História I just want to know him - Capítulo 18


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Jikook, Namjin, Vhope
Exibições 80
Palavras 824
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Escolar, Festa, Lemon, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


EU FINALMENTE CONSEGUI POSTAR (QUASE) NO DIA
TA AI
N TA MT GRANDE MAS FOI DE CORACAO

Capítulo 18 - Capítulo Dezoito - Mama


Fanfic / Fanfiction I just want to know him - Capítulo 18 - Capítulo Dezoito - Mama

 Jimin POV
  Chegamos em Busan após algumas horas. Um dia cinza, nublado que mal parecia manhã. Era aproximadamente  6 horas, e Jungkook não havia mudado a sua expressão de rancor por apenas um segundo. Me pergunto o quão ruim eram seus pais, ou melhor, o seu pai. Pegamos apressadamente o metrô, e ficamos num silêncio mortal até chegar perto da sua antiga casa, onde Jin e Kookie começaram a fazer um plano do que dizer a sua mãe sem ser dócil demais como Jin, ou ríspido demais como Jungkook. O plano era basicamente bater na porta e esperar ela dizer algo, não sendo necessário escolher entre chama a mulher de mãe ou apenas dizer "ele morreu mesmo?". Assim que chegamos em frente a casa, Namjoon e eu resolvemos ficar atrás dos dois, pensando na reação da mulher logo ao ver os temidos gays que seus filhos namoravam. Eles tocam a campainha e em poucos minutos ela responde.
 -Seokjin? Jeongguk? - Os olhos pretos se encheram rapidamente de lágrimas. Uma mulher de estatura baixa, o sedoso cabelo preto era preso num rabo de cavalo e suas vestes eram simples, ao contrário da enorme casa. Era possível sentir o impulso de Jin de abraça-la e dizer que tudo ia ficar bem, e a vontade de Jungkook de apenas sair daquele lugar e não voltar mais. Ambos seguraram seus impulsos e permaneceram imóveis e sem dizer uma palavra, assim como o planejado. - Entrem. Vocês dois também. - Ela olhou rapidamente para mim e Namjoon.
 -Primeiramente, meus pêsames. Eu sei que é um momento difícil, mas preciso lhe perguntar - Jungkook começou. Seokjin estava a ponto de gritar o emblema de "respeito com a situação", mas Jungkook não exitou. - Onde será o enterro? 
  Tudo bem até o momento, nenhuma palavra rude foi usada até agora. 
 -No mesmo cemitério de seus avós. - Ela se sentou na sala luxuosa, e fez sinal para que fizessemos o mesmo. Jungkook permaneceu em pé.
 -Qual foi a causa da morte? Jin não me contou detalhes. - Olhou para seu irmão que estava destraido pensando em reconfortar a mãe.
 -Tudo bem, eu não havia o contado. Acreditamos que foram causas naturais, a autópsia não mostrou nada além disso. Vocês não querem passar a noite aqui? O dia será longo e… 
 
 -Acredito que teve um motivo pelo qual fui emancipado. - Jungkook a cortou. - Retornaremos para Seoul ainda hoje.
  Seokjin estava a ponto de explodir, até receber a resposta da mãe.
 -Eu juro que tentei aceitar vocês, muito mais que seu pai. Mas você não consegue demonstrar o minimo respeito pela mulher que te criou? 
 -A mulher que me criou nunca impediu aquele homem de bater com uma cinta no meu irmão ou em mim. Ela nunca me demonstrou afeto após descobrir que eu era um "viadinho", ou falou que ela que me mandava dinheiro para viver. A mulher que me criou nunca me contou que eu era adotado ou me contou quem eram meus pais verdadeiros. - Jungkook estava aumentando a sua voz frase pro frase. - A MULHER QUE ME CRIOU ME LARGOU A CUSTAS DE EMPREGADAS ATÉ DESCOBRIR QUE SEUS FILHOS AMAVAM MENINOS, E ENTÃO COMEÇOU A LIGAR PARA A EXISTÊNCIA DOS DOIS. SE A MULHER QUE ME CRIOU TIVESSE ME CRIADO DE VERDADE, TERIA PARADO AQUELE HOMEM ANTES DE EU TER CORTADO QUALQUER SENTIMENTO QUE SENTIA POR ELE, E TERIA PARADO SUN HYE ANTES QUE ELA ME ESTUPRASSE PARA EU ASSIM MANTER AS APARENCIAS DESSA FAMÍLIA FELIZ QUE NUNCA PASSOU DE UM TEATRINHO PARA VOCÊ E O SENHOR HOMOFOBICO, ENTÃO NÃO ME VENHA COM ESSA DE RESPEITO, POR QUE EU NÃO TE DEVO NADA. PODE PEGAR O DINHEIRO DE VOLTA, AS NOSSAS CONTAS BANCARIAS SÃO AS COISAS MAIS CONECTADAS ENTRE NÓS DOIS NESSE MOMENTO. 
  A sala estava em total silêncio, a mulher não ousou se quer derrubar uma lágrima de tamanho o choque. Jin não disse um "a" de respeito, ou sobre a situação. 
 -Vamos embora. - Segurei seu braço e puxei-o para fora. Mais discussões não iriam ajudar ninguém, além do estado abalado dos dois. Ele me seguiu e seguimos andando por Busan. O sol começou a sair, achava que deveríamos voltar para casa, mas Jin ainda estava aqui e era muito stress aguentar um funeral daqueles sozinhos.
 -Quer fazer algo? Ir a um café? - Dei um sorriso fraco, tentando esquecer o que acabou de acontecer.
 -Talvez o Jungkook inocente que você tanto fala não volte mais… - Ele falou baixo. - Mas um café seria ótimo. Qual a sua coisa com cafeterias?
 -É o lugar mais seguro que conheço. Me dá o sentimento de casa. E o Jungkook inocente não precisa voltar - Depositei um beijo lento em seus lábios. A rua estava vazia, não senti perigo em fazê-lo. - Seja você mesmo, o resto não importa.
 -Obrigada - Ele disse baixo, sorrindo.
 
 -De nada. - Sorri também. - Conhece algum café perto daqui? 
 


Notas Finais


NAO TERMINEI MT "CARAI" COMO SEMPRE, SLA PQ
A MAE DO JUNGKOOK É FILHA DA PUTA MSM
MALZ AEW
MAS O SHIP É MAIS FORTE
ENT
FAVORITEM
COMENTEM
E LEIAM O PROXIMO CAPÍTULO


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...