História I Love You, But I Hate You – L3ddy. - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Christian Figueiredo, Gustavo Stockler (Nomegusta), Lucas "Luba" Feuerschütte, Lucas "T3ddy" Olioti, Mauro Nakada, Rafael "CellBit" Lange
Personagens Lucas "LubaTV", Lucas Olioti
Tags L3ddy
Exibições 283
Palavras 1.181
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Festa, Ficção, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 8 - No Dia Seguinte..


Fanfic / Fanfiction I Love You, But I Hate You – L3ddy. - Capítulo 8 - No Dia Seguinte..

Domingo: 19h30.

Eu estou ansioso, merda. É só um cara, porra, qual é o teu problema, Lucas?

Suspirei fundo e voltei minha atenção até minha roupa, peguei minhas vestes casuais e me vesti rapidamente. Arrumei (demoradamente) meus cabelos num topete alto e passei meu perfume.

Já eram 19h30 e eu estava quase pronto, sorri quando vi uma mensagem sua em meu celular..

“…Te vejo daqui a pouco?…” -Luba.

"Claro, querido!"

“Não seja falso, pelo amor..” -Lucas.

"Haha, não é falsidade, ue."

“Sei.” -Lucas.

"Enfim, te vejo daqui a pouco. ❤"

Desliguei a tela do meu celular e fui colocar meus sapatos,assim que acabei, desliguei todas as luzes da casa, peguei meu celular, carteira e sai da casa, trancando-a.

Caminhei até a lanchonete que, no caso, era perto por sorte. Entrei no local e me sentei numa mesa mais afastada de todos, não que eu quisesse ter um encontro, mas.. Enfim, não importa!!

Pedi um suco de laranja ( que logo chegou) e fiquei mexendo no celular enquanto o esperava.. Será que ele vai aparecer mesmo? Será ele me dê um bolo? Será que ele não vai vir?

Puta, por que eu estou tão preocupado? Que saco! Continuei a mexer no celular, estava concentrado numa conversa que eu estava tendo com Mauro, até ouvir o barulho da cadeira a minha frente sendo puxada.

Lucas: Oi. — disse, sentando-se, o encostei.— O que?

Eu: Nossa, que educado você, não?
— disse irônico.

Lucas: Não começa. — rolou os olhos.

Eu: E ai? Como você está?

Lucas: Me sentindo um pouco obrigado, e você? —me olhou irônico, colocando seus cotovelos na mesa.

Eu: Não seja grosso, cara. Você, alguma vez, já foi legal com alguém? — brinquei, tomando um pouco do suco.

Lucas: Claro, como eu disse, só com quem eu tenho paciência. — piscou pra mim, ri fraco.

Eu: Você nem me conhece, eu sou um amorzinho de pessoa. — arqueei uma das sobrancelhas.

Lucas: "Você nem me conhece.." —fez aspas com a mão, repetindo.— Então.. Como sabes que eu sou chato?

Eu: Bom, tirando a parte que.. Desde que nos conhecemos você vem me dando patadas incríveis, não sei.. — sorri vitorioso, ele riu sarcástico.— É a primeiro vez que eu te vejo sorrindo, mesmo sarcasticamente.

Lucas: Okay, foi mal, admito que te trato mal desde que te vi e tals.. — o interrompi.

Eu: É um milagre, Jesus? Você admitindo o erro? Por que eu não peguei minha câmera para gravar isso? — brinquei, ele riu, rolando os olhos. — Enfim Lucas..
— ele me interrompe.

Lucas: Luba, por favor.

Eu: Luba? — o olhei, confuso.

Lucas: Meu apelido, Lucas = Luba! —assenti, entendendo.

Eu: Okay, Luba..— dei ênfase em seu apelido.— Quer pedir alguma coisa?

Lucas: Pede aí, só vim acompanhar! —assenti, dando de ombros.

[…]

Depois de comermos e conversar um pouco sobre nossas vidas e tals, resolvemos andar pela cidade um pouco, estava ficando frio por isso não tinha quase ninguém na rua. Enquanto eu e Luba caminhavamos pela praça vazia, sentamo-nos num balanço, apenas para observar as únicas pessoas que passavam, peguei meu celular só para tirar uma foto..

Lucas: Você não vive sem esse aparelho, né? — eu ri.

Eu: Não. — guardei-o. — Desculpa tocar nesse assunto, mas.. Você deveria sair mais, Lucas. Pelo o que você me disse, você trabalha muito e nem se diverte pra isso.

Lucas: O pior é que você tem razão.. Eu que não sinto vontade, sabe? Sei lá. — dei de ombros.

Eu: Sei.. —fiz careta.

Lucas: Está muito tarde, preciso ir pra casa.. — se levantou.

Eu: Quer companhia? — sorri, ao seu lado.

Lucas: N-não, não precisa. — assentiu.

Eu: Eu te acompanho, vamos. — abracei seu ombros, ele sorriu tímido.

Andamos em silêncio, mas não era um silencio constrangedor, enfim.. Seguimos até sua casa..

Eu: Entregue. — sorri.

Lucas: Isso não significa que viramos amigos, ok!? — gargalhei.

Eu: Sério? — disse, ainda rindo.— Já esperava por isso. — o puxei para um abraço. — Gostei da sua companhia, Luba. —suspirei, passando (SEM QUERER) meu nariz em seu pescoço, sentindo o seu perfume suave. — Foi um prazer. — o soltei, sorrindo malicioso.

Lucas: E ele continua falso.. — disse irônico, senti o constrangimento em sua voz. — Tenho que ir.

Eu: Haha, até logo. — acenei, voltando a caminhar.

Senti meu estômago revirar de ansiedade, ele está me deixando indiferente, sinto isso. Algo em mim diz pra eu voltar lá e continuar com ele pelo resto da noite, eu sinceramente gostei da companhia dele, mas eu realmente queria mais.

Eu sei, ele é homem e tudo mais, mas seria estranho se eu dissesse que.. Virei Bi por causa de um cara só? Acho que não, sei lá, mas eu sinceramente quero ele.

Sim, agora que eu fui me ligar, eu quero ele pra mim, nem que seja por uma noite.. Mas eu preciso o sentir, o tocar, o.. O beijar..

Não que eu queira usa-lo por uma noite e tipo.. Descarta-lo.. Claro que não, ele era diferente, não sei explicar, ele me chamou a atenção, simples assim. E sem dizer que ele têm um bumbum incrível, meu Deus. Eu não o aguentava mais ver andando em minha frente que logo sentia uma grande vontade interna de.. Toca-lo.

Mas eu ainda nem sei se ele é gay, bi ou hétero, não tive grande coragem para perguntar, ele parece ser um cara muito liberal para esses tipos de coisa, mas enfim..

Entrei em casa tirei minha roupa ficando só de cueca, fui até o banheiro para escovar os dentes. Quando terminei, me deitei en minha cama e me cobri, sentindo una nova mensagem chegar ao meu aparelho..

“Chegou vivo em casa?” -Lucas.

"Preocupado? Haha"

“Droga, achei que minhas preses tinham sido ouvidas..” -Lucas.

"NOSSA!"

"Valeu, Lucas. Vou dormir agora, boa noite."

“Ei! Eu estou brincando, relaxa!” -Lucas.

"Depois quem é o falso da história sou eu."

“Eu não disse nada, ue.” -Lucas.

"Er.. Lucas, posso te perguntar uma coisa séria?"

“Não.” -Lucas.

"Eu estou falando sério, pow!"

“Fala logo!?” -Lucas.

"Qual a sua.. Sabe.. Opção sexual?"

“Sério?” -Lucas.

"Uhum."

“Sou gay.” -Lucas.

“Algum problema?” -Lucas.

"Oh, não, não! Nenhum. Só queria saber mesmo. ❤"

“E você?” -Lucas.

"Hm.. Bi."

“Hm.. Legal!” -Lucas.

"Mais ou menos.."

“Ue, por que?” -Lucas

"Não, nada. Deixa pra lá."

“Você ainda está confuso sobre isso, né?” -Lucas.

"Um pouco.. Na verdade, a maior delas é insegurança.."

“Entendo.” -Lucas

“Tenho que dar comida ao Mint, já volto.”
-Lucas

"Mint?"

“Meu gato de estimação.” -Lucas

“*foto*”( Capa do Capítulo).-Lucas

"Que fofo.❤"

"Achei que você era um cara solitário e chato."

"Está no caminho, só falta a parte do solitário."

“Pronto.” -Lucas.

“Haha, babacão.” -Lucas.

"Nem sou. u.u"

“Sonha.” -Lucas

“Eu vou dormir, Lucas.. Boa noite.” -Lucas

"Bom.. Me chame de T3ddy. :3"

“Por que o '3'? Já não estava bom só Teddy?” -Lucas

"Não, Teddy seria muito tradicional, quis mudar. u.u"

“Hm.. Gostei.” -Lucas

“Enfim, boa noite, T3ddy. ❤” -Lucas

"Hm, colocou coraçãozinho. e.e"

“Não fode.” -Lucas

"Boa noite pra ti também, Luba.❤"


   



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...