História I really like you - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Rap Monster
Tags Minjoon
Visualizações 176
Palavras 2.133
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Yaoi
Avisos: Cross-dresser, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


nao sei o que dizer, isso surgiu do nada e decidi escrever

espero que gostem

ps:::: acabei por nao revisar

Capítulo 1 - .único.


– Sobe logo, Monie! Eu tenho uma surpresa para te mostrar!!

O garoto de fios tingidos de rosa empurrava o castanho pela escada, fazendo força extra, pois Namjoon não iria ceder tão fácil. Não sem ver Jimin gastar sua energia tentando o puxar pelo braço, mas sem obter progresso.

– Você é um chato, Namjoon! Não vou te mostrar mais nada! – Jimin gritou, bufando e pisando fundo até subir para o seu quarto.

Namjoon riu pela infantilidade e seguiu o menor, ajeitando as alças da mochila nos ombros. O mesmo era o típico nerd que sentava na frente da sala, a carteira quase grudada com a dos professores e mal socializava durante o período escolar, comia sozinho – a não ser por Jimin o acompanhar no intervalo – e tinha os professores como melhores amigos.

Jimin era o contrário; conhecido por cada pessoa que existia naquela escola, socializava com todo mundo, sentava no fundão, mesmo que por vezes não conseguia enxergar o quadro negro e tinha notas medianas.

– Certo, o que você quer me mostrar, Minnie? – Park se arrepiou todo ao ouvir seu apelido sair daqueles lábios num tom grave e baixo.

– Agora não tem mais graça! Eu passei os vinte minutos todinhos que você demorou pra chegar planejando o nosso diálogo e você estragou tudo! – com bochechas infladas e os bracinhos cruzados, o menor elevou a voz. – Você quebra tudo, até mesmo um clima, Nam.

– Aigoo, mas que criança exigente... Ok, vamos fazer assim: eu entro de novo e sigo o roteiro, sim?

– Não.

 

Horas tediosas depois, Jimin que encontrava-se de bruços, as mãozinhas gordinhas sustentando a cabeça e os pézinhos brincando com o ar, bufou alto e observou seu hyung. O mesmo mal olhava seu rosto e tentava explicar inglês para o outro que não prestava atenção, mas mantinha o foco nos lábios grossos e o cabelo castanho claro que atrapalha a visão do maior, mas eram completamente sedosos e cheirosos.

Park fechou os olhos e inspirou o ar contaminado pelo cheiro de creme de amora, o cheiro do Kim. E logo sua mente começou a trabalhar para deixar Jimin... como diz o mesmo, bemmm sad.

Namjoon não olhava Jimin como ele queria e mesmo usando sua blusa listrada de manga longa, uma saia branca, meias 3/4 pretas e o converse high preto, sabendo que o moreno amava o tênis preto; mas Namjoon não deu uma olhadinha sequer.

Olhou rapidamente para o seu bumbum e viu o volume grande na saia. Normalmente aquilo o deixava feliz e até chegava a dar pulinhos, mas se não havia ninguém para o admirar, não o achava atraente.

– Jimin, você nem tá prestando atenção! Vai tirar nota vermelha de novo e não sabe o motivo.

– Aí seu grosso, eu só tava descansando a mente um pouquinho...

– Hm, sei. Então para formar essa frase-

Joonie, como se fala "garoto bebê" em inglês? – piscou os olhos inocentes, interrompendo o raciocínio todo.

– Primeiro: não existe uma tradução certa pra is-

– Namjoon, só responde... – falou revirando os olhos.

– Baby boy. – Nam respondeu e ajeitou o óculos redondo levantando o olhar para o menor.

– Me chamou, daddy? – Jimin perguntou, abrindo um sorriso sapeca e tentando o conter com uma mordida no lábio inferior, podia sentir o gosto metálico e com a pontinha da língua, lambeu o sangue e continuou a olhar o Kim dentro dos olhos.

– J-jimin, v-você sabe o q-que sig-significa essa pa-palavra? – o maior gaguejou feio e sentiu as bochechas esquentarem.

– Sei. Eu li num site, porque eu vi em uma fanfic que tinha um tal de daddy, e ele tinha um baby e eu me identifiquei tanto com ele que procurei e procurei a tarde toda sobre isso! É muito legal!

Namjoon corou dos pés a cabeça e tinha a boca levemente aberta, perguntando-se como Jimin conseguia falar tudo aquilo num tom inocente e não tinha as bochechas rosadas e quentes.

Ninguém no mundo poderia julgar a face bonita de Namjoon, dizer-lhe que não sabia de um coisa como Daddy Kink – algo que ficava no topo de suas pesquisas do redtube – e outras tantas denominações para ter acesso a sua cultura erótica. Aliás, Namjoon sabia sim e manjava daquele assunto mais do que inglês. Era como se ficasse sem assistir ao seus pornôs por um dia sequer, teria saído de sua rotina.

Joon, olha como a minha língua é pequenininha! – Jimin disse com empolgação e botou a língua fofa para fora da boca. O que o Kim não esperava ver era a bolinha rosa claro como se fosse um pequeno pirulito de tuti-frutti atravessando o órgão. – Essa era a minha surpresa para você, Joonie. – fez uma pausa esperando uma resposta, mas apenas levou os olhos até onde as unhas do maior cravavam. O short curto que o mesmo usava o possibilitava de ver os arranhões recém feitos na coxa direita. – Você nem imagina qual foi a minha motivação para colocar esse piercing...

Sabia muito bem que Kim Namjoon tinha taras por piercings.

– Q-Qual foi, Jimin? – a voz saiu tons mais grossos e arrastados.

– Ah, primeiro eu estava entediado... – o rosado soltou num suspiro e sentou sobre as canelas, as coxas dobrando de tamanho e especialmente expostas para os olhos de Namjoon. – Não nos encontramos um dia sequer durante as férias e eu lembrei como você fica sexy com esses shorts. – Jimin apontou o dedo indicador gordinho até o short. – E como marca bem o seu pau. – o Kim não teve tempo de ter uma reação para a palavra que de alguma forma, saiu extremamente sedutor. – E lembrando em pau, fiquei imaginando em como ele é... Se é grosso e mediano, se é fino e grande, a glande rosada, a glande não rosada-

– E-Eu já-já en-entendi.

– E nesses pensamentos maravilhosos, – Jimin ignorou a fala anterior e chegou mais perto do maior, apoiando as mãozinhas geladas na coxa alheia. – me peguei imaginando te chupando e pensei "cara, acho que eu dobraria o prazer do Namjoon se eu tivesse um piercing na língua." – passou a língua pelos próprios lábios deixando o piercing colorido a mostra. O moreno seguia o objeto com os olhos concentrados e se perguntando se aquilo era verdade.

O membro do Kim dava leves pontadas pelos pensamentos, mas tentava o manter controlado. Até perder o controle ao sentir a mão menor brincando com o elástico do seu short creme.

Nam, eu tô louco para usar o meu piercing novo... Deixa, por favorzinho. – o Park fez bico e aproximou o seu nariz pela bochecha do Kim, depositando um selinho no canto da boca do mesmo.

Mal teve tempo de responder e Jimin o beijou, sentou sobre as belas coxas do maior e rodeou seus braços por seu pescoço. Deus, aquele piercing era incrível. Não tanto quanto o beijo e lábios de Jimin, mas estava lhe proporcionando uma ereção gostosa. E havia aquelas belas nádegas redondas e fartas, brincando com o seu membro.

Jimin, enquanto abusava dos lábios desenhados e agora vermelhinhos de Namjoon, rebolava com afinco em seu colo, sentindo a extensão dura e sorrindo durante o beijo. Era grande e grosso como Jimin imaginava. Mal podia esperar para pegá-lo nas mãos.

Namjoon sugou a língua alheia, se deliciando com um gemido baixo de Jimin e a largou, puxando os cabelos rosas entre os dedos e ocupava a outra mão na pele da nágeda direta.

H-Hyung, eu quero tanto t-te chupar. – a voz do menor tremia devido a excitação.

– Me chupa logo, Jimin-ah.

Park quase soltou fogos de artifício pelo quarto, mas apenas sorria largo e enfiava a mão dentro da peça de roupa. Ambos gemeram juntos; Namjoon por sentir a mão pequena quase não conseguindo a fechar por inteira ao segurar seu membro e Jimin orgulhoso de si mesmo por ter praticado garganta profunda apenas para aguentar aquele caralho todo.

A mão se movimentava com dificuldade e isso fez Namjoon tirar o pano que atrapalhava o pequeno a fazer o que tanto queria. Jimin não estava surpreso ao ver que o Kim não usava cueca, aliás, sabia muito bem que quando Namjoon usava aquele short, era para se sentir confortável e livre de qualquer pano apertando seu membro.

Nam empurrou com o pé os materiais todos para o chão e encostou-se na cabeceira da cama de madeira. A visão de Jimin o masturbando, checando se havia espalhado o pré-gozo bem e abaixando o tronco até estar com os lábios próximos à sua glande fez seu coração bater forte e apertar as mãos no colchão. Pequenos gemidos e suspiros saiam de sua boca, que já se encontrava seca.

– Jimin-ah, vai logo, por favor. – se pronunciou ao ver o menor admirando a sua glande e aquilo o deixou com vergonha.

– Shiu, Namjoon-hyung. Eu me preparei todo para esse momento, não me atrapalha.

Para Jimin, o membro de Namjoon era como uma obra, o mais lindo que já havia botado os olhos: grosso, grande para os padrões coreanos, com veias saltadas, melecado de pré-gozo, glande vermelhinha e as bolas brancas e cheinhas. Sem mais delongas, tirou a língua da boca e deixou o piercing tocar a fenda da glande.

– Puta merda! – Joon gemeu, presenteando Jimin com mais pré-gozo.

Jimin usava das duas mãos para estimular o maior, subindo e descendo, girando de um lado para o outro num ritmo calmo e gostoso. A boca abrigou a glande, sugando o que havia ali e sentindo um gostinho bom. O gosto de Kim Namjoon.

O mais velho não aguentou e puxou a cabeça do mais novo para baixo, seu membro sendo engolido até a metade. Aquilo era algo novo para o mesmo, já tinha recebido alguns boquetes, mas como Jimin estava fazendo, não. Ninguém nunca tinha o chupado com tanta vontade como Jimin.

Era algo especial, ele não apenas movimentava a cabeça para cima e para baixo. Jimin sugava o pênis até suas bochechas sentissem o membro raspando por elas, movia a língua junto ao piercing de uma lado para o outro e a cabeça ia para cima, para baixo, para a direita, esquerda.

Namjoon não continha seus gemidos e liberava todos, sejam eles arrastados, altos, baixos, finos ou grossos. Ajudava o ser que o chupava com a mão direita e com a esquerda puxava a fronha do colchão, os dedos brancos pela força usada. Os cabelos castanhos levemente bagunçados, a camisa branca o sufocando e mal ligava para o óculos torto.

Quase acreditou ver estrelas quando sua glande tocou a garganta de Jimin e puxou a cabeça do mesmo para cima, não queria vê-lo se engasgando ou então a hipótese de o machucar. Mas o mais novo tirou a mão de Namjoon de si e desceu os lábios com tudo, abrigando o membro dentro de sua cavidade bocal, literalmente tudo.

– C-Caralho, Minnie.

A sensação de que iria gozar só aumentou quando o Park levou a língua e passeou o piercing por suas bolas, chupando em seguida.

Joonie hyung, você é tão delicioso.

E lá estava aquele jeitinho inocente e a voz carregada de carinho que Namjoon tanto conhecia, só não esperava isso em um momento desses, mas seu membro discordou, pulsando e liberando mais do pré-gozo que Jimin se deliciava, a boca suja pelo líquido doce e amargo. Seus olhos vagaram pelo quarto e pararam na bunda empinada de Park, a saia que se encontrava levantada. Podia até ver algumas pintinhas espalhadas pela pele macia.

– Faz o hyung gozar, bebê.

A frase gemida mais pareceu como uma ordem, a qual Jimin acatou com rapidez. Massageava os testículos ao mesmo tempo que escondia o membro de Namjoon dele mesmo. O barulho da sucção e gemidos preenchia o quarto perfeitamente e tornava tudo mais erótico.

Namjoon se contorceu ao sentir o orgasmo chegando e tudo parou.

Abriu os olhos que nem sequer havia notado que tinha fechado e olhou Jimin. Um grande filho da puta.

Alguns fios rosas estavam colados em sua testa, a boca inchada e vermelha parecia mais apetitosa que o normal, a língua pra fora e as mãos apoiadas nas coxas grossas; Jimin era sua perdição.

– Goza na minha boquinha, oppa.

 

Naquela noite, Namjoon percebeu que Jimin gostava de inventar nomes diversos para lhe chamar atenção e fazer com que a sua sanidade nem saísse do caixão onde foi enterrada.

Naquela noite, Namjoon não havia dormido no colchão no chão ao lado da cama de Jimin, como um amigo que o ajudava em inglês.

Naquela noite, eles não dormiram por terem estudado até de madrugada e Jimin tê-lo convencido de dormir ali com ele.

Naquela noite, Jimin tinha descoberto uma personalidade a mais do Kim, e estava orgulhoso disso e pronto para conhecer mais outras.

Naquela noite, eles dormiram agarrados e Jimin pôde ouvir claramente o som do coração de Namjoon acelerando quando disse que  realmente gostava do mais velho, mas de um jeito intensificado, mais do que amigos, mais do que melhores amigos.


Notas Finais


eu amo minjoon quem nao né?

passando pra dizer q a capa ta simples mesmo, mas é assim que eu gosto :'3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...