História I dreamed about you - Capítulo 42


Escrita por: ~

Postado
Categorias The Originals, The Vampire Diaries
Personagens Alaric Saltzman, Bonnie Bennett, Camille O'Connell, Caroline Forbes, Damon Salvatore, Davina Claire, Elena Gilbert, Elijah Mikaelson, Enzo, Hayley Marshall, Hope Mikaelson, Jeremy Gilbert, Klaus Mikaelson, Kol Mikaelson, Marcellus "Marcel" Gerard, Matt Donovan, Mikael, Personagens Originais, Rebekah Mikaelson, Stefan Salvatore
Tags Kol Mikaelson, Mistério, Revelaçoes, Romance
Exibições 84
Palavras 1.676
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Famí­lia, Fantasia, Festa, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Musical (Songfic), Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Terror e Horror, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oie! Tudo bem?
Eu sei que faz mil anos que não posto... Mas estive ocupada com colégio e outros assuntos... Enfim, voltei!
Muito obrigada aos comentários. E aos 79 favoritos!!!! Uhuuuul🎉🎉🎉
Esse cap tá MARA, então prepara o heart!
Espero que gostem!
Tradução: Ela voltou!
Boa leitura!
Bjs!😘😘😘

Capítulo 42 - She is back!


P.O.V  Meghan

Eu abro os olhos e puxo ar pros meus pulmões. Estou deitada em um lugar escuro e apertado. Me sinto estranha, e com muita fome. Eu tento me mover, então percebo que estou em uma espécie de caixão. Eu não sei como consigo, mas eu chuto com muita força e acabo quebrando o caixão, então eu saio dali. Estou do lado de fora de uma cripta, quando olho para um dos pedaços do chão,  vejo meu nome em uma lápide. Fico confusa, até ter flashbacks. 

Flashback On:

Então eu sinto uma lâmina me atravessar. Eu grito. Começo a cuspir sangue, então sinto a lâmina ser retirada de mim. E eu caio de joelhos no chão. Eu pus a mão no ferimento, em uma tentativa inútil de estancar o sangue. Eu caio no chão, eu me sinto cada vez mais fraca. Apesar de minha visão estar turva, eu vejo um vulto correr em minha direção. É Kol. 

Flashback Off.

Eu ponho a mão onde passou a lâmina, meu coração acelera por causa da lembrança. Eu acabei de voltar dos mortos! Quanto tempo se passou? Onde estou? Cade todo mundo? Como eu voltei? São tantas perguntas rondando a minha cabeça nesse momento.

Eu saio da cripta. Pelo que vejo estou em alguma região do castelo. Nada mudou, tudo parece igual, acho que só se passaram alguns dias. Eu vou andando até o meu quarto. Estou estranha, o sol me machuca, estou faminta e confusa. Parece uma ressaca, qualquer barulhinho já me encomoda. Eu chego no meu quarto, tudo está coberto por lençóis brancos. Eu saio pelo corredor, tentando achar alguém. De repente, escuto uma bandeija cair no chão. Quando me viro, vejo Diana.

Oh, meu Deus! - Ela diz se ajoelha e começa achorar.

Diana, o que está acontecendo? - Digo levantando ela.

A- a senhora voltou! - Disse sem acreditar.

Sim. Mas só fazem alguns dias, certo?

Senhorita Meghan, faz um ano que a senhora morreu.

O quê? - Digo incrédula. Eu fico tonta e quase caio,  mas ela me ajuda. - Obrigada.

Acho que a senhora deveria se alimentar e tomar um  banho. - Ela sugeriu, eu assenti. 

Ela me ajudou. Preparou meu banho. Depois de um bom e demorado banho, foi como renascer. Diana me acompanhou até a cozinha, onde comi como uma desesperada. Parecia que não fazia efeito nenhum aquela comida. Sabe aquela sensação de querer algo específico,  mas não saber o que? Eu estava assim. Depois de comer muito, Diana me aconselhou a falar com as guardiãs. 

Eu encontrei Cristal em um jardim de inverno que tinha pelo castelo.

Meghan! - Ela disse ao me ver, e me braçou. - Você está ótima, para quem voltou da morte! - Disse me analisando, eu sorrio falso.

Cristal, você pode me explicar o que diabos está acontecendo aqui?

Um ano atrás, você foi salvar uma família que estava sendo feita de refém. Você levou uma espadada que te atravessou, Kol te deu sangue, mas a casa tinha uma proteção bem específica para magia.

Como eu voltei?

Quando te tiraram da casa, o sangue começou a fazer efeito, e você estava se curando. Então, nós, guardiãs, fizemos um feitiço que conservou o seu corpo, e atrasou o processo o que a manteve "morta" por todo esse tempo. 

O quê? 

Eu fiz isso, pois eu via o seu sofrimento e o de Kol. Eu tive que fazer algo!

Me manter morta por UM ANO?

Foi o único jeito. Donna e Rafel se apaixonaram, então você não precisa mais se casar com ele! E agora pode viver para sempre com Kol!

Como assim para sempre?

Não é óbvio? O sol machucando, a fome incessante, o desejo por algo, mas não sabe o quê, a dorzinha na gengiva, os sons começando a ficar mais altos, você mais forte do que o normal, os sentimentos à flor da pele... Você está se transformando, Meghan.

Eu não sei como reagir a isso. Eu não sei se devo me alimentar, ou não. Tudo o que posso pensar agora, é em meu pai e Kol. 

Cadê o meu pai? 

Ele deve estar no escritório real.

Eu corro até o escritório. Bato na porta e escuto sua voz me dizendo para entrar. Eu entro, ele estava de cabeça baixa fazendo anotações. Quando ele me vê,  faz uma expressão de surpresa, mas depois fica normal.

Donna, o que deseja? - Ele diz calmo. 

Pai, sou eu Meghan! - Digo me aproximando de sua mesa.

Não estou para brincadeiras de mal gosto, Donna! - Disse firme. 

Não é uma brincadeira, sou eu! Olha, eu sei que é muito para digerir, mas eu estou viva graças a um feitiço maluco feito pelas guardiãs. - Digo.

Ele fica em silêncio um momento, como se me analisasse. Sua boca abre em um "O".

Meghan?! Meghan! - Ele diz e me abraça forte, eu retribuo. - Como eu senti a sua falta.

Eu também. Agora, voltei dos mortos e estou me transformando em vampira! - Digo e ele arregala os olhos.

Você precisa se alimentar! - Disse 

Eu sei. Mas, isso não importa agora. Onde está Kol? - Pergunto e ele faz uma cara estranha. - O que houve?

Ele respirou fundo e disse:

Meghan, desde que você morreu, Kol tem estado instável. E acabou desligando, te perder foi muito para ele. - Quando ouvi aquilo, pude sentir o meu coração quebrar em vários pedaços. - Nós tentamos de tudo para trazê-lo de volta, mas nada adiantou. 

Eu não consegui acreditar em nenhuma palavra que meu pai disse. Não parecia com Kol que eu conheci, e me apaixonei. Eu saí correndo do escritório, estava faminta, mas precisava vê-lo. Estava fraca, mas o procurei em todo lugar. Já estava escuro, as ruas vazias, e eu andando nelas,  a sua procura. Estava desistindo, quando escuto sua risada. Eu levanto a minha cabeça e procuro por ele. Sua voz veio de um bar. Eu entrei no mesmo. Estava cheio de gente, mal podia andar ali, eu olhava ao redor e via todo tipo de gente e coisa, não acredito que ele frequente esse tipo de bar. Minha procura continua, até que vejo ele de longe, eu penso em me aproximar, mas algo me para, ou melhor, alguém. É a vampira que o acompanha, ela está sentada em seu colo, rebolando e beijando ele. Kol também tem uma mulher que está servindo de bolsa de sangue. Quando senti o cheiro daquele sangue, eu pude sentir minhas presas crescerem, e as "veias" de meus olhos aparecerem. Eu tive que manter a calma e o controle, oque foi muito difícil. Quando olho pra ele, ele olha em minha direção, talvez tenha me visto, mas então a vampira que está encima dele o beija de novo. Eu sinto uma raiva muito grande passar pelo meu corpo. Saio do bar o mais rápido que posso. Estou faminta, preciso me alimentar. Quando olho ao redor, não vejo ninguém na rua. Estou irritada de uma maneira indescritível, estou faminta, sentindo o cheiro de sangue, e ainda esse barulho todo dessa festa.

Quando me dou por conta, a "bolsa de sangue" de Kol está a poucos metros de distância de mim. Dá pra ver que a coitada está hipnotizada, assim como o resto das pessoas. 

Uma leve brisa vem em minha direção e trás consigo, o cheiro do seu sangue. Eu tento me controlar, mas a minha fome é maior. Eu me aproximo dela.

Desculpa. - Foi a última coisa que eu disse antes de atacar seu pescoço.

Quando eu mordi o seu pescoço, e senti aquele líquido quente descendo pela minha garganta, uma sensação de êxtase se espalhou por cada nervo do meu corpo. Foi como se fogos de artifícios explodissem em minha mente. Eu sentia um poder inexplicável, como se pudesse fazer qualquer coisa, e, de fato, podia. Essa é a melhor sensação do mundo! Eu atiro seu corpo no chão. Meu queixo está sujo de sangue, um sorriso maldoso se forma em meu rosto.

Eu corro para o castelo, preciso da ajuda de meu pai.

P.O.V. Kol

Hoje faz um ano que ela se foi. Um ano que perdi o amor da minha vida. Então, eu desliguei. Não fui forte o suficiente. Mas já tenho mil anos, você não consegue, realmente, parar de sentir. Mas, mesmo assim, ainda é melhor do que sentir sua falta! Eu desliguei e liguei a humanidade, várias vezes durante esse ano. Mas agora decidi que será definitivo: permanecerá desligada! 

Mas, eu desliguei a humanidade, e não tomei um chá de amnésia! Ainda me lembro. Eu tenho a Paula, mas não é a mesma coisa.

Estamos em um bar. Hipnotizamos todos, incluindo uma das garçonetes, para servir de bolsa de sangue. Paula fica no meu colo o tempo todo, me beijando e me acariciando. Em um momento, eu tenho a impressão de vê-la, talvez esteja enlouquecendo. Quando olho com mais atenção, Paula me beija. E quando olho novamente, ela não está lá. 

Eu vou ali fora, preciso respirar ar puro. - Digo pra Paula.

Eu vou junto! - Se voluntariou.

Não precisa! É rapidinho. - Digo e saio.

Quando saio do bar, encontro uma rua deserta, já era tarde e a maioria das pessoas já dormia. Eu sinto um cheiro estranho, e olho para o chão, onde estava a tal garçonete, morta. Pude ver marcas de mordidas em seu pescoço fino. Só pode ter sido Klaus! Para me provocar! Me despeço de Paula às pressas! Eu vou em minha velocidade vampiresca, para o castelo. Eu vou para o escritório, onde uma criada disse que Klaus estava. Eu abro as portas de maneira rude, oque faz certo barulho, e chama a atenção de Klaus e Elijah que estavam na sala.

KLAUS! - Digo com raiva. - Você matou meu lanchinho, e eu quero saber por que?

Antes que ele respondesse, uma voz doce e delicada diz:

Não foi ele. Fui eu! - Maghan diz, com o quixo sujo de sangue, aparecendo do meio deles.

Meghan!?!? - Digo incrédulo. - V- você está viva?


Notas Finais


Então, o que acharam? Comentem! Please!!!
Look Meghan: https://www.polyvore.com/sem_ttulo_24/set?id=208524085
Espero que tenham gostado!
Até o próximo cap!
Bjs!😘😘😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...