História I dont belong - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias The Originals, The Vampire Diaries
Personagens Alaric Saltzman, Bonnie Bennett, Caroline Forbes, Damon Salvatore, Davina Claire, Elena Gilbert, Elijah Mikaelson, Jenna Sommers, Jeremy Gilbert, Katherine Pierce, Klaus Mikaelson, Kol Mikaelson, Malachai "Kai" Parker, Matt Donovan, Rebekah Mikaelson, Stefan Salvatore, Tyler Lockwood
Tags Bonkai, Delena, Klaroline, Mabekah, Steferine
Exibições 54
Palavras 5.683
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Luta, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oi gentem, tdo bom?
Mais um cap. quentinho para vocês!
ESPERO QUE GOSTEM!
ATÉ AS NOTAS FINAIS!

Capítulo 15 - Noite dos Trotes, ou Quase


POV Elena

Domingo, 2 horas para a noite dos trotes.

Ligação On:

Eu: O conjunto branco?

Care: Sim, o branco!

Eu: Por quê? Pra ficar manchado para sempre?

Care: Sim! Nós precisamos lembrar-nos desse dia histórico para o resto de nossas vidas!

Eu: Tá! Mas se eu levar bronca por sua culpa você vai me comprar um novo conjunto branco!

Care: Tudo bem!

Eu: Ótimo!

Care: Tchau Elena!

Eu: Tchau!

Ligação Off

Joguei meu celular em minha cama e fui até meu guarda-roupa pegar o conjunto branco no qual a Caroline insistiu tanto para que usasse esta noite. Levei alguns minutos, mas finalmente encontrei a calça jeans branca e a blusa branca de renda que compunham o conjunto. Coloquei-os encima de minha cama e passei para a parte de sapatos do meu guarda-roupa, do mesmo tirei um tênis branco qualquer.

Desci até a cozinha e lá me deparei com Katherine.

- Oi! – disse ao vê-la.

- Oi! – ela respondeu sem dar muita importância.

- Você vai para o colégio hoje à noite? – perguntei curiosamente.

- Ainda não sei, mas provavelmente não! – Katherine respondeu enquanto dava de ombros.

- Por que não? – perguntei um pouco incrédula.

- Porque a noite dos trotes não é lá tão importante. É só um bando de adolescentes sujando uns aos outros! – ela respondeu como se fosse óbvio.

- Ah, mas o Stefan vai estar lá! – eu retruquei em um tom angelical fazendo com que Katherine me fitasse.

- E daí? Isso não funciona comigo Srta. Gilbert! – ela retrucou com uma de suas sobrancelhas erguidas.

- E daí que vai ser uma boa oportunidade pra vocês dois ficarem mais próximos e se divertirem juntos! – retruquei enquanto piscava meus olhos como uma garota pidona.

- Humm...Isso não seria de tudo ruim! – Katherine indagou pensativa – Bom, mas eu ainda não sei! – ela disse logo que se retirou de seus devaneios.

- Tá, mas pelo menos agora você vai pensar com carinho. – eu disse com um sorriso malicioso em meu rosto fazendo Katherine revirar seus olhos.

- Se você diz. – ela disse dando de ombros – Mas enfim, vai querer um sanduíche? – Katherine perguntou enquanto ia até a geladeira.

- Sim, esse é o meu principal objetivo nesta cozinha. Não seja tão convencida achando que foi por você que eu vim aqui! – eu respondi a fazendo soltar uma leve gargalhada. Katherine, com dificuldade, fechou a porta da geladeira enquanto carregava vários ingredientes para fazer um sanduíche extremamente caprichado.

Fui até ela e peguei alguns alimentos de suas mãos.

- Deixe-me te ajudar! – pedi.

- Pensei que nunca fosse se oferecer! – Katherine retrucou me fazendo rir. Colocamos os ingredientes em cima da bancada e logo depois pegamos nossos respectivos pratos de porcelana.

Cortei meu pão e dentro do mesmo coloquei queijo mozarela, peito de peru, um pouco da salada de frango que havia sobrado do almoço e milho verde.

- Vou subir, minha carona é extremamente pontual! – disse enquanto pegava meu prato e ia em direção à porta.

- Ah claro, manda um abraço pro Damon! – ouvi a voz irônica de Katherine. Soltei uma leve risada e subi para meu quarto, ainda precisava decidir algumas coisas. Sim, eu sei que é uma noite dos trotes e que todos nós vamos nos sujar muito, mas não custa nada chegar bonita para o crush, mesmo que depois de todas as brincadeiras e guerras de tinta eu fique parecendo uma baranga com a maquiagem escorrida e o cabelo sujo!

Fui até meu banheiro e peguei minha maleta de maquiagens de meu armário. Fitei a mesma e logo depois suas maquiagens, resolvi optar por algo um pouco mais claro e nada chamativo, porque, apesar de não me importar com isso, eu não quero ficar parecendo uma baranga com a maquiagem escorrida...A parte do cabelo é inevitável!

Terminei meu sanduíche e resolvi ir tomar um banho. Despi-me e fui para dentro do box. Deixei que a água morna se encontrasse com minha pele e me fizesse relaxar. Acabei caindo em devaneios até me tocar de que esta seria a primeira vez em que eu veria Damon desde o nosso beijo, o que me fez sentir uma mistura de felicidade com medo. Felicidade por vê-lo novamente, e medo de que algo entre nós tivesse mudado. Seria um pesadelo se não conseguíssemos olhar um para a cara do outro, ou se não conseguíssemos nem pronunciar duas palavras sem gaguejar e nos sentirmos frágeis.

Passados alguns minutos eu saí de meus devaneios, aos quais concluí que eram bobos e provavelmente não se concretizariam. Terminei meu banho e vesti o conjunto branco no qual fui tão induzida a usar. Arrumei meu cabelo, resolvi deixa-lo solto mesmo, afinal, vai sujar de qualquer jeito, fiz a minha maquiagem extremamente leve, base, uma camada fina de sombra branca, algumas pinceladas de blush e batom rosa claro. Borrifei alguns jatos de perfume por mim e desci para a sala de estar para esperar Damon.

Passados alguns minutos eu ouvi uma buzina vinda do lado de fora, olhei pela janela, era o carro do Damon. Desliguei a televisão, a qual eu havia ligado apenas para quebrar o silêncio e fui até a porta.

- Tô indo. – gritei para minha família e logo depois saí. Ao fitar o carro, me deparei com Stefan saindo do lugar do passageiro e logo depois fitando a porta de minha casa. Ele pareceu ficar um pouco desanimado ao ver-me, ou provavelmente ao não ver Katherine.

Andei até o carro e o cumprimentei com um beijo na bochecha. Stefan abriu e porta de trás do carro e entrou no veículo, eu dei uma última olhada na porta de minha casa, numa esperança falsa de que Katherine fosse aparecer, mas nada. Entrei no carro e antes de poder fechar a porta escutei uma voz extremamente conhecida.

- Onde vocês pensam que vão sem mim? – Katherine perguntou ao abrir a porta. Ela estava extremamente bonita, tipo muito, e eu não pude deixar de dizer um “Uau!” dentro de minha cabeça. Ela trajava uma blusa regata branca, que mostrava um pouco de sua barriga, uma jaqueta de couro preta, uma calça Skynny branca, que deixava toda a região de sua cintura marcada, de uma forma sexy, e um tênis preto que continha um pequeno salto. Pois é, se ela queria nos deixar de boca aberta, conseguiu. Katherine tinha mais curvas do que eu jamais imaginei!

Fitei Stefan que a olhava de um jeito abobado, ele saiu do carro e ao chegar à frente de Katherine a puxou pela cintura e lhe deu um belo de um beijo. Eu abri um pequeno sorriso ao vê-los, e um maior ainda ao sentir uma mão tocar meu ombro. Damon. Virei-me para ele, que me fitava com um belo sorriso em seu rosto, cheguei perto dele e lhe dei um selinho longo o discreto, o qual ele procurou prolongar ainda mais. Era tão bom estar com ele!

Ouvi Katherine e Stefan se aproximarem e em seguida senti um movimento no carro e, sem nem ao menos perceber, me afastei de Damon.

- Opa, eu vi isso, hein. Vocês são namorados? – Katherine perguntou com um sorriso malicioso em seu rosto.

- Você e Stefan são namorados? – perguntei com o mesmo sorriso malicioso em meu rosto.

- Tá legal, você ganhou. Assunto encerrado! – ela retrucou fazendo com que todos nós ríssemos.

Fomos o resto do caminho conversando sobre assuntos variados, nem notamos quando chegamos ao colégio.

-----+++++-----+++++-----+++++-----+++++-----+++++-----+++++-----+++++-----+++++-----+++++-----

- Elena, você demorou! – Caroline disse ao ver-me. Estávamos na área da piscina do colégio.

- Desculpe! – pedi.

- Tudo bem. Mas agora você tem que ver o que eu preparei para a Camille! – ela disse com um sorriso travesso em seu rosto.

- Cadê a Bonnie pra colocar juízo na nossa cabeça? – perguntei com preocupação.

- Também não sei. Mas esse não é o caso aqui! – Caroline retrucou enquanto dava de ombros – E tem mais, eu não vou machuca-la. É só uma brincadeirinha! – ela disse séria.

- É. Mas você sabe como “brincadeirinhas” acabam! – retruquei igualmente séria.

- Relaxa, eu não vou tentar mata-la! – ela pediu enquanto revirava os olhos, de repente Caroline me puxou até a entrada da área – Olha, aqui na porta tem esse balde cheio de tinta com cola e penas que eu fiz questão de que fossem realmente de galinha. Nós vamos amarrar um fio que vai até o balde, sendo assim, quando a Camille passar por aqui, vai tropeçar e logo depois virar uma galinha...ou assumir a verdadeira forma, chame como quiser. – ela explicou animadamente.

- Tá legal, e como você tem tanta certeza de que a CAMILLE vai passar aqui e de que ela não vai NOS culpar pelo estrago? – perguntei enquanto cruzava meus braços, eu não gosto nada dessa ideia.

- Eu paguei alguns garotos para atraí-la até aqui, e se ela pensar que fomos nós...deixe que pense. Essa é a noite dos trotes, podemos fazer isso sem remorso algum. – Caroline respondeu – Por favor, Elena. Esse é o nosso último ano no Colégio. Quer mesmo passa-lo com medo de ser pega por fazer algumas gracinhas? – questionou-me – E outra, nós somos do terceiro ano, é o momento no qual estamos mais rebeldes, pois estamos aproveitando o nosso último ano como dependentes para enfim nos tornarmos adultas. Somos as donas do pedaço. Sabemos o que queremos e agimos sem pensar. Caímos matando nos nossos inimigos! – ela disse como se fosse um político recitando seu discurso. Realmente convincente!

- Você merece a minha ajuda apenas por esse discurso! – disse com o pequeno sorriso fazendo com que Caroline desse alguns pulinhos de alegria enquanto sorria abertamente. Armamos o resto da pegadinha e, atrás de uma das arquibancadas, esperamos pela aparição da loira oxig...da Camille.

Como a Care havia dito, alguns garotos vinham junto dela enquanto a entretinham com algum assunto que provavelmente a Caroline pediu que eles falassem. E como planejado, eles se afastaram um pouco, e ela tropeçou na corda, logo depois recebendo todo o líquido do balde.

Após todo o desespero, nós conseguimos fitar a Camille. Ela estava coberta por tinta vermelha e várias penas brancas por todo o seu corpo. Sua expressão era de puro ódio enquanto via os garotos correrem para longe dela.

- Ah meu Deus, eu preciso registrar isso! – Care disse em meio as suas risadas enquanto ligava seu celular. Após as várias fotos de Camille serem tiradas, nós paramos para ouvi-la.

- Argh, pode esperar Caroline Forbes, eu vou acabar com você e a sua vidinha perfeita. – Caroline ligou o gravador do celular – E quando eu terminar a minha vingança, não vai sobrar nada além de uma vaga lembrança sua na memória de todos, como se fosse uma pequena nuvem chuvosa e passageira...principalmente na cabeça do Klaus! – olhei para minha amiga, que engoliu em seco ao ouvir o nome do garoto. Ela não me olhou, apenas continuou gravando, mas ela parecia incomodada, como se quisesse gritar algo naquele exato momento.

Depois de alguns minutos ouvindo as reclamações e promessas de Camille, nós saímos de trás das arquibancadas. Ela nos fuzilou com o olhar.

- Eu sabia que tinham sido vocês, eu... – Caroline a interrompeu.

- Eu nunca escondi que eu havia feito tudo isso! – ela disse séria – Eu paguei os garotos para te trazerem até aqui para que eu pudesse te transformar no que eu acho que você é. Simples! – Caroline nem sequer olhou para o lado fazendo com que Camille engolisse em seco.

- Você... – Care a interrompeu novamente.

- Mas se eu fosse você, tomava mais cuidado com o que diz! – ela disse logo depois colocando a gravação de tudo o que a Camille havia dito – Eu não gosto muito de falar isso, mas como você já deve saber todos no Colégio me conhecem há muito tempo e me adoram. Eu sou a favorita por aqui, esse território é meu! – Caroline berrou séria – Imagina só na confusão que você ia se meter se eu mostrasse isso a alguém? Alguém tipo...o Klaus. Eu sei que você está mais do que ciente de que ele não te ama, e que se ouvir isso aqui vai acabar com você! – ela finalizou com um pequeno e maldoso sorriso.

- E tem mais, você nunca conseguiria apagar a Caroline da nossa vida, porque tudo o que ela tem, todos os amigos, amores e favoritismos ela conquistou. Tudo o que ela tem é dela por direito, porque ela conquistou tudo isso com o carisma e a bondade que são únicos da personalidade dela. Ela nunca precisou de um namorado qualquer pra se manter na “alta-sociedade do Colégio”. Então abre os seus olhos, porque você não tá por cima de nada e não sabe nem da metade! - eu disse séria. Ela apenas nos fitava com uma expressão de frustração.

- Vocês vão ver só, quando eu contar... – eu a interrompi.

- Contar pra quem? Pra minha irmã? Saiba você que ela confia mais em mim do que em qualquer outra pessoa desse mundo, e que se ela anda com você é porque te conhece muito bem, sendo assim sabe o quão cobra você é. E caso você queira contar pra Pearl e pra Rebekah, vai nessa. Você vai acabar descobrindo que elas não têm tanto poder quanto aparentam! – disse séria – É pequena Camille, você está, literalmente, em nossas mãos! – indaguei enquanto apontava para o celular na mão da loira ao meu lado. Camille engoliu em seco.

- Passar bem! – Caroline disse antes de me puxar para fora da área da piscina, assim deixando Camille sem reação nenhuma. Logo que conseguimos uma distância segura do local, começamos a rir enquanto dávamos pequenos pulinhos.

- Caraca, você viu aquilo? – eu perguntei mesmo já sabendo a resposta.

- Se eu vi? Eu vi e ouvi, minha querida. – Care respondeu animada – Foi muito bom dar um choque de realidade nela, é como se um peso tivesse saído das minhas costas. – ela disse enquanto relaxava seus ombros. Nós duas abrimos grandes sorrisos.

- Tá legal, mas agora nós temos que entrar no Colégio. Ainda tem muitas pessoas com as quais vamos aprontar! – disse com um sorriso travesso enquanto a puxava para dentro do Colégio. Ao entrarmos no local nos deparamos com o mesmo vazio e as luzes piscando de segundo em segundo.

- Meu Deus, isso aqui está de arrepiar. – Care disse enquanto se chegava para mais perto de mim.

- Relaxa, deve ser alguém tentando nos trollar. – retruquei com a voz relaxada fazendo com que Care se afastasse e abrisse um pequeno sorriso.

- Você está certa, devem ser os meninos. – ela indagou achando graça – Bom, mas de qualquer jeito eu vou procurar o Matt para checarmos o quadro de energia do Colégio, as luzes não podem ficar assim! – Care disse enquanto olhava para os lados, provavelmente vendo se Matt estava por perto ou se alguém havia aparecido.

- Então faz assim, você vai atrás do Matt e eu vou atrás da Bonnie. Ela pode estar nos procurando! – disse e ela assentiu em concordância.

- Você tá certa! – concordou Care – Então a gente se vê depois. – ela disse enquanto se afastava.

- Tá legal! – eu retruquei. Caroline sumiu em meio aos corredores que me cercavam.

Olhei para os lados, nenhuma alma viva. Resolvi seguir o caminho do corredor que estava em minha frente, andei por alguns minutos e então ouvi o barulho de uma das portas se fechando, assim me dando um baita susto. Olhei, novamente, para os lados, ninguém. Senti um vento frio em minhas costas, respirei fundo e, com muito medo, virei-me para trás. Enzo!

- Olá querida. Eu estava esperando por você! – ele disse com um sorriso cínico estampado em seu rosto. Eu engoli em seco enquanto meus olhos se enchiam de lágrimas e meu corpo quase fraquejava, mas eu não iria ficar tão propícia assim a ser machucada por ele. Notei que havia passado mais que alguns segundos refletindo, e quando o fitei, a única coisa que consegui fazer ao vê-lo correndo até mim, foi gritar!

POV Stefan

Assim que chegamos ao Colégio, nos separamos para cuidarmos de nossas próprias trollagens. Damon foi o último a não se separar de mim!

- Aí cara, eu esqueci meu celular no carro. Me da à chave pra eu ir lá pegar! – pedi a Damon.

- Tá legal. – ele disse enquanto tirava a chave de seu bolso e a segurava em minha frente – Eu já vou entrar, então pegue seu celular, tranque o carro e cuide dessa chave como se ela fosse sua vida! – Damon pediu quase me fazendo jurar.

- Pode deixar. Sabemos que eu sou mais responsável que você. – eu retruquei o fazendo soltar uma leve risada e me entregar à chave.

- Até mais tarde. – Damon disse enquanto se afastava.

- Até. – eu retruquei logo depois me virando e indo em direção ao nosso carro. Peguei meu celular e, assim como Damon pediu, tranquei o carro e guardei a chave no bolso de dentro de minha jaqueta.

Novamente comecei a andar tranquilamente pelo estacionamento até ouvir uma buzina desesperada atrás de mim. Virei-me em desespero e engoli em seco ao ver o carro vindo em minha direção. A pessoa atrás do volante freiou tão forte que os pneus do carro deixaram marcas e fizeram um barulho ensurdecedor, então a parte da frente do carro encostou em mim, levemente mas ainda assim violentamente, me fazendo cair no chão.

- Ah meu Deus! – ouvi uma voz feminina dizer ao sair do carro, a garota se agachou ao meu lado em desespero – Caramba, você tá bem? Me desculpe, é que eu acabei de alugar esse carro, e ele é muito diferente do meu, eu ainda estou me acostumando. Tomara que eu não tenha... – ela se interrompeu ao me olhar nos olhos e passou alguns segundos, que me pareceram séculos, sem falar. Parecia estar me admirando – Sou Valerie! – a garota de cabelo alaranjado disse.

- Stefan! – retruquei enquanto tentava me sentar no asfalto.

- Ah, deixe-me te ajudar! – ela pediu enquanto me ajudava a sentar corretamente – Olha, eu realmente peço desculpas. Não era minha intenção atropelar ninguém e... – eu a interrompi.

- Tá tudo bem. Eu não vou morrer! – disse em meio a um sorriso.

- Legal! – Valerie retrucou enquanto abria um pequeno sorriso e desviava seu olhar de mim – Eu sou um pouco distraída! – ela disse sem graça.

- Pois é! – retruquei ainda sorrindo – Mas o que faz aqui? Você é aluna nova? – perguntei com curiosidade.

- Mais ou menos, eu estou junto com os outros alunos de intercambio. Vou passar apenas alguns meses! – Valerie respondeu sorridente.

- Legal. Você é de onde? – perguntei-lhe.

- Da Inglaterra. Isso explica o porquê de ter que alugar um carro aqui em Mystic Falls. – ela explicou seguida de uma leve gargalhada.

- Bom, mas já que estamos aqui, podemos entrar juntos e armar alguma trollagem. Sabe, já que você não conhece ninguém não é bom ficar andando por aí sozinha! – sugeri a fazendo abrir um pequeno sorriso.

- Claro! – Valerie respondeu de uma forma feliz – Você quer entrar? Eu ainda tenho que estacionar! – ela perguntou enquanto apontava para seu jipe.

- Acho que é mais seguro dentro do que fora! – disse a fazendo rir. Neste mesmo momento, ouvi um grito estridente e extremamente conhecido vindo de dentro do Colégio. Sem nem pensar duas vezes eu fitei o local e logo depois saí correndo para dentro do mesmo, podendo ouvir Valeria berrar um “Ei!”.

POV Katherine

- Eu garanto a vocês, garotas. Eu não estou namorando ou ficando com o Stefan! – menti para Rebekah e Pearl.

- Tem certeza? Porque não parece! – a loira retrucou irritada.

- Eu também acho. Você tem andando muito perto dos irmãos e ainda por cima pegando caronas e trocando sorrisinhos. O que aconteceu com aquela Katherine que queria acabar e bagunçar com a vida de todos no começo do ano? – Pearl perguntou com um olhar sério.

- Ela está aqui, eu juro! – respondi – Eu não desfiz o nosso acordo... – fui interrompida pela Pearl.

- O nosso acordo de SANGUE que dizia claramente que passaríamos o ano todo juntas com uma única missão, cumprir a nossa promessa de acabar com a vida daqueles que acabaram com as nossas vidas! – a morena disse quase que com ódio. Sim, acordo de sangue. Eu me arrependo totalmente desse dia, mas eu estava cega de ódio!

Flashback On:

Pearl apareceu em seu quarto com uma pequena caixa de costura preta.

- Nesta caixa está o objeto que vai nos unir em nosso único objetivo. – ela disse enquanto fechava a porta. A luz do quarto estava apagada, e a única coisa que nos proporcionava visão eram algumas velas.

Rebekah e eu nos entreolhamos, eu sabia que estávamos as duas com medo daquilo, mas mesmo assim preferimos manter nossa postura. A Pearl é o tipo de garota que acredita em tudo isso de magia, espíritos, equilíbrio da natureza, etc. Então para ela esse assunto é extremamente sério!

- Tá legal, vamos logo com isso! – Rebekah pediu como se quisesse que aquilo acabasse naquele momento.   

- Tudo bem. – Pearl retrucou enquanto se sentava conosco. Ela abriu a pequena caixa e tirou da mesma a agulha mais fina na qual eu já havia visto em toda a minha vida. Pearl direcionou a agulha para seu próprio dedo.

- O que você... – Rebekah foi interrompida pela garota com a agulha.

- Neste momento eu juro pelo meu sangue, que eu vou me vingar e vou acabar com a vida de todos que tentaram me derrubar ano passado. Todos que me magoaram, difamaram, chatearam ou me fizeram ter qualquer sentimento que passasse de frustração. Tyler Lockwood e Emily Bennet são os nomes! – Pearl disse seriamente e logo depois, sem nem pensar duas vezes, espetou seu dedo com a agulha e logo depois me entregou - Sua vez! – ela disse com um pequeno sorriso. Eu, apreensiva, peguei a agulha de suas mãos e respirei fundo pensando se eu realmente queria isso.

- Eu não sei... – Pearl me interrompeu.

- Mas é claro que quer. Lembre-se de como todos te olham torto, como todos falam de você por onde você passa. E você sabe exatamente de quem é a culpa! – ela disse como se estivesse me persuadindo e uma onda de ódio tomou conta de meu corpo.

- Neste momento eu juro pelo meu sangue, que eu vou me vingar e vou acabar com a vida de todos que tentaram me derrubar ano passado. Todos que me magoaram, difamaram, chatearam ou me fizeram ter qualquer sentimento que passasse de frustração. Elena... – eu fraquejei por um segundo, mas logo me recompus – Elena Gilbert é o nome! – disse logo depois engolindo em seco e espetando meu dedo com a agulha. Agora era um caminho sem volta!

Entreguei a agulha para Rebekah que hesitou ao pegar a mesma, mas ao receber um olhar fuzilante de Pearl pegou a agulha e nem esperou para dizer as palavras.

- Neste momento eu juro pelo meu sangue, que eu vou me vingar e vou acabar com a vida de todos que tentaram me derrubar ano passado. Todos que me magoaram, difamaram, chatearam ou me fizeram ter qualquer sentimento que passasse de frustração. Caroline Forbes e Hayley Marshall são os nomes! – Rebekah rapidamente espetou seu dedo com a agulha, ela parecia extremamente assustada, mas não arrependida.

- Agora nós juntamos nossos dedos e partilhamos nosso sangue umas com as outras. – Pearl explicou e assim nós fizemos. Depois de alguns segundos, que me pareceram mais séculos, Pearl desgrudou nossos dedos e nós estancamos nossos sangues com alguns papéis nos quais havíamos pego antes do juramento – Agora é pra valer! – ela disse séria.

Flashback Off

Vocês devem estar se perguntando onde a Camille se encaixa em toda essa história. Bom, ela acabou escutando uma de nossas conversas na quadra, e agora estamos sendo submetidas a chantagens para sermos amigas dela. Então não, eu não queria separar o Klaus e a Caroline, na verdade eu nem me importo se eles estão vivos ou mortos, e não, eu não queria estar partilhando do nosso acordo, inveja e maldade com ela.

Vocês também devem estar se perguntando se a esta altura do campeonato eu me arrependo. Eu lhes respondo com todas as palavras: Eu nunca quis tanto voltar no tempo em toda a minha vida!

Sabe, eu conheci o Stefan e ele abriu meus olhos para muitas coisas, a minha vida tá melhorando. Eu estou melhor em relação ao colégio, em relação a minha família, Elena e eu finalmente estamos nos entendendo, achei um garoto que realmente gosta de mim...E no final eles vão sair todos machucados pelo simples fato de eu ser egoísta!

- É claro que eu não esqueci! – respondi baixo enquanto mudava meu olhar de Pearl para Rebekah, que parecia extremamente incomodada com tudo aquilo.

- Acho bom, porque caso você cometa um único erro, o equilíbrio do Universo vai fazer você pagar na mesma moeda! – Pearl disse fazendo com que um arrepio subisse por todo meu corpo.

- Ai, para com isso! – Rebekah pediu apreensiva.

- Mas é a verdade. Normalmente eles pagam o seu erro na mesma moeda, tirando alguém importante para você para sempre de sua vida, ou fazendo com que você faça uma coisa mais horrível do que a própria palavra propriamente dita! – Pearl explicou.

- Eu não... – ouvi um grito alto e estridente, um grito no qual eu conhecia muito bem – Elena! – eu berrei antes de sair correndo.

POV Narradora

Elena estava deitada no chão do corredor enquanto tentava desvencilhar-se de Enzo, que estava por cima da garota, segurando seus braços enquanto colocava seu peso sobre ela.

- O que você quer comigo? – Elena perguntou apreensiva.

- Não é nada pessoal, querida, mas alguém tem que pagar por certas coisas. – Enzo retrucou com um olhar psicopata, que fez com que a garota engolisse em seco.

- Você é louco! – ela berrou enquanto uma lágrima descia de um de seus olhos.

- Pode ser, mas isso acaba hoje! – ele retrucou sério em seguida colocando suas mãos no pescoço de Elena, a mesma tentou lutar com ele, mas Enzo era extremamente forte. Ele apertou ainda mais suas mãos contra o pescoço de Elena e a viu começar a sufocar. Ela sentiu suas forças irem embora e seus pulmões implorarem por ar, mas quanto mais desesperada ela ficava, mais ela via que sua hora provavelmente estava chegando. Elena viu suas pupilas dilatarem e sentiu todo o seu corpo parar de resistir, e naquele momento ela soube que Enzo seria a última pessoa na qual ela veria...Até que:

- Sai de perto dela! – ela ouviu a voz de Katherine ecoar pelo local e em seguida sentiu o peso de Enzo sair de cima dela, fazendo com que suas vias se abrissem novamente e seu corpo aos poucos voltasse à normalidade. Katherine havia-o empurrado, mas Enzo não ficou caído por muito tempo, ele logo se levantou e empurrou a garota, que caiu ao lado de Elena.

- Elena, Katherine! – elas ouviram Stefan berrar do final do corredor. Ele correu o máximo que pode e então agarrou o braço das duas garotas, em uma tentativa de ajuda-las a levantar. Mas Enzo simplesmente avançou neles e o braço de Elena escorregou pelas mãos de Stefan, fazendo-a, novamente, cair no chão.

Katherine ficou em pé ao lado de Stefan, enquanto pensava, desesperadamente, em algo que pudesse fazer para salvar a sua irmã. Eles não tinham muito tempo, e agora era caso de vida ou morte!

- Já chega dessa palhaçada! – Enzo disse irritado em seguida pegando Elena pelo braço. A garota tentou soltar-se dele, mas todas as suas tentativas só fizeram com que ele agarrasse seu braço com ainda mais força.

Katherine tentou correr para cima deles, mas Stefan a segurou. Ele sabia do que Enzo era capaz e não duvidaria se ele tivesse uma arma ali, e de nada adiantaria se ele matasse todos eles ali presentes. Então Katherine viu sua irmã simplesmente se afastar dela. E uma sensação agoniante invadiu seu corpo.

- Não, eu preciso fazer algo! – ela disse enquanto se soltava de Stefan e andava a passos largos até Enzo e Elena. Quando ela ia avançar para defender sua irmã, ouviu uma voz que a fez respirar em alivio.

- Enzo! – Damon chamou do final do corredor. Todos pararam e se viraram para fita-lo – Pare agora com isso! – ele mandou com ódio no olhar.

- E quem é que vai me parar? Você? – Enzo perguntou de um jeito debochado.

- E eu! – Katherine retrucou séria.

- E eu! – Stefan completou igualmente sério.

- Não! – Damon disse fazendo com que todos o fitassem com uma expressão confusa. Ele soltou uma respiração pesada – Me desculpe, Enzo! – ele pediu fazendo com que Elena franzisse suas sobrancelhas, Katherine arregalasse seus olhos e Stefan arqueasse uma de suas sobrancelhas.

- O que disse? – Enzo perguntou incrédulo. Ele, sem nem perceber, soltou Elena, que correu até Katherine.

- Isso mesmo que você ouviu. Me desculpe! – Damon pediu novamente – Me desculpe por ao invés de tentar te ajudar, pedir covardemente ao irmão que te denunciasse já que eu não tinha coragem para fazê-lo. Me desculpe por não estar lá por você quando você precisava de mim naquele maldito reformatório. Me desculpe por fugir e simplesmente fingir que você nunca existiu e que não significa nada para mim, porque significa. Você é meu melhor amigo e esteve lá quando eu precisei de você, e eu me arrependo profundamente por fazer com que você passasse por tudo isso! – ele disse logo depois soltando uma respiração de alivio. Damon sentia como se tivesse tirado um peso de suas costas, e desta vez estava disposto a ajudar Enzo de todas as maneiras possíveis!

Enzo passou por todos os presentes no corredor até chegar a Damon, que o fitou um pouco apreensivo. Enzo colocou uma de suas mãos em um dos ombros de Damon e depois de alguns segundos simplesmente o abraçou. Um abraço tão forte e carregado de sentimentos que fez com que os dois relaxassem por pensar que talvez todo aquele rancor tivesse passado e que tudo aquilo havia acabado!

Elena abriu um pequeno sorriso, foi apenas naquele momento que ela notou o quão importante Enzo era para Damon, e o quanto ele o amava. Katherine fitava aquela cena um pouco desacreditada, parecia errado para ela ver aquilo depois de tudo o que Enzo os fez passar, mas resolveu que não diria nada. Stefan fitava aquela cena enquanto assentia em concordância, ele entendia a culpa de seu irmão, e nunca o julgaria por isso!

-----+++++-----+++++-----+++++-----+++++-----+++++-----+++++-----+++++-----+++++-----+++++-----

Após uma boa conversa, Damon e Stefan resolveram levar Enzo embora para que eles acertassem suas diferenças do passado e as do presente. Eles preferiram fazer isso a sós!

Depois do susto que levou, Elena queria apenas ir embora, e Katherine não ficou muito atrás. As duas nãos aguentavam mais ficar dentro daquele colégio. Então Elena ligou para sua mãe enquanto Katherine foi conversar com Pearl e Rebekah, que a haviam chamado.

- Desculpe meninas, eu vou ter que ir embora. A Elena teve alguns problemas, então minha mãe está vindo nos buscar! – ela disse forçando um pequeno sorriso, tudo o que Katherine queria era ir para casa e ficar longe de toda essa confusão.

- Ah não, eu de dou uma carona até sua casa. Você não precisa ir com a Elena! – Pearl retrucou simpaticamente.

- Eu prefiro ir, eu estou cansada e amanhã teremos aula, e vocês sabem como eu fico mal-humorada quando não durmo bem. – Katherine retrucou fingindo simpatia. Pearl parou sua atuação de pessoa feliz e bem-humorada, e deu lugar a uma expressão séria.

- Pois eu acho que você está é preocupada com a ELENA! – a morena berrou irritada – Espero não ter que te lembrar do nosso... – Katherine a interrompeu.

- Do nosso acordo? – ela perguntou revirando seus olhos – Quer saber? Eu já estou cansada de você me cobrar sobre essa droga de “acordo”. Eu estava irritada e cometi um erro, e me arrependo profundamente por isso. Mas agora tudo mudou e Elena e eu estamos finalmente nos acertando, o que quer dizer que nenhum acordo infantil que eu tenha feito vai mudar a felicidade que estou sentindo por finalmente estar bem com minha irmã! – Katherine disse séria fazendo com que Rebekah a fitasse um pouco apreensiva.

- O que isso quer dizer? – Pearl perguntou desafiadora.

- Isso quer dizer que eu estou fora! – Katherine respondeu igualmente desafiadora. Ela virou-se para ir embora, mas Pearl a segurou pelo braço.

- Você não pode fazer isso! – ela berrou irritada.

- Tanto posso como fiz! – Katherine retrucou séria.

- Kath... – ela foi interrompida pela morena.

- Você vem comigo, Rebekah? – Katherine perguntou ainda séria, a loira lhe lançou um olhar apreensivo – Você não precisa sentir medo, nada vai te acontecer. – ela disse com um pequeno sorriso. Rebekah olhou-a esperançosa, mas ao dar um passo levou um olhar fuzilador de Pearl, o que a fez voltar para trás. 

A loira apenas balançou a cabeça em forma negativa para avisar-lhe de que não iria segui-la. Katherine soltou uma respiração pesada enquanto lançava um olhar reprovador para as duas garotas a sua frente.

- Eu estou lhe dizendo, Katherine, as promessas tem suas consequências! – Pearl disse séria – Escute, eu não quero que você faça a escolha errada e que no final as pessoas que você ama paguem pelo seu estrago. Eu já disse que o Universo fará você pagar na mesma moeda. – Katherine revirou seus olhos. Se para não sofrer as “consequências” proporcionadas pelo Universo ela precisasse ferir a Elena, a morena preferia mil vezes que o Universo arrebentasse a sua cara -  Você fez um juramento, e mesmo que não acredite, saiba que o que eu digo é verdade! – ela disse fazendo com que Rebekah engolisse em seco. Katherine pensou algumas vezes na possibilidade de voltar atrás, mas ela não acreditava nessa história de juramento e Universo, então resolveu simplesmente ignorar todas as ameaças de Pearl.

- Que seja! – a morena disse revirando os olhos e em seguida virando-se para ir embora. Ela saiu andando sem nem ao menos hesitar ou olhar para trás.

CONTINUA...


Notas Finais


É isso aí gente, um cap. cheio de revelações, emoções, tretas, sentimentos, etc!
ESPERO QUE TENHAM GOSTADO!
ATÉ O PRÓXIMO CAP!
Bjo bjo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...