História I love you, darling - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias The Walking Dead
Personagens Abraham Ford, Beth Greene, Carol Peletier, Daryl Dixon, Eugene Porter, Paul "Jesus" Monroe, Rick Grimes, Rosita Espinosa
Tags Beth Greene, Bethyl, Daryl Dixon, The Walking Dead
Exibições 65
Palavras 2.986
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Boa noite, gente!
Essa é minha primeira fanfic, na verdade uma one-shot e me inspirei em algumas que li, mas claro, sem plagiar ninguém rsrs.
Adoro Bethyl e resolvi escrever algo sobre eles. Nunca havia escrito nada, então espero que gostem.

Beijos ;*

Capítulo 1 - Finally


Após uma semana de busca por suplementos para Alexandria, Daryl e Beth estavam finalmente voltando para casa. A garota havia sobrevivido ao incidente do hospital e engatado um relacionamento com Daryl. Fo um pouco difícil para o homem, aceitar que realmente tinha um coração e que ele batia mais forte pela linda garota loira de belos olhos azuis, afinal ele viu a garota crescer e amadurecer, o que o fazia se sentir ainda mais estranho. Beth realmente havia mudado. Ela não ficava mais a maior parte do tempo ajudando a cuidar de Judith como fazia na prisão, pelo contrário. Ela se tornou uma das melhores atiradoras de Alexandria e sempre saia em buscar de suplementos ao lado de Daryl, Aron e outros integrantes do grupo.

O médico do hospital conseguira salvar Beth. Os dois tinham se tornado bons amigos na época em que ela havia sido sequestrada e fez de tudo para salvá-la. Assim, ganhou a eterna gratidão de Daryl, Maggie, Rick e todos os outros.

Após uma temporada difícil, estavam todos cansados, sem comida ou água por 3 semanas, então Daryl e Beth se separaram do grupo para procurarem alguma coisa e encontraram um celeiro. Foi quando Beth resolveu tomar a iniciativa.

- Daryl? Eu estou apaixonada por você – a loira disse sem demoras e de repente, surpreendendo o arqueiro que a arregalou os olhos claros ao fitá-la.

- O que? Você está doida garota? – Ele não podia acreditar naquilo. Ele não se achava merecedor desse tipo de sentimento. Ele era louco por Beth, sabia disso, mas aceitara o fato de que ela era demais para ele. Quando ela levou o tiro, o homem sentiu seu coração parar. Não podia perde-la, mesmo que ela não gostasse dele da mesma maneira, mas ouvir as palavras da garota, fez seu coração bater mais rápido novamente.

- Não, não estou. – Ela disse, se aproximando dele. O homem estava paralisado, simplesmente não conseguia se mexer, apenas ficar perdido nos belos olhos azuis de Beth. – Eu estou apaixonada por você e percebi isso naquele dia, na funerária. Não sei se você sente o mesmo, mas eu não aguento mais guardar isso dentro de mim – ela se aproximava mais – Eu te amo Daryl Dixon e eu... eu... – ela gaguejou, estava nervosa demais – eu quero ser sua.

Daryl Dixon não podia acreditar no que estava ouvindo. Estava ouvindo mesmo? Ou era apenas uma alucinação? Não. Estava bem acordado. Beth realmente estava ali, viva e se declarando para ele.

- Você está confusa Beth. Levou um tiro na cabeça, ainda está se recuperando. É melhor parar de falar asneiras. – O homem se afastou e vou revistar o celeiro, se sentindo um idiota por não ter coragem de se declarar também. Ele não conseguia fazer esse tipo de coisa. E se Beth se arrependesse depois? Ela era não boa, tão delicada, meiga... totalmente diferente dele e isso não daria certo.

Beth não se deixou convencer. Ela sentia que ele devia ter algum sentimento por ela também. Maggie lhe contou como ele ficou arrasado com tudo o que aconteceu e que ele não saiu do lado dela em nenhum momento, enquanto ela estava desacordada. Além disso, também soube por Rick que quando ela foi sequestrada, o arqueiro correu uma noite e um dia inteiro atrás do veículo que a levara. Isso não poderia ser apenas amizade.

- Está me dizendo que não gosta de mim, Daryl Dixon?

Ele parou novamente. É claro que gostava. Mais do que isso. Ele a amava.

- É claro que eu gosto. Passamos um bom tempo juntos...

- Não. Quero saber se você não gosta de mim como mulher.  – Ela questionou firme. Já prestara atenção que o homem as vezes olhava seu decote, pela regata que a menina usava. Não que ela se incomodasse, na verdade, ela está apreciando aquilo. Saber que chamava a atenção de um homem como Daryl. Ela o queria e não desistiria, assim tão fácil.

- Por que você está me perguntando isso, hein? Está sem o que fazer? – Ele não gostava de ser grosso com ela, mas ela o estava pressionando e bem, Daryl não gostava de ser pressionado a fala sobre seus sentimentos.

Beth respirou fundo, Daryl era mesmo um teimoso, ela pensou. Mas tudo bem, ela não desistiria fácil. Após voltarem e encontrarem os outros, uma chuva começou de repente e foram todos para o celeiro que Beth e Daryl haviam encontrado antes. Beth resolveu sentar ao lado de Noah, após conseguirem segurar a porta do celeiro, impedindo que um bando de walkers entrasse. Ela sabia que Daryl tinha um pouco de ciúmes dos dois, pois sempre que eles conversaram, o homem ficava os fitando de longe e com uma cara nada agradável. Beth faria Daryl assumir o que sentia. Após um bom tempo conversando com o amigo, ambos acabaram dormindo lado a lado o que deixou Daryl, louco de ciúmes.

- O que esse cara está fazendo do lado dela? – Ele sussurrou baixinho e mal-humorado. E por um momento, saiu totalmente de seu controle e foi acordar Beth.  A garota acordou surpresa.

- O que foi? – Ela disse coçando os olhos.

- Por que está dormindo do lado dele? – Ele a puxou para fora do celeiro, onde encontraram várias árvores caídas e um bando de walkers esmagados.

- Eu acabei caindo no sono, não posso? Estou cansada Daryl e você está machucando o meu braço. – Ele a soltou então.

- Desculpe, não queria te machucar.

- O que você quer? – Ela disse, colocando as mãos na cintura.

Daryl respirou fundo.

- Para de ficar do lado desse cara, toda a hora. Você mal conhece ele!

- Não seja ridículo! O Noah me ajudou muito no hospital.

- E o que você fez para agradecer, hein? Deu para ele? Foi isso? – Daryl estava exaltado e morrendo de ciúmes. Antes Beth ficava apenas ao lado dele e o homem não gostava muito de dividir sua atenção. No minuto seguinte, Beth lhe deu um tapa na cara. Daryl ficou surpreso com a força e colocou a mão no rosto e a olhou espantado.

- Nunca mais fale assim comigo entendeu? Nunca mais! Você não precisa querer ficar comigo Daryl Dixon, mas nunca mais você vai gritar comigo ou me desrespeitar esta entendendo? - Ela ia saindo de perto do homem, quando o mesmo a puxou pelo braço e a beijou. Um beijo intenso, como teve vontade de beijá-la a muito tempo. Beth ficou surpresa no início, mas colocou os braços ao redor do pescoço do homem e ele apertou mais a sua cintura, aproximando ainda mais os seus corpos. O beijo durou até perderem o folego. O homem encostou a testa na testa da loira. Ela tinha o tamanho perfeito para ele.

- Eu gosto Beth...

Ela o olhou sem entender, ainda ofegante pelo beijo que haviam trocado.

- Eu gosto de você como mulher – ele disse baixinho – na verdade, eu também te amo e estou louco de ciúmes.

A loira sorriu e eles se beijaram novamente, quando ouviram algumas palmas. O grupo inteiro está ali. Olhando, batendo palmas e sorrindo. Maggie estava feliz que os dois tinham se acertado. Nunca imaginara ter Daryl como cunhado, mas sabia que ninguém poderia cuidar melhor de sua irmã, do que ele. O modo como ele, cuidara dela após a cirurgia na cabeça, a comoveu e ali ela percebeu que ele a amava.

- Até que enfim, hein – Abraham disse. – Como diziam os jovens antes dessa merda... eu shippo vocês dois. Hashtag Bethyl – o ruivo disse fazendo um sinal com as mãos e todos começaram a rir. Todos haviam notado o clima entre o casal e Abraham, tinha pego uma afeição grande por Beth. A garota lembrava sua irmã mais nova, a quem o homem sempre se preocupou e protegeu.

Depois disso, o grupo de Rick chegou em Alexandria e com o tempo, tudo foi se acertando. Rick, Daryl e Rosita, ensinaram Beth a atirar e a garota ficou realmente boa naquilo. Após um tempo a mesma, se tornou uma das melhores, além de saber lidar muito bem com faca, já que Carol e Abraham também a haviam ensinado alguns truques. Daryl as vezes a levava para a floresta, para poderem treinar e bem, as vezes namorarem um pouco. Isso era perigoso, eles sabiam, mas as vezes gostavam de um pouco de adrenalina.

 

Xx

O casal estava voltando para casa, em um carro que haviam pego em Alexandria. Eles tinham conseguido uma boa quantidade de comida e munição e estava na hora de descansar. Daryl dirigia e Beth seguia dormindo no acento do passageiro, sua cabeça levemente curvada, encostada no vidro do carro, os cabelos loiros, caindo docemente por seus ombros. Daryl a olhava as vezes, enquanto dirigia. Ele era louco por ela. Não podia acreditar em como tinha mudado pela garota e como fazia de tudo para vê-la feliz. Até aliança, ele usava agora. Sentia-se uma pessoa melhor, apesar de continuar com o jeito grosso e ainda dar muito medo na maioria das pessoas. Quem o conhecia mesmo, sabia que ele era diferente. Pensou em como Merle reagiria, se soubesse como ele estava agora. Casado, com uma garota tão linda (Padre Gabriel havia abençoado o casal e o grupo fez uma festinha em comemoração) e que era um dos líderes de Alexandria. Ele com certeza ficaria surpreso e caçoaria do irmão, dizendo que ele tinha se tornando um “viadinho”.

Depois de alguns minutos, Beth acordou, tirando Daryl de seus devaneios.

- Onde estamos? – Disse a loira, olhando pela janela.

- Ainda falta um tempo para chegarmos em casa. Pode voltar a dormir se quiser.

- Não – ela disse colocando a mão na boca e bocejando. – Vamos parar um pouco? Você deve estar cansado e eu estou com fome... quer que eu dirijo?

- Não precisa querida – ele segurou sua mão e deu um beijo. – Mas podemos parar em algum lugar.

Eles seguiram viagem por mais uma hora, quando encontraram um motel na beira da estrada. Daryl olhou Beth com um olhar malicioso o que fez a garota rir.

- Você é mesmo um depravado, Dixon. – O homem encostou o carro.

- Eu? Por que? Você quem disse que queria parar. – Disse rindo. O homem andava rindo como mais frequência do que se lembrava.

O arqueiro foi na frente, seguindo por Beth. Tiveram que se livrar de alguns walkers por ali, mas não foi difícil. Apenas alguns cercaram Daryl, mas Beth o ajudou com facilidade.

- Está se achando, hein... – ele disse brincando.

- Tive bons professores – ela disse piscando para ele. Foi bom terem ensinado Beth, ele estava orgulhoso dela. Abraham tinha lhe ensinado outras técnicas que poderia ajuda-la.

Após estacionar o carro corretamente e se certificarem que estavam seguros, o casal limpou um dos quartos e se instalaram. Já havia anoitecido e poderiam seguir em frente no dia seguinte. Por incrível que pareça, ainda tinha água no lugar e os dois conseguiram tomar um banho rápido e gelado. Daryl deitou-se na cama de cueca boxer e observou Beth sair do banheiro, enrolada em uma toalha que havia encontrado e com os cabelos úmidos.

- Ai que saudade, eu estou de casa. Que saudade da minha água quentinha – ela riu, enquanto secava os cabelos com outra toalha. Daryl se levantou, andou lentamente até a mulher, agarrando-a pela cintura e a beijando ardentemente. O beijou foi se intensificando e Beth agarrou o pescoço de Daryl, deixando a toalha cair de seu corpo, ficando completamente nua para ele, que soltou um grunhido de satisfação.

O homem acariciou todo o corpo da mulher com as mãos calejadas e a sentia suspirar durante o beijo. Ele desceu os beijos por seu pescoço e puxou os cabelos da mulher com uma mão, enquanto acariciava seu seio com a outra. A garota começou a arranhar as costas do homem e a gemer baixinho, o que o deixou ainda mais excitado. Adorava quando ela gemia e o arranhava. Beth desceu as mãos para o pênis do homem por cima da cueca e adorou senti-lo grande e duro. A mesma o empurrou e o fez cair deitado na cama, o que fez o homem dar um sorrisinho satisfeito. O casal dificilmente ficava mais de dois dias sem transar, mas nessa última corrida, as coisas foram um pouco complicadas e eles tiveram que se controlar. Estavam a um tempo sem se tocarem direito, pelo perigo constante que corriam e Daryl estava louco de vontade de ter sua mulher em seus braços.

Beth subiu em cima do homem e começou a beijá-lo, depois o pescoço e foi descendo pelo corpo, até tirar sua cueca. A mulher começou a massageá-lo e depois a chupá-lo lentamente, torturando um pouco o marido. Daryl deu um gemido frustrado. Ele queria mais. Beth então, começou a chupar mais intensamente, da forma exata que Daryl gostava. O homem estava delirando de prazer e gemendo freneticamente, o que deixa Beth mais entusiasmada. O homem a puxou para cima e a jogou na cama. A mulher sorriu maliciosa. Adorava provocar Daryl.

- Você é terrível garota – disse enquanto começa a beijar o pé dela e ia subindo pelas pernas e depois pelas coxas, mas para a frustração dela, ele não foi direto para sua intimidade. Daryl, subiu para seu pescoço e parou um instante para apreciar os seios de Beth, firmes e jovens. – Adoro seus seios sabia? – Ele os mordeu levemente.

- Eles são seus, querido – ela disse, arqueando os seios para ele, o que fez o homem soltar um grunhido novamente. Então Daryl começou a beijar, lamber e apertar os seios dela. A garota adorava quando ele fazia aquilo. Logo, Daryl desceu sobre o ventre na garota, até chegar em sua vagina. A garota, soltou um gemido, quando o homem começou a lambê-la em eu seu ponto mais sensível e a introduzir a língua dentro dela. Ela começou a apertar os lençóis com as mãos, gemendo sem parar e enlouquecendo Daryl cada vez mais. – Oooh Daryl... – ela gemia.

O homem ficou ali um tempo, mas logo não podia aguentar mais, se ajeitou e penetrou com força, o que fez os dois gemerem loucamente de prazer. Daryl não conseguir diminuir a velocidade, aquilo estava muito bom. Beth entrelaçou as pernas em sua cintura e os dois mantinham seus corpos em um ritmo constante. Daryl entrelaçou os dedos aos de Beth e olhava com os olhos fechados.

- Olha para mim, amor –mas a garota continuava de olhos fechados e gemendo – agora Beth.

A menina abriu os olhos e o homem pode ver, todo o prazer que a garota sentia, em seus olhos.

- Aah querido, não aguento mais.... Eu vou.... aaahn...

- Vem querida – ele continuava os movimentos, ambos já suados – vamos gozar juntos.

Depois de um tempo, o casal chegou ao seu clímax. Eles estavam deitados de lado, Beth de frente para Daryl, entrelaçando as pernas nas dele e com a começa encostada em seu peito.

- Querido? – Ela olhou para cima, para fita-lo, ainda em seus braços. Até, para dormirem, Daryl era extremamente protetor. Sempre a envolvia em seus braços - sim? – Ele ainda estava bem acordado. Estava sempre alerta.

- Eu te amo – ela disse, voltando a fechar os olhos e a se aninhar ainda mais no peito do marido. Ele deu um sorriso de lado e respondeu.

- Eu também te amo, querida. – E lhe deu um beijo na testa. Antes de dormir, o homem olhou a esposa adormecida. Ela era a mulher mais linda que já tinha visto. Pelo menos, essa era opinião dele, e não entendia como ela podia gostar dele, mas se sentia realmente amado pela garota. A verdade era que Beth era sua vida agora. O motivo para ele querer lutar e viver a cada dia.

Assim que o dia amanheceu, o casal saiu do motel e encontrou um bando de walkers ao redor do carro. Eles tiveram que lutar contra eles, com suas facas e armas, mas dessa vez foi um pouco mais complicado. A quantidade era bem maior que antes. Então, receberam uma ajuda. Um homem barbudo e de cabelos cumpridos apareceu e os ajudou. Após terminarem com todos, Daryl se colocou na frente da Beth para protege-la daquele homem, seja ele quem fosse.

- Quem é você? E por que nos ajudou? – Ele disse apontando a besta para o homem.

- Meus amigos me chamam de Jesus – o homem sorriu levemente. – Apenas os ajudei, porque não é de meu feitio, deixar as pessoas serem mortas por walkers, se eu tenho condição de ajuda-las.

Eles conversaram um pouco. Daryl acreditou que aquele pudesse ser um bom homem e o convidou para voltarem com eles para Alexandria, mas estava sempre desconfiado e o chamou de lado para que Beth não o ouvisse.

- Se tentar qualquer coisa, principalmente com a Beth, eu te mato, está entendendo? – Ele disse sério.

- Não vou fazer nada. Eu garanto. – O homem disse com firmeza e Daryl sabia que era verdade. Ele sabia reconhecer os bons dos ruins.

- Ótimo.

Os três entraram no carro e Beth, como era curiosa, começou a perguntar a Jesus de onde ele era e afins.  Então o homem disse que tinha uma comunidade ali perto e que procurava por mantimentos, e a ideia de conhecer novos sobreviventes deixou a loira animada. Daryl permaneceu calado e atento.

Logo chegaram aos portões de Alexandria e Daryl buzinou. Eugene, foi correndo abrir o portão e eles entraram com o carro. Beth suspirou aliviada, desceu do carro e foi correndo abraçar Maggie, que já tinha sua barriga aparente pela gravidez. Rick apareceu logo em seguida e questionou quem era o novato. Daryl explicou tudo e Rick intimou Jesus para uma reunião, o líder queria saber mais sobre sua comunidade. Depois disso, Daryl e Beth foram para sua própria casa e o homem a beijou assim que entraram. Era bom estar em segurança e em sua própria casa novamente

 

 

 

 

 

 


Notas Finais


É isso galera. Se gostarem, por favor, comentem e favoritem.
Obrigada a todos que lerem.

Bye, bye.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...