História I hate you. I love you. - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Alan Ferreira (EDGE), Felipe Z. "Felps", Isis Vasconcellos (Heeyisis), Originais, Rafael "CellBit" Lange
Personagens Alan Ferreira, Felps, Isis Vasconcellos, Personagens Originais, Rafael "CellBit" Lange
Tags Alan, Auto-mutilação, Cellbit, Felps, Hentai, Mutilação, Romance
Exibições 43
Palavras 2.947
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishoujo, Bishounen, Colegial, Escolar, Famí­lia, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Demorei pra caralho, pra caralho mesmo! Mas ta ai!
Perdoem minha demora, mas não desistam de mim!

Capítulo 3 - 1 Day


Fanfic / Fanfiction I hate you. I love you. - Capítulo 3 - 1 Day

Acordei com a claridade da janela –que eu acidentalmente esqueci de fechar. Pisque algumas vezes tentando acostumar, mas mesmo assim não adiantou. Me levantei fui ao banheiro fazer minhas higienes, as fiz e sai.

Olhei no relógio e ainda são 6h00, eu tenho muito tempo até dar o horário de ir. Coloquei uma jeans, uma blusa preta do Batman e uma blusa xadrez de magas cumpridas. Peguei meu all star preto de cano longo e coloquei. Penteei o cabelo e deixei solto já que o mesmo é liso.

-Ruby, posso entrar? -Era a dinda, eu amava ouvir a voz dela mesmo não se comparando a da minha mãe.

-Claro Dinda-

Minha madrinha é uma mulher linda! Morena dos olhos verde-esmeralda iguais ao do Leon, os cabelos dela são gigantes e cacheados, dão inveja a qualquer uma, até a mim.

-Eu sei que você não quer ir, mas eu não quero que você perca aula- Sorriu meiga sentando na cama que ainda estava bagunçada.

-Não se preocupe, eu entendo que você esteja preocupada com o meu futuro -

-Eu sei que nunca vou ocupar o lugar da sua mãe, mas quero que me veja como uma segunda mãe, okay? –

-Eu sempre te vi como uma segunda mãe, e não é agora que isso vai mudar- Disse e ela me abraçou, eu me sinto protegida quando estou com ela.

-Vou sair para você terminar, te espero lá embaixo- Ela me deu um beijo na testa e saiu.

Arrumei meu quarto e desci para poder tomar “café da manhã”, eu nunca tomo tecnicamente um café da manhã, no máximo uma xicara bem grande de café.

-Bom dia- Disse descendo as escadas e vendo o Felps e o Leon sentados na mesa.

-Bom dia- Os dois disseram juntos e eu ri.

-Animada? -O Felps perguntou e eu ri pegando uma xicara gigante de café.

-Nossa! Claro! Estou muito feliz em ter que ver novamente aquele bando de putas -

-Tia! –Eu não acredito. O que esse menino faz aqui logo de manhã? Ele não podia pelo menos esperar eu ir para vir.

-Entra Rafa, eu to na cozinha- Minha dinda grita e eu dou um suspiro bebendo um gole do café.

Vou até o jardim dos fundos, pego meu skate e volto para a sala encontrando o Rafael, o Leon e o Felps conversando sobre mulheres e como eu não estou nem um pouco afim de ouvir eles falando sobre qual posição usar. Pego minha bolça e vou me despedir da minha linda dinda.

-Dinda, eu vou indo tá? -  

-Boa aula -

-Ruby, já vai? –

Eu estava passando pela sala quando o Leon me pergunta fazendo eu parar de andar e encara-lo. -Já vou indo Leon, quero falar com as meninas. Te vejo no inferno -

-Olha só, a Vegas como ta gótica... Gostei- O Lange disse e eu revirei os olhos. Eu gostava de ser elogiada, mas ele era uma exceção.

Sai, coloquei minha bolça nas costas e fui com o meu skate até a casa do Rafael que eu não sei se já disse é ao lado da “minha”. Cheguei lá e toquei a campainha. Acabo sendo atendida pela tia Deya.

-Oi tia, tudo bem? -

-Tudo sim e você? -Ela perguntou e eu sorriu.

-A Isis ta aí? -Eu digo e vejo a mesma brotando atrás da tia. Ela estava com uma jeans escura, uma blusa azul escura com uma flor bordada e um all star muito lindo que eu dei para ela.

-Ruiva! –

-Eu já estava indo para a escola, quer ir comigo? -Ela assentiu pegando a bolça.

-Ruby, aparece mais por aqui- A tia disse e eu dei um beijo na bochecha dela.

-Pode deixar, mas agora eu vou indo. Beijos- Disse pegando meu skate e subindo no mesmo.

- E aí Ruiva, como anda a vida? -E Isis perguntou e eu ri comigo mesma.

-Tudo na mesma e você? -

-Tendo que aturar o Rafa e as putas que vão atrás dele- Ela diz e eu reviro os olhos.

-E como anda esse coraçãozinho? -Ela pergunta e eu dei um suspiro, a tempo que eu não ficava com ninguém. Acho que tinha dado um tempo pra esse lance chamado amor.

-Continua batendo normalmente, ninguém o ocupa e o seu? -

-Igual ao seu –

Caminhamos mais um pouco e chegamos no inferno, ou só a escola.

Minha cara de desgosto por estar ali era nítida, tanto que Isis perguntou se eu queria mesmo vir e eu disse que não. Quem é o ser que gosta da escola?  

Entramos e nos sentamos perto de uma arvore alta.

-Duas putas! –Eu me viro e vejo a Sam e a Gata vindo em nossa direção.

-Nossa, fazia tempo que o nosso grupo não se reunia- A Sam disse e eu assenti. Sempre fomos nós 4. Uma por todas e todas por uma.

-Fiquei sabendo que entrou dois meninos novos- A Sam disse e eu revirei os olhos, já não basta os idiotas que tem nessa escola vão entrar mais dois.

 Estava sentada quando sinto alguém me cutucar.

-Olá meninas- Ah, não!

-O que você quer aqui Lange? –Pergunto rude e ele dá um sorriso, se eu fosse aquelas putas provavelmente estaria me derretendo pelo sorriso dele que eu admito: é bonito.

-Calma Vegas, o dia mal começou e você já está assim, acho que o meu elogio não ajudou muito- Ele disse e eu revirei os olhos.

-Para de ser chato Lange! Eu sei que você me ama, mas me erra de vez em quando- Eu digo dando um sorriso amarelo e ele faz o mesmo.

-Parem de briguinha os dois! Parecem um casal- A Gata disse e eu encarei ele.

-Isso nunca vai acontecer –Falamos em coro fazendo nossas amigas rirem.

-Alguém sabe onde o Leon e o Felps estão? -Pergunto e a Gata aponta para afrente de nós, eles tinham parado pra falar com algumas meninas. Algumas imbecis.

Falaram. Riram. E depois vieram até nós.

O Leon parou de frente a mim e me perguntou:

-Porque não veio com a gente? -

-Não queria ser morta por essas putas- Eu disse encarando as mesmas que me fuzilavam com o olhar.

-Fael vamos ali- A menina mais puta da escola, Mariana, chegou no ombro do Lange que deu um sorriso.

-Tchau gente, tenho algumas coisinhas para fazer- Ele disse se virando e indo em direção aos fundos da escola.

-Como eu odeio essa Mariana- Eu bufei e as meninas riram.

-Todas odiamos, ela é mais rodada que porta de banco- A Isis disse e eu comecei a rir.

-Alguém sabe de quem é a primeira aula? -Eu perguntei enquanto encarava as pessoas chegando na porta da escola.

-Do professor Lucas- O Felps disse e eu dei um sorriso. O professor Lucas dava aula de inglês e ele é o melhor professor dessa escola.

-Olha os dois novatos chegando- A Gata disse e eu vi dois meninos chegando. Um alto, olhos azuis-acinzentados iguais aos meus, cabelos pretos e porte físico muito bonito. Ele lembrava muito o Ian Somerhalder (N/A<3: Ian seu pedaço de mal caminho, delicia, me beija seu perfeito.... Parei) e o outro um menino, alto de olhos e cabelos negros, porte físico um pouco mais definido que o do lado. Os dois entraram e eu vi as meninas suspirando por eles, eu ri e revirei os olhos.

-Muito bonitos o que resta saber é se são legais- A Sam disse e eu dei ombros.

-Não faço questão de conhecer nenhum, todos os meninos dessa escola são uns idiotas- Eu disse e o Felps e o Leon me olharam feio.

-Os dois são diferentes, lembre-se do que a dinda sempre diz: “Vocês não são todo mundo”-Eu a imitei e os dois começaram a rir, depois como de costume bagunçaram meu cabelo.

-Caralho! Vocês amam mexer na porra do meu cabelo. Eu sei que ele é lindo, mas demora para ficar assim- Bufei e ele riram mais, eu mandei um lindo vão se fuder e eles se calaram.

-Vamos logo para a aula- A Gata disse e eu assenti. Me despedi do Leon que iria para a sala dele e eu fui com as meninas e o Felps até a nossa sala.

Estava andando de boa quando a melhor amiga da Mariana, a Jeniffer, esbarrou em mim fazendo eu derrubar meu celular.

-Sua puta! Olha por onde anda- Eu gritei pegando meu celular que não tinha quebrado, por sorte né?!

-Puta?! Olha quem fala, a menina que pega os dois irmãos ao mesmo tempo-

Ela disse isso e eu respirei fundo, eu estou me contendo pra não ir arrancar os cabelos da cabeça dela. Okay vamos lá...

-Olha aqui Jeniffer, não me xingue de puta sendo que eu sei muito bem que você já pegou 93% dessa escola, os outros 7% são os novatos, Felps, Leon e Rafael que nunca te pegariam- Eu disse, pois sei que o que ela sempre quis foi ter o Leon, o Felps e o Rafael, mas eles fizeram uma aposta pra nunca pegar ela. A mesma fechou os punhos o que me fez dar um sorriso vitorioso.

-Olha, a órfã tem garras –

Um sorriso de canto brotou no rosto no rosto dela quando viu que aquilo me acertou mais em cheio que um tiro no coração.

Estava prestes a fazer uma burrada quando minhas amigas me puxaram para dentro da classe.

Sentei na última cadeira e respirei fundo. Eu não vou me deixar abalar por causa dela.

Respira. Inspira. Respira. Inspira. Respira. Inspira.

Isso não ajuda em porra nenhuma!!!!

Alguns minutos se passaram até alguém bater na porta. Lange e Mariana. Eu apenas revirei os olhos enquanto eles se sentavam um pouco mais à frente de mim.

Atrás deles estavam os garotos novos. O projeto de Ian sentou na minha frente e a frente dele o outro.

-Alunos lindos do meu core, eu cheguei- O professor disse fazendo todos rirem, menos eu.

-Ruby, meu amor, o que foi? –Todos me encaram e eu corei levemente.

-Nada não Lu, não se preocupa -Ele levantou uma sobrancelha.

-Depois falo com você. Hum... Vamos ver... Temos carinhas novas aqui. Os dois aí na frente da Ruby: se apresentem- O Professor disse e os meninos deram um sorriso.

-Eu me chamo David- O projeto de Ian disse e as meninas suspiraram me fazendo revirar os olhos.

-E eu me chamo Thiago- O outro disse e novamente as putas suspiraram me fazendo dar um sorriso sem humor.

-Sejam bem-vindos. Eu sou o professor de Inglês e o mais lindo dessa escola- Ele disse e eu ri, minhas amigas me olhavam preocupadas e eu apenas ignorava.

-Hoje, vamos fazer duplas e eu vou sortear porque tenho certeza que todos os meninos vão ir atrás da Ruby e das amigas dela- Ele disse e eu ri. O professor sempre colocava minha autoestima no ar, ele sabe de tudo o que roda na minha mente conturbada.

Estava distraída quando sinto o olhar de alguém em mim. Rodei a sala com o olhar e parei no Lange que me encarava. Será que ele não tem o que fazer?

-Primeira dupla é do Felps e o Rafa- O professor disse.

-A próxima é do David e a Ruby- Ele disse e eu dei ombros, o menino não disse nenhuma palavra comigo até agora então não posso dizer se ele é chato ou não.

As outras duplas foram boas Sam e Gata ; Isis e o Thiago.  

-Vocês vão ter que escolher um artista americano ou inglês e fazer uma pesquisa sobre o mesmo- O Professor disse e o menino virou para mim, o mesmo tinha um sorriso muito bonito, os cabelos dele caiam no rosto o que deixava ele relativamente.... Sexy.

-Eu não me apresentei, David, prazer em conhece-la- Ele disse e eu dei um sorriso, até que ele não é tão chato quanto parecia.

-Prazer David, me chamo Rafaela- Eu disse e ele deu um sorriso. Eu olhei para o lado e vi a Gata sorrindo para mim, eu revirei os olhos e voltei a encarar o David.

-Er... Na minha casa depois da aula, tudo bem pra você? –Ele assentiu sorrindo.

O Professor explicou mais detalhadamente o que tínhamos que fazer e logo a hora foi passando. O sinal tocou e indicava que era a hora do intervalo, eu disse um amem e ia saindo da sala quando o Professor me chamou.

-Ruby, você ta bem? –Eu assenti e ele fez uma careta. Suspirei.

-Bem eu não estou, mas já estou melhor que estava.- Eu disse e ele deu um sorriso.

-Eu sei que tudo o que você passou não foi fácil, mas todos queremos te ver feliz de novo- Eu assenti e pedi licença.

Abri a porta da sala e quando me virei dei de cara com o Rafael.

-Lange?! –

-Vegas, você ainda faz aquilo? –Ele disse pegando meus pulsos e olhando os mesmos. O pior era que ele sabia de tudo o que eu fazia. Ele por um horrível acaso do destino descobriu, consequência disso é que ele agora quer se meter em algo que ele não entende. 

-Lange você não entende- Eu digo e ele nega. Esse menino é muito bipolar. Primeiro me odeia e depois quer se meter na minha vida. Ah, vai procurar o que fazer, vai sei lá comer a Mariana atrás da arvore.

Me solto dele e vou até o nosso ponto de encontro, ou seja, na arvore perto do pátio.

-Por favor não digam nada- Eu disse me sentando e colocando os fones de ouvido. O Felps suspirou, mas ficou em silencio.

-Oi gente -O Leon diz e eu fico em silencio, as meninas começaram a falar com ele, mas eu nem prestei atenção.

-Ruby, tudo bem? -

-Ruby! Me responde -Ele disse e eu neguei me levantando de onde eu estava.

– Me deixem ok? Eu to bem -Eu saio andando sem rumo até chegar nos fundos da escola, onde tinha um jardim e lá eu tinha meu esconderijo, uma antiga casa na arvore.

Subi na mesma, me sentei em uma almofada que eu tinha colocado lá. Peguei meu diário que se encontrava dentro da minha bolça e comecei a escrever.

 

“Querido diário,

Ah, como eu odeio ser o centro das atenções. É horrível! Pior ainda quando todos sabem que você chora a noite com saudade... Puta que me pariu! Como eu odeio isso, como eu odeio ser fraca.

Pelo simples fato de desabafar em um pedaço de papel isso já me torna mais fraca, imagina se eu chorasse na frente de alguém. Meu Deus! Eu seria uma perdedora total!

 

Me assusto quando ouço o barulho da porta sendo aberta, quando eu olho vejo o Lange entrando. O que ele faz aqui? Esse lugar é só meu!

-O que faz aqui Vegas? –Ele pergunta me olhando surpreso e eu riu sem humor.

-Eu que pergunto, o que faz aqui Lange? -Eu perguntei o imitando. Ele sentou ao meu lado e eu franzi as sobrancelhas.

-Eu venho aqui quando quero ficar sozinho e você? –Perguntou e eu suspirei, esse idiota tinha que escolher o MEU lugar.

-Eu venho aqui quando não quero olhar pra cara de ninguém- Ele riu e bateu o olho no meu diário.

-Olha só, a Ruby Vegas tem um diário-

Qual o problema em ter um diário?

-Aposto que deve ter uma página com vários corações e meu nome- Ele disse e eu comecei a rir. Como ele acha que eu posso gostar dele? Tem coisa melhor pelo mundo.

-Rafael Lange, eu nunca te amei para a sua decepção- Eu disse e ele riu. Ele é um imbecil, mas é divertido quando conseguimos nos tratar como pessoas que nós somos.

-Acho que se algum dia alguém ler isso vai ficar sabendo de tudo o que eu já senti ou sinto e ainda vai ver meus desenhos- Quando eu disse desenhos tampei a boca, fiz merda.

-Desenhos? Agora to curioso- Ele disse com um sorrisinho travesso. O mesmo ia pegando minha bolça quando eu pego ela e me levanto às pressas.

-Lange, vai foder alguma menina por aí e me deixa em paz- Eu digo descendo da casa. Na pressa acabo deixando duas folhas dos meus desenhos caírem.

Ele pega as folhas e as fica encarando, um era o desenho de um corvo em cima de uma lapide e a outra era um coração partido ao meio, metade dele estava em um caixão e a outra estava preta. Eu desenho tudo o que eu sinto e isso era o que eu sentia ultimamente.

-Lange me devolve a porra dos desenhos! -Eu gritei, mas minha voz falhou fazendo o mesmo me encarar. Abaixei os olhos segurando as lagrimas e voltei a olhar pra ele.

-Você desenha muito bem... –Um silencio predominou o local e ficamos nos encarando esperando alguém cortar aquele silencio. -Porque? –Perguntou baixo quase num sussurro e eu fiquei confusa. Como assim “porque? ”

Ele veio andando devagar e eu ia dando passos relutantes pra tras. Cheguei ao limite da parede e ele ficou a centímetros de mim. Abriu minha bolça devagar e colocou os desenhos lá.

-... Mas continua sendo a mesma idiota –Sussurrou e eu a encarei furiosa.

-Se eu sou tão idiota porque você ainda está aqui? –Gritei.

Ele se virou e saiu andando. ARG!

Me sentei, abracei os joelhos e abaixei a cabeça.

Porra! Já é difícil aturar meus próprios pensamentos e eu ainda tenho que lidar com o Lange se metendo a onde não é chamado.

Ele poderia muito bem ficar por ai com alguma menina, mas não, ele tem que vir e fazer eu me sentir pior do que eu já me sinto. 


Notas Finais


Meio bad, mas a fic é bad mesmo estão foda-se kkkkk
Qualquer errinho já sabem: Contem-me

D.E:
https://spiritfanfics.com/fanfics/historia/fanfiction-christian-figueiredo-destinos-entrelacados-5099986

D.E2:
https://spiritfanfics.com/historia/destinos-entrelacados--um-novo-comeco-6510497

Bjos meus amores <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...