História I have a gift - Capítulo 20


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO, Got7
Personagens Baekhyun, Chanyeol, D.O, Jackson, JB, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Kai, Personagens Originais, Rap Monster, Sehun, Suga, V, Youngjae
Tags Ficção Cientifica, Hentai, Mistério, Romance, Sobrenatural, Violencia
Visualizações 48
Palavras 2.015
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ecchi, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Científica, Hentai, Lírica, Magia, Mistério, Misticismo, Musical (Songfic), Romance e Novela, Saga, Sci-Fi, Sobrenatural, Survival, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oii, bjsss!! S2

Capítulo 20 - Eu sou o perigo


Fanfic / Fanfiction I have a gift - Capítulo 20 - Eu sou o perigo


Sook - Já que  você não me quis, me passei pela S/N. Você não sabe, mas eu tenho o poder da alteração corporal baby... E foi maravilhoso, obrigada. Agora meu dia será lindo. - Ela se levantou e adentrou o banheiro.

                  ~~~~~~~~~~XXXXXXXXXXXXXXXXX~~~~~~~~~~~~~~~~

JIMIN ON :
Perdi totalmente a razão, mereço o desprezo. Sou um tolo,era evidente que a Sook iria tramar algo contra mim. Não irei deixá-la fazer uma barbaridade destas novamente. Eu estou cansado de mim, dos meus sentimentos, do meu jeito de lidar as coisas. Não quero guerra, eu quero paz, viver minha vida da maneira que seja. Ao lado da S/n, que droga... eu estava precisando tanto dela ultimamente, que eu deixei-me levar... Pelo visto a Sook é bem esperta e seu olho clínico não a deixa escapar nada. Eu tenho que ser mais esperto daqui a diante... alguém afastou-me dos meus pensamentos de vingança, quando puseram a bater na porta do meu quarto.
Mateo - Sr Jimin, o senhor está aí? - Bateu na porta levemente.
Jimin - Sim, já estou indo atende-lo... - Me sentei e encontrava-me nu ainda. Aish.
Mateo - Estou aguardando-o aqui fora, não precisa se apressar Sr Jimin...
Jimin - Huum...tá bom! - Peguei minha camisa, minha cueca e um short largo. Caminhei até a porta e girei a maçaneta para abri-la. Mateo olhou-me da cabeça aos pés, pareceu-me verificar algo em meu corpo.
Mateo - Bom dia senhor Park. - Sorriu gentilmente.
Jimin - Bom dia Mateo. Pode chamar-me de Jimin, só Jimin... - Abaixei a cabeça tristemente.
Mateo - O senhor deseja desabafar, posso ser um bom ombro amigo. - Cruzou os braços inocentemente.
Jimin - Obrigado Mateo, se algum dia eu precisar do seu ombro amigo, o chamarei. - Coloquei minha mão em seu ombro.
Mateo - Sim, disponha...Ah, O chamaram para uma reunião às 11H00, enquanto isso, pode sair  conhecer o refúgio. - Uma expressão de aflição, e dúvida se fez presente em meu rosto.
Jimin - Huum... certo, qual o propósito desta reunião? - Disse calmamente, mas meu nervosismo por dentro era incontrolável.
Mateo - Ok, sobre a nova Rainha, a S/N e o seu oponente Min Yoongi - Sorriu gentilmente e meu coração acelerou, e sem querer eu lancei puro, ao lembrar dela.
Jimin - Humm... Tudo bem, eu... eu vou me arrumar e já, já desço para a reunião. - Continuei triste, pois lembrei de Sook, e o que eu fiiz...Aishh... Mateo parecia-me preocupado e toda hora seus olhos se direcionavam para dentro do quarto.
Mateo - A Sook está bem...? Digo, precisando de algo? - Sorriu, acho que ele gosta dela...
Jimin - Precisa sim, de consciência. - Eu ri, quebrando o momento constrangedor que ali reinou.
Mateo - Aah, sim!! - Rimos. - Bom, com licença, irei avisá-los. - Mateo se retirou, voou, abriu a porta e saiu para o jardim.

- Fechei a porta, caminhei até o closet que havia naquele quarto imenso. Peguei uma blusa azul clara de manga, uma calça preta e uma box branca. Pelo que eu reparei ninguém aqui usa roupas escuras. Bom, eu usarei, se bem que eu já usava roupas claras. Mas gosto também das cores escuras. Adentrei o quarto novamente e Sook estava semi-nua, só com a calcinha e de toalha no cabelo.
Jimin - Pelo amor do ex-guardião, pare de andar semi-nua! - Fechei a porta do closet fortemente.
Sook - Aah... realemnte ele me amou... se você soubesse... - Olhou-me com intuito de dizer-me algo.
Jimin - O que você está insinuando, Sook? - Olhei-a com desprezo
Sook - Digamos que meu relacionamento com o papai era totalmente incesto, se é que me entende Jiminnie! - Me provocou.
Jimin - Nossa, o guardião era imprudente. Ele é tão demônio quanto eu. - A olhei surpreso com sua resposta, enquanto ela colocava um vestido branco.
Sook - E você é tão certinho, né? Poupe-me de suas palavras frias Jimin. - Me olhou e voou pela janela a fora.

- Enquanto isso, eu fui preparar-me para conhecer o refúgio, e depois para esta tal reunião.

JIMIN OFF :

SOOK ON :
Jimin não sabe de nada, eu e meu pai éramos completamente apaixonados um pelo outro. Tudo aconteceu recentemente, perdi totalmente a insanidade quando comecei a provocá-lo, o mesmo me olhava com desejo, até que um dia eu o agarrei e o puxei para um lugar abandonada, um esconderijo, onde tinha uma casinha e um lago com águas cristalinas, aqui no refúgio mesmo, era só eu, meu pai e os vagalumes... Foi ali que tudo aconteceu, até hoje eu me lembro detalhadamente dessa noite maravilhosa, foi a melhor noite da minha vida. Minha primeira vez, foi com ele. O primeiro Homem da minha vida. O nosso ponto de encontro ela ali, todo dia nós fugíamos, até que um dia a minha mãezinha desconfiou, e eles brigaram. O meu pai disse-me que não podíamos mais continuar, porque era incesto e como Guardião era vergonhoso. Eu não queria perde-lo, nem para a minha mãe e nem para nenhuma outra mulher. A minha mãe foi até meu quarto e disse-me friamente que sabia de tudo e que faria o possível para separar-nos, e que isso era errado. Na mesma noite, houve um jantar de comemoração do aniversário de casamento dos meus pais. Ah, aquilo despertou uma sede de vingança, tudo que se passava em minha cabeça era matá-los. Contudo, mamãe desceu as escadas, com o salto-agulha branco e um vestido branco, ela era estrangeira e o meu pai coreano. Ao seu lado de mãos dadas, estava o papai, o meu homem, com seu terno branco, obviamente, era aniversário de casamento. Papai por ter se casado com uma mulher estrangeira, declarou uma nova lei que todos os anjos poderiam sim se casar com outras pessoas vinda de outros países. Essa lei foi para ambos os gêneros, PARA MIM uma lei qualquer. Então depois eu desci, e todos voltavam seus olhares para mim, meu cabelo estava com um coque despojado e com cachinhos nas pontas, eu trajava um vestido totalmente vermelho-sangue colado no corpo, e minhas costas exposta, e na frente o decote era visível, como sou mais ou menos encorpada, o vestido caiu bem, e o que me acompanhou foi um salto-agulha preto, como eu sou exibicionista, abri minhas asas e voei até penúltimo degrau daquela imensa escada, tiravam altas fotos e eu fazia cara de sedutora, tudo impecável. Comemorávamos no jardim, tudo era belo, o tapete vermelho, as flores, as luzes, a lua... O cenário perfeito de uma bela morte exemplar. Se levanta soava pelos arredores do Jardim, que cena patética. Mateo estava ao meu lado, sempre gostou de mim, era visível só de olhar profundamente para seus olhos. Então o agarrei e o puxei para uma valsa, até que os olhos do meu papai se voltavam para mim à todo instante, com isso, soltei inúmeros sorrisos bobos, e o mesmo me olhava com desejo, maliciosamente. Minha mãe querida percebia e o provocava, ela não suportava mais perder para a filha querida. Então eu sorri sarcasticamente e afastei-me de Mateo, que fez mesmo. Fui até a mesa, peguei duas taças e discretamente retirei dos meus seios um frasco pequeno, que continha um líquido transparente. Pinguei incontáveis gotas do veneno, por causa do nervosismo. Caminhei até o casal e o meu plano era dá-la taça que continha o veneno, e assim, me tornando sua nova mulher, mas não foi bem assim que aconteceu... quando eu aproximei com as taças, meu pai as arrancou de minha mãos, e pediu para que Mateo ao seu lado, as segurasse, então em uma música animada, meu pai me agarrou e começou a dançar comigo, entre sorrisos, a lua testemunhava nosso amor. Até que por um descuido, meu pai me soltou e deixou-me encantada com seus toques, quando recuperei a minha consciência eu vi meu pai pegando as duas taças da mão de Mateo, uma ele deu para a minha querida mãe, outra ele bebeu em um só gole. Meu desespero subiu, meu coração acelerou, e eu não sabia mais qual era a taça com o veneno. Olhei para os dois e em questão de minutos meu pai abriu suas asas e ficou de joelhos no chão, todos ali presentes voltavam a olha-lo. eu e minha mãe nos entreolhamos, nós estávamos chorando, meu pai então caiu, começava a se debater e seu corpo queimava, meu desespero aumentava, e eu não queria acreditar nisso, eu matei o amor da minha vida. A sua boca começou a criar espuma, então vimos uma luz, como o sol saindo de seu corpo, foi quando ele deu o último suspiro, era assim que os anjos morriam aqui. A pequenina luz subia para o céu, como um balão, calmamente. Eu e minha mãe chorávamos sem parar. Então o Reino inteiro se abalou com um momento trágico. Conforme o tempo passava, minha mãe tornou-se uma completa lunática, me culpava de tudo, até mesmo da morte de meu pai. Até eu me culpava, aquele Reino não era mais o mesmo, o Refúgio perdeu a cor, então levaram a minha mãe para o Hospício, injetavam vários e vários medicamentos, até que ela fugiu, em uma noite chuvosa e com muita neblina, fui atrás dela, a mesma voou para o esconderijo, com um fio nas mãos, subiu em uma árvore, eu a observei, então ela declarou seu amor à meu Pai, e que quando eu morresse iria direto para o inferno. Depois que ela morreu, me ajoelhava aos seus pés e prometia a mim que iria tê-lo de volta. Com o passar de alguns meses, Jimin foi o escolhido, assim eu vi uma foto e seus traços eram iguais a do meu homem, meu pai. Antes do Jimin aceitar, eu conheci uma feiticeira e ela fará com que meu pai volte no corpo de Jimin, espero que de certo.

S/N ON :
Depois que Kook foi embora, ficamos só eu e Tae... Eu estava sentindo falta dos meninos, não que Tae me faça feliz, pelo contrário, sou muito grata pela amizade dele. Acho que de alguma forma, ele tentava ajudar-me a não pensar em Jimin o tempo todo.
Tae - Bom, vamos encontrar os meninos? - Me abraçou. - Sei que você está louca para vê-los novamente.
S/N - Huumm... eu adoraria vê-los... mas antes, vamos ver algumas casas Tae, você etá me enrolando.
Tae - Nãoo... Eu quero você aqui comigoooo - Pegou-me no colo e jogou-me no sofá, subindo em cima de mim e fazendo cocegas em minha barriga!
S/N - Não... para... para... hhahaha, por favor Tae... - Eu ria sem parar e desesperada, até que eu esbarrei em um controle e do nada começou a tocar uma música, espera... eu conheço...Stay da Rihanna. Tae olhou-me intensamente, analisava meu rosto, principalmente meu lábios. Nos olhamos por alguns segundos e ele passou o polegar em meus lábios, eu fechei meus olhos, porque lembrei-me de Jimin, mas não era o Jimin, era o Tae. E eu não vou fazê-lo de bobo. Abri meus olhos, Tae sorriu, e sussurrou em meu ouvido.
Tae - Muito obrigado por não me fazer de bobo... - Tae disse rouco, e arrepiou-me...Droga, ele leu meus pensamentos...
SN - De nada! Podemos ir agora? -  Corei.
Tae - Vamos para onde quiser... baby!! - Saiu de cima de mim, então eu me arrumei.
S/N - Bom, vamos procurar em qual lugar, eu não conheço nada aqui.
Tae - Que tal começarmos pela cidade? Gosta de apartamentos? - Neguei com a cabeça.
S/N - Eu gosto mais de florestas, onde tem cachoeiras, ou uma casa perto da praia... - Ele observou-me atentamente, e eu percebi que ele sorria. - O que foi?
Tae - Então você gosta do perigo? hahaha... Você é linda... - Se aproximou e parou em minha frente de costas. - Sobe aí baby! - Piscou.
S/N - Eu sou o perigo. - Subi e ele pegou em minhas coxas, então saímos dali rapidamente, indo para o portão principal, depois chegamos no portal e atravessamos para a cidade.
 

 

 


Notas Finais


Só para esclarecer algumas coisas, é... na minha história, supostamente os anjos não são como os anjos que ouvimos ou lemos em histórias(reais) ou não... Na MINHA história eles são anjos da terra(protegem as pessoas da terra, não do céu). Então, quando eles morrem, os mesmos protegem lá, só lá. NA MINHA HISTÓRIA MALUCA SIM. Bjsssssssssss! Espero que compreendam... S2.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...