História I Hate You, I Love You - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Visualizações 3
Palavras 2.065
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 4 - Capítulo Quatro


— Taehyung, o que você acha que ele quer? — Hoseok pergunta, curioso.


O de cabelos vermelhos faz um bico, pensando no assunto. 


— Eu não sei, talvez ele tenha reconsiderado nossa proposta. — comenta, colocando o indicador no queixo em uma expressão pensativa.


O Jung revira os olhos, bufando.


— Acho difícil. Depois do jeito que ele me tratou, dou tida a razão para o Jimin-ssi. Ele é um coração de pedra.


— Aigoo, como vocês são superficiais. Yoongi é meio complexo, okay? — Taehyung defende o amigo. O Min não é alguém superficial, é preciso saber interpretá-lo muito bem para conseguir entendê-lo, afinal, o loiro nunca deixa seus sentimentos tão à mostra. 


O Kim pega seu smartphone, respondendo rapidamente o amigo.



Me, myself and I:



Okay, passo aí às 14:00 :)


Bloqueia a tela do celular, olhando animadamente para o Jung.


— Vai dar tudo certo, Hoseok-hyung! Você vai ver! — diz, dando alguns pulinhos. — Jin-hyung, até mais, precisamos planejar tudo direitinho ainda hoje. Eu te atualizo sobre tudo. — puxa o de cabelos de coloração laranja para a sala onde seria a próxima aula para discutirem com mais facilidade sobre o que iriam fazer.


(...)


— Posso me sentar com você? — alguém interrompe meu sonho sobre um dos doramas que estou assistindo recentemente, que diga-se de passagem é um dos melhores que já assiti, então fica a dica. 


Olho para cima e vejo que se trata de Jackson Wang. Resumindo, ele é o exemplo de cara gostoso dessa escola, não há quem não queira pegar ele, até porque, fala sério, maravilhoso. Nunca falei com ele, só algumas trocas de respostas durante dos exercícios de Matemática, mas nada muito impressionante.


— Er... — ótimo, estou agindo como um idiota. Ponto para mim, você é muito inteligente, Park Jimin. — Claro.


Ele se senta do meu lado e, por Deus, que homem é esse? Os cabelos loiros estão úmidos, talvez pelo banho recente, já que ele provavelmente estava tendo aula de Educação Física. Ok, Jimin, foco na aula de Química, não vá misturar algo errado e explodir a escola.


Jackson é alguém muito agradável, ele puxa assunto com muita facilidade e eu já consigo respondê-lo sem gaguejar, até porque, com um cara bonito desses te olhando e falando com você é meio difícil não falar algo estúpido.


— Você é muito bom no basquete, não quer entrar no time? Precisamos de reservas. — ele sorri de uma forma que é meio difícil dizer não e seu sotaque chinês só piora as coisas. — Chame seu namorado também. Eu já o vi jogar e me surpreendi muito.


Oi? Namorado? Será que as pessoas tão sabendo mais quer eu? Desde quando eu namoro? Me apresente para ele, agradecido.


— Namorado? — pergunto, confuso. 


Ele franze as sobrancelhas.


— É. Aquele loiro que sempre está escutando rap, acho que o nome dele é Min Yoongi.


Se eu não estivesse tão chocado, eu começaria a rir, de nervosismo, por achar engraçado, por tudo. Mas tudo o que consigo fazer é arregalar os olhos e dizer em um tom de voz desnecessariamente alto.


— O quê? 


Jackson realmente acha que o cara que me odeia é meu namorado? Ele só pode estar blefando! Será que se a pessoa for muito bonita a beleza dela afeta o cérebro? Fica a dúvida aí para os cientistas.


— Ele não é meu namorado. — digo, me recompondo do susto, mas ainda chocado. 


— Ah, desculpe, é que ele fica sempre te encarando e te olhando, então eu pensei que ele fosse seu namorado. — ele diz, coçando a nuca, em um ato de constrangimento, e sorrindo lindamente, mas se eu não estivesse tão afetado emocionalmente para me derreter...


Yoongi ficava me encarando? Só se for com uma expressão de "Chega perto e eu quebro seus dois braços", porque eu nunca vi outro olhar vindo dele, aliás, vi sim, aquele que eu não consegui distinguir se era de ódio ou sabe Deus o quê.


O sinal do fim do intervalo soou, fazendo com que os alunos corressem apressados para suas respectivas salas.


— Então, chame seu amigo para fazer parte do time. — ele sorri, abrindo o livro de Química em uma matéria que eu não faço a mínima idéia de como responder.


Como se o que Jackson tivesse falado fosse um ritual de invocação, Yoongi entra na sala, com seus fones, como sempre, nos ouvidos e sua típica cara de tédio. Usa uma blusa preta de moletom que Jimin conhece muito bem, já que ele mesmo presenteara o Min com ela em seu aniversário, uma calça jeans rasgada e seus óculos de descanso de armação preta. Sua máscara está em seu queixo, como ele deixava de costume e os cabelos descoloridos caem sobre seus olhos. 


Um choque percorre meu corpo quando vejo que eu o encaro e ele me encara de volta com uma expressão confusa, mas que, rapidamente, se transforma em uma de raiva e tédio. Ele ajeita a mochila sobre o ombro esquerdo antes de ir sentar em uma das mesas vagas.


O que foi isso? Agora, mais do que nunca, tenho certeza de que ele é bipolar.


O professor de Química que, ao contrário do que muitos pensam, é um homem jovem e muito legal que ensina as fórmulas necessárias de um jeito muito simples e divertido entra, fazendo todos os alunos, que antes conversavam entre si, se calarem para a aula enfim começar.


O professor começa a passar no quadro a parte teórica da matéria, que ele jurou de pés juntos que era bem fácil e breve. 


Enquanto eu anoto uma coisa ou outra, sinto uma estranha sensação de ser observado. E eu pensando que isso era coisa só de filmes. É como se uma sensação gélida tomasse conta da minhas costas, quase que como uma adrenalina. Aish, é muito difícil de explicar!


Olho por cima dos ombros, apenas para conferir se eu estava ficando louco ou algo do tipo e vejo que, se alguém é louco, com certeza não sou eu, porque Min Yoongi, mais uma vez olha para mim com uma expressão de "perdido" ou sei lá o quê. Era estranho, como se estivesse em um transe ou algo assim, mas quando vê que eu estou olhando para ele, ele rapidamente desvia o olhar para o quadro, como se nunca tivesse olhado para mim. 


Wow, ok. Isso tá começando a ficar realmente estranho.


Primeiro Jackson diz que Yoongi sempre fica me observando e até pensou que éramos namorados e agora eu mesmo presencio o Min me encarando durante a aula. 


O que está acontecendo?


(...)


— Espero que ele tenha realmente considerado nossa ideia, porque deixei Jeongguk plantado naquela sorveteria sozinho. — Taehyung anda apressadamente junto a Hoseok para a casa de Yoongi. — Tadinho do meu bebê...


— Aish, Taehyung! Pare de drama que ele deve estar lá se entupindo com o quarto milk-shake. — o Jung reclama. — Vai mais devagar, não sei se você notou, mas sou um pouco mais baixo que você e é difícil acompanhar essas suas pernas de 5 metros. 


Taehyung faz uma cara de ofendido, dando um tapa no braço do outro.


— Ya! 


Os dois chegam na casa de Yoongi, tocando a campainha repetidamente até a senhora Min atender.


— Oh! Meninos, quanto tempo! — a mulher sorri. — Esqueceram da madrinha de vocês? — tecnicamente ela não é a madrinha deles, mas havia se auto intitulado como tal, então eles não podem fazer nada. 


— Claro que não, tia. — Taehyung sorri. — O Yoongi está?


— Está sim, entrem. — ela dá espaço para os dois entrarem na casa. — Ele está no quarto, eu fiz cupcakes hoje de manhã, vou ver se esse moleque não comeu tudo sozinho. — ela ri e vai em direção à cozinha.


Os dois sobem as escadas e entram no quarto do Min. Eles já são de casa e não precisam de formalidades.


Encontram o loiro deitado, olhando para o teto com uma expressão perdida.


— Ah...? Hyung? — Taehyung chama, cauteloso. 


Só agora Yoongi parece ter notado a presença dos amigos.


— Ah, entrem.


— Então, o que houve para você ter que recorrer à mim para ajudar? — o Kim pergunta, fazendo drama.


— Ya! Ajuda de nós, sabichão. — Hoseok reclama, jogando-se ao lado de Yoongi. 


— Mas ele enviou a mensagem pedindo a minha ajuda. 


— Isso porque ele sabe que você não consegue fazer nada sozinho e pediria ajuda para mim.


— Ya! Vocês dois, calem a boca. — Yoongi reclama. — Já é difícil ter que entrar nesse assunto e vocês ficam com essa criançisse.


— Okay. O que você quer, hyung?


Yoongi parece um pouco receoso em falar, como se seu ego fosse profundamente ferido se dissesse o que quer que seja o que tem para falar.


— Eu... — xinga em voz baixa.


— Aigoo! Que boca suja é essa, hyung? — Hoseok faz careta, dando um tapa leve no braço do loiro.


— Cale a boca. — ele suspira, parece estar sendo obrigado a dizer algo. — Eu... Sobre o que vocês falaram hoje...


Um enorme sorriso retangular se forma nos lábios de Taehyung.


— Eu sabia! Você quer ajuda para conquistar o Jimin! Eu sabia que você gostava dele! — começa a gritar, batendo palmas e rindo.


— Ya! Fale baixo. — o Min faz uma carranca. — Do jeito que vocês são escandalosos Jimin pode ouvir da casa dele.


— Exagerado! 


— Jimin é realmente um bom menino. — a senhora Min adentra o quarto, segurando uma pequena bandeira recheada de vários cupcakes coloridos. — Fico feliz que meu menino tenha se apaixonado por alguém tão bonito.


Os três garotos a encaram paralisados, perguntando cada um a si mesmo como ela sabia daquilo.


— Mãe? A senhora...?


— Yoongi, sua mãe pode ser velha, mas não é cega. Não sei como meu afiliado não notou que você o venera. 


— Mãe. — o loiro fica um pouco corado, envergonhado por ter sido tão óbvio.


— Tudo bem, tudo bem. Eu só estava tentando ajudar, querido. — ela sorri, depositando a bandeira sobre a cama, que logo é atacada pelos dois ruivos. — Não comam muito, podem ter dor de barriga e coloquem juízo na cabeça de meu filho, ele pensa que Jimin simplesmente vai perceber sozinho e irá ir atrás dele.


— Pode deixar, tia. — Hoseok sorri, mordendo um cupcake com glacê lilás.


A senhora Min sai do cômodo, deixando os três em um silêncio absoluto, claro que ele é cortado apenas pelos murmúrios de aprovação sobre os deliciosos cupcakes.


— Vão ficar aí se entupindo a tarde toda? — Yoongi cruza os braços, olhando com uma sobrancelha erguida para os dois amigos.


— Okay. Vamos começar. — Taehyung termina de comer o quinto doce seguido. — Mas antes, diga-nos o porquê de tratar o Jimin-ssi desse jeito.


— Que jeito?


Hoseok revira os olhos.


— Não se faça de desentendido. Você maltrata o Jimin há muito tempo. 


Yoongi solta um suspiro derrotado, deixando-se cair novamente sobre os lençóis bagunçados de sua cama.


— É, eu sei. — diz, sério.


— E por que faz isso se gosta dele, Suga? — Taehyung pergunta, curioso.


— Eu odeio esse apelido.


— Ya! Diga logo!


Yoongi parece pensar no assunto, fitando perdidamente o teto pintado com tinta branca. 


— Eu não sei.


Hoseok franze as sobrancelhas, antes de se levantar da cama rapidamente.


— Como assim não sabe? 


O Min parece pensar novamente antes de responder em um longo suspiro.


— Eu não sei. — faz uma pausa. — Só o trato assim. Jimin me faz sentir um idiota, um otário apaixonado. — Yoongi não se sente à vontade falando aquelas palavras vergonhosas para seu ego, mas não tem muita opção. — Eu o ignoro para tentar fugir dele, não quero agir como um imbecil babão, mas acabei agindo de um jeito muito pior e isso o afastou de mim...


— Viu, Hoseok? E você dizendo que Suga-ssi é um sem coração! — Taehyung dramatiza, sentando ao lado do loiro deitado e, como um ato de compreensão muito exagerado, coloca sua mão esquerda sobre o ombro do amigo. — Eu te entendo, meu amigo. Não chore, pois irei te ajudar no que for possível.


— Ya! Se fode. — Yoongi dá um tapa na mão de Taehyung, que abre a boca, indignado.


— Mal agradecido. 


— E então, vão me ajudar ou não? 


— Vamos sim, Yoongi-hyung, mas com uma condição.


— Qual?


— Vamos poder te chamar de Suga pelo resto da vida.


Apesar de detestar aquele apelido com todas as suas forças, o Min aceita as condições.


— Okay. Operação Alvin e os Esquilos iniciada! — Hoseok grita, gargalhando como um louco.




Notas Finais


Hello, hello!


Gente, eu tenho muita dó de colocar os meninos apelidando o Jimin de Alvin e os Esquilos, mas o que eu posso fazer? Sjfsjfjwkjskjsd eu choro de rir com isso.


Eu sei que a fic não está tão boa até aqui, mas eu acho que com o decorrer ela vai ficando melhor. Espero. Djfskdhsmdsjdn


Obrigada por ler, qualquer crítica será bem-vinda :)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...