História I hate you, but I love you - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Exibições 411
Palavras 956
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ecchi, Escolar, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Obrigadaaaaaada pelo apoio de vocês. A cada comentário meu ânimo para escrever mais cresce. Desculpa por cada mudança que eu faço nos capítulos, é só pra deixar a leitura de vocês melhor. Espero que continuem gostando da minha historinha ❤

O que será que vai acontecer com esses dois?

Capítulo 7 - Beijo, ou quase isso.


Fanfic / Fanfiction I hate you, but I love you - Capítulo 7 - Beijo, ou quase isso.

Aquelas palavras me atingiram como um tiro, meu coração acelerou de uma forma inexplicável... Como uma simples palavra daquela pode mexer tanto com meu coração? Eu não consigo entender mais nada do que tá acontecendo comigo. No começo eu pensei que fosse algum tipo de problema cardíaco, mas não vou ser ingênua, está bem longe de ser, o único e mais perigoso problema que eu tenho não se chama arritmia, se chama Kim Taehyung.

Suas mãos se voltaram ao meu rosto e gentilmente o acariciaram. Ele estava fervendo, fervendo tanto ao ponto de dar pra fritar um ovo. Vi um sorriso malicioso no rosto de Taehyung.

— Te deixo nervosa? - riu pelo nariz

— O que você acha? Você vem, me tira do sério, se aproveita da minha boa vontade e ainda toca em mim!!!! Acha mesmo que eu não estaria nervosa? Você me tira do sério. Não sei como você consegue me deixar nesse estado, cada canto do meu corpo e alma implora pra que eu esteja do seu lado e ceda a esses seus "charmes", ouso dizer. - eu estava fora de mim, porque mesmo eu disse isso?

Ao dizer isso, senti uma de suas mãos tocar minha cintura com determinação, puxando-a para cada vez mais perto de seu corpo.
Sai de uma situação constrangedora para cair em outra ainda pior, esses meninos...

— ME SOLTA!!!!! - gritei.

— Não adianta se fazer de boba - disse olhando fixamente em meus olhos - você mesma disse que cada canto do seu corpo e alma imploram por mim, eu sei que te tiro de sério... - diz com tom ofegante.

Acabou que ele me puxou contra seu corpo, eu estava completamente imóvel, não conseguia me mexer de forma alguma e, acho que mesmo que pudesse, não me moveria. Por um instante eu não conseguia controlar o fato de que eu sabia que estar ali, era o melhor lugar que eu poderia estar no momento. Não me importava com a aula que nós estávamos perdendo, simplesmente o abracei de uma forma sutil, que não parecesse que eu queria, mas na realidade, eu queria, eu ansiava por isso e eu sabia que ele também. Sentia cada batida de seu coração. Era forte e intenso, como uma bomba que estava prestes a explodir. Passei minha mão em sua cabeça, explorando cada canto. Seus cabelos eram tão macios quanto aparentava. Queria congelar aquele momento. Minha pernas estavam completamente bambas.
Senti ele por suas mãos em meu queixo, fazendo com que eu o olhasse, mas eu não conseguia, desviava o olhar assim que podia.

— Você... Sente alguma coisa por mim? - ao dizer isso, senti que meu coração estava prestes a parar de tanto nervosismo.

— Sinto raiva. - desviei o olhar novamente.

—Hipócrita. - disse ele, aproximando seus lábios de mim.

Ele estava prestes a selar nossos lábios, com um beijo que possivelmente seria intenso e desejado. Meu coração estava a mil. Até que ouvi o barulho do regador ligando, que logo começou a jorrar água para todos os lados, quase nos molhando.

— SALVA PELO GONGO! - gritei, desligada do transe. Sai correndo sem pensar duas vezes.

—Eu odeio esse maldito regador. - exclamou Taehyung, com uma voz um tanto irritada e decepcionada.

— Há males que vem pra bem - disse com tom de deboche.

Voltamos para a sala, um pouco molhados. Pedimos licença pro professor, que nos concedeu de bom grado. Todos estavam nos olhando de uma forma meio espantada, pude ouvir os buxixos no fundo da sala. Jungkook estava lá, e me olhava vermelho, parecia estar com vergonha do incidente que quase aconteceu. Taehyung se sentou perto dos meninos, que por acaso caíram na mesma sala que nós, percebi que davam risada, meio que debochando da nossa cara.

Só depois que fui me dar conta, quase beijei Kim Taehyung, dessa vez de verdade. Aquele beijo no quarto não se pode considerar bem um beijo, foi mais um cala a boca. Mas esse seria real. O que foi que deu nesse menino?

********

A aula havia acabado. Fui correndo para o carro, não queria de forma alguma dar carona pro Taehyung. Corri o mais rápido que pude, infelizmente foi em vão, ele havia chegado primeiro que eu.

— Vai me levar de volta. - disse ele meio envergonhado

—Mal acostumado. - reclamei.

Fomos o caminho todo em silêncio, o constrangimento era bem grande. Eu sabia que ele estava nervoso, olhava meio que de lado e via pela janela seu rosto corado. Acabamos de chegar em casa, mas ainda não havíamos descido do carro.

—Já chegamos. - disse meio que sussurrando.

—eu sei.

— Olha Taehyung, sobre hoje, eu...

Mal terminei a frase e fui surpreendida por Taehyung, que puxou meu rosto para o seu, selando nossos lábios. Ele estava me dando um beijo, e dessa vez, era de verdade, ele era necessitado e profundo, ao mesmo tempo era provocante e viciante. Ele pediu passagem com a língua, no começo, eu exitei, mas depois acabei cedendo. Nos separamos pela falta de ar e ficamos nos olhando por um tempo.

- Quero ver agora qual regador vai estragar o momento -sorriu fazendo eyesmile

— TAEHYUNG EU VOU ENTRAR, TCHAU. - sai do carro e fui entrei em casa.

Não passou muito para que ele também entrasse. Vi Omma sentada no sofá tomando chá, ela ficou nos encarando com um ar de espanto.

— TAEHYUNG E ____, QUE MARCA DE BATOM É ESSA? -  ela dizia isso com uma voz meio pasma

Nos olhamos e vimos que estávamos sujos pelo batom que eu tinha passado. Nunca fiquei tão corada em toda minha vida. Não exitei e corri para meu quarto trancando a porta. Me joguei na cama e acabei pegando no sono.

MAS QUE MERDA DE DIA FOI ESSE?


Notas Finais


ROLOU BEIJO, ATÉ QUE ENFIM. Já estava na hora! Comentem o que acharam. Se me bater a inspiração eu faço mais um capítulo hoje. Desculpa se o capítulo não ficou muito grande. Sempre acho que já tá grande mas depois vejo que ficou super curto. Vou me esforçar cada vez mais. Amo vocês sz


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...