História I Promise - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, D.O, Kai, Sehun
Tags Chanbaek, Flufly, Kaisoo, Kids, Sekai, Sekaisoo, Sesoo, Yaoi
Exibições 66
Palavras 4.186
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


OLAAAAAAAA
Nao tenho muita cisa a dizer. Desculpa vale a essa altura o campeonato? dois fucking meses...
peço desculpas.
Terminou meus trabalhos. Segunda eu tenho só mais uma prova e acaba as aula, tentarei nao demorar com o próximo ok? Acho que dois meses eu nao demoro mais.
Eu postei uma jikook, caso alguem esteja interessado, link nas notas finais.
Boa leitura <3

Capítulo 8 - I'm Here For You


Fanfic / Fanfiction I Promise - Capítulo 8 - I'm Here For You

||I’m Here For You

 

 Chanyeol acordou assustado. Levantou com tudo do colchão e ofegava a todo momento; o ar lhe faltava. Sentia o suor escorrendo por seu corpo, e o mínimo vento que entrava por sua janela lhe esfriar um pouco. Ainda era madrugada...

 Teve um pesadelo.

 Sonhou com coisas horríveis, que seu amigo tinha partido para sempre. Mas agora, olhando em volta, percebia que tudo não passara de pensamentos ruins.

 Se levantou da cama, tirando o fino lençol que lhe cobria, e foi ao banheiro tomar banho. Estava suado demais para simplesmente trocar de pijama e voltar a dormir ou somente lavar o rosto e deitar. A agua meio morna em contato com sua pele extremamente quente aliviava um pouco. Podia só colocar na agua gelada e ir em frente, mas ele não gostava de agua gelada.

 Estava chegando o grande dia. Demorou mais do que gostaria, pouco mais de 4 anos, mas finalmente estava voltando, voltando para ele, para Baekhyun. A mudança já estava pronta e a casa ia se esvaziando aos poucos.

 Como prometido, seu amigo ia junto a si para a Coréia. Depois de muita conversa, Kyung conseguiu convencer os pais. Quando os Park não precisassem mais ficar no Japão, avisavam a família Do e se mudavam em seguida.

 No começo do ano em que estavam, receberam essa notícia, de que poderiam voltar.

 

~

 

 Estava tudo entediante demais. Já tinha se passado o natal, era quase ano novo, e Chanyeol não tinha nada de interessante para fazer.

 Jogado no sofá – ocupando ele inteiro por ser grande – com o controle na mão, tentando achar algo de interessante passando na TV. Passavam filmes relacionados ao natal, propagandas de produtos não convincentes e notícias que o Park não tinha interesse nenhum em saber.

 Queria estar com seu amigo, seria mais divertido. Porém, aparentemente todo mundo resolveu viajar para cidades próximas ou outros países para visitarem parentes, e ele foi o único quem ficou.

 Pegou mais um pouco do salgadinho que estava em seu colo e resolveu por num desenho qualquer; parecia bem interessante aprender a contar de novo. As músicas extremamente infantis entravam por seu ouvido e faziam seus olhos pesarem. A cada letra do alfabeto ou número que a narradora cantava parecia pesar mais, aquilo estava entediante demais. Foi fechando os olhos e entrando no mundo dos sonhos....

 

 Viu um sorrisinho fofo, com uma boca não muito carnuda. A imagem parecia desfazer o zoom do sorriso aos poucos, evitando focar no rosto e indo para o corpo. A pessoa era pequena, usava uma camiseta sua – que ficava muito grande –, e nada mais que uma boxer por baixo. As coxas com bastante carne e totalmente desprovidas de pelos. As mãos eram delicadas, e os braços estavam aparentemente em sua direção, num pedido mudo de ser carregado no colo.

 Era um garotinho muito fofo, mas quem seria? Chanyeol só precisava olhar o rosto para poder confirmar quem achava que era. Foi mostrada uma pequena parte do nariz, mas então a imagem mudou de foco. Viu a parte de trás de quem quer que fosse, podendo reparar na carne da parte traseira, sentindo-se quente por poucos segundos. Olhou para a cabeça da pessoa que estava de costas para si, reparando nos cabelos castanhos claros levemente bagunçados.

 O menino foi virando a cabeça aos poucos, então o Park viu Baekhyun. Ele estava tão lindo.... Os lábios vermelhinhos e a bochecha numa coloração não muito diferente, por saber que o grandão olhava seu traseiro.

 O mais novo foi correndo na direção do pequeno, estava a poucos metros de distância, esticou o braço para poder encostar no outro, faltavam centímetros para tocá-lo, e...

 

 - CHANYEOL!!! – Foi chamado, se assustando e levantando do sofá rapidamente. Estava levemente suado e haviam lágrimas presas em seus olhos, talvez pelo fato de ter sonhado com o tão querido amigo e saber que não poderia tocá-lo. Secou os olhos com as mãos tremendo um pouquinho, apressado para que ninguém o visse naquele estado. Olhou para o lado e viu que o desenho continuava lá, mas em outra programação; reparou no relógio na cômoda onde ficava a televisão e acabou descobrindo que dormiu por duas longas horas. Não sentia mais os raios de sol ardente em suas costas, denunciando que o tempo havia passado. Arregalou os olhos. No sonho não pareciam ter passado nem 5 minutos.

 - O-Oi mãe, o que foi? – Perguntou coçando os olhos, que estavam meio inchados por conta do sono.

 - Oh! Você estava dormindo? Desculpe Channie.... Mas achei que você amaria saber disso!! – A Senhora Park falou com um sorriso alegre e eufórico no rosto, e ao lado estava seu pai, num estado não muito diferente de sua mãe.

 - E é sobre...? – Chanyeol se levantou do sofá, pegando o pacote de salgadinho que estava comendo anteriormente e qualquer outra bobagem, indo em direção ao lixo.

 - Nós podemos voltar filho! Nós podemos ir pra Coréia! – Quase foi ao chão escutando aquelas palavras. Não esperava que sua mãe fosse tão direta ao conta-lo que poderiam voltar. Sua pressão abaixou e o Park cambaleou um pouco para trás. – Está bem? – Perguntou a mais velha ligeiramente preocupada, mas o maior apenas a ignorou, abrindo um sorriso enorme e indo correndo em direção a mãe, com pacote e tudo, a abraçando. Sentia os olhos marejarem, mas não podia chorar agora.

 - Sério?! – Apertou mais o abraço. – Não é nenhuma pegadinha né?... – Disse meio desconfiado.

 - Claro que não Channie, por que brincaríamos com algo assim? – Chanyeol sorriu mais abertamente, confirmando que finalmente poderia voltar pros braços de quem mais queria. Seus olhos já se encontravam marejados com toda aquela emoção de uma notícia inesperada. Queria ficar mais tempo agradecendo os pais, mas se lembrou de Kyung e foi correndo para seu quarto mexer em seu celular, para avisá-lo o mais rápido possível.

 Channie: KYUNNNGGIIIIEEEE!!

 Channie: KYYYUUUUUUUUNNNGGGGGGIIIIEEEEEE!!!!!

 Channie: ME RESPONDE LOGO DESGRAÇA!!

 PinguinSoo: Oi

 PinguinSoo: Que foi?

 Channie: Nuss, que animação hein.

 PinguinSoo: Eu tava dormindo, você queria o que? Que eu acordasse esbanjando arco-íris e flores?

 Channie: Não seria uma má ideia viu...

 PinguinSoo: Fala logo o que tu quer.

 Channie: É uma novidade. Acho que você não faz tanta questão, sabe... Volta a dormir.

 PinguinSoo: CHANYEOL.

 Channie: Okay Okay, eu falo kkk.

 Channie: JÁ PODEMOS VOLTAR PARA A CORÉIA!!!

 PinguinSoo: É OQ??? Acabei de acordar, conta mais.

 Channie: Interesseiro você hein.... Mas enfim. Omma me explicou que o chefe dela não faz mais tanta questão que ela continue na filial do Japão e que já podemos voltar para a Coréia!! Kyung, eu finalmente vou poder voltar pro Baekhyun.

 PinguinSoo: Ai meu Senhor, já to vendo que vou ficar de vela no meio do cês...

 Channie: Ou não, vai que você arruma uns boys (lua)

 PinguinSoo: É, vou passar o rodo.... No banheiro da minha casa.

 Channie: Aff, entra na brincadeira.

 PinguinSoo: Não sou obrigado. Tenho que ir agora Chan, depois eu falo com você. Vou tentar voltar para aí o mais rápido possível, para conseguirmos arrumar logo a mudança. Tchau.

 Channie: Tchau Kyung <3

 

~

 

 Com umas ultimas enroladas no trabalho, finalmente poderiam ir. Já tinham se passado as férias e o primeiro mês de aula. Seriam transferidos para a nova escola.

 Deu uma olhada em volta e percebeu ter se esquecido do seu bichinho de pelúcia; um que KyungSoo havia lhe dado de aniversário. Sorriu e pegou o pinguim na mão, relembrando de quando o tinha recebido.

 Completava 14 anos quando seu amigo resolveu lhe dar aquilo. “Você vive me chamando de Pinguim, então eu comprei isso para você, para que nunca se esqueça de mim. “, foi isso o que disse para Chanyeol, para que nunca o esquecesse, mas como o Park esqueceria? Foi ele quem lhe ajudou em sua pior fase.

 Indo para a saída do quarto, aproveitou para dar uma olhada em si pelo grande espelho atrás da porta; uma calça jeans meio surrada e rasgada nos joelhos; uma camiseta qualquer, grande, como sempre; o Pinguim fofinho nas mãos, que não correspondia com nada em si. Esperava que Baekhyun não estranhasse tanto seu tamanho... sabia que o amigo já estava acostumado, mas ele havia crescido muito um tempo atrás. Uma das dúvidas que tinha relacionada a Baekhyun, era se o baixinho, havia deixado de ser baixinho. Achava difícil que acontecesse, o Byun sempre foi meio miúdo, mas não duvidava. Reparou um pouco mais acima, em seu rosto. A noite mal dormida por conta do pesadelo, lhe causou olheiras, mas nada que ele ligasse muito; O sorriso estava radiante. Os cabelos, recém pintados de vermelho, fascinavam Chanyeol. Era como um mini sonho pintar seu cabelo, finalmente o tinha feito. Queria recomeçar do zero, começando pela cor dos fios, anteriormente castanhos.

 Parou de focar-se em sua imagem quando ouviu seu nome ser chamado, sendo avisado para ir rápido se não iriam se atrasar.

 Com as malas na mão e um enorme sorriso no rosto, foram ao aeroporto.

 

~

 

 - Kyungie – Chamou Chanyeol meio manhoso, deitado na grama, observando as nuvens e os aviões que passavam pelo céu. KyungSoo estava ao seu lado, observando também.

 - Que foi poste? – Disse distraído.

 - Poste? Nossa, só queria conversar com você, não precisa zoar. Seu Pinguim. – Falou o Park tentando rebater, o que não funcionou com seu semi-bico nos lábios, o chamando de Pinguim.

 - Desculpa Channie. Só fala.

 - Não é nada demais, eu só estava observando o céu. Os aviões que passam por ele. Eu sei que isso não é possível, mas eu fico pensando se ele não pode estar em algum deles. Daria de tudo para poder entrar em um avião e voltar pra Coréia; para poder encontrar meu melhor amigo. – Desabafou, nostálgico.

 - Já se passou quase um ano e meio que você veio para cá, realmente não é possível que o Byun esteja em um deles, mas você pode pensar assim se quiser. Às vezes eu penso que o amor da minha vida pode estar passando num avião encima da minha cabeça, ou num carro do meu lado, ou até das pessoas que eu vou esbarrando nas ruas. É um modo de me deixar distraído e feliz...

 - Nossa Soo, nunca tinha pensado nisso. Mas acredito que o destino não seria tão... previsível em fazer algo assim. Não acho que vá acontecer comigo. – Chanyeol ficou meio admirado com o que Kyung havia lhe dito. Ele tinha apenas 12 anos e já falava coisas bonitas como aquelas.... Enquanto o Park apenas brincava e se divertia.

 - Óbvio que não vai acontecer com você, o amor da sua vida já está te esperando na Coréia. – Deu um sorrisinho meio maldoso, esperando a resposta previsível.

 - Ele está? – Perguntou confuso, não entendendo o que o baixinho queria dizer com aquilo.

 - Lógico. Eu já até sei quem é. Começa com Baek e termina com Hyun. – Riu ligeiramente escandaloso, percebendo que as bochechas do mais velho tinham ficado vermelhas e seus olhos arregalaram por um pequeno período de tempo.

 - Kyung!! Isso não é verdade! Ele é só meu amigo.

 - Chanyeol, amigo não se beija, amigo não se ama como vocês se amam.

 

~

 

 A porta do taxi se abriu e de longe o mais alto já podia avistar seu amigo. Kyung estava vestindo a roupa que o Park havia lhe dado de presente de natal. E por esse motivo, Chanyeol foi correndo na direção do outro, porque ele estava muito fofo.

 - Kyungiie!!! – Chegou no amigo e lhe abraçou fortemente. – Me lembre de te dar presentes assim mais vezes. Você está muito fofo!

 A roupa consistia em uma calça totalmente preta, uma camiseta do Pinguim de Hora de Aventura e uma toca também de Pinguim. Chanyeol tinha ficado fissurado por pinguins, e sabia disso.

 - Me solta seu poste idiota, está me enforcando. – Disse o baixinho, tentando se afastar do mais velho.

 - Você era mais amável quando criança PinguinSoo, nem parece aquele menino que se disponibilizou a me ajudar só por me ver chorar. Acho que se eu começar a chorar agora ou você ri da minha cara ou me manda calar a boca.

 - Rio mesmo, seu trouxa. Agora me solta, não estou de bom humor, acordar cedo é um cu. – Falou emburrado.

 - Olha a boca, filho. – Disse sua mãe o repreendendo.

 - Acordar cedo é um ânus. Feliz agora? – Olhou diretamente para os olhos da mais velha.

 - Isso Kyung, fale palavrões formalmente. – Falou Chanyeol, rindo ao ver seu amigo desafiar sua mãe por conta do mal humor matinal.

 - Tome no meio do seu orifício anal, por obsequio, seu animal com chifres que vive na floresta. – O Park riu mais. Kyung bufou e o ignorou, indo fazer seu check-in.

 O tempo passou mais ou menos rápido. Os amigos e suas famílias fizeram o que era preciso e ficaram esperando a hora do voo, o que não demorou muito já que ficaram conversando e o tempo pareceu passar em segundos.

 No avião, as poltronas eram divididas por duas a cada fileira, o que resultou na família Park em uma das fileiras, a família Do em outra, e os filhos das duas na outra. Chanyeol estava cansado demais para ficar conversando com o amigo a viagem toda, precisava dormir afinal.

 - Kyung, você se importa se eu dormir? Não tive uma noite muito boa... Pesadelos. – Disse após o avião decolar.

 - Claro que não poste, fique à vontade. – Deu um sorriso mínimo, mostrando que estava tudo bem. O mais velho retribuiu o sorriso, fechando os olhos e dormindo em seguida. O sonho que teve parecida mais uma memória do que qualquer outra coisa, mas não se lembrava de ter vivido aquilo. Baekhyun e KyungSoo brigavam por algo inútil, se parecia com uma pelúcia.... No sonho, Chanyeol não conseguia parar de rir, parecia uma criança bobona.

 O mais novo, por outro lado, estava com um sorriso maldoso nos lábios, teve a ideia mais genial de todas. Assustaria Chanyeol. Só de imaginar já dava vontade de rir. O maior parecia tão feliz sonhando com o que estava... iria estragar tudo.

 Chamou as aeromoças, uma a uma, para explicar a brincadeira e não as assustar, para logo em seguida dizer a seus pais saírem do avião antes deles, pois queria acordar Chanyeol com calma e não assustá-lo – o que era uma bela mentira.

 Faltavam menos de 5 minutos para pousarem e o Park continuava dormindo, mesmo com toda a barulheira de gente falando e das explicações necessárias para o pouso.

 O avião ia se esvaziando, até sobrar somente ele e Chanyeol ali. Foi se levantando vagarosamente e fez um joinha para as aeromoças, avisando que ia começar. Respirou fundo e começou a atuação, dando um último sorriso antes de fechar a expressão e se fingir de desesperado.

 - CHANYEOL! CHANYEOL, O AVIAO TA CAINDO!!! AI MEU DEUS, NÓS VAMOS MORRER!!! – Seus olhos estavam arregalados e ele balançada Chanyeol, que acordou e levantou em um pulo, desesperado e gritando. O Park estava preocupado e numa completa agonia ao saber que iria morrer, mas foi só olhar para os lados e ver que não tinha ninguém que a ficha caiu, KyungSoo estava brincando consigo. Olhou raivoso na direção do baixinho, encontrando com o mesmo morrendo de rir, curvando as costas para frente não aguentando rir com a postura correta. Sua barriga começava a doer e as lágrimas do riso continuo já começavam a aparecer em seus olhos. Ao fundo se podia ouvir a risada das aeromoças, que não aguentaram ver aquilo sem rir.

 Chanyeol pegou sua bagagem de mão, ainda raivoso, e saiu do avião, com Kyung indo logo atrás, não conseguindo parar de rir.

 - SatanSoo, seu filho da puta, é hoje que eu te mato. – Disse entredentes, tinha quase morrido do coração e o cretino continuava rindo da desgraça de vê-lo desesperado.

 - Olha a boca, filho. – Falou a Senhora Park, repreendendo o mais novo. E Soo só sabia rir mais, porque agora não era com ele que estavam brigando.

 - Era PinguinSoo há algumas horas atrás, e agora que eu zoei com a sua cara é SatanSoo? Bom saber. Achei que tinha esquecido essa caralha de apelido.

 - Impossível esquecer, você está cada vez mais SatanSoo.

 

~

 

 O dia estava ensolarado. O sol forte, o céu num azul bonito. E nenhuma nuvem no céu. Um mínimo vento soprando na estação do verão, mas o suficiente para soltar algumas folhas das árvores e faze-las voarem livremente pelos lugares.

 Chanyeol via tudo aquilo, observando, algumas vezes, passarinhos pousando na árvore a sua frente, para em seguida voarem novamente, como se só parassem ali para descansar.

 Poderia estar na piscina, como seu amigo mais novo fazia, mas achava bem melhor ficar embaixo do guarda sol, com um copo de suco ao seu lado, sentado em uma cadeira que poderia deitar se ele desejasse, e observando a linda paisagem que se formava ali. Estava feliz, poderia fazer uma das funções dos pássaros e sair cantando por aí.

 De vez em quando olhava para a água cristalina em que seu amigo permanecia, sempre recebendo um olhar esperançoso do mesmo. A verdade é que Chanyeol não estava disposto a entrar naquela água ligeiramente gelada se podia ficar sentado curtindo a vida, sem se molhar.

 “Vem Channie”, “Vamos poste”, “Entra na água seu fresco” e “Sedentário” era o que mais ouvia do baixinho. Mas não seria convencido tão fácil.

 - Chanyeol seu estraga prazeres, agora eu não quero mais nadar, chato. – KyungSoo fez uma espécie de bico nos lábios, olhando para seu amigo. – Pode pelo menos me ajudar a sair da piscina? Você só vai molhar a mão me ajudando.

 - Agora o sedentário não sou mais eu. – Riu sozinho.

 - Mas vai ser se não me ajudar a sair. Vem logo poste! Aqui está frio.

 O Park suspirou bem fundo, tomando coragem para se levantar e ir ajudar o mais novo. Olhou uma última vez para a arvore que pousavam os passarinhos, vendo que agora não tinha mais nada.

 Se levantou devagar, ainda relutando se ia ajudar o mais novo ou continuava sentando confortavelmente na cadeira. No final não teve tanta escolha, seu amigo parecia estar com bastante frio. Batia os dentes e colocava os braços em volta do corpo, tentando transmitir calor. Estava um sol de rachar, e nem mesmo os lábios do amigo estavam roxos, mas Chanyeol se deixou levar, indo para perto da piscina e estendendo o braço ao amigo, que aceitou de bom grado. Antes do mais velho conseguir pensar em ajudar o outro e juntar força para tal coisa, viu um sorrisinho maldoso nos lábios de Kyung, não demorando nem mesmo meio segundo para ser puxado para dentro da água.

 Foi para o fundo da piscina, se desesperando ao não ver mais o céu e sim o azul da agua. Se debatia, tentando alcançar a todo custo a superfície, mas a agua era rasa. Ao fundo, podia se escutar uma risada escandalosa, e Chanyeol foi seguindo essa risada, até a hora em que saiu da água e respirou bem fundo, tossindo como um louco. Quando parou com o mini ataque, pode ver KyungSoo se esgoelando de rir da sua cara.

 - Seu... seu... seu... satansoo. ISSO! SEU SATANSOO!! EU TAVA LÁ DE BOA NA MINHA CADEIRA E VOCE VEM E MAIS UMA COISA DESSA? O QUE VOCE TEM NA CABEÇA? – O Park se exaltou, gritando com raiva e apontando o dedo na cara de Kyung, que só sabia rir, não dando a mínima para a raiva do garoto.

 - V-Você.... – Não conseguia pronunciar direito as palavras, a risada entrava no meio e o atrapalhava. – C-Chanyeol a piscina não tem nem um metro e meio e você já vem se afogando? ISSO PORQUE VOCE É UM GIGANTE!!! Vou sempre te zoar por isso. – Riu novamente. – Ai, minha barriga ta doendo... – Disse secando as lágrimas de riso.

 - Espero que doa mais, e que você morra no inferno, satansoo do caralho, já disse que não gosto de agua gelada. – O maior falou indo em direção a escada, tentando subir e escorregando para dentro da agua de novo. Mais uma seção de risadas começou...

 

~

 

 Depois que chegaram no aeroporto da tão esperada Coréia do Sul, e Chanyeol deixou de ficar emburrado e se alegrou novamente, foram para um táxi. O clima estava ótimo, envolvido com uma expectativa e animação gostosas.

 Kyung estava curioso sobre tudo lá, já que se mudou para o Japão bem pequeno, e o Park ansioso, querendo ir logo para a escola. Mas teria que esperar... A essa hora os horários de aula já teriam se acabado e os alunos estariam saindo, e Chanyeol queria encontrar o baixinho dentro de uma sala de aula, que foi como se viram pela primeira vez.

 Reparou que estava em frente a uma casa muito bonita. Ela era grande...

 De fato, a última casa da família Park havia sido vendida a muito tempo atrás, então tiveram de procurar um novo lugar, com casas lado a lado de preferência, para que as duas famílias pudessem se comunicar sem problema algum.

 Não era quase do lado da casa do Byun, igual foi da última vez, mas continuava perto, a nova casa se localizava na rua de trás. Em menos de 3 minutos e estava lá.

 Tiveram de arrumar as coisas, e foi realmente cansativo, mas no final valeu a pena, sua casa tinha ficado linda.... As paredes eram neutras, um tom acima do branco, quase um creme, fazendo com que a decoração colorida e moderna se destacasse. Em seu quarto, colocou um lindo papel de parede de galáxia em uma das paredes, tendo as outras num tom bem fraco de azul claro. O teto estava repleto de estrelas coláveis, daquelas que brilham no escuro; e com o trabalho duro, o tempo foi passando e a noite foi chegando. Apagou a luz do quarto e pode ver seu teto brilhando. Era tudo tão lindo...

 Olhou para fora da janela e pode perceber o olhar de Kyung sobre si, percebendo que o amigo sorria para ele mostrando o lindo coração que abrigava nos lábios. Estava feliz afinal. Retribuiu o sorriso, mostrando que se sentia da mesma maneira que o menor. Fechou os olhos e respirou bem fundo. Sua vida tinha realmente recomeçado.

 

 

 Não havia ido dormir tarde na noite anterior, mas estava com tanto sono e cansado que acabou perdendo a hora, acordando somente quando Kyungsoo chegou batendo em sua porta totalmente arrumado e de uniforme colocado.

 Virou o flash, estava tudo um corre corre. Pega lanche, pega livro, pega escova de dente, se olha no espelho, desvira a calça que colocou ao contrário, escuta gritaria vindo do quarto da mãe.

 Exatos 10 minutos depois do horário em que deveriam estar saindo, e Chanyeol estava botando o café da manhã goela a baixo e reclamando por ter queimado a língua com o café quente.

 Saiu correndo com Kyungsoo na sua cola, indo à escola. Iriam a pé; ficava à 5 quadras de sua casa, não era necessário um carro, mas agora era muito bem-vindo.

 Chegaram na escola muito ofegantes, percebendo que estava tudo silencioso e vazio demais. Foram para diretoria, pegar o material necessário para poderem estudar lá.

 Tinha acabado de tocar o segundo sinal, indicando que aqueles cinco minutos que se passaram antes do primeiro, os alunos já deveriam estar na sala. Os professores que ficavam atentos ao segundo final... era hora de entrar.

 Foram correndo e acabaram se perdendo, mas não passaram nem segundos e já encontraram o enfermeiro, que os guiou até a sala enquanto sorria estranhamente para os dois. Por sorte, chegaram junto a professora, que Chanyeol não sabia qual era a matéria ainda. Entraram em seguida da professora, e olhando em volta o maior pode ver o olhar surpreso sobre si de certo alguém baixinho. Já achou que estava arrasando. Sorriu na direção do menor, achando que o outro estava com saudades de si o olhando daquele jeito.

 Não podia dizer que não tinha sentido medo todos esses anos do menor ter guardado algum tipo de rancor de si. Achava que reencontrando ele, o baixinho podia ter desistido de si e não ligar mais para o mais novo. E o que mais temia aconteceu.

 A expressão surpresa do Byun sumiu e deu lugar a uma mistura de raiva e sorriso maldoso, malicioso. Nunca tinha visto Baekhyun sorrir assim, e foi um tanto quanto assustador.

 Depois de devidamente apresentados, a professora mandou Kyungsoo e Chanyeol sentarem, mas o baixinho não perdeu a chance de mostrar todo o rancor que havia guardado do maior.

 - E aí Dumbo! Quanto tempo! – Chamou a atenção do Park, o assustando por tê-lo chamado pelo apelido que mais odiava.

 - Você prometeu que nunca mais me chamaria de Dumbo. – Disse com a cabeça levemente abaixada, mas dizendo alto o suficiente para que Baekhyun e o resto da sala escutasse, começando com murmúrios do que podia estar acontecendo ali.

 - E você prometeu que não me abandonaria; me esperaria e cuidaria de mim. Que coisa engraçada. Se você não cumpriu com suas promessas, por que eu cumpriria as minhas? 


Notas Finais


Obrigada por ler!
Espero que tenham gostado. Nao vou me prolongar pq ta ficando tarde.
Mil desculpas gente ;-;
Ate o proximo!!

Link da Jikook:

https://spiritfanfics.com/historia/always-two-sides-7051063

Beijos De Boli <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...