História I Need You (Imagine Kim Taehyung) - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bts
Exibições 39
Palavras 2.301
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Linguagem Imprópria, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Eu sei que tá tarde ;-; mas eu não consegui dormir, fiquei escrevendo até agr, então resolvi postar logo :v
Esse capítulo vai ser meio desanimado...
Boa leitura 💕

Capítulo 8 - Morte


Fanfic / Fanfiction I Need You (Imagine Kim Taehyung) - Capítulo 8 - Morte

(S/N) On~

Cheguei em casa já procurando por Jin. Pensei que ele pudesse estar sabendo de alguma coisa acerca da mãe de Tae, então foi a primeira coisa que eu fiz. Ele não estava em lugar nenhum. Liguei no celular dele mas ele não atendia. Só me restava esperá-lo. Sentei no sofá e comecei a roer as unhas de nervoso. (O que pode ter acontecido? Será que foi grave? Será que ele está bem?) Só essas coisas passavam pela minha mente naqueles momento. Eu não aguentava mais esperar. Jin finalmente chegou, e se assustou com a minha expressão. Ele me perguntou o que havia acontecido e porque eu estava daquele jeito, então eu expliquei que aquela mulher havia entrado na sala falando sobre a mãe de Tae e que ele havia saído correndo sem falar comigo direito.

- A mãe dele tem algum problema grave de saúde? - perguntei. Jin encolheu os ombros e se sentou ao meu lado no sofá.

- Não sei exatamente. - ele disse.- A mãe dele parece ter alguns problemas de depressão ou algo assim. Ah, é que o Tae não me explicou muito bem, então eu não sei direito.

- Hm, sei. - revirei os olhos. Estava mais do que óbvio que ele sabia de mais alguma coisa. Como eu já falei, eu o conheço muito bem. Sei quando ele está escondendo algo de mim, e era o que ele estava fazendo naquele momento. - Pode falar, Jin.

- Heh? Falar o que? - olhei bem para a cara dele. - (S/N), eu não sei do que você tá fala-

- Ah, você sabe sim. Sabe muito bem do que eu tô falando. E eu quero sua resposta. O que tá acontecendo?

- (S/N)...

- Tae é meu amigo, eu tenho o direito de saber o que tá acontecendo com ele, eu me preocupo, poxa! Tenta me entender.

- Você também deveria tentar me entender. E tentar entender ele também. Se ele não te contou nada é por que ele não quer te ver preocupada.

- Mas ele só tá me deixando mais preocupada ainda me escondendo as coisas desse jeito!

- Você tem que saber tudo por meio dele, não por mim. (S/N), tenta parar de querer se intrometer tanto. Um dia você vai saber, é só esperar.

- Mas eu não quero esperar, Jin!

- Eu não vou mais discutir com você. - Ele simplesmente levantou e me deixou sozinha na sala, ainda cheia de dúvidas passando pela cabeça.

Andei cambaleando, e logo percebi algumas coisas de Tae em cima do outro sofá. Algumas roupas, entre elas a que ele usava com mais frequência, a velha blusa com capuz. Peguei aquela blusa e a observei. Ao senti-la, pude perceber porque ele a usava tanto. Tinha um tecido muito fofinho e quente, eu queria roubar aquela blusa para mim, mas do jeito que eu sou pequena ela iria parecer um vestido em mim. Abracei a blusa e deitei no sofá. Levei a blusa até meu rosto, pude sentir um doce cheiro, o cheiro de Taehyung. A única vez que eu havia sentido aquele cheiro havia sido no porão, quando nos beijamos e ele estava tão próximo. Aquele cheiro ficou na minha mente. Fiquei deitada ali, e nem percebi quando adormeci.

***

Quando eu acordei, minha cabeça estava encostada na perna da minha mãe. Eu não via ela desde quando ela havia saído. Ela estava mexendo nos meus cabelos. Então eu percebi que a blusa de Tae não entrava mais nas minhas mãos. Levantei e procurei por ela, mas tanto ela como as outras coisas de Tae haviam sumido. Olhei para minha mãe, que estava com uma expressão entristecida. Ela me abraçou e fez carinho na minhas costas. Ela me disse que Tae havia passado aqui para pegar suas coisas, mas ele não quis me acordar. Então minha mãe me deu uma notícia que Tae havia lhe dado para me dar o recado em seguida.

- Filha... A mãe do seu amigo... Ela acabou de falecer. - Meu joelhos começaram a tremer, e minhas mãos a suar. Eu acabei tropeçando e caindo no chão depois que levantei do sofá com o choque. Era isso...? A mãe dele estava morta...? Nesse tempo todo... Tudo tinha a ver com a mãe dele? - Filha, você está bem?- disse minha mãe, se agachando ao meu lado.

- Omma... Como foi isso? - Perguntei, tentando me levantar.

- Eu não sei. Ele não me contou em detalhes. Só pediu para te contar para você não ficar tão preocupada com ele. - sentei no sofá e levei as mãos ao rosto. Eu encarava o chão, e só pensava em como ele deveria estar naquele exato momento pela morte da mãe. Eu fiquei me imaginando no lugar dele. Se eu perdesse a minha mãe... Eu não iria aguentar. Não sei se eu conseguiria seguir com a minha vida normalmente. Provavelmente não. Minha mãe é a pessoa mais importante da minha vida. - O velório é amanhã bem cedo.

- Posso ir? Preciso vê-lo.

- Pode, claro. Vou pedir pro seu pai te levar te carro.

- Obrigada. Acha que devo contar pro Jimin e pro Jungkook?

- Não sei... Mas acho que talvez você possa contar.

- Vou falar com eles então.

Eu estava me sentindo muito mal. Não sabia exatamente o motivo. Subi tropeçante até o meu quarto e peguei meu celular. Mandei uma mensagem para Kook dizendo "Biscoito, preciso falar com você... É sobre o Tae. Quando puder me liga...". Esperei por alguns minutos, deitada em cima da minha cama bagunçada. Fiquei encarando o teto como se estivesse procurando o o que dizer ao Tae no enterro no dia seguinte, então ouvi meu celular vibrando, era Kook me ligando como eu havia pedido.

- (S/N)? O que foi? - Ele perguntou.

- Kookie... Não conta isso pra ninguém,mas... - comecei. - A mãe do Tae acabou de morrer.

- O quê?! Como assim? Quando? Onde?

- Não sei... Mas parece que o velório vai ser amanhã. Quer ir comigo?

- Quero sim... Meu Deus ele deve estar muito mal... Preciso falar com ele.

- Sim. Me passa o endereço da sua casa, vou com o meu pai de carro, a gente te dá uma carona.

- Ok. - Ele me passou o seu endereço, e anotei em uma agenda que eu tinha. - Você já falou para o Jimin?

- Não... acha que eu devo contar?

- Acho que pode contar. O Tae vai precisar do apoio dos amigos agora.

No final, Jungkook, Jimin e eu combinamos ir juntos. Eu iria passar na casa de Jimin primeiro por ser mais perto da minha casa, então eu passaria na casa de Jungkook e iríamos ao lugar. Quando dei a notícia a Jin, ele também ficou chocado. Eu achava que ele sabia disso, mas pela sua expressão ele não estava ciente.

***

No dia seguinte, levantei e tomei um banho quente. Coloquei um vestido e uma bota curta pretos, peguei me celular e desci as escadas. Meu pai já estava na sala, segurando as chaves do carro e olhando para o seu relógio, me esperando. Fui até ele e saímos. Jin não iria poder ir por causa do trabalho. Pegamos Jimin na casa dele, depois Jungkook e finalmente chegamos no local. Havia uma pequena fila de pessoas ao redor do corpo. Entre eles... Taehyung.

Ele estava curvado em cima do caixão,olhando fixamente para o rosto sem vida de sua mãe. Ele não chorava apesar de tudo. Ele observava o corpo com uma expressão suave, e ele passava as mãos pelas flores ao redor. No início ele não havia nos notado, mas olhou para o lado, e ele então desabou. As lágrimas começaram a descer pelo seu rosto. Eu fui até ele. Seus olhos capturavam cada movimento dos meus pés. Eu passei meus braços ao redor de seus ombros, e fiquei na ponta dos pés. O garoto começou a soluçar, cobriu os olhos com as mãos, e encostou a cabeça no meu ombro. Passei meus dedos pelos seus cabelos gentilmente. Pouco tempo depois, Jungkook e Jimin se juntaram ao abraço. Ficamos ali por um bom tempo, até Tae se acalmar. Soltando o garoto, sentamos em um banco que estava por ali. Conversamos um pouco com ele. Ele disse que a mãe cometeu suicídio. Pulou de um prédio. Eu comecei a ficar trêmula. Ele não nos disse o motivo do suicídio dela, vai ver ele nem sabia. Perguntamos por seu pai, e ele de repente se calou. Se recusou a falar qualquer coisa sobre seu pai. Eu achei estranho, mas não insisti. Provavelmente algo difícil estava acontecendo para ele não querer falar. Algo me dizia que isso tinha alguma coisa a ver com o suicídio da mulher. Mas eu resolvi ficar quieta.

***

O enterro foi bem mais tarde. O clima estava nublado e chuvoso, digno de um dia triste como aquele. Tae certamente não conseguia controlar seu choro ao ver sua mãe sendo enterrada. Ele agachou no chão, e observou. Mesmo quando todo mundo já estava indo embora, ele ainda estava ali. Jimin, Kook e eu ficamos lá, olhando para aquele garoto deprimido. Eu ainda não conseguia enfiar na minha cabeça que isso estava acontecendo. Por mais que eu não tenha conhecido a pessoa, ela era a mãe do Tae, alguém que eu já considerava um bom amigo, e eu estava muito triste por ele. Eu agachei ao seu lado e fiz carinho em suas costas, implorando para que ele não chorasse na minha frente, ou eu poderia chorar também. Sinceramente, eu estava me segurando. Ver aquele garoto chorar virou um dos meus pontos fracos. Mas quem disse que ele conseguia parar? Mais e mais lágrimas saiam daqueles belos olhos. Eu o abracei, e ele cobriu o rosto para que eu não o visse. Vendo ele daquele estado realmente mexeu comigo. Eu acabei chorando um pouco também. Jimin estranhou bastante. Eu não costumava chorar, mas eu lá estava. Eu não sei o que deu em mim, mas ver Tae naquele estado retamente me machucou. Eu não sabia o que dizer para confortar ele, de modo que ficamos ali chorando juntos até nos acalmarmos. Tae me abraçou com força, um tanto desesperado. Ele me apertou tanto que cheguei a sentir falta de ar, mas deixei que ele me abraçasse. Se nossos papéis estivessem invertidos, tudo o que eu iria querer era um abraço... Eu sei que mesmo um simples abraço pode curar muitas feridas.

- (S/N)... - Tae sussurrou em meu ouvido antes de estarmos no carro. Meu pai iria deixá-lo em casa. Ele no começo não quis, mas insistimos tanto que ele cedeu. - Obrigado.

- Pelo que? - perguntei, incrédula.

- Por ter vindo... Esse está sendo um momento tão difícil pra mim mas um simples abraço se me fez melhorar... - ouvimos o barulho da buzina do carro do meu pai. Ele estava nos chamando para irmos embora. - Posso fazer uma coisa...?

- O que? - Ele olhou no fundo dos meus olhos, engoliu em seco e respirou fundo. Segurou meu rosto e me deu um pequeno selar nos lábios. Meu coração quase saiu pela boca. Eu queria que aquele momento durasse mais, eu confesso. Mas não era hora para ficar pensando naquilo. - T-tae...

- Desculpa. - Ele murmurou antes de ir em direção ao carro do meu pai.

Eu o segui, entramos no carro e partimos. Nós deixamos Jimin e Jungkook em casa primeiro, já que eles moravam um pouco mais perto do cemitério. Tae e eu ficamos sozinhos no banco de trás. Eu deitei minha cabeça no seu ombro, apertei suas mãos e tentei falar alguma coisa para acalmá-lo. Suas mãos tremiam muito. Sua respiração estava mais acelerada que o normal. Pude ver meu pai de olho em mim pelo espelho na frente. Tae passou seu braço pelos meus ombros e me abraçou. Encostei a cabeça em seu peito, assim pude ouvir as batidas irregulares do seu coração. Ele estava extremamente nervoso. Toda essa história da morte da mãe foi demais pra ele. Tae explicava o caminho para a casa dele pausadamente, e meu pai seguia as instruções. Chegamos em um pequeno conjunto de apartamentos velhos. Tae se soltou de mim, mas antes de sair, ele novamente murmurou um "obrigado" em meu ouvido. Ele agradeceu meu pai e saiu. Observamos ele entrar, a voltamos para casa.

Eu tentei organizar os meus pensamentos. Por mais que eu soubesse que eu não deveria estar pensando naquilo num momento como aquele, a imagem do pequeno beijo passava repetidas vezes na minha cabeça. Eu simplesmente fechei os olhos e tentei descansar um pouco. Conhecendo Tae, provavelmente ele iria ficar um bom tempo sem ir à escola. Além disso, ele estava sem seu celular. Eu estava ficando aflita pelo fato de que eu iria novamente ficar um tempo sem vê-lo. Eu poderia visitá-lo, mas seria meio chato chegar lá sem avisar, e eu não sabia os tipos de problemas que Tae poderia ter com seu pai ou outro familiar.

Entrando em meu quarto, eu me joguei na cama e fiquei pensando sobre aqueles últimos dias. A vida de Taehyung deveria estar de cabeça para baixo. Fechei os olhos e tentei dormir, com a mesma roupa que eu tinha usado para ir ao enterro. Eu não estava com muita coragem de me despir e colocar um pijama. Antes que eu pudesse dormir, recebi uma mensagem, era Jimin. 

"Oi, (S/N). Você tá bem?"

"Oi, Jimin", respondi. "Tô bem sim, e vc?"

"Tem certeza?"

"Na verdade não muito."

"Eu acho que eu não te vejo chorando desde a primeira série."

"É que... Quando eu vi o Tae daquele jeito... sla, deu vontade de chorar e... Não sei explicar"

"Sei. Eu sei que vc tá sofrendo por ele, todos nós estamos, mas eu realmente fiquei surpreso"

"Eu percebi isso"

"(S/N), me fala a verdade"

"Do que?"

"VC tá gostando do Tae?"






Notas Finais


É isso aí meus amores❤
Obrigada por lerem 💕


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...