História I have a secret - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Daniel Sharman, Liana Liberato, Shawn Mendes
Exibições 587
Palavras 1.160
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Drogas, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 4 - Capítulo quatro


-Calma, sou eu, o Shawn. -Ele sussurra enquanto segura Liana para ela se acalmar. -Aquele carro é meu, vem comigo.

Shawn tenta levar Liana, mas desconfiada ela não vai, então ele segura a mão dela, olha fixamente nos olhos de Liana que mostram todo o medo que ela sente com a intenção de acalma-la.

-Como você soube que eu vim para cá? -Liana pergunta.

- No taxi, você disse para onde iria.

As luzes da casa se apagam, Shawn olha novamente para os olhos de Liana, Liana aperta a mão de Shawn e corre com ele para o carro. A BMW demorou segundos para pegar velocidade e Shawn voou de lá.

-Se você sabe que eu vim para casa por que veio até aqui? -Liana pergunta ainda com medo.

- A porta da minha casa está arrombada, deduzi que pegaram você, fui na casa para falar com as pessoas que estavam lá, talvez elas pudessem ajudar, por sorte encontrei você com vida, salvei sua vida de novo. Será que dá para parar de fazer perguntas e agradecer?

- Eu acertei ele na cabeça, não preciso de você.

-Ele quem?

-O assassino.

- Mas você viu ele? Viu o rosto dele?

- Não, ele estava de máscara

-Há, você teve muita sorte! -Shawn sorri aliviado e diz isso como se soubesse quem é o dono da mascará.

-Eu pensei em você na hora. -Diz Liana

- O que?

-No que você disse, sobre tratar tudo isso como uma aventura e tomei coragem para atacar ele.

- Vamos combinar uma coisa Liana? Não siga mais meus conselhos.

-Mas deu certo, eu peguei ele.

-VOCÊ TEVE SORTE. -Shawn grita, ele não gostou nada de Liana ter atacado Daniel.

-Eu não sou tão fraca assim, descobri isso faz algumas horas, mas me viro bem sozinha.

-Eu nem te conheci e estou muito afim de conhecer você garota, não banque o Batman antes de rolar uns beijos entre nós. -Shawn sorri um pouco brincalhão e Liana se desconcerta.

-Se você tem uma BMW por que pegou um taxi comigo?

-MEU DEUS, mais perguntas. Esse carro é do meu pai.

- E cadê ele?

-Você não vai parar de fazer perguntas né?

-Não vou Shawn.

-Ele está viajando, eu também estava, mas nós brigamos e eu decidi voltar, foi então que encontrei o taxi e você.

-E você estava atrasado para o que?

-Para o jogo.

-Você é jogador?

-O que? Não. Estava atrasado para o campeonato de futebol americano na TV a cabo, Liana.

-Claro, um adolescente mimado sendo um adolescente mimado.

-Eu salvei sua vida, acho que também posso fazer umas perguntas.

-No momento você pode me dar um remédio de dor.

-E então...

-Então?

-Eu posso ajudar você a pegar o homem de mascará? -Shawn pergunta como se fosse uma criança empolgada.

-Se você não morrer antes de me dar uns beijos, pode sim.

 

Chegando em Nova Iorque, Tom, pai de Liana vai para a mansão dos agora falecidos Stones e se depara com o rio de sangue que Liana havia encontrado alguns instantes atrás.

Seu coração para e ele olha por toda a casa para se certificar de que sua filha está viva, Liana é uma garota esperta, sabe que seu pai está à procura dela, antes de sair ela deixou um bilhete para o pai: "Estou viva, talvez eu não esteja bem, mas ainda estou viva. Jamais pensei que diria isso pai, mas termine o que começou, vingue minha mãe e minha irmã, mate toda a família de Robert."

Tom guarda o bilhete e sorri aliviado por sua filha estar viva.

-Está feliz papai? -Diz Daniel que surpreende Tom.

-Esse estrago na sua cabeça, foi minha filha que fez?

-Liana teve sorte, mas a sorte não está a favor de você Tom Cavanagh, tente acha-la antes de mim e a encontrará morta, fedendo.

- Não ouse tocar um dedo na minha filha. -Diz Tom se exaltando.

-Ou o que? Você já perdeu Tom.

Tom se lembra do bilhete, Daniel está sozinho na sua frente, momento perfeito para mata-lo, ou não. Um bom atirador sabe a hora certa de atirar, então Tom deixa Daniel se virar e ir embora.

 

 

-Para onde estamos indo? Esse não é o caminho da sua casa -Liana pergunta para Shawn ao perceber que ele está seguindo outra rota.

-Certa garota muito desconfiada arrombou a porta da minha casa e a porta nem encosta mais, ou seja, não dá para dormir lá, não podemos ir para nenhum hotel, se essa gente consegue um taxi para você, eles sabem em que hotel você vai estar.                       

- E então gênio, para onde vamos?

-Você quer mesmo saber Liana?

-Não, estou perguntando porque eu não quero saber. -Liana responde irônica.

-É.…nós vamos para minha casa da árvore.

-O QUE?

-Ninguém vai te procurar lá, fica tranquila, é confortável, pelo menos era quando eu tinha sete anos.

-Shawn, eu preciso de um banho, metade do meu corpo é sangue pisado, terra, sangue que não é meu, suor e sujeira.

-Vai ter que esperar gata, mas pense pelo lado bom, amanhã você vai estar viva para tomar um banho.

-Para de me chamar de gata, isso é ridículo.

-Mas Liana, você parece uma gata.

-Já disse que isso é ridículo, não usam mais isso desde mil e setecentos antes de cristo.

-Você achou que te chamar de gata é uma cantada? Olha para você, olhar para você faz eu me lembrar da noite, gatos são noturnos, seus olhos são profundos como de um gato e você ao mesmo tempo que é fofa também é bravinha.

-Nossa, Shawn, isso foi lindo.

-Eu iria ficar impressionado se você também fosse flexível como um gato.

-Cortou o clima. -Liana diz ao revirar seus olhos.

- Rolou um clima?

-É.…para com isso, querem me matar, foco! -Diz Liana mudando de assunto. -O que faremos amanhã?

-Amanhã é outro dia gata, chegamos!

Shawn colocou seu carro dentro de uma mata fechada, pegou uma lanterna e alguns cobertores, eles seguiram em frente até a casa da arvore.

As árvores estão cobertas de neve, só agora Liana percebeu que está a horas andando só com uma camiseta em um frio abaixo de zero, ela olha para seus pés e eles estão roxos.

A casa é pequena e fria, Liana não consegue nem ficar de pé nela, Shawn então, nem me fale.

Shawn arruma os cobertores no chão, Liana está com três, mesmo assim treme de frio e talvez, de medo. Está muito escuro, mas ela ainda consegue ver o Shawn, ele olha para ela sem piscar, mas não parece apaixonado e sim preocupado.

Liana vai até ele e deita em seu peito, Shawn pareceu um pouco desconfortável por alguns segundos, mas logo depois envolveu seus braços em Liana. Aquilo pareceu magia para Liana, o frio, a estresse emocional, o medo, e a dor física sumiram, ela põe seu nariz perto do pescoço de Shawn e se sente calma para dormir.


Notas Finais


E então? Agora iremos atualizar com mais frequência. Não deixem de votar no PCA.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...