História I love you, Nerd - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO, SHINee
Personagens Baekhyun, Chanyeol, D.O, Jonghyun Kim, Kai, KiBum "Key" Kim, Lu Han, Minho Choi, Personagens Originais, Sehun, Taemin Lee
Tags 2min, Abo, Chanbaek, Jongkey, Menção Kaisoo
Exibições 1.569
Palavras 1.068
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Crossover, Ecchi, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Slash, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Cross-dresser, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 15 - Quinze


( Key x)

Chegamos na casa do JongHyun, ele abriu a porta e mandou eu entrar, a casa estava um silêncio total, nem parece que mora alguém aqui, cadê os pais dele?

— Uhn, JongHyun?

— Sim? — Ele colocou a caixa na mesa da sala.

— Seus pais não estão?

— Não moro com meus pais, doce — ele respondeu simples e saiu da sala — Quer algo?

— Não, obrigada.. quer dizer, obrigado — eu me embolei nas palavras e JongHyun voltou para a sala, rindo.

— Não se preocupe, Kibum... eu não me importo — ele disse apontando para o sofá e eu me sentei, ele se sentou ao meu lado — Se você usa palavras para se descrever no feminino, é normal.

— Você sabe que tem alfas que não gostam, e então...— eu falei enquanto brincava com os meus dedos — Ãn, o que tem na caixa?

— Vou te mostrar, mas antes... — ele passou a mão com delicadeza no meu queixo — Posso te beijar?

— Deve — eu sorri tímido e ele se aproximou de mim.

JongHyun comecou a me beijar e passar a mão sobre meu joelho, aquilo estava muito calmo, muito bom, mas... eu sou Kim Kibum e mesmo sendo um ômega não sou tão delicado assim, empurrei JongHyun para se encostar no sofá e me sentei em seu colo.

— O qu- — Comecei a beijá-lo e acariciar sua nuca, ele colocou as mãos na minha cintura e começou a acariciar, percebi sua vontade de passar a mão na minha bunda, ele descia um pouco as mãos, porém logo botava na minha cintura novamente.

Comecei a rebolar levemente em cima dele, e ele se afastou um pouco, respirou e voltou a me beijar, levei minhas mãos até as suas e as peguei e coloquei na minha bunda, JongHyun se distanciou um pouco dos meus lábios segurando o inferior com os dentes e me olhou, eu gemi baixinho e empurrei minha bunda para suas mãos o dando liberdade para apertar, ele entendeu, apertou e voltou a me beijar.

Estava tudo tão bem e ele passando as mãos ás vezes apertando a minha bunda, quando o meu celular vibrou no meu bolso de trás.

— Meu doce — ele se afastou respirando devagar, eu amo quando "meu doce" é bonito saindo da boca dele. — Tem algo vibrando aqui, ou é seu celular ou o meu pênis tomou vida própria.

Eu comecei a gargalhar e ele tirou as mãos da minha bunda, eu peguei meu celular, era minha mãe.

— Oi, desculpa, desculpa — Falei e JongHyun me olhava agora fazendo carinho na minha coxa — Eu estou com um amigo, eu vou voltar sim mãe, não vou me atrasar, sim senhora, tchau.

— Falei para não me trazer — JongHyun disse fazendo carinho em minha bochecha esquerda e eu fechei os olhos para sentir o toque — Fique parado por um momento.

— anh? — Eu ia abrir os olhos, mas ele começou a passar a ponta dos dedos no meu rosto, ele passou contornando minhas sombrancelhas, depois meus olhos, passou o dedo da ponta do meu nariz me fazendo rir, ele começou a contornar meus lábios e eu beijei seu dedo. — O que foi isso? — eu perguntei abrindo os olhos e vendo JongHyun sorrindo.

— Você tem um rosto lindo — ele disse e eu corei — Sabia que as pessoas cegas usam os dedos para sentir? — ele perguntou e eu assenti — Então, eles sabem se a pessoa é boa ou bonita tocando o seu rosto, eles conseguem ver com as mãos, só no tocar, dizem que eles sabem ler sua alma apenas tocando seu rosto.

Eu fico impressionado com o jeito do JongHyun falar.

— Eu preciso ir, mas antes me diga o que tem na caixa — eu disse saindo do seu colo e ele se ajeitou.

— São fotos e coisas antigas dos meus pais — JongHyun disse abrindo a caixa — Eles mandaram pelo KyungSoo.

— Você mora sozinho mesmo?

— Sim, e não foi por escolha — ele suspirou e eu me conti para não perguntar o motivo. — Ãn, você tem que ir mesmo?

Eu queria gritar um "não", mas minha mãe ia me matar se eu demorasse mais 10 minutos.

— Sim, vem um parente chato pra minha casa — eu disse e JongHyun riu — Mas eu não queria ir — me joguei em cima das pernas dele — Me ajudaaaaaaa!

JongHyun gargalhou e apertou minha bochecha, eu ri e me levantei, ele veio comigo até a porta.

— Até amanhã, doce — ele disse e eu suspirei.

— JongHyun? — ele me olhou e sorriu — Amanhã tudo vai voltar ao normal? — ele fez uma cara confusa — Digo...você na sua e eu lá, você fingindo que eu não existo.

— Não tem como fingir que você não existe — ele disse e me abraçou — Você é o popular alí, quem fingi que você não existe?

— Olha, eu posso te dar um nome e ainda te contar os meus flashbacks de memória — ele riu e eu beijei seu pescoço — Sério, vai voltar ao normal?

— Eu não acho ficar uma palavra bonita, você acha? — ele perguntou e eu queria bater nele por mudar de assunto. — Então, não vamos ficar.

QUÊ? TA DE ZOA?

— Como é qu-

— Vamos nos conhecer — ele disse e eu engoli todos os xingamentos a mãe dele que eu ia falar — Bom pra você?

— S-sim — eu mordi o lábio sorrindo — Vou poder te beijar?

— Vou pensar no teu caso.

— Odeio você — ele abriu a porta para que eu saísse.

— Você já disse isso, e ainda me chamou de gostoso mais cedo — ele disse rindo e eu bufei virando de costas e saindo, mas sinto ele puxar meu braço e encostar seu corpo no meu — Lindo — ele me beijou, sua língua explorando minha boca e suas mãos fazendo carinho na minha cintura.

Ele se afastou sorrindo e eu suspirei.

— Ainda te odeio, seu nerd chato — eu fui até o carro escutando a risada de JongHyun atrás de mim.

Não vou dormir hoje, vai que isso tudo pode acabar amanhã e eu perceber que foi apenas fruto da minha imaginação.


Notas Finais


Vou já postar o 16.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...