipper." Mina revira os olhos para as bobagens de Momo, mas sorri em seguida. Ela estava realmente feliz.

-----------------------------------

Com um último esforço e grunhido, enfim Tzuyu desiste de forçar a porta.

"Isso é coisa sua, não é?! Você planejou tudo isso?!" O olhar furioso da taiwanesa fez Sana se sentir ainda mais acuada. O que ela deveria fazer?! Com Tzuyu naquele estado, qualquer resposta dada por ela seria a errada.

"Huh, não." Responde de qualquer forma, e viu que a outra não acreditou. "Como eu poderia nos trancado, se eu estava longe da porta?" Incrementa tentando ser indiferente.

"Você pode ter pedido ajuda a seus fãs. Talvez pro seu novo namorado, o Park Jae." Sana a olha ofendida.

"Eu não namoro com ele! Do que você está falando agora?" Tzuyu bufa, cruzando os braços ao encarar Sana com frieza.

"Oh, claro! Ele deve ser só mais um dos seus brinquedos enquanto você sai com o Jungkook. Sinto muito, eu não consigo acompanhar sua mudança de status." Cospe as palavras e se encosta na porta atrás de si.

"É isso que você acha? É o que você pensa quando lembra de nós?" Tzuyu bufa, e fita o chão. Ela estava frustrada, ansiosa, com medo. Ela ainda não se sentia pronta para enfrentar Sana e seus olhos, que estavam escuros com a tristeza e dor pelas coisas que ela havia dito. Ela não podia encarar Sana.

"Me responde, Tzuyu. Eu pedi para você acreditar em mim, me esperar, mas você preferiu acreditar nos outros sobre mim. Me diz: Por que você não confiou em mim quando eu disse que você deveria?" Tzuyu era quem estava acuada agora. Sentiu enfim o peso de suas escolhas em seus ombros, e cedeu ao peso, ao se sentar no chão, e ver Sana séria, a observando com raiva, mágoa e agonia.

Bastante tempo se passou enquanto as duas seguravam o olhar uma da outra. Sana queria suas respostas, e Tzuyu queria apenas espremê-las no lugar mais distante de sua mente.

"É complicado. Não quero falar sobre isso agora." Tzuyu se esconde em sua própria covardia. Ainda mantinha a esperança de que alguém iria perceber o sumiço delas em algum momento e a salvaria de toda aquela situação.

Sana a observa do lado oposto da sala, com a cabeça encostada nos joelhos dobrados, a ignorando. Talvez ela já tivesse seguido em frente, mas elas estavam ali, a sós, depois de tantos dias sem se ver, e mesmo que Mina já tivesse conquistado Tzuyu, Sana ainda tinha explicações para dar, e algumas respostas que gostaria de ouvir.

Ela se levanta, e se senta ao lado da mais nova com cuidado. Era o mais próximo que ela chegou de Tzuyu nesses dias.

"Eu estava tendo um dia difícil quando nos conhecemos." Ela inicia olhando para frente, observando o reflexo das duas no espelho. "Eu tinha a chance de me destacar no showcase, conseguir realizar meu sonho, mas eu teria que lidar com um idiota que não parecia se importar tanto assim com os sonhos dele ou os meus." Ela observa a menina ao lado dela, que não havia se movido. "E então, eu ia desistir da contribuição, mas Sr. Park me pressionou para continuar, me humilhou dizendo que eu só seria capaz com a ajuda deles, e eu me senti pior do que o lixo do lixo, porque eu senti que eu nunca poderia atingir nada sem a ajuda de ninguém." Suspira pesado ao lembrar das vezes que suportou toda a babaquice de seu professor e parceiro.

"Eu ia desistir, de verdade. Eu não ligava para show nenhum, nem conhecer idols formados ou boatos de estar saindo com um idiota. Mas então você entrou na minha vida." Ela sorri com a lembranças do cupcake com confetes coloridos e o cheiro suave do chá verde, de como os pequenos sorrisos gentis de Tzuyu tinham a aquecido. "Com o seu sorriso gentil, e boas palavras e conselhos que eu sempre me lembrava sempre que os dois idiotas me pisavam, e essas lembranças foram minha força. Saber que eu poderia apenas te mandar uma mensagem ou poderíamos apenas nos encontrar depois dos ensaios e ficarmos em silêncio juntas. Todos esses momentos me vinham à cabeça. Apesar de ter amigos, ter meus pais por perto, só você me importava." Sorriu triste olhando para Tzuyu que a olhava de volta agora.

"Eu não parecia tão importante quando você foi embora, sem sequer deixar um recado depois de você ter dormido comigo." Tzuyu rebate sem desviar o olhar.

"Eu preciso te contar uma coisa. O que realmente tinha entre eu e o Jungkook." Sana assiste a mais nova respirar fundo, e encará-la ainda mais séria. Tzuyu não sabia se estava preparada, não sabia se queria realmente saber o que os dois tinham, mas ao mesmo tempo ela queria. Talvez essa fosse a questão mais essencial depois de tudo já dito. Com um suspiro pesado, Sana inicia:

"Ele tinha um vídeo nosso, nessa sala, nos beijando." Tzuyu não esconde o espanto. E se endireita para estar de frente para Sana. "Ele ameaçou soltar o vídeo, e dizia coisas como isso faria nenhuma agência se interessar por nós, e-"

"Por isso você sumia." Tzuyu a interrompe incrédula. "Por que não me contou nada disso? Era o meu futuro em risco também." Sana a olha surpresa pela questão. Não era essa a reação que estava esperando. Por demorar demais, Tzuyu prossegue: "Você vem aqui, me faz esse discurso sobre confiança, mas você também não confiou em mim pra dar um jeito nisso." Rebate aborrecida. Como que Sana poderia falar aquilo com tanta calma, afinal?! Ela não se importava com as consequências?!

"Nada daria errado, portanto que eu fizesse o que ele mandasse. E se ele descobrisse que eu disse algo a qualquer pessoa, seria a minha e a sua vida em risco, Tzuyu. Quando eu disse que não queria ser julgada por quem eu amava, eu estava falando disso. Por isso você tinha que confiar em mim, porque eu faria qualquer coisa por você!" Sana grita em desespero ao ver Tzuyu levantar e tentar abrir a porta novamente, mas continuava fechada.

"Você pretende ir?! Mesmo depois de tudo o que eu disse?" Agora ela também estava de pé, próxima a mais alta, pronta para suplicar mais uma vez. Ela não poderia perder Tzuyu depois de contar tudo.

"Você não me deu motivos para ficar, só justificou o porquê de você ter feito essas coisas, e está tudo bem, Sana. Você pode voltar a ser você." Sana sentiu seu desespero aumentar. Ela sabia que estava perdendo. Perdendo a batalha contra os muros de Tzuyu, perdendo a menina teimosa a sua frente, que insistia em não ver e a não ouvir o que ela esteve dizendo esse tempo inteiro.

"Eu fiz tudo isso, suportei cada humilhação, cada ausência tua porque eu te amo." De repente a sala era silenciosa demais, as duas paradas demais, e o coração das duas muito barulhentos. Sana estava entregue, não havia nada a ser escondido, e a sensação de estar exposta era quase demais para suportar. O primeiro soluço do choro tenta sair, mas ela não havia terminado ainda.

"Eu amo a forma que você fez cada sacrifício valer a pena, a forma que de repente tudo tinha cor quando você estava por perto, e eu não sinto saudades do que eu era antes, porque eu era miserável, eu não tinha nada. E talvez isso não signifique nada agora, mas eu quero que você saiba disso." Tzuyu suspira alto, e fita a menina ao seu lado, ainda com aqueles lindos olhos castanhos que imploravam uma resposta.

"Eu senti sua falta nesses dias." Tzuyu quebra o pequeno silêncio com confissão desajeitada. "Quero dizer, quem ainda faz piadas com lâmpadas?! Que tipo de filme americano você andou assistindo?!" Pergunta divertida, e vê Sana rir e secar uma lágrima que havia escapado. A mais nova não teve medo de se aproximar e abraçá-la forte dessa vez.

Sana se rendeu às lágrimas, e a abraçou com força, com saudades, com medo do que estava por vir. Mesmo sem saber o que aconteceria.

"Eu nunca tive ninguém assim, que fosse minha força e minha fraqueza, e me desse medo por isso." Tzuyu lhe acaricia os cabelos tentando acalmá-la. "Eu me sentia vulnerável a você, e esses seus olhos, argh, eles são minha maior fraqueza, sem dúvidas." Ri de si mesma. "Eu evitei de todas as formas não assumir. Não assumir meus sentimentos, porque eu tinha medo de você ir embora e levar uma parte de mim. "Sana aperta um pouco mais o abraço." Mas então você me aparece, depois de uma semana, linda, com essa sua voz de anjo, e aquela música e eu fiquei tipo, "Cara, eu estava tão errada! Como ela poderia levar algo que já a pertencia?!"" Volta a rir, e sente corar. "Eu te amo, Sana. Desculpa por demorar tanto, por me fechar tanto, e te machucar com minhas defesas. E olha que eu nem comecei a falar das nossas amigas ainda..." Sana se afasta enfim, e a olha nos olhos, sorrindo para ela.

"Meus olhos são mesmo a sua fraqueza?" Tzuyu revira os olhos.

"Foi só isso que você ouviu?! Eu não vou repetir nada do que eu disse." Sana se aproxima ainda sorrindo.

"Diz de novo." Tzuyu bufa novamente. "Diz que me ama." Se aproxima até seus narizes se esbarrar.

"Eu te amo, Sana." Antes que pudesse terminar a frase, os lábios da outra já estavam sobre os seus, em um beijo acompanhado do sorriso de ambas. "Só me prometa que nenhuma banda ou cara tocando violão vai sair de algum lugar e você vai começar a cantar de novo." Debocha e recebe um tapa de leve no ombros.

"Cala a boca." Sana volta a se aproximar para mais um beijo, mas é interrompido pelo som da porta sendo destrancada. Sana se afasta afobada, e tropeçando nos próprios pés e caindo no processo.

"Típico." Brinca a mais alta ao ver a japonesa caída no chão. A porta enfim é aberta, e o semblante de Tzuyu logo muda.

"Oh, olá!" Jungkook sorriu pretensioso para a menina alta, e é pego de surpresa por um soco certeiro em seu rosto. O garoto cambaleia para trás, com as mãos no rosto."Ouch! Também estou feliz em te ver, Tzuyu-ah. Prefiro abraços. Obrigado." Sana olha preocupada para os dois. "Você não contou a história toda, não é?!" Pergunta a japonesa ,assim que ela fica na frente de Tzuyu, para impedi-la de fazer mais alguma coisa.

"Não é como se você não merecesse." Debocha ao segurar a mãos de Tzuyu ao redor dela em um abraço.

"Pelo menos vocês se acertaram." Tenta sorrir, mas seu rosto doía. "Acho que não te devo mais nada, noona. Talvez a gente se encontre nesses palcos da vida." Sana sorri para ele.

"Seria um prazer." O rapaz estava prestes a ir embora quando Sana volta a falar:

"Na verdade... Você ainda tem o seu contato para as audições?" Ela sorri para Tzuyu, que seguia confusa com a conversa amigável entre os dois, e volta a fitá-lo.

"Será o meu prazer ajudá-las."

----------------------

Cerca de um ano depois...

"Vamos para a categoria de grupo do ano!" O MC anuncia animado, e os todos os grupos indicados começaram suas pequenas preces de acordo com suas crenças.

Tzuyu e Sana seguravam ansiosas uma a mão da outra. As outras membros de seu grupo pareciam tão ansiosas quanto. Elas estavam otimistas, os charts iam muito bem, obrigada, e sabiam que a legião de fãs aumentava a cada instante. Elas iam muito bem para uma girlgroup estreante, realmente.

Foi uma surpresa agradável quando o nome do grupo delas foi anunciado. A euforia era contida, mas se demonstrava por seus grandes sorrisos para câmeras, outros idols, e alguns fãs que gritavam os nomes de cada membro do grupo.

Sana e Tzuyu também sorriam de forma contida uma para a outra. Mina e Momo, que havia debutado junto com elas, se ajeitam entre as duas, as abraçando felizes, e observando o público e sua líder fazer o discurso emocionado.

Sana se sentia grata por cada situação difícil agora. Seus sonhos começavam a se tornar reais, e ela tinha Tzuyu ao seu lado para passar esses momentos de felicidades junto a ela e comemorar. Mesmo que fosse longe de olhares e lentes.

Mesmo que não pudessem sair juntas, nem gritar a plenos pulmões o quanto amavam uma a outra, nada as impedia de se amar quando não houvesse ninguém olhando. Mas as duas se mantiveram confiantes de que algum dia poderiam fazer isso. O mundo dava voltas, e progredia a favor do amor a cada rotação.

Com os olhos cheios de lágrimas de felicidade, Sana busca o olhar de sua amada e a encontra já a observando com o sorriso que Sana amava tanto. Naquela pequena troca de olhar haviam uma promessa sendo feita: Aquele era apenas o início para as duas.



Notas Finais


Link da música - https://youtu.be/NHXUM-6a3dU

~le seca algumas lagrimas~ Minha filhinha está concluída :'D

Primeiro, eu quero agradecer a você que acompanhou até aqui, aos que comentaram e os que favoritaram. Vocês são o motivo de eu ter chegado até aqui. Muito obrigada mesmo \o/

Em segundo, peço desculpas pelas pausas desnecessárias (falo das vírgulas mal colocadas u////u) e erros que passaram despercebidos. E também por minhas piadas e trocadilhos XD Fico pensando se vocês pegaram todos os easter eggs que eu coloquei pelo texto...

E por último, e não menos importante, vou escrever outra fanfic de TWICE \o/ Ela já está em planejamento e daqui à um, dois meses no máximo, eu começo a postar. Pretendo dar mais destaque as minhas filhas que não brilharam como deveriam nessa aqui.

E é isso. Espero mesmo que tenham gostado ^^

Nos vemos por essas fanfics da vida o/

Ou não :p 


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...