História I Rep That West. - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Agatha, Alexy, Ambre, Armin, Bia, Castiel, Charlotte, ChiNoMimi, Cotton, Dajan, Dakota, Debrah, Dimitry, Giles, Iris, Jade, Kentin, Kim, Leigh, Letícia, Li, Lynn, Lysandre, Manon, Melody, Nathaniel, Nette, Nina, Peggy, Personagens Originais, Priya, Professor Faraize, Professora Delanay, Rosalya, Senhora Shermansky, Thomas, Viktor Chavalier, Violette, Wenka, Willi
Tags Alexy, Amor Doce, Armin, Assassinatos, Aventura, Castiel, Crimes, Disputas, Familias, Gravidez, Lysandre, Mafias, Mortes, Nathaniel, Perigo, Poder, Romance, Sexo, Thales, União Soviética, Viktor
Visualizações 23
Palavras 3.589
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Bishoujo, Bishounen, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, FemmeSlash, Festa, Ficção, Fluffy, Harem, Hentai, Josei, Lemon, Luta, Mecha, Mistério, Musical (Songfic), Poesias, Policial, Romance e Novela, Saga, Sci-Fi, Seinen, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Shounen, Sobrenatural, Super Sentai, Survival, Suspense, Terror e Horror, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Mutilação, Necrofilia, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Self Inserction, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oiiiiiiii.Desculpem pela demora pelo capitulo. Mas espero que gostem desse, a proxima atualização não vai demorar mais. Espero que gostem. Boa leitura e bjssssssssssssss.

Capítulo 16 - Formation.


POV’S RENESME SALUJA:

(Renesme) Certo...entendi. Não, ate parece que eu faria algo assim...Ok, ok, não irei vacilar. Certo, estará pronto ate sábado, entre as duas e as quatro da tarde, venha buscar nesses horários, estarei lá...Ok.- Desliguei o celular o jogando em cima da cama.- Que saco.

Dimitry sabe ser chato quando quer, mais que o normal!

Me levantei caminhando ate a varanda do apartamento, o tempo está frio e perfeito para fazer atividades que suam , dançar, correr...transar. A onde está o Neythan nesse momento? Ficar trancada nesse local o dia inteiro é muito estressante e entediante.

Prometi que não sairia, e assim tenho que fazer jus a minha palavra. Escutei o barulho da porta principal se abrindo e suspirei esperando ouvir a voz de Neythan.

(???) Senhorita , vim busca-la.- Me virei surpresa em ver o homem parado na porta do quarto me encarando.

(Renesme) A onde está o Neythan? – Perguntei desconfiada.

(???) Vou te levar justamente para onde ele está.

(Renesme) Por que está falando informalmente? Ou melhor, por que deveria confiar em você, ele me falou para não abrir a porta para ninguém e muito menos para ir com ninguém.- Cruzei os braços sorrindo, vendo que seu olhar se perdeu brevemente no meu decote.

(???) Na situação em que você se encontra Siciliana, é melhor eu desconfiar de você. Agora vista-se e me acompanhe.- E saiu do quarto.

Relutante vesti uma das minhas jaquetas e uma calça jeans por baixo do vestidinho e calcei meu único par de sapatilhas que havia levado para a casa do loirinho brutal. Sai do quarto e vi o homem sentado em um dos sofás mexendo no celular.

(Renesme) Para onde você vai me levar?

(???) Neythan quer você na estrada próxima ao aeroporto. Então vamos acelerar os passos.

(Renesme) Aeroporto? Não acredito que ele quer que eu vá embora. - Sorri- Por que ele mesmo não veio me buscar se fosse esse o caso?!

(???) Não faço ideia, a vida pessoal dele não me interessa, e creio que tanto eu quanto ele temos mais que fazer do que “tomar conta de uma siciliana fugindo dos pais”.- Fez os movimentos de aspas com as mãos.- Vamos.

Saímos do apartamento, e entramos no carro que nós esperava do lado de fora. Porcaria, não, Neythan não deve estar mesmo me mandando embora, isso colocaria em risco toda a ideia inicial, e eu também não posso deixar um sadomasoquista como Neythan escapar assim. Já estou ate prevendo Dimitry colocando a culpa em mim caso seu plano falhe.

Olhei para o banco da frente, com o homem no banco do passageiro, novamente mexendo no celular.

(Renesme) Realmente não está interessado do porquê de seu patrão manter uma inimiga seminua trancada no seu apartamento há dias.

(???) Como eu já disse antes, a vida pessoal de Neythan não me interessa.- Percebi que o motorista aparentava estar mais curioso sobre o assunto.

(Renesme) Ah vai, aposto que em algum momento você vai acabar perguntando para ele sobre isso. Já que estamos no tedio, poderíamos falar logo não é.

(???) Kentin, a pista da frente está bloqueada.- Avisou o motorista.

(Renesme) Então seu nome é Kentin.- Sorri.

(Kentin) Pega a terceira via, e siga para a ponte da principal, vai demorar mais para chegar lá, mas vou avisar o Neythan sobre isso.

(Renesme) Está me ignorando é isso? Olha só, quando eu for a primeira dama da máfia Albanesa não reclame se eu lhe demitir.

(???) Hahahaha...

(Kentin) Você está me irritando, e que merda de ideia de primeira dama é essa? Como se já não tivéssemos uma.

(Renesme) Kim...ah céus.- Ri.

(Kentin) Se bem que você não irá ficar muito tempo na Albânia para debochar dela.

(Renesme) O que quer dizer com isso?- Arquei uma das sobrancelhas.

(Kentin) Saberá quando chegarmos lá.- Abriu um sorriso de canto.

[...]

(Renesme) O QUE ? ESTÁ DE BRINCADEIRA NÃO É NEYTHAN?- Explodi berrando com o loiro no meio da rodovia próxima ao aeroporto.

(Neythan) Abaixe seu tom Renesme. Acreditando ou não, eles irão leva-la.- Apontou mais uma vez para os homens de preto e para a SUV de mesma cor, que ele queria que eu entrasse.

(Renesme) Loirinho, por que? Achei nós estávamos quase...

(Neythan) Acha mesmo que a manteria na minha casa apenas por sexo?- Debochou- Seus dados, suas historias e suas ligações – enfatizou- eu pesquisei sobre tudo, e muito obrigado por me ajudar a me prevenir e impedir os próximos passos de Dimitry.- Sorriu.

(Renesme) Você...

(Neythan) Agora, você poderá ir, eles lhe levaram para a fronteira, e de lá você se vira, contando que não conseguira mais entrar aqui.- Me entregou um passaporte e se aproximou do meu ouvido.- E obrigado pelas fodas, “princesa”, foi a melhor forma de colher informações que já experimentei.- Debochou mais uma vez- A coloquem no carro.

Três dos homens me puxaram pelo braço ate dentro do carro e me colocaram no banco de trás, antes de fecharem as portas olhei raivosa para Neythan, mas o mesmo já estava de costas falando ao telefone, então olhei para o lado vendo Kentin dando ‘tchauzinho’ com a mão e com um sorriso sínico e então direcionei meu olhar de ira para o mesmo.

POV’S NATHANIEL ALUCARD:

Desliguei o celular e enviei as mensagens da entrega recebida para Kentin, que já deve ter avisado a Neythan sobre esse incidente. Visualizei a mensagem do galpão sul, e aparentemente a máfia Siciliana tentou invadir nossos sistemas principais, porcaria, graças a Charlotte e sua equipe isso foi evitado. O que Dimitry está tramando? Enviei um comando para a central de inteligência e pedi para mandarem um presentinho para Dimitry,

(Luan) Senhor.- Me chamou.- Estão perguntando o que devemos fazer com a garota?

Suspirando olhei para a garota sentada perto de onde foi encontrada, com Breno o os demais ao seu redor, lhe questionando, ela aparenta que a qualquer momento ia desmaiar de novo. Guardei o celular no bolso e caminhei ate onde ela estava. A pele dela parece ser bronzeada, mas pela quantidade de sujeira mal consigo distinguir, mas meu palpite é que sua nacionalidade é Brasileira, já que os caixotes estavam vindos de lá e ela falava o idioma do país, mas seu sotaque e suas características também indicam que ela possa ser das Filipinas que foram onde os barcos pararam ou Tailandesa, que foi a ultima parada dos barcos.

(Nathaniel) Qual você disse que era seu nome?- Perguntei no seu idioma, tomando a frente dos homens e fazendo ela me olhar receosa.

(???) Evie, está tatuado no meu pulso.- Me mostrou mais uma vez o pulso.

(Nathaniel) Seu sotaque é arrastado. Você é do Brasil?

(Evie) Eu não sei, não consigo me lembrar de nada.- Colocou as mãos na cabeça.

(Nathaniel) Então não vai saber responder se eu perguntar o por que estava aqui dentro de uma das minhas encomendas.- Suspirei.- Nem o que essas marcas.

(Evie) Eu realmente não consigo me lembrar de nada.- fungou- Nem sei se meu nome é mesmo Evie, meu corpo todo está doendo. O que vocês vão fazer comigo?

(Luan) Senhor?

(Nathaniel) Leve-a para o galpão do sul, irei para lá assim que puder.- Olhei para os demais homens- E nada de fazer como da ultima vez, se eu souber de qualquer de um de seus “tratamentos” eu os mando para ter um encontro com a Arlerquina.- Adverti fazendo-os pararem de sorrir.

(Evie) Vocês vão me matar?

(Nathaniel) Se você colaborar...talvez não.

[...]

(Nathaniel) Como está a situação?

(Charlotte) Conseguimos salvar os servidores e impedi-los de copiar as informações do CF4.

(Nathaniel) Qual a informação eles estavam buscando?

(Charlotte) As de todas as exportações no território asiático. Além de também tentaram fazer download de todos os nossos movimentos na área de comando Russa e acessar nossas câmeras do circuito interno principal.

(Nathaniel) O circuito interno principal...eles tentaram acessar as câmeras da minha casa?- Grunhi.- Tem a certeza absoluta que os impediu?!

(Charlotte) Sim senhor, toda a equipe congelou todos os sistemas deles e enviamos o vírus que o senhor pediu. A essa hora, ele deve estar escaneando todas as fontes e travando os servidores na surdina, em menos de 24hrs teremos acesso a tudo deles e eles ficaram off-line por tempo indeterminado.

(Nathaniel) Assim espero. Redobre a segurança, principalmente nos meus registros no território Russo, e verifique como anda a vigilância das balsas que chegarão pela Yakuza.

(Charlotte) Sim senhor.

Saí da sala de segurança do galpão principal e me encontrei com Neythan no caminho para o ultimo andar.

(Neythan) A garota ainda não abriu a boca?

(Nathaniel) Não, e não quero você envolvido nisso, pelo seu temperamento a garota vai acabar morta antes mesmo de eu chegar ate o galpão.

(Neythan) Certo. Certo. O enterro vai ser amanhã.

(Nathaniel) De Need? Ok, terei que ir ate lá certo...

(Neythan) Você quase se casou com a filha dele, é o mínimo que deve fazer. Além do mais será bom para manter alianças com aquele território.

(Nathaniel) Ok...irei pegar o jato e ir para lá hoje a noite. Vai dar conta de cuidar das coisas aqui?

(Neythan) Claro.- Sorriu.

(Nathaniel) Parece muito alegre para quem se livrou de uma boa parceira de cama.- Sorri.

(Neythan) Como...- Neythan me olhou de olhos arregalados.- Como você sabia?

(Nathaniel) Realmente acha que pode fazer algo dentro dos meus domínios que eu não saiba?! Foi bom ter se livrado dela.

(Neythan) Você por outro lado, parece que está sorrindo de modo forçado.- Falou quando adentrei o escritório.- Faz dois dias que não menciona ou que ouvimos falar da Princesa Russa.

(Nathaniel) Que merda de nome é esse?

(Neythan) Leigh que a apelidou...junto dos demais.

(Nathaniel) Péssimo apelido por sinal...ela de princesa não tem nada- Murmurei a ultima parte.

(Neythan) Não fuja do assunto...está evitando ela?- Me olhou sorrindo.

(Nathaniel) Cuide de descobrir quem é essa garota, quando eu voltar quero tudo pronto e detalhado.

(Neythan) E se ela for uma das pessoas que os Sorvics estão transportando para a Alemanha?

(Nathaniel) Então a devolva ou então se livre dela, esse não é assunto nosso. Da ultima vez que ajudei uma mulher fui negado...

(Neythan) AHÁ.- Bateu palmas- Então foi isso que aconteceu, ela te negou sexo? Ai meu Deus...terei coisa para rir de você ate o próximo ano.- Caiu em uma das poltronas  rindo.

(Nathaniel) Haha, cai fora daqui Neythan.

(Neythan) Aa, meu pulmão não aguenta. Certo, certo. Só vou colocar essa noticia em um outdoor.- Saiu rindo do escritório.

(Nathaniel) FAÇA ISSO E EU CORTO O QUE A SALUJA USAVA. Carmen.

Terminei de organizar o escritório e pedi para Kentin e Carmen providenciarem meu hotel e passagens além das minhas coisas. Avisei Ambre e minha mãe...mas pelo visto Ambre está fora do país...falei para ela não pegar tarefas muito difíceis, se Neythan descobrir que ela está envolvida não irei interferir na confusão.

Passei em casa para tomar banho e pegar meus documentos. Joguei apenas algumas coisas na mala, Carmen vai providenciar o resto.

(Governanta) Senhor.- Bateu na porta do quarto. Não volto para casa com tanta frequência e a ultima vez foi á dois dias, que ate me esqueci da Senhora Hellen.

(Nathaniel) Sim.- Abri a porta do quarto para a mesma.

(Governanta) Está indo viajar de novo?- Olhou para a mala.

(Nathaniel) Ficarei fora por um ou dois dias, pode relaxar durante esse período.- Ri fraco.

(Governanta) Irei relaxar sim...mas...durante sua ultima visita...

(Nathaniel) Sim...

(Governanata) Uma das damas que ficou no quarto de hospedes...acabou deixando sua peça...como posso dizer...intima.- Colocou o sutiã encima da minha cama.

(Nathaniel) É serio isso?- Murmurei incrédulo.

(Governanta) Iriamos nos livrar dela...mas lembrei que o senhor gosta de ficar com os pertences de suas...

(Nathaniel) Certo, certo Hellen não precisa terminar.- Me apressei em interrompê-la.

(Governanta) Ela estava com muita pressa na hora de deixar a mansão, que acho que deve ter esquecido.

(Nathaniel) Ok. Deixe-o ai, verei o que farei...

(Governanta) Fará?!

(Nathaniel) Você sabe o que vou fazer com isso Hellen.

(Governanta) Quer que preparemos algo para comer antes de ir?

(Nathaniel) Seria bom, mas sem exagero, preciso ir o mais rápido que conseguir.

(Governanta) Como quiser.- Se retirou do quarto.

Fechei a mala e olhei para o sutiã cor de salmão sobre o colchão. Irina não estava usando sutiã no dia do casamento, caso contrario aquele vestido mostraria, e na noite, ela não estava usando sutiã...nem nada mais. E não acho que ela usaria esse tipo de sutiã...todo decorado. Deve ser da Latina ou de Íris.

Peguei o sutiã e joguei em um canto do guarda roupa, não é como se eu fosse voltar tão cedo para a Red House , e Hellen ainda não esqueceu minha mania.

Tirei as roupas e entrei no banheiro...mas não é como se ele fosse dela...ela não iria fazer esse tipo de coisa...Um de seus gemidos daquela noite ecoou na minha cabeça...Droga...estava tão perto. O cheiro da pele dela, a textura, suas mãos passando pelo meu corpo, aaaaaaaaah , aquela mulher ainda vai me enlouquecer...mais do já estou.Os sons dos seus gemidos enquanto eu subia encima dela...liguei a agua no modo frio.

(Nathaniel) É amigo...não foi dessa vez...precisa ser aliviado não é.- Olhei para baixo.- Ah fala serio...não sou mais um adolescente...- Mais um dos seus gemidos ecoou.- Oookay.

POV’S IRINA JELAVIC:

(Íris) O que vocês estavam?- Perguntou indignada assim que viu Armin sair da mansão.

(Irina) Assuntos pessoais.

(Íris) Você não voltou com ele não foi Irina?

(Irina) Acha que sou idiota, é logico que não, apenas dei a ele um aviso.

(Íris) Aviso do que?

(Irina) Digamos que se ele for visto na Red House , ou for pego me enviando coisas...será muito mais que advertido...entre outras coisas.

(Íris) Depois de tudo ele ainda tinha tentado algo com você? Mas que filho da...

Me encostei no corrimão da escada enquanto Íris xingava Armin ate sua ultima encarnação em todos os idiomas que sabia. Olhei para uma das janelas que dava visão para o jardim e vi meu pai caminhando com Melody pela área das árvores, Melody estava se segurando no braço de papai, isso ate ela cambalear para o lado e ele a segurar.

(Irina) Você sabe se tem algo de errado com Melody?- Perguntei para Íris , enquanto olhava papai colocar eça sobre um dos bancos.

(Íris) Bem...- Hesitou.

(Irina) Bem o que? Ela não está mais jantando em família, parace mais pálida cada vez que nos cruzamos na casa e parece ter mais enfermeiras na casa que o normal. O que estão escondendo de mim?

(Íris) Eu também não sei de tudo...apenas que ela está doente...

(Irina) Doente?- Que espécie de doença não deixa a pessoa andar direito?- O que você sabe?

(Íris) Já disse não é muito...parece que ela só falou para Suzan e papai. Também não qual o nível de gravidade disso.

(Irina) Então vamos ter que falar com quem sabe.- Me soltei do corrimão e desci as escadas para o primeiro andar.

(Íris) Irina o que você vai fazer?- Falou descendo logo atrás de mim.

(Irina) Se for algo muito grave eles não deveriam esconder de nós desse jeito...e mesmo se não for muito serio. De um jeito ou de outro nós vamos descobrir.

POV’S MELODY JELAVIC:

Coloquei a mão no peito enquanto tossia, coloquei a mão na boca e tossi mais uma vez, mas dessa vez sujando minha mão de sangue, fazendo papai me olhar assustado.

(Papai) Gospodi*- ‘Meu Deus’- Você está cada dia mais magra.- Falou passando as mãos por meus cabelos.- Fique aqui, vou buscar seu remédio e um pano para se limpar.

(Melody) Para onde mais eu iria?- Brinquei.-

(Papai) Melody...Eu já volto.- Se levantou caminhando para dentro da mansão.

Olhei mais uma vez para minha mão e passei os dedos nos lábios...eu tinha tanto cuidado com meus lábios...agora estão tão ressecados e sem cor...sem falar nos cuidados com minha pele e cabelos...está ficando cada vez mais áspera. Passei os dedos pelos fios de cabelo...e eles retornaram com com um emaranhado de fios enlinhados.

(???) Acho que você ficaria bem de peruca loira.

(Melody) Dake.- Sorri- Eu ficaria péssima de loiro...não é minha cor.

(Dake) Platinado então...ou preto ficara bom também.

(Melody) Não chegarei ao ponto de usar peruca.- Dake suspirou e se sentou do meu lado.

(Dake) Com certeza vai passar...ainda vou te ver de cabelo ruivo.- Puxou um paninho do bolso e pegou minha mão suja de sangue...limpando a mesma.- Você vai ficar melhor logo.- Murmurou.

(Melody) Parece que está falando mais para você do que para mim.- Dake apertou o paninho nos meus dedos e abaixou a cabeça.

(Dake) Você nunca foi egoísta...então vai ir e me deixar aqui certo?!

(Melody) Dake...

(Dake) Quando saiamos para a montanha junto com as meninas...brincavamos que elas eram nossas filhas. Você quer ter 4 filhos...dois meninos e duas meninas, para nenhum ficar sozinho. Então você vai passar por isso para realizarmos isso não é?- Apertou mais minha mão.- Não vai me deixar sonhando sozinho não é?

(Melody) Dake...isso não é algo que possamos mudar.- Levantei sua cabeça e vi que estava com os olhos marejados.- Vamos lá Dakota Scodovic , um homem feito como você chorando...vai acabar com sua reputação.- Humedeci os lábios reprimindo algumas lágrimas.

(Dake) Quanto...quanto tempo você ainda tem?

(Melody) Não mais de 2  meses.- Engoli em seco.

(Dake) Sua família tem poder...eles podem arranjar um tratamento...- Começou a soluçar.- Ainda dá tempo, ainda podemos reverter essa situação e te salvar.

(Melody) Dake para. Não tem como, não tem mais tratamento...isso apenas adia o inevitável. Por favor não fica assim.

(Dake) A mulher que eu amo...a única que eu amei está indo embora. Como era para eu ficar?

(Melody) Seu chorão....você vai ficar bem...todos nós vamos.

(Dake) Eu não tenho tanta certeza disso.- Fungou.

(Melody) Vamos voltar para o monte Beluckha*?

(Dake) Faz muito tempo desde que não vamos para lá.

(Melody) Aquele lugar é especial para mim. Quero voltar para lá antes de...- Dake me encarou suspirando.- Você sabe.

(Dake) Tem certeza que aguenta ir ate lá?

(Melody) Eu fui campeã de corrida dos 200 metros...fui presidente do corpo estudantil da melhor escola de Moscou e ainda acabei com todos os planos dos Chilenos...por que eu não conseguiria subir um simples morrinho?- Brinquei.

(Dake) Certo...amanhã eu venho te buscar...pode ser?

(Melody) Claro, vai ter que falar com o general Jelavic primeiro.- Fiz ele rir.- Por falar nisso, Viktor já está voltando.

(Dake) Quando eu estava saindo da Grã Bretanha ele me ligou informando que...

(Irina) Melody.- Apareceu na nossa frente. Percebi que ela estava prestes a chorar.

(Íris) Por que não nos contou?- Íris já soluçava.

(Melody) Meninas...

(Dake) Deixarei vocês conversando.- Me deu um beijo na testa e deixou o paninho sobre minha mão.- Voltarei depois.- Se despediu das meninas com um aceno de cabeça e saiu.

(Irina) Por quanto tempo...Por que não nos contou?- Começou a chorar.

(Íris) Isso foi maldade Melody...

(Melody) Quem falou para vocês...

(Irina) isso não importa. Iria nos falar disso quando e – Olhou para o paninho com sangue.- Ah Céus...

(Melody) Sentem-se...tenho muito o que falar para vocês dois.

[...]

POV’S IRINA JELAVIC:

Estacionei o carro duas ruas antes do local marcado para a entrega. Não entendi ainda por que Peggy simplesmente não pode fazer isso no meu lugar, assim eu teria mais tempo para passar com Melody.

Entrei no prédio em que eu deveria pegar os HD´S com o informante Sul-Coreano, mas estranhei o prédio estar completamente vazio, não apenas não movimentado mas sim totalmente vazio não havia nem ao menos uma pessoa no balcão da recepção.

Adentrei mais no local e inspecionei os elevadores e escadas e nos demais corredores. Estava 100% sem uma única alma viva...estreitei os olhos olhando para o reflexo na porta do elevador e consegui me esquivar a tempo antes de uma viga de ferro me atingir.

(Irina0 Mas que merda é...- Antes de eu poder completar a frase uma pessoa surgiu atrás de mim segurando meu pescoço.

Cravei minhas unhas no braço da pessoa e a impulsionei para frente a jogando no chão pela sua fisionomia parecia ser uma mulher, mas a mascara me impossibilitava de ver o rosto, sem perder tempo a pessoa chuta meu joelho me fazendo cambalear para trás e parte para mais um ataque. Desviei segurando seu braço e dando um golpe com o joelho na sua barriga e em seguida socando seu rosto.

A mesma enrolou as pernas no meu quadril colocando peso me jogando para trás, prendendo meus braços acima da minha cabeça. Forcei minhas pernas para acertá-la, levantei minha cabeça acertando-a na testa, aproveitei seu descuido e soltei meus braços socando mais uma vez seu rosto, a derrubei para o lado acertei meu joelho na sua barriga, prendendo suas pernas com as minhas e tentando segurar seus braços.

Ela soltou uma das mãos e az unhou meu rosto e busto, dei uma cotovelada no seu nariz por debaixo da mascará e soquei seu rosto diversas vezes até a mesma afrouxar as pernas e braços. Sua mão agarrou meu cabelo puxando sua cabeça para trás, segurei seu braço o girando para o outro lado e pude escutar o estralo, a mesma gritou de dor, puxei seus cabelos arrancando vários fios e dei mais um soco no seu busto e costelas.

Arranquei a mascará do seu rosto e me espantei vendo seu rosto, quase ao ponto de deixa-la sair, mas me mantive firme e segurei seus braços sobre sua cabeça.

 (Irina) Lynn?- Perguntei espantada.

(Lynn) Irina... Xǔjiǔ wèi*- ‘Faz tempo não é?’-.

...

 

 


Notas Finais


* As frases ditas por Karma estão em russo.
* O nome que Dake mencionou é de um monte.
* A ultima frase dita no cap está em chinês.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...