História I Got Hope - Capítulo 2


Escrita por: ~ e ~shakitfomi

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Apocalipse, Namjin, Romance, Vmin, Yaoi, Yonseok
Visualizações 12
Palavras 1.296
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Fluffy, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá Denovo pessoas lindas.
Mais um capítulo para vcs
2Bjo até as notas finais e boa leitura :)

Capítulo 2 - Stay Strong


09 de Abril de 2018

Com a falta de água potável tivemos que ir aos rios com garrafas plásticas para poder obter água, meu pai mandou eu e Kwan para pegarmos água enquanto ele e mamãe providenciavam outras coisas. Estava num lago perto de um parque enchendo as garrafas com água.

-Toma. –Dei uma garrafinha com água para o Kwan – Me dá outra.

Quando acabamos de encher todas tomamos nosso caminho de volta pelo parque. Sinto o chão tremer em seguida as árvores em volta começam a cair.

- Se abaixa! –Grito para meu irmão o abraçando logo em seguida, vejo que ele está chorando e tremendo, o abraço forte e lhe digo que tudo ficará bem. Assim que o terremoto para, enxugo suas lágrimas e lhe dou um beijo na testa. Seguro sua mão e voltamos a andar logo em seguida. Haviam várias árvores no chão e carros amassados pelo caminho, tivemos que nos desviar e passar por cima de várias coisas que caíram com o terremoto.

Estávamos no finalzinho do parque quando eu sinto um vento bem forte vindo atrás de nós.

- Hobi, o que está acontecendo? – Ele virou olhando dentre as árvores que estavam – agora – na nossa frente. Quando me toco do que está acontecendo grito para ele correr. Pego o pequeno no colo e o coloco em cima de uma lata de lixo próximo a uma árvore, lhe dei impulso e ele subiu na árvore.

-Vem hobi! – O coitado estava com muito medo.

-Vai continua subindo! -  comecei a subir na árvore, atrás de nós carros eram levados pela água, assim como árvores e outras coisas pesadas. Fiquei com medo da árvore em que estávamos também cair.

Em Seul só tínhamos que nos preocupar com água, mais perto do mar, nem posso imaginar. As cidades costeiras, as ilhas, não sobrou quase nada, tivemos muita sorte. Esperamos a água baixar e descemos da árvore, caminhamos em direção a casa, Kwan estava no meu colo. Enquanto eu caminhava vi muitos corpos jogados no chão, deitei a cabeça do meu pequeno no meu peito, ele não merecia viver ou ver isso.

Meu irmão acabou dormindo no meu colo, estava preocupado com ele, cheguei em casa e o coloquei na cama. Meus pais ainda não estavam em casa, o que me deixou extremamente preocupado. Troquei minhas roupas e me deitei, mas estava impossível dormir, antes que eu fechasse meus olhos para tentar adormecer novamente escutei barulho da porta abrindo, sai de minha cama imediatamente e desci as escadas tropeçando em meus próprios pés.

- Omma! Appa! Eu fiquei tão preocupado com vocês. – Praticamente gritei indo em direção aos dois dando-lhes um abraço bem apertado.

- Querido que bom que está bem. E seu irmão? – Minha mãe me perguntou fazendo cara de preocupada, franzindo o cenho.

- Está dormindo lá em cima, não sei como ele consegue dormir numa situação dessas. – Respondi lhe dando um sorriso carinhoso que foi contribuído. Me despedi de meus pais logo subindo para tentar adormecer novamente.

-

-

-

11 de Abril de 2018

Existem mais de 300 milhões de aves no mundo, e segundo a minha mãe, são 75 aves para cada homem, mulher e criança, ainda vivos após as duas primeiras ondas. A gripe aviária é uma das mais mortais, na 4ª onda “Os Outros” a modificaram, a tornaram incontrolável.

Minha mãe trabalha em um hospital famoso aqui em Seul, e como a gripe estava incontrolável ela foi convocada para ajudar na quarentena que estava acontecendo ali. Estava caminhando pelo lugar, pude perceber quantas pessoas estavam mortas no chão todas cobertas por lonas, senti meu estomago se revirar. Estava a procura de minha mãe e acabei a encontrando, atrás dela estava Jin com uma máscara e ao seu lado um garotinho mais baixo que ele, aparentava ter a nossa idade, tinha cabelos castanho e mechas verdes na franja.

- Jin! – Corri em sua direção lhe dando um abraço apertado – Que bom que está vivo! E seus pais?

- Hoseok, leve ele e seu irmão para casa e o faça esfriar a cabeça. – Minha mãe me pediu, então esse é o tal irmão de Jin. Eu e Jin somos amigos desde quando eu estava no nono ano na escola, uns garotos zombavam de mim, mas ai o Hyung me “salvou” deles e agora somos amigos, ele é dois anos mais velho que eu, sabia que ele tinha um irmão mas nunca havia o visto, pois sempre quando eu ia para sua casa ele nunca estava lá, e eu também não me dava o trabalho de perguntar onde ele se encontrava.  – Os seus pais estão em quarentena com suspeita do vírus.

Assim que minha mãe falou isso pude perceber os olhos de Jin marejarem e ele abaixar a cabeça, assim como seu irmão. Não posso entender o que eles sentem pois nunca perdi um ente querido... - Por Deus Hoseok o que você está pensando? Eles não morreram só estão em quarentena!

Levei Kim Seokjin e seu irmão para minha casa. Kwan estava brincado com alguns blocos de montar na sala e o papai estava no quarto.

- Vem Jin vou lhe mostrar onde dormirão está noite. – Ele não disse nada apenas assentiu com a cabeça e começou a me seguir com seu irmão logo atrás de si. Entrei no meu quarto e falei para ele que dormiria na minha cama – que era de casal – junto de seu irmão e eu dormiria num colchão no chão. Lhe perguntei se tinha roupas na mochila que os dois estavam carregando, Jin afirmou, já seu irmão apenas negou.

Andei em direção ao meu guarda-roupa e peguei uma camiseta velha, uma calça moletom e meias e lhe entreguei sorrindo, ele agradeceu. Jin se retirou do quarto e foi em direção ao banheiro para se trocar, eu fiquei no meu quarto com o garoto que mal sabia o nome, sabia que Jin o chamava de TaeTae mas esse deve ser seu apelido.

- Me desculpe o incomodo de lhe pedir as roupas, é que antes que eu pudesse preparar minha mochila ocorreu o terremoto e uma árvore caiu em cima de meu quarto, não pude pegar nada. – Se desculpou sem motivo. Mas porque está se desculpando? Com o que está ocorrendo agora no mundo, me sinto aliviado em poder ajudar alguém de tal forma.

- Não precisa se desculpar. – Sorri doce, ele finalmente levantou seu rosto me encarando com um olhar confuso. – Há propósito, qual é seu nome? Jinie só te chama de “TaeTae” na minha presença, é um apelido certo?

- Oh sim, meu nome é Taehyung, Kim Taehyung. Mas pode me chamar de Tae. – Ele me deu um sorriso quadrado, muito fofo por sinal.

-

-

-

Algumas pessoas pegavam o vírus mas de alguma forma se curavam, mas a maioria não. Minha Omma e meu irmão acabaram morrendo com o vírus, assim como os pais de Jin e Tae, assim como várias pessoas que estavam ali.

Meu pai ficou sabendo de um abrigo com sobreviventes, como os pais de Jin morreram ele vieram conosco.

- Hobi, prepare sua mochila, vamos andar um pouco. – Meu pai entrou no quarto me assustando um pouco pelo ato repentino.

Me levantei da cama pegando uma mochila grande e colocando coisas necessárias nela. Peguei uma lanterna a luz solar, um caderno e duas canetas, – quero registrar tudo o que acontecerá nesse meio tempo – fósforos, luvas e cachecol, uma máscara hospitalar, duas garrafinhas de água e três pacotes de salgado, fotos e recordações, meu celular e um carregador – nunca se sabe vai que a “energia volta” – e por último uma faca de combate que eu tinha ganhado do meu tio. Não sei o que enfrentarei pela frente, e seja lá o que eu tiver que enfrentar quero estar preparado.


Notas Finais


Obrigado pela paciencia de ler isso que eu chamo de história khskajhkajah
2Bjo até o proximo cap ;)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...