História I Have a Demon With Me - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Demonios, Drama, Romance, Yaoi
Exibições 44
Palavras 1.806
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Escolar, Lemon, Mistério, Romance e Novela, Shonen-Ai, Sobrenatural, Violência, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Obrigada a todas que estão gostando da história, isso me enche de determinação, me deixa bastante feliz o quanto vocês estão gostando. Eu amo todas/todos vocês <3
O Mistuki tá na merda

Capítulo 7 - Amor, Ciúmes e Morte


Eu estava sentado na minha varanda, pensando, Mistuki está dormindo e minha mãe foi trabalhar, eu estou sozinho em casa praticamente. O tempo estava feio, parecia que iria chover, parece que o mundo perde a cor quando fica nublado, nuvens cinzentas e nenhum sinal de sol, ele provavelmente deve estar escondido entre as nuvens, mas é como se ele não existisse. Alias, são duas da tarde, e eu devia estar dormindo. Por quê? Bem, Mistuki abusou de mim ontem a noite, e eu ainda não entendo, por que eu tenho que ser o passivo? Que saco, não que eu odeie, mas eu tenho uma mania de provocar, no fundo eu gosto mas eu mostro para ele que não, vai entender, né? Melhor eu entrar logo, o tempo não está tão bonito como costumava ser.

- Ele ainda está dormindo...? - Eu falei olhando para as escadas e depois olhei para a porta do meu quarto que não ficava muito distante da escada. - Quem mandou fazer aquilo comigo, agora vai dormir o dia inteiro e de noite não vai conseguir dormir.
Eu fui para a entrada para pegar as correspondências, eu acabei de lembrar que eu ainda não peguei. Enquanto eu pegava, gotas de água começaram a cair no meu rosto, olhei para cima e então olhei para a rua, havia uma pessoa parada do lado de um poste, ela me parecia familiar, ela estava ao lado do poste encostada, e olhando para baixo, até que começa a chover mesmo, eu guardo as correspondências dentro da minha blusa, e continuo olhando para aquela pessoa estranha. Ela olhou para mim, ainda não revelando o rosto.

- Ei, está chovendo, você vai pegar um resfriado. - Eu aviso olhando para ela, ela realmente me parece familiar.

- Você ainda se importa muito com os outros, não é? - A pessoa fala... Essa voz... Eu conheço essa voz... - Yuimura-kun. - Ela revela o rosto e eu fico surpreso e paralisado, com medo, com vontade de correr e fugir.

- Yuko-chan?! - Eu falo assustado, e me perguntando se eu sou louco, se eu estou tendo  alucinações, a Yuko-chan, a assassina, ela morreu, então por quê?...

- Senti sua falta, Yuimura-kun. - Ela fala olhando para mim sorrindo, aquele mesmo sorriso de 3 anos atrás, eu não conseguia me mover, eu estava totalmente apavorado.

- Mas... Como?! - Eu pergunto estérico, e ela me retribui com um sorriso.

- Eu fingi a minha morte, todos pensam que eu estou morta, minha família pensa que eu morri, mas na verdade eu estava atrás de você, Yuimura-kun. - Ela fala tirando o capuz do casaco de sua cabeça, ainda sorrindo.

- Mas por quê?! - Eu falo, me encostando no portão com medo e implorando para o Mistuki vir me salvar.

- Eu fiz isso por você, meu amado Yuimura-kun. - Ela fala se aproximando de mim, e quando chega muito próxima de mim, ela coloca a mão esquerda no meu rosto. - Eu te amo, Yuimura-kun, eu abandonei tudo por você, eu matarei todo mundo por você, eu forjei minha morte por você, eu te segui até aqui só para não perder você, eu sei tudo sobre você, quem são seus amigos, quem é a sua família, todos quem você conhece...

- Yuko-chan... - Eu falo baixo quase não dando para se ouvir. - Por quê?

- Porque eu te amo, eu faria qualquer coisa por você, para ter você só para mim. - Ela fala com um sorriso psicopata e olhos arregalados. - Yuimura-kun, você tem medo de mim?
Você tem medo de mim? Mistuki me fez essa pergunta, eu não sabia o que responder para ele, eu realmente não sentia e sentia ao mesmo tempo. Mas Yuko-chan é diferente, Mistuki nunca me machucaria, ela me deu uma facada e me ignorou, ela é quem é o monstro; Eu senti o portão se abrindo e eu estava caindo, mas alguém me segurou passando seu braço pelo meu pescoço e o outro braço abaixo do meu, pondo suas mãos no meu ombro, quando olhei para o lado, era Mistuki ele parecia realmente bravo, nunca o tinha visto tão bravo assim.

- Yuimura, não pode satisfazer suas desejos de puta, então vai embora, antes que as coisas fiquem feias para o seu lado. - Mistuki fala calmamente como sempre, mas ele está com muita raiva. 

- Mistuki, me solte... Você está me apertando... - Eu falo e Mistuki me solta e fica atrás de mim encarando Yuko-chan.

- Mistuki, uh... - Ela fala com um sorriso irônico e logo depois de trocar olhares ela pegou na minha blusa e me deu um beijo na frente de Mistuki só para provocar, e quando ela me soltou eu olhei para ele, ele estava realmente muito assustador. 

- Eu vou te matar. - Ele fala assustadoramente, até arrepia, ele tem um dom de parecer assustador, e ele também tem o dom de fazer o clima ficar tenso com apenas uma frase.

Ela passa os dedos pela boca para o irritar ainda mais (Yuko-chan, você quer tanto morrer assim?), ele puxa uma faca que estava em sua calça de moletão molhada por causa da chuva, e pega Yuko-chan pelo pescoço fazendo ela cair e ele ficar em cima dela com uma faca apontada para o rosto dela, ela não demonstra medo e defende com outra faca. 

- Mistuki, o assassino louco, o procurando pela policia, o garoto que é considerado o mais perigoso da cidade, por que está com Yuimura-kun? Pretende matar ele? - Ela fala sorrindo, não de felicidade, mas sim de despreocupação.

- Cala a boca e morra, vadia oferecida. - Ele fala forçando ainda mais a faca para que ela morresse. Eu estava olhando aquilo e então quando eu vi que a faca dele se aproximar mais do rosto de Yuko-chan, eu passei os meus braços de baixo dos dele e o puxei para trás. 

- MISTUKI! - Eu chamei por ele como se fosse para ele parar o que estava fazendo, eu não queria que Yuko-chan morresse perto de minha casa, e eu não quero ver ela morrendo, não quero ver pessoas morrendo na minha frente.
Yuko-chan se levantou e disse que enquanto Mistuki estiver comigo ele será fraco e saiu correndo com um sorriso irônico, irritante, e então eu soltei Mistuki e ele guardou a faca, ele estava todo molhado e entrou sem falar nada, com a cabeça abaixada. Ele foi direto para o quarto sem falar nada, ele deve estar realmente bravo. Eu coloquei as correspondências encima da mesa e depois fui para o quarto para perguntar se ele ainda estava irritado.

- Mistuki, você ainda está bravo? - Eu falo através da porta e quando eu abro eu vejo ele ajoelhado no chão e então eu chego perto estendendo a minha mão. -... Mistuki...? - Ele pega minha mão e me joga no chão, ele fica encima de mim e segura os meus pulsos, me prendendo no chão.

- Você gosta dela? - Ele pergunta com raiva, e ele parece menos assustador do que antes.

- Não! - Eu falo e ele segura mais forte meu pulso.

- Então por que não me deixou mata-la? - Ele fala com a mesma expressão séria e impaciente. 

- Eu... - Eu falo gaguejando e isso o faz ficar ainda com raiva, ele acha que eu gosto dela, isso me deixa desconfortável. - Eu não quero que você mate pessoas na minha frente.

- Por que estava gaguejando? - Ele fala calmamente mais ainda com bastante raiva. - O que foi que ela te disse?

- Ela só disse que me ama e faria qualquer coisa por mim, mas isso não quer dizer que eu goste dela. - Eu falei olhando diretamente para ele e ele mudou a expressão (Ai Deus, ele vai me matar) E ele começou a morder o meu pescoço. - Mistuki... pare... isso dói...

- Yuimura, você é meu! - Ele fala olhando para mim com sangue na boca, o sangue do meu pescoço. - Ninguém irá encostar em você enquanto eu estiver ao seu lado!

-... Mistuki... - Eu falo baixo quase não dando para ouvir. Ele solta os meus pulsos e me abraça no chão, eu retribuo o abraço dele, envergonhado.

- Yuimura, eu gosto muito de você. - Ele sussurra no meu ouvido me deixando mais envergonhado e logo depois ele me beija. Eu ainda sinto as gotas de água do cabelo branco do Mistuki, cabelos meio curtos e meio longos, elas ainda caem no meu rosto e eu não me importo.

Eu falei para mim mesmo que eu nunca iria me relacionar com pessoas iguais a Yuko-chan, mas eu menti para mim mesmo, eu estou junto a um demônio, um assassino, um louco, um possessivo, e eu sinto que mesmo ele sendo um psicopata, eu não consigo odiá-lo, ele foi a pior e melhor coisa que me aconteceu desde que me mudei para Tokyo. Eu também gosto dele, mas não é um "eu gosto dele" simples, eu sinto que estou me apaixonando por ele.

Eu estou amando ele...

                                                                                                                   X

- Ele já fez 18 anos, certo? - Um demônio pergunta para o outro.

- Sim, será que ele já virou completamente demônio? Demos uma chance para ele, espero que ele tenha virado. - O demônio responde.

- Então estão falando do meu irmão? - Um demônio se aproximando fala.

- Shime!!! - Os dois demônios falam olhando para Shime. - Então, Shime, você vai atrás do seu irmão? Já está na hora, não é?

- Eu irei assim que localiza-lo. - Shime fala com confiança.

- Podemos ir junto? Você vai enfrentar seu irmão, se ele não for um demônio por completo vamos mata-lo juntos! - Um demônio fala com empolgação.

- Vocês não podem ir, isso é um assunto familiar, e alias, eu quero enfrentar o meu irmão sozinho, e se ele não for um demônio completo eu irei mata-lo com as minhas próprias mãos. - Shime fala olhando para os dois demônios.

- Shime, você é o melhor demônio daqui, não é atoa que é filho de Liam! - Um demônio fala com bastante confiança.

No submundo, quem é metade humano deve morrer, quem está comprometido a morte não pode escapar dela. Mistuki, não fez nada para se tornar um demônio por completo, ele estava sozinho, ele precisava comer carne humana para ser um demônio por completo, mas passou sua vida inteira em um hospício, mas não faz a menor questão de seguir ordens e se tornar um demônio por completo. Então seu irmão, irá fazer com que ele morra se não virar um demônio completo enquanto tem tempo.

Mistuki está comprometido com a morte, nada fará isso mudar, ele foi um erro, um erro tão grande que pode ser útil.
 


Notas Finais


Obrigada por ler a história, segunda-feira sai capítulo novo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...