História I kissed a boy - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Seventeen
Personagens Jeon Wonwoo, Wen Junhui "JUN"
Tags A Culpa É Do Junhui, Eu Amo Esse Universo, Maecheon High School, Maecheon Series, Trash Bros, Wen Junhui Palerma, Wonhui
Exibições 118
Palavras 2.038
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Fluffy, Slash, Universo Alternativo
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olha quem voltou com mais de Maecheon Series?! *solta fogos de artifício*
Não sei se vocês compreendem o amor que eu tenho por esse universo, mas ele é imenso, e se conseguisse escrever mais rápido, já teria postado umas 300 fics só dele! Mas devagar se constrói um castelo, então eu venho com mais esse tijolinho especial para vocês! :D
Esse é um dos couples que eu mais gosto, e eu queria muito trazer essa drabble-com-cara-de-oneshot para vocês sentirem um gostinho deles! Eventualmente vai vir algumas coisas maiores para ele, que eu estou preparando carinhosamente! Enfim, vai vir mais um fic logo a seguir, mas é da bro e eu acho que vocês vão gostar muito de ler, porque é o Junhui anos depois! Não vou dar spoilers, mas só acho que vocês deveriam ler! Muito obrigada por me acompanharem, e também quero agradecer as pessoas que me mandaram mensagens de apoio e que estão sempre falando comigo! Essa fic é um presente para vocês também!
Boa leitura ~

Capítulo 1 - I Kissed Wen Junhui


Fanfic / Fanfiction I kissed a boy - Capítulo 1 - I Kissed Wen Junhui

- Já está namorando com alguma garota? – A pergunta partiu do seu tio-avô, em uma reunião familiar, quando estavam afastados de seus pais. – Na sua idade, eu já estava namorando com a sua tia. – Ele o ouviu rir, como se a situação fosse realmente engraçada e, talvez, até inédita.

Junhui até teria se dado ao trabalho de ouvir toda a história mais uma vez. Ele era paciente para ouvir a mesma história repetida que os mais velhos insistiam em lhe contar. Contudo, a pergunta de seu tio-avô desencadeou algumas lembranças não tão remotas em sua mente, mas que por vezes ele desejava esquecer com todas as forças ao menos para que conseguisse dormir em paz.

Tudo havia acontecido por culpa de seu irmão mais novo. Não que ele realmente tivesse feito de propósito, mas Junhui continuava o culpando na mesma, porque afinal de contas, os amigos da festa eram de Minghao, e não dele. Junhui só estava lá a pedido dos pais, para que as coisas não saíssem dos limites e tivesse alguém mais velho para olhar as crianças. Como o ótimo irmão mais velho que era, ele acatou a vontade dos pais e ficou por perto para que o mais novo não colocasse o apartamento abaixo, mesmo que no fundo ele achasse que Minghao era muito mais responsável do que todos ali.

Talvez por aquele motivo, Junhui tenha passado a maior parte do seu tempo na varanda da sala, permanecendo por perto, mas ao mesmo tempo longe para que os mais novos não sentissem que ele estava invadindo o espaço alheio. Mas mesmo daquela forma, ele deveria ter esperado que Wonwoo fosse o encontrar depois de algumas horas. Ele sempre o fazia.

Jeon Wonwoo, um pouco mais velho que Minghao e uma criança quase misteriosa. Era difícil saber o que ele estava pensando. Por vezes, Junhui sentia até dificuldades de pensar que ele tinha uma idade aproximada a do seu irmão quando ele sempre agia como se fosse muito mais velho. Não havia sido uma e nem duas vezes que ele havia trocado o grupo de amigos só para ir conversar consigo quando também estava em casa – mesmo quando era apenas Minghao e Mingyu com ele.

- Está escondido aqui por que, hyung? – Ele perguntou, apoiando os braços no suporte da varanda e sorrindo levemente quando se virou para o encarar nos olhos.

- Não estou escondido – Junhui devolveu o sorriso, desviando o olhar para a paisagem noturna da cidade uma outra vez.

Contrariando todos os momentos em que geralmente estavam juntos, Wonwoo permaneceu em silêncio. Por um momento, Junhui quase pensou que ele tivesse para festa, mas o calor que ele emanava ao seu lado o denunciava. Ainda assim, não era exatamente desconfortável estar ao lado dele naquelas situações, assim como não era a primeira vez. O único problema era que Wonwoo só ficava daquela forma quando algo não estava indo bem.

- Você está bem? – Sua curiosidade teve a melhor sobre si e ele não conseguiu continuar calado.

- Estou – ele ouviu o mais novo responder depois um suspiro que dizia o contrário.

- Certeza?

Junhui voltou a olhá-lo pela primeira vez, observando as rugas de expressão no rosto de Wonwoo. Ele parecia preocupado com algo que ia além do que o mais velho poderia compreender, mas ainda assim ele voltou a suavizar seu semblante e sorrir como sempre fazia.

- Está mesmo preocupado comigo, hyung?

- Mas é claro que sim! – Junhui virou todo o seu corpo na direção de Wonwoo. – Você vem sendo amigo do meu irmão há anos e é claro que eu me preocupo.

- Então é só assim que você me vê?

A voz de Wonwoo parecia ter um leve tom de tristeza e desapontamento. Junhui, no entanto, não conseguiu compreender onde ele queria chegar com aquela pergunta, nem o motivo de parecer tão chateado quando desviou o olhar e voltou a olhar para a cidade.

- Ah – ele suspirou. – Me deixa um pouco frustrado que o cara que eu goste me veja só como uma criança.

Junhui franziu as sobrancelhas, se perguntando se realmente havia entendido certo o que havia ouvido do outro em um tom sussurrado. Talvez tivesse ouvido errado, o que era bem mais provável dada a relação quase superficial dos dois.

- Hm... – pigarreou um pouco, sem saber realmente como proceder com aquela conversa. – De qualquer forma, não fique triste. – Junhui deixou algumas batidinhas nas costas de Wonwoo, tentando fazer com que seu cérebro encontrasse as palavras certas. – Se tiver algo que eu possa fazer, é só me chamar.

Ele se afastou alguns passos depois de dizer aquilo, mas não o suficiente para sequer sair da varanda. Wonwoo havia segurado em seu pulso com uma mão quente, o impedindo de continuar seu caminho. Naquele momento, Junhui deveria ter ao menos premeditado o que iria acontecer pela conversa anterior, mas o seu cérebro talvez já não estivesse processando o suficiente depois de ter passado tanto tempo sentindo o vento frio do inverno em seu rosto.

- Na verdade, tem uma coisa que eu sempre quis fazer e eu acho que o hyung é a pessoa mais indicada para isso.

Junhui se virou o suficiente para o olhar, mas ainda assim ofegou quando sentiu ser puxado e empurrado contra uma parede próxima. Seus lábios se entreabriram para pegar ar quando sentiu que Wonwoo estava perto demais, muito mais do que seria aconselhável para alguém que se encontrava no nível: amigo do seu irmão mais novo.

- Eu não acho que isso seja realmente indicado – Junhui murmurou, olhando de relance para a sala, onde ninguém parecia notar o que acontecia ali. Maldito vidro fumê. Ou talvez fosse até abençoada, já que o mais velho não conseguia pensar em maneiras de explicar a situação se eles fossem descobertos.

- Por que não, hyung? – A maneira como Wonwoo disse aquilo, num tom sussurrado e provocador, também não pareciam indicadas para ser usadas por ele com Junhui.

- Porque você ainda é novo e—

- E você me acha uma criança e sou amigo do seu irmão mais novo e –

Wonwoo suspirou, aproximando-se um pouco mais, o suficiente para seus narizes roçarem um contra o outro e ele apoiar uma mão em sua cintura. Aquela, definitivamente, não era uma situação indicada. Aquilo não estava nos planos de Junhui para aquela noite.

- Hyung, você precisa parar de me ver como uma criança e de ficar procurando desculpas. – Ele disse seriamente, com os olhos prendendo nos seus lábios. – Eu já não sou mais uma há muito tempo.

- Mas—

Desde quando Wonwoo queria fazer aquilo e Junhui nunca tinha percebido? Ele queria se amaldiçoar por sua lerdeza e por estar sendo manipulado por um garoto mais novo, mas os lábios de Wonwoo roçando pelos seus parecia fazer seus neurônios pararem de funcionar. “Mas...”, Junhui suspirou quando ele lhe deu um beijo de não mais que três segundos e se afastou, como se estivesse testando o território. “Mas o que? O que exatamente eu queria dizer?”.

Junhui nunca soube, porque ele estava embriagado demais com o beijo de Wonwoo. Como é que um garoto daquela idade sabia beijar tão bem? O que é que ele andava fazendo para saber o momento de se afastar para recuperar o ar e lhe morder o lábio inferior antes de voltar a beijá-lo? Junhui não sabia, mas ele ficou se perguntando aquilo durante todos os dias de férias, que havia passado na China com seus tios.

E mesmo quando voltou para a Coréia, Junhui continuou pensando. Ele teve ímpetos de perguntar a Minghao se Wonwoo havia dito algo sobre o acontecido ou entrado em contado, mas seu irmão teria ido falar consigo se qualquer uma das coisas tivesse chegado aos seus ouvidos. Então Junhui pensou que a coisa certa a se fazer fosse esquecer o assunto. Talvez Wonwoo só tivesse tido uma curiosidade de quem estava entrando na adolescência, então isso provavelmente já teria até passado.

Aquele era o plano que mais fazia sentido em sua cabeça. Contudo, só porque fazia sentido, não quer dizer que era o mais inteligente, e nem o mais apreciado. Porque bastou voltar ao colégio – onde por acaso Wonwoo havia começado a estudar também –, que Junhui se sentiu frustrado de todas as maneiras que um ser humano poderia se sentir.

Wonwoo geralmente não falava consigo nos corredores sequer. Por vezes passava ao seu lado, e era como se Junhui sequer existisse. De alguma forma, ele notou que algo havia mudado nele, ainda que não soubesse dizer o que, e aquilo o deixava frustrado de tantas maneiras diferentes que ele sequer poderia enumerar.

Por que ele estava o ignorando? Será que Junhui havia deixado de ser interessante depois do beijo? Será que não tinha gostado? Por que é que não conseguia parar de pensar em como era beijá-lo sempre que o olhava? Por que é que não conseguia parar de reviver essa cena sempre que se encontrava sozinho?

Junhui sentiu que ia morrer uma semana depois de as aulas terem começado, e já sentia vontade de voltar as férias de tão exausta que o seu cérebro andava ficando. Ele até mesmo decidiu confrontar Wonwoo, mas desistiu disso quando viu que o garoto estava feliz, com um sorriso imenso no rosto, depois de ter recebido a notícia de que tinha entrado para o time de natação do colégio.

Naquele momento, Junhui notou o quanto ele ainda era novo e o quanto era idiota que estivesse sofrendo por aqueles pensamentos sem sentido. Havia sido só um beijo, nada demais. Ele já havia beijado algumas pessoas antes. Claro que Wonwoo foi o primeiro garoto que havia beijado, e talvez esse foi o motivo para aquilo não ter saído de sua cabeça com facilidade, mas ainda assim não era motivo para perder a cabeça. Era mais fácil deixar o garoto viver em paz, enquanto Junhui voltaria a focar em seus estudos como sempre havia feito até ali.

Claro que naquela altura ele deveria ter aprendido que a teoria era sempre muito mais fácil que a prática – mesmo que Jeonghan, um amigo de sala, discordasse completamente dessa frase.

Junhui pensou que realmente iria ser fácil voltar a vida de antes. Mas isso foi antes de Wonwoo abrir a porta do seu quarto sem bater e se jogar em sua cama, com o semblante de quem fazia aquilo todos os dias e não tivesse feito nada fora do comum.

- Olá, hyung – ele disse, ignorando completamente sua expressão assustada. – Sentiu minha falta?

Junhui simplesmente não conseguiu expressar nada para além de sua boca aberta em choque, só a fechando quando viu Wonwoo sorrir para si, como se realmente não tivesse passado nada entre eles.

- Vi que foi para a China nessas férias, na próxima vez deveria me levar, sempre tive vontade de conhecer – ele continuou a falar, tirando o celular de dentro do bolso e começando a mexer nele.

- O que... – Junhui puxou o ar, ainda que estivesse meio atordoado pela situação. – O que está fazendo aqui?

- Ah, você sabe – ele deu de ombros, parecendo absorto no conteúdo do celular. – Quis deixar o Minghao e o Mingyu sozinhos, eles estavam precisando.

Junhui franziu o cenho, se perguntando se deveria ou não perguntar o que ele queria dizer com aquilo.

- E eu também senti a sua falta. – Wonwoo cortou sua linha de pensamentos, e dessa vez ele estava o olhando com o mesmo semblante da última vez. Parecia até mesmo ser mais intenso. – Pensei em você as férias inteiras.

Junhui sentiu se engasgou com o ar, e isso só fez com que o mais novo soltasse uma risada alta.

- É sempre divertido te provocar, hyung.

Wonwoo voltou a olhar para o celular, como se realmente não tivesse dito nada demais. Junhui, por outro lado, ainda o ficou encarando com uma expressão estupefata antes de voltar a olhar para seus cadernos e livros sobre a escrivaninha. Porque no fundo, ele já não tinha atenção alguma para voltar a estudar. Não quando se sentia completamente frustrado com aquela situação, sem saber realmente onde é que Wonwoo queria chegar com aquela história e sem saber se ele estava ou não falando sério.

Frustração era o que lhe definia.


Notas Finais


Agora que chegaram aqui, espero que tenham gostado! Vou deixar aqui o link da fic da bro, que é meio que uma continuação desta e vocês vão adorar: http://socialspir.it/6744053
Também vou deixar aqui o link do blog da nossa série, para vocês poderem espreitar e conhecer um pouco mais desse universo em constante crescimento! maecheonseries.tumblr.com


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...