História I Remember - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Doctor Who
Personagens 11º Doctor, Clara Oswald, Jenny Flint, Madame Vastra, Strax
Tags 11 Doctor, Clara Oswald, Doctor Who
Exibições 63
Palavras 1.651
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Aventura, Ficção, Ficção Científica, Mistério, Romance e Novela, Sci-Fi, Violência
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


CHEGAMOS A 2 TEMPORADA DE SHOW ME THE STARS!!! UHUUUUU!!!
Sejam bem-vindos todos que forem começar a ler essa fic, sintam-se a vontade para comentar e favoritar!!

Bom, quem não leu a primeira temporada e estiver interessado a ler vou por o link nos comentários.

Chega de papo! hehehe
Espero que gostem, escrevi com carinho! ( Dessa vez a fic vai ser bem mais longa :D)

Capítulo 1 - Desenhos


 

Anos depois...

 

 

 

Me sento em minha cama depois de mais um desenho pendurado, solto o ar dos meus pulmões cansada, não sei quando que isso irá parar, essas lembranças e sonhos que tenho me atormentando a vida toda.

Olho as minhas paredes cheias de desenhos feitos por mim, em todos eles tem um homem com uma gravata borboleta, uma caixa azul, maquinas estranhas, alienígenas e minhas mortes.

Perdi as contas de quantos psiquiatras minha mãe já me levou, nenhum deles resolveu o "problema", ela até desistiu de tentar resolver.

Olho o relógio são 7:15, começo a me arrumar, marquei com minha amiga de tomarmos café juntas. Depois que termino de me arrumar, pego minha bolsa antes de fechar a porta do quarto dou uma olhada nos desenhos, sorrio fechando a porta.

 

 

 

* * *

 

 

 

- Clara você esta atrasada!- Andy reclama quando sento na mesa da loja onde nos marcamos.

- Desculpe, perdi um pouco a hora.- Digo olhando para ela, que apenas levanta os olhos do livro que está lendo, semicerrando os olhos.

- Já pedi o nosso café. Pedi o seu preferido.- Ela diz com um sorriso.

- Obrigada.- Agradeço, olho para a enorme janela do lado da nossa mesa, o dia está tão bonito lá fora.

- Então maluquinha, desenhou mais alguma coisa?- Andy pergunta largando o livro na mesa sem interesse, com sua atenção em mim.

- Sim, parece que isso nunca vai parar!- Me encosto mais confortavelmente na cadeira, sei que ela não vai parar de falar nisso agora.

- E o que você desenhou?- Pergunta curiosa.

- O homem de gravata borboleta com uma sei-la-o-que na mão apontando pra mim, só que seus olhos estavam mais tristes desta vez.

- Uhmm, aquele cara de gravata borboleta é bonitão!- Rio do que ela falou.- Pena que é só um personagem da sua mente louca, a maniaca dos desenhos.

- Cala a boca!- Bato em seu braço e ela ri.

O garçom para de frente a nossa mesa com os nossos pedidos, agradeço a ele dou uns goles em meu café olhando a rua enquanto Andy tagarela mais, não presto atenção no que ela fala, um sentimento de tristeza toma conta de mim, tudo de repente não parece fazer sentido, como se algo estivesse faltando.

- CLARA! CLARA! SUA LOUCA ESTOU FALANDO COM VOCÊ!- Andy fala alto sacudindo meu braço, assim que olho para ela sua expressão muda para preocupada.

- O que aconteceu?- Me pergunta baixo.

Sinto meus olhos se encherem de lágrimas, algumas delas caem teimosamente.

- Não sei, simplesmente nada faz sentido.- Andy franze a testa.

- Para com isso.- Andy diz irritada.

- É isso que todos dizem pra mim, para parar mas não consigo, essas coisas vem do nada e não faço a minima ideia de onde as vi. Toda essa vida sempre pareceu sem sentido pra mim, uma vida normal indo a escola fazendo amigos, crescendo tendo um emprego, construir uma família e depois morrer como um ninguém que jamais viu as estrelas. Tudo sempre parece estar errado, parece que algo sempre está faltando mas nunca sei o que.

- Se o seu problema é ver as estrelas, é só olhar pro céu a noite.- Andy diz sarcástica, respiro fundo não adianta querer que alguém entenda, ninguém nunca irá.

Volto a tomar meu café, Andy ficou em silêncio, olho para a rua novamente olhando para as poucas pessoas que passam andando sem pressa, tudo é tão calmo nessa parte da cidade.

 Enquanto contemplo a paisagem um homem esquisito passa do outro lado da rua, me concentro nele, tão diferente dos outros está usando um chapéu e um sobretudo cor vinho, tem um andar estranho e em seu pescoço tem uma gravata borboleta... 

Meu coração acelera como nunca, meus olhos se imundam de lágrimas quase tapando minha visão, é tão parecido com o cara que eu desenho, e se for ele?

Dou um salto da cadeira, Andy me olha assustada.

- Desculpa é que eu lembrei que esqueci uma coisa em casa, mais tarde a gente se fala.- Digo apressada, ponho o dinheiro da minha parte do café na mesa.

- Ta vai lá, doidinha. Mais tarde eu vou na sua casa pra ver se você não amarrou uma corda no pescoço pensando que é um colar.- Ela diz isso e me da uma piscadela sorrindo.

Reviro os olhos, saio com pressa do estabelecimento assim que  cruzo a porta procuro o homem pelas ruas, não o acho procuro de novo com mais cuidado e consigo ver um sobre tudo entrando em uma esquina, me apresso para não perde-lo de vista, atravesso a rua correndo nem percebo que um carro vinha em minha direção, ouço os seus pneus gritarem no chão, fecho os olhos esperando a colisão. Mas nada acontece, abro os olhos o carro conseguiu parar.

- Olha por onde anda MALUCA! Quer morrer?!!- o motorista esbraveja em cima de mim, já virou rotina me chamarem de louca, maluca, doida que nem considero mais ofensa.

- Me Desculpa!- Grito já voltando a correr, viro a esquina que o homem virou a rua é completamente silenciosa mas não tem nenhum sinal dele, minha respiração está tão acelerada que é ecoada por toda a rua. Olho para os lugares a sua procura, nada. Talvez eu esteja começando a ver coisas.

Me viro para voltar ao café, um barulho tão estranho mas tão familiar chega aos meus ouvidos bem baixinho, me viro novamente para a rua, caminho com pressa seguindo o som, chego até um terreno baldio cheio de árvores e mato, o barulho está vindo daqui, mas não tem absolutamente nada.

Resolvo ver o que tem depois das árvores, passo entre elas com cuidado para não fazer barulho nas folhas secas no chão. Entro mais pela pequena floresta que se criou ali, quando finalmente chego a uma clareira entre as árvores olho para frente, mas me decepciono, não há nada, escuto de novo o mesmo barulho só que desta vez mais forte. Olho envolta nada, o barulho volta e mais alto vindo de cima.

Olho pra cima, mas só tem copas de árvores. Não, eu não posso estar ouvindo coisas.

Pego uma pedra do chão jogando para cima, ela bate em algo metálico sorrio, é real.

Tento pular para alcançar o metal invisível, mas cabo caindo no chão, sou baixinha de mais para alcançar algo tão alto, levanto dou mais impulso e desta vez sinto meus dedos tocarem em algo gelado. "Vamos lá Clara você consegue!"- minha mente fala, dou mais impulso agarrando o metal, o puxo com força e ele desse me fazendo por os pés de volta ao chão.

Olho o que é, uma escada, franzo minhas sobrancelhas como uma escada pode ficar invisível?

Começo a subi-la olho para onde ela vai, o seu destino é as nuvens, paro de subi-la para ver a cidade, como não vi isso aqui? Daqui consigo ver a minha casa.

Talvez eu tenha visto por ela estar invisível! Sua burra!- Me xingo mentalmente, continuo subindo, depois de um tempinho chego ao seu final o alto das nuvens. Fico maravilhada, uma caixa azul igual a dos meus desenhos nas nuvens, sorrio emocionada. Ponho um pé na nuvem para ver se é resistente e ela parece com o chão, ponho meu outro pé e assim vou caminhando de vagar com medo de cair.

Assim que chego bem perto, meus dedos a tocam como caricia, sinto uma lágrima escorrer pelo rosto, um sorriso escapa. Tão linda, tão real.

- Droga! Porque não quer decolar?!- Uma voz de um homem sai lá de dentro, tiro minhas mãos da caixa rápido, será que aquele homem está ali dentro? Mas porque? Como?

Dou algumas batidinhas na porta, e me escondo do lado da caixa, escuto a porta sendo aberta com força e logo depois um grande silêncio, tento controlar a respiração para ele não me perceber aqui. Ouço passos vindo, vou para traz da caixa mas os passos não param, passo na frente das portas ao lado no qual eu tinha me escondido primeiro, então os passos sessam na frente das portas, logo escuto elas se fecharem com força.

Respiro mais tranquila, espio para ver se estão fechadas. Assim que tenho certeza me ponho a sua frente novamente.

- O que é você?- Pergunto baixinho, meus olhos ainda estão turvos, não tenho a minima ideia do porque. Não posso ir embora agora que vi isso, eu tenho que saber quem é aquele homem. Tomo coragem para bater novamente mas a porta se abre sozinha como se quisesse que eu entrasse, fico mais maravilhada ela é menor por fora do que por dentro! Entro na coisa que parece uma nave espacial, um homem está sentado de costas pra mim nos degraus lendo algo, nem percebeu quando entrei.

Sinto as lágrimas passarem pelo meu rosto e caírem no chão, vou ao centro da nave.

Passo minhas mãos em alguns botões do console. São iguais aos dos meus sonhos.

- Eu não entendo, não tem nada de errado aqui pra você não querer decolar! Então qual é o seu proble...- o homem fala alto se levantando das escadas se virando para o console com um livro de Mecânica quântica avançada, mas assim que me enxerga ele para de falar, seus olhos ficam arregalados e assustados como se visse um fantasma, um estrondo toma conta do local ele deixou o livro cair.

- Ela é menor por fora do que por dentro! Isso é demais!- Digo soltando um riso, seco minhas lágrimas olho para ele, é igual ao homem que aparece em meus sonhos desde pequena. 

Ele está parado com a boca aberta me encarando espantado, sua pele está branca muito branca como se estivesse prestes a desmaiar, será que fiz mal de entrar?

- Oi, me desculpe não me apresentei, sou Clara Oswald.- Os seus olhos se enchem de lágrimas e começam a ficar vermelhos.

 

 

 

 

 


Notas Finais


O que acharam?
Eu particularmente achei muito bom esse rencontro deles depois de muitos anos, e de ela ter morrido claro. (tbm foi o único que me veio na cabeça)

Espero que esse primeiro capitulo tenha agradado vcs. (desculpa qualquer erro de português) kk

Até o próximo capitulo <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...