História I hate you! - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Suga, V
Tags Jhope Bottom, Suga Top, V Top
Exibições 39
Palavras 1.308
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


olha eu aqui com mais uma fanfic jsnsjsns ke
não sei quando sai o próximo, e nem quantos capitulos vão ter ao certo.
﹏[LETRA]﹏ = troca de p.o.v, com o tempo eu acho que vocês vão entender.

desculpa qualquer erro de português.

Capítulo 1 - One


                        ﹏[H]﹏
   O começo nem sempre é feliz. Na verdade, pode ser bem merda. E o final pior ainda; Minha vida é uma prova disso. Meus pais me abandonaram ainda pequeno, fui criado pela minha tia que morreu quando eu tinha apenas oito anos e me restou apenas minha irmã, mas ela se casou e me deixou sozinho aos dezesseis. Me apaixonei pelo meu melhor amigo, me declarei e ele simplesmente sumiu do mapa e não me explicou nada. Mas isso não é o pior, ele voltou como se nada tivesse acontecido e eu trouxa aceitei. Parece que ele estava disposto a voltar assim e ferrar com a minha vida, e foi o que aconteceu.
   
           {17 de setembro, 2015}
                         Seul
                           ••
  — ...Digamos que eu tenha uma conexão com você. Me fala o que você tem, você tá estranho ultimamente, Hoseok.
  — É coisa boba, envolve você e prefiro não contar.
  — Mas eu prefiro que você conte! – Ele pegou em minhas mãos e eu me recordo de ter me arrepiado da cabeça aos pés.
  — E-eu te amo, Taehyung. – Abaixei a minha cabeça, não sabia como reagir.
  — Eu também te amo, Hoseokão! Você é meu melhor amigo e sabe que pode contar comigo sempre. – Franzi o cenho ao escutar isso.
  — Tá, eu sei. Mas não é só como a-amigo. – Eu gaguejava, e isso só piorava a situação.
   Um enorme silêncio veio dele. Apenas abriu a boca como se quisesse dizer algo mas não saiu nada, abaixei novamente minha cabeça diante disso e deixei uma lágrima rolar.
  — Eu sabia que você ia reagir assim, Taehyung... Talvez seja melhor você esquecer isso que eu disse, mesmo sendo difícil.
— Talvez seja melhor eu ir embora. – Falou num tom frio, tão frio que chegou a congelar meu coração, meus sentimentos.
   Ele entrou pela porta do quarto com a cabeça baixa, e eu o vi pegar sua mala e enfiar suas roupas e tudo o que tinha no meu guarda roupa que pertencia a ele lá, sem dobrar, apenas num amontanhado que desse para fechar a mala.
— Eu preciso de um tempo, Hoseok. Talvez eu não volte mais, vou pra longe.
   Ele me provou ser um péssimo melhor amigo.
   Saiu por aquela porta e não se encarregou de dar nem um "adeus", um "tchau" ou um "até logo".
   
             {? de agosto, 2016}
                         Seul
                           ••

   É por isso que hoje eu tô aqui, nessa porcaria dessa boate, com bafo de muitas bebidas misturadas, vários caras me assediando mas eu só consigo pensar em uma pessoa: Kim Taehyung. Desgraçado.
   Sinto uma ânsia de vômito e procuro algo em que eu possa botar pra fora toda aquela bebida. E me encher de mais álcool novamente. Encontro o banheiro e corro para lá antes que eu não aguente e vomite tudo naquele chão mesmo.
   Entro em um masculino qualquer e vomito todo o uísque e vodka que tomei naquela noite barra madrugada. Dou a descarga e saio.

   Preferia ter ficado lá dentro.

   Taehyung... Tantas boates na cidade e você vai na mesma que eu estou? Você me paga.
   Fiquei mal. Despedaçado, seria a palavra correta. Uma facada doeria menos.
   Engulo seco e passo reto, me sento novamente na bancada onde estava antes.

   Eu tentei esquecer aquele idiota, mas não consegui. Toda vez que eu deitava minha cabeça no travesseiro eu lembrava daquele ser. Aish, impossível não o odiar.
   O banco ao meu lado estava vazio. Consigo ver Taehyung vindo se assentar ao meu lado, filho da puta. Rezei tudo que minha tia me ensinou quando eu era pequeno para que ele não fizesse isso ou que alguém o impedisse. Deu certo, alguém que eu não conheço tomou conta daquele banco.

  — Oi. Uísque, por favor. – Me virei calmamente a fim de ver seu rosto. Ele era lindo, branco como um açúcar, cabelo cinza-chumbo e uma seriedade em seu rosto.
  — Oi... Prazer, Hoseok. – Estendi uma de minhas mãos enquanto segurava um copo com um drink cor-de-rosa com a outra mão. Ele estendeu a sua e apertou a minha, olhando diretamente em meus olhos. Me senti envergonhado; ninguém nunca havia me olhado daquele jeito, me senti tão desejado... Mas meu coração continuava chamando por Taehyung. Arfei, pois nem nesses momentos eu conseguia manter meu pensamento longe daquele filho da mãe.

   Se concentra, Jung! Você consegue tirar esse filho da puta da sua cabeça.
  — Yoongi. – Disse mais algo que eu não consegui escutar. – Ei? Tudo bem? Hey! – Deu alguns tapinhas em minhas costas e tentou me trazer para o mundo em que estávamos ao ver meu olhar viajado.
  — Desculpa, eu me distraí. – Sorri desajeitado.
  — De boa. Você é bonito. – Ele colocou sua mão em uma de minhas coxas e fez um carinho gostoso. Porra!
  — O-obrigado. Você também é muito bonito. – Olhei para seu rosto e vi aquela seriedade se transformar em um - lindo - sorriso.

   Yoongi poderia me ajudar a esquecer Taehyung.
   Sinto alguém tocando meus ombros com uma mão em um lado, e uma garrafa de Jack Daniel's no outro. Era a bebida preferida de Tae.
   Deixei escapar um baixo "puta merda" e respirei fundo vendo a peça branca se levantar do banco dando espaço para Taehyung se assentar ao meu lado.
  — Hyung, que bom te ver aqui. Parece que nossos destinos nos querem mesmo juntos. –  Não entendi muito bem, mas relevei.
  — Infelizmente parece que quer. – Respondi seco.
  — Huh, frio. Sentiu minha falta? – Senti uma enorme vontade de socar a cara dele.
  — Não. – Eu mentia muito mal.
   Ele arqueou uma de suas sombrancelhas e eu pedi mais uma dose de uísque. A bebida sempre me ajudou a organizar meus pensamentos e a dizer a verdade. Talvez eu dissesse tudo o que sentia. Uísque, me ajuda!
  — Hey, Hoseok! – Ouvi alguém me gritar, e se aproximava. – Vem cá. Yoongi. Eu nem te conheço mas já te amo, porra!
   Me levantei e senti Taehyung segurar com firmeza meu braço, provavelmente ficaria vermelho depois.
  — Vai me deixar sozinho mesmo? – Que vontade de virar minha mão na cara daquele filho da puta.
   Eu até ia ficar, mas Yoongi veio até mim, passou seu braço pela minha cintura e me guiou até um canto da boate.
   Passamos por pessoas bêbadas, pessoas que estavam dançando e pessoas tristes, chorando; até chegarmos na porta dos fundos da boate.
   Ele me levou até a parede de tijolos que havia lá, e eu já estava entendendo o que estava acontecendo. Yoongi não me deu muito tempo para pensar, logo juntou nossos lábios, num selinho, e eu consegui sentir sua língua tentando adentrar minha boca, cedi a passagem. Ele explorava com sua língua cada canto da minha boca, enquanto eu aprofundava nosso beijo com a mão em seu pescoço; Yoongi levou suas duas mãos até minha bunda e a apertou, me fazendo gemer baixinho em seu ouvido, aproveitamos para respirar.
   Olhei para seus olhos e consegui ver um misto de pureza, malícia e embriaguez. Olhei para o fundo ao escutar o barulho da porta, que por sinal era super barulhenta, ser aberta, era Taehyung. Pude ver que no olhar dele havia tristeza e decepção. Yoongi me beijou novamente, finalizei com um selar de lábios. Olhei para a porta novamente, e por esta vez, ela estava fechada. Eu não soube como reagir, não sabia se entrava ou se continuava com o ser que estava à minha frente.
  — Hey?! Quer entrar e beber algo? – Yoongi me trouxe de volta à Terra.
  — Yah, pode ser. – balancei a cabeça positivamente e ele me selou, sorri de lado.
   Entramos e me sentei no banco ao lado de Tae, já que estava vago, enquanto Yoongi estava ao meu lado, em pé, pedindo bebida para nós.


Notas Finais


então gente, como ficou? uma bosta? bom?

me digam no que posso melhorar, bjoooos ˋε ˊ


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...