História I Need U...TaeHyung? - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga
Tags Bts, Drama, Jikook, Namjin Yaoi, Romance, Vhope
Exibições 181
Palavras 2.753
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Romance e Novela, Shonen-Ai, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Hellooooooooooooooooo
gente estou aqui novamente ;D esse horario de verao ta bugando minha cabeça
enfim
trago-lhes mais um capitulo -u- espero que gostem

Capítulo 15 - É uma montanha russa de emoções


Fanfic / Fanfiction I Need U...TaeHyung? - Capítulo 15 - É uma montanha russa de emoções

POV Min Yoongi

Bati na porta de leve e entrei, vendo Sulli deitada sobre sua cama. Assim que tirou seus olhos do livro, pareceu surpresa ao me ver.

-Yoongi!-Disse ela, pondo o livro embaixo do travesseiro.

-Como está?-Falei me aproximando, e tirando as mãos das costas, revelando um pequeno buque de margaridas. Eram as preferidas dela.

-Obrigada-Agradeceu, pegando as flores de minhas mãos. Sentei próximo a ela e beijei seus lábios.

-Como está se sentindo?

-Ainda dói e ainda sangro mas, estou bem.

-E mentalmente?

-Estou bem. Vai passar. E você?

-Estou melhor. Mas não vamos falar disso agora, vamos só curtir nosso momentos juntos. Vamos conversar.

-Sobre o quê?-Perguntou ela, pensativa.

-Sobre os fones que você me deu. Eles são incríveis.

-Ah! Hoseok te entregou! Ainda bem que gostou.

-Eu vou usar aquilo no meu enterro. E não me empeça.

-Vou morrer antes mesmo. -Disse, brincalhona, mas eu pus o dedo em frente aos seus lábios.

-Não diga isso, vamos mudar de assunto.

Ela assentiu.

-Então, Hoseok está melhor em relação a TaeHyung?

-Sim, ele recebeu uma foto e uma mensagem de Tae ontem mesmo. Estava todo empolgado.

-É aquela foto do Insta?

-Uhum.

-Que bom. -Ela riu e olhou novamente para as flores, depois desviando os olhos até mim. Ela conseguia me deixar louco apenas com aquele olhar doce.

-Espera que  se recupere logo, porque tenho uma surpresa. -Falei, rindo maliciosamente. Mas não era para pensar besteira.

-Que surpresa?-Perguntou, desconfiada.

Pus a mão no bolso da jaqueta e de lá, tirei um envelope, a entregando. Ela franziu o cenho e o abriu, pegando dois ingressos do mesmo.

-Isso é para o show do BigBang?!

Concordei enquanto ria da cara que ela fizera. 

-Surpresa!

-Tem dois ingressos... Estou louca para levar o Hoseok!

-O Hoseok?-Perguntei, com minha melhor poker face.

-É brincadeira Yoongi!-Ela me abraçou e eu revirei os olhos, sorrindo.

-De nada e, até lá você vai estar recuperada, não se preocupe.

-Isso é tão bom! Não vejo a hora de ver o G-Dragon dançando.

-Hey! Eu posso dançar para você, melhor que ele. -Falei me levantando, tentando fazer algum passo. Ela começou a rir, e então eu levantei a blusa de leve enquando dançava de modo "seduzente" .

-Seu abs é o melhor. -Mordeu o lábio de modo provocativo.

-Não é?-Perguntei bobo, mas logo desativei  meu modo Hoseok e sentei ao lado dela novamente.

-Enfim, vai ser divertido. Mas agora eu só consigo pensar numa coisa.

-Meu abs?

-Comida!

-Ah, imaginei. Por isso mesmo que eu trouxe uma coisa, espera eu buscar.

-Okay.

Fui para fora do quarto e sorri para a mãe dela, que tinha me convidado para ir ali.

  Fui até minha mochila e a abri, tirando de lá uma caixa de chocolates. Voltei para o quarto em seguida e pude ver as pupilas de Sulli dilatarem.

-Não acredito que você comprou esses chocolates!-Ela ergueu as mãos, tentando pegá-lo. Eu o pus para cima.

-Você só vai comer depois que me der um beijo.

Inclinei meu pescoço até ela e a mesma me deu um selinho rápido.

-Agora me dá o chocolate.

-Mas só esse beijo?-ela revirou os olhos-É brincadeira.

Entreguei a caixa, que foi tirada de um modo um tanto bruto de minhas mãos. 
  Ela pegou o primeiro e o mordeu, como se fosse a melhor coisa do mundo.

-Hey, só faça essa cara quando eu estiver perto. Entendeu?

-Entendi.-Falou de boca cheia.

Peguei um chocolate e o experimente. Era bom, mas nada extraordinário como ela dizia ser.
    Ela enfiou dois na boca de uma vez só, e parecia que estava tendo um orgasmo ou algo do tipo. Balancei a cabeça esquecendo aqueles pensamentos impuros...

-Então, como andam suas notas? Estão boas?-Perguntei.

-Estão, e as suas?

Neguei.

-Ah Yoongi, nao vai reprovar de novo.-Disse, chateada.

-Eu nao vou reprovar! Eu juro.

-Okay.-Falou, enfiando mais um chocolate na boca.

-Eu estou pensando em convidar os velhos amigos para dormirem lá em casa. Mas vou esperar as coisas se ajeitarem e então, assim, acho que vai ser divertido.

-Eu pagaria para ver o que vocês fazem quando estão juntos. Deve ser engraçado.

-É, até que é.-Falei, lembrando de alguns momentos inesquecíveis e, bem loucos. Saudades de ser adolescente. Porque na real, às vezes parece que minha vida é de adulto. É tão estranho, é tão diferente. E quando você pensa que isso é muito legal, na verdade você até se emociona com acontecimentos nostálgicos de sua infância ou adolescência. Sei que tenho dezoito anos, ainda sou meio adolescente, mas logo tenho de abandonar essa vida, e me sinto triste por isso. Crescer dá medo.

-Mas espero mesmo que se divirtam. Só tente não marcar no dia do show, né.

-Claro que não, amor. Não sou tão burro. -Falei, apertando seu nariz. Ela riu e tirou minha mão dali, a segurando e analisando.

-Acho sua mão tão bonita. É mais que a minha.

-Você sempre diz isso.

-E vou continuar falando.

Aproximei nossos rostos e beijei seus lábios carnudos, afagando seus cabelos, segurando seu rosto. Me separei dela.

-Vire-se, quero fazer algo.

Com cuidado -pois parecia sentir dor com movimentos pequenos- ela ficou de costas para mim. Abri a gaveta do criado mudo branco e de lá tirei uma escova. Segurei seus cabelos em mãos e comecei a escovar, de baixo para cima, assim como minha mãe fazia.

-Isso é bom. -Disse ela, pude notar seus ombros relaxarem.

-Seu cabelo é bonito e cheiroso.

-Isso porque eu lavei.

-Continua sendo bonito e cheiroso. -Elogiei, passando calmamente a escova por seus fios, observando-os, até que isso me relaxava também.

-Agora Yoongi, eu vou te contar uma história. Te dou três opções: Branca de neve, Chapeuzinho vermelho ou A Bela e a Fera.

-A Bela e a Fera.-Escolhi, sem hesitar.

-Por que?

-Porque se parece com a nossa história. A garota perfeita se apaixona pelo homem estranho. Se falar que sou bonito vai estar mentindo.

-Ya! Cale-se, Yoongi. Qual o problema se para mim você é muito bonito? Pois eu já disse que te acho muito, muito, muito bonito. E não me venha com essa de exageiro. Agora, deixe-me contar a história.

Ri de canto, e agora comecei a escovar mais a parte de cima de seus cabelos.

-Tudo bem, conte nos mínimos detalhes. Sei que você gosta de contar.

-Já que insiste. Era uma vez....

......................................

Estava quase chegando em casa, o pai de Sulli me contava algumas coisas do cotidiano enquanto dirigia. Eu também dizia algumas coisas, na maioria das vezes concordando com o que ele dizia pois, temos que conquistar o sogrão, não é mesmo?
  Brincadeira, eu nem precisava conquistar pois ele gostava bastante de mim, era notável. E eu também gostava bastante dele. Era quase como um pai.

  Ele me deixou na porta de casa, e eu agradeci ele, como sempre. Passei pelo quintal com um sorriso atravesaando o rosto, pois realmente havia sido um ótimo dia.
    Abri a porta de minha casa, minha mãe falava ao telefone enquanto estava sentada no sofá. Sua cara estava esquisita.
   Sentei ao seu lado e observei, tentando entender o que acontecia.

-Mas têm certeza? Que horror... Amanhã mesmo? Acho que poderemos comparecer. E como está o Tae?... Ah, entendi. Bem, obrigada por tudo... Sim, sim, é realmente lamentável. Uhum... Pode deixar,  obrigada. -Ela desligou o celular e me olhou com aquele olhar triste.

-O que foi?-Perguntei, já com medo da resposta.

-O pai de TaeHyung ligou. Sua tia se matou esta manhã.

-O quê?!-Perguntei, levantando do sofá.

-Eu também não estou acreditando.

-E como TaeHyung vai ficar? Ele já sabe disso?

-Ele a encontrou no guarda-roupa, enforcada.

-Meu Deus... Então temos que trazê-lo pra cá!

-Eu sei Yoongi, calma. O enterro será amanhã, acho que seria bom nós comparecermos.

-Nós nem éramos tão próxima dela! O papai era, mas nós não! Vamos lá buscar o Tae, ele não pode viver com o pai dele. -Gritei frustrado, só imaginando se não teriam mais problemas por vir, porque eu não sei em que onda de azar eu havia me metido.

-Mas Tae está no hospital, ele teve um desmaio depois que encontrou sua mãe... Daquele modo.

-Que merda... Viu mãe? A vida é injusta... E malvada.

-Desde sempre.

-Vamos buscar Tae, são nove horas se irmos de carro. Diga para ele ficar no hospital que, amanhã mesmo podemos buscar ele. Eu falto aula, e você pode tirar um dia de folga também. Só vamos acabar logo com todo esse drama, mãe, porque ninguém aguenta mais.

Ela mexeu a cabeça positivamente.

-Tudo bem, tudo bem. Amanhã fazemos isso. Você pode ligar para o hospital onde está TaeHyung? Peça para eles avisarem Tae que vamos buscar ele lá, amanhã.

-Tudo bem, você tem o número?-Perguntei.

-Sim. É o mesmo hospital que ela frequentava antes de... Morrer-ela disse aquelas palavras com receio, e depois pegou o próprio celular e procurou por algo, logo me entregando o aparelho-Esse é o número, ligue do telefone fixo.

Peguei o celular e caminhei até o armário onde estava o telefone, logo digitando os números.

Esperei e esperei, mas por que ninguém atendia a porra do telefone? Era feito pra isso, não?

-Alô, hospi...

-Até que enfim! Bem, eu queria perguntar se o paciente Kim TaeHyung está sendo atendido aí. Mais cedo ele desmaiou e creio que ainda esteja em uma de suas salas.

-Espere um momento que vou olhar aqui nos papéis. Qual o nome dele mesmo?

-Kim TaeHyung.

Um silêncio se fez, e eu só conseguia ouvir conversas paralelas no fundo.

-Okay, encontrei o nome dele aqui, ele está nesse hospital.

-Olha, eu sou o primo dele, depois você poderia avisar que eu vou buscá-lo amanhã, junto de minha mãe?

-Hum, tudo bem. Mais tarde o avisarei.

-Obrigado. -Desliguei o telefone e encarei o chão por um momento. Aqueles momentos em que você parece pensar em nada mas, na verdade está pensando em muitas coisas.

Sei lá.

            POV Kim TaeHyung

Tentava dormir, mas não conseguia. Eu não gostava de ficar em hospitais, era entediante e solitário. A única vez que me senti bem mesmo, foi quando desmaiei e Hoseok estava lá comigo. Hoseok me animou aquele dia.

O enterro de minha mãe seria no dia seguinte, mas eu realmente não queria comparecer. Só queria esquecer essa vida com essa família, e ser feliz com minha tia e com Yoongi. Queria apenas ir para bem longe.
  A imagem dela naquele estado aparecia em minha cabeça, e eu tentava pensar em qualquer outra coisa para esquecer. Era horrível, me dava náuseas.

-TaeHyung?-Uma enfermeira entrou no local, e eu sentei na cama, expulsando esses pensamentos.

-Sim?

-Seu primo ligou. Ele disse que amanhã mesmo buscaria você.

-Sério?

-Sim. Ham, precisa de mais alguma coisa?

-Não obrigado.

Ela sorriu e saiu do quarto, me deixando sozinho novamente.

E eu nem podia acreditar. Nem podia acreditar que finalmente isso tudo passaria, e que eu finalmente iria embora. Finalmente viveria no lugar em que, eu deveria ter nascido.

Se Seok me perdoou, eu sei que ele viria junto. E só de pensar que o veria novamente, meu coração acelerava bastante.
  Mas se ele não me perdoou, eu não o culparia. Eu entenderia, por mais triste que fosse. Por isso, tentaria ser mais realista possível, pois não queria mais decepções do que já tinha.

Agora eu precisava tentar dormir, coisa difícil já que a ansiedade fala mais alto. 

                              POV Min Yoongi

Depois de ligar para o hosital, e tomar um gole de cola-cola gelada, peguei meu celular e liguei para Hoseok. Ele antedeu tão rápido que até me fez lembrar o porque de sermos amigos. 

-Alô?-Perguntou, seu tom de voz normal e animado. 

-Hey Hobi, eu tenho boas e más notícias. Qual você quer ouvir primeiro?

-Mais notícias ruins? Aish. Bem, de qualquer modo, diga as notícias ruins. 

-A mãe de TaeHyung se matou, e ele encontrou o corpo dela enforcado no armário. 

-Ham?! Como assim? Como você me liga do nada para me falar algo desse tipo?!

-Você quem pediu a notícia ruim primeiro. 

Ele suspirou do outro lado da linha, e ficou um tempo sem dizer nada. 

-Okay, mas como ele está?

-Está se recuperando no hospital de um desmaio. 

-Nossa-disse, preocupado, ou algo do tipo-Mas e qual a notícia boa nisso? 

-Vamos buscá-lo amanhã cedo, umas seis horas. São nove horas de viagem, quem sabe até mais. Por isso, queria que você fosse com a gente. Sei que isso ajudaria bastante ele, porque você já deve imaginar como ele está se sentindo...

-Claro! Claro, eu vou. Seis horas eu estarei aí, Yoongi. Por favor me espere. Nossa, estou me sentindo tão mal por ele...

-Eu também.

-E você, como está? Aliás, ela era sua tia. Sinto muito. -Notei pena em sua voz.

-Não era próxima a mim. Só a meu pai.

-Ah, entendi. Bem, te vejo amanhã então. -Disse, parecia triste.

-Sim, até. 

Desliguei o telefone. Por TaeHyung, tenho certeza que Hoseok ficaria três dias inteiros sem dormir. Então, não era de se estranhar que ele havia aceito o convite. Ele devia estar louco para reencontrar o ruivo. 

   Resolvi ligar para Sulli também, pois sempre era bom manter a namorada informada. Não que eu fosse ficar muito tempo fora mas, eu gostava de contar as coisas para ela. 

                                       

                               POV Jung Hoseok

Mal havia conseguido dormir naquela noite, pensando em Tae. Pensando que finalmente o veria, que finalmente ele estaria todos os dias comigo e que, tudo acabaria bem. Sim, é uma pena que a mãe dele tenha se suicidado mas, por outro lado, aposto que foi bom para todos. 

  Nem consigo imaginar o que ele está passando, deve ser péssimo. Queria estar ao lado dele. 

Pedalei rapidamente aquela manhã, e tinha avisado aos meus pais sobre tudo. Eles ficaram mal por Tae, mas concordaram que eu fosse junto. E claro, não esqueceram de dizer para eu ir com Deus, e fazer a viagem com todo o cuidado do mundo. 

  Levava apenas uma mochila, para caso precisasse de mais algumas roupas. Levei também algumas bolachas para caso fossemos comer no carro, assim como uma garrafa de água. 

   Era bom sentir a brisa gelada bater em meus rosto, eu estava mais disposto do que nunca. 

  Depois de chegar a casa de Yoongi, deixei minha bicicleta em sua garagem e esperei que os mesmos entrassem no carro. 

Os professores provavelmente estranhariam a minha falta na escola e a de Suga, mas eu não ligava mais. 

Quando já estávamos viajando, decidi quebrar o silêncio com algumas perguntas. 

-Se a mãe de Tae morreu, ele não teria que ficar com o pai dele?

-O pai dele vive com outra mulher, mesmo que não fosse oficialmente separado da mãe de Tae. E é complicado dele ficar lá, por isso vamos trazê-lo.-Explicou a senhora Min, olhando de vez em quando para o espelho retrovisor. Yoongi estava ao seu lado, no banco carona.

-Mas e a casa deles? Vai ficar para Tae?

-Não, pois a casa está no nome do pai dele, mesmo que ele não viva mais lá. O pai de TaeHyung é rico, e não ligou de deixar a casa com a mulher. Agora que ela morreu, a casa vai ficar com ele. 

-Ah, entendi. 

-Mas vai ser boa a vinda dele para cá, pode ter certeza. 

-Sim senhora, concordo com isso. -Olhei para frente e vi que Yoongi dormia com os fones no ouvido. Pensei que seria bom eu dormir também, assim passaria o tempo mais rápido.

Durante toda a viagem, troquei apenas algumas palavras com Suga e a mãe dele, pois o clima não estava para uma conversa alegre ou muito produtiva. Ele contou que levaria Sulli para o show do BigBang, algo que eu achei super legal.
    Paramos umas quatro vezes até chegar no destino, tanto para abastecer o carro quanto ir ao banheiro e comer.
  
   E quando eu estava em frente ao hospital, umas quatro horas da tarde, todo meu cansaço saiu do corpo. Suga estava ao meu lado, e ele me mandou um sorriso, como se dissesse que estava tudo bem. Talvez ele tivesse notado a minha tensão.

   A mãe dele foi na frente e nós seguimos ela. Falamos com a enfermeira, muito gentil aliás, e ela nos levou até o quarto de Tae.

   Então era isso, estávamos dividos apenas por alguns tijolos que formavam aquela parede branca.
    Divididos apenas por uma porta. E não sei porque aquilo parecia tão especial e emocionante, mas parecia.

Entrei no quarto por último, e olhei para a cama.

-Tae?-Perguntei, com nervosismo. Por que eu tremia tanto?

-Seok?
 

 

 


Notas Finais


Até que enfim, a V MARIA
YAAAAAAAA
HAHAAHAHA
GENTE
ARROZ
FEIJÃO
E BATATA
O QUE FALTA?
BJS PRA VCS


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...