História I Saw You Leave - Camren - Capítulo 65


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Camren
Visualizações 223
Palavras 1.444
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Romance e Novela
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Olha só quem está de voooolta! Amei vocês surtando no capítulo anterior, obrigada gente. Vocês são incríveis! Vamos ao capítulo, eu sei que vocês estão ansiosos ☺
LETS GOOO!

Capítulo 65 - Just mine


POV LAUREN

 

Eu não sei explicar como me sentia. Foi como um choque de realidade, aquele beijo me trouxe de volta a vida. Eu vi tudo ficar mais colorido, eu senti algo dentro de mim ser completo, eu voltei a enxergar as coisas com mais otimismo. E durou somente alguns segundos.

Ela me jogou na cama rapidamente segurando em meus pulsos com a respiração ofegante. Deu um passo para trás. Eu só podia estar sonhando... Isso não era real. Ela se aproximou na porta e eu não hesitei em falar.

— Camz? — Minha voz saiu baixa.

— Eu... Vou indo. — Respondeu e bateu a porta rapidamente me deixando ali sem explicações.

Meu coração palpitava, minhas mãos suavam e minha respiração estava descompassada. Ela se arrependeu? Por que diabos eu fiz isso? É óbvio que ela se arrependeu. Mas que droga, será que eu nunca irei tomar as decisões certas nessa vida? Não é possível. Provavelmente, ela se deu conta da besteira que estava fazendo. E correu. Correu antes que seja tarde demais. Porque sempre... Sempre vai ser tarde demais para nós duas.

Taylor adentrou num quarto em um risinho malicioso nos lábios.

— Hmmm, alguém beijou e não fui eu... — Ela disse em um tom safado enquanto trancava a porta.

— Taylor, me deixe sozinha por favor. — Pedi enquanto passava as mãos no meu cabelo e ela franziu o cenho.

— Não vai me dizer que você expulsou a Camila, Laur! — Disse e vi uma expressão irritada se formar em seu rosto.

— Ela correu. Ela fugiu. — Falei tentando assimilar o que acabara de acontecer.

— Ora, ela deve ter seus motivos. Por quantas vezes você também fugiu, Jauregui? — Colocou as mãos na cintura.

— Tay, por favor, me deixe sozinha! — Pedi novamente calmamente.

— Okay, eu vou dá um tempo pra você. — Ela falou e pôs uma mão em meus ombros me lançando um olhar confortável. — Eu estou aqui para o que precisar, Laur.

— Obrigada. — Agradeci e ela assentiu indo embora.

Senti um sentimento de culpa me invadir completamente... Fui boba em não reagir contra meus instintos, eu a vi tão frágil ali... Ela estava sofrendo á tanto tempo e só eu podia dar o que ela queria. Eu dei. Mas ela se arrependeu e céus, eu também estou arrependida agora. Mais uma vez irei bagunçar os sentimentos dela, a sua vida, o seu relacionamento... Eu sou um peso na vida de Camila e sei que ela sabe disso mas insiste em me manter por perto. Eu sempre irei fazê-la naufragar, eu sou insegura. Eu tenho medo, eu não consigo distinguir exatamente a sensação quando me dou conta do que se passa ao meu redor... Me sinto extremamente fragilizada e eu tenho tantas pessoas boas ao meu lado. E sim, eu já tentei de diversas formas superar o que eu sinto e o os meus sentimentos desde a minha partida mas isso não é algo que eu possa controlar.

Eu já ousei, me interessar por outras mulheres mesmo sabendo que nenhuma me chamaria atenção á não ser ela... A não ser as suas órbitas castanhas que, puta que pariu, me tiram completamente do serio. Ela em si, me faz perder toda a minha sanidade que restou e todas as noites eu sonho em tê-la para mim novamente. Em poder sentir seus lábios, seu gosto, seu corpo. Isso me faz perceber o quão dependente de Camila eu sou e sempre serei.

Nada do que eu fizer irá fazer isso passar. Está marcado em mim, é algo que eu jamais poderei esquecer. Me praguejo todos os dias por ter conhecido-a naquele dia no segundo andar na escola. Enquanto ela me espionava, com os laços em seu cabelo e aquele jeitinho de menina... Que me enfeitiçaram. Eu não sabia que seria tão difícil para nós duas, eu também não imaginava uma história estilo contos de fadas em que todos ficam juntos e felizes no final, é a realidade. É a triste realidade. E eu teria que encara-la novamente, afinal, nem eu sei o que está acontecendo comigo. Essa mistura de sentimentos e angustias já fazem parte do meu dia a dia. Eu aprendi a lidar com as minhas dores, com os meus sofrimentos sanados, com as cicatrizes que não fecham.

Não é bom nutri essa sensação estranha que nos causa arrepios. Camila tem um dom sobrenatural sobre mim, eu me sinto completamente despida, crua, ao sentir aqueles castanhos profundos me fitar. Sua mão... É tão delicada, cada detalhe dela parece se encaixar perfeitamente com os meus. Os seus traços latinos, sua boca, seus cabelos, ela me deixa completamente boba. Sem razão para discutir qualquer outra coisa á não ser podê-la segurar em meus braços e chama-la de minha novamente.

Talvez podemos reescrever nossa história no futuro, o futuro que eu imaginei ser o hoje. Eu tenho certeza que em qualquer esquina, iremos nos esbarrar, iremos nos conhecer de novo e quem sabe, se o universo permitir, finalmente nos amarmos sem precisar esconder.

 

{...}

 

— Laur? — Ouvi Perrie chamar e acenei. — Finalmente!

— Eu estava dormindo sua anta. — Falei e ela revirou os olhos.

— Temos que ir mesmo nesse sábado? — Ela perguntou com um biquinho nos lábios.

— Sim, Perrie. Eu tenho aula e não agüento mais respirar este ar. — Falei em um tom firme e ela me olhou.

— Eu já sei que rolou — Disse a loira e eu afoguei meu rosto na almofada próxima a minha cama.

— Eu não quero falar sobre isso. — Disse e minha voz saiu abafada por conta da almofada.

— Laur, não seja tão tola. Corra atrás de você ama. — Ela disse enquanto acariciava as minhas costas.

— Eu tenho que voltar para Nova York neste sábado, Perrie. — A olhei e ela abriu os braços.

— Não se culpe. — A abracei forte.

— Eu não deveria ter beijado ela, olha só a minha situação agora... — Disse sentindo meus olhos marejarem.

— Anda, Laur! Saia desse quarto e vá na casa dela. — Ela me largou brutalmente. Ok, eu posso estar exagerando.

— O quê? Não! Eu não quero confundi-la...

— Eu estou definitivamente cansada de ouvir isso, Lauren Jauregui! Você irá na casa dela agora, porque eu estou te pedindo e como eu sei o tamanho da consideração que você tem por mim, você vai. — Ela praticamente me ordenou.

— Eu não estou fazendo isso por você. — Falei enxugando as lágrimas que caíram e ela bateu palminhas animada.

— Se divirta com a sua garota dos laços. — Zombei e eu revirei os olhos batendo a porta.

Desci as escadas rapidamente e Taylor pareceu ler minha mente já que a mesma me lançou um olhar me encorajando. Abri a porta e caminhei até a casa da Camila, toquei a campainha e rapidamente Sinuhe apareceu com seu sorriso sempre amigável.

— Menina Lauren, entre. — Disse e eu assenti com um sorriso fraco.

— A Camila... Ela está? — Perguntei com expectativa.

— Sim, eu irei chama-la. — A mulher disse e eu neguei.

 — Não será necessário mama, estou aqui. — Camila disse descendo os degraus da sua escada de madeira.

— Oh, veja só que visita agradável, Mila. Suba Laur. — Sinuhe disse gentilmente e eu assenti.

Camila sussurrou um “vem” e eu apenas a segui entrando em seu quarto. Não sabia muito bem por onde começar, eu tinha algumas dúvidas e iria tira-las agora.

— Você foi... embora. Por que? — Perguntei de inicio curiosa.

— Eu não sei — Ela disse rindo nervosa. —, me responda você Lauren. Por que você foi embora?

— Eu não quero falar sobre isso. — Abaixei a cabeça envergonhada.

— Igualmente! — Seu tom era rude.

— Me desculpe, Camila. Eu acho que tudo isso só se complicou a este ponto por culpa minha. — Assumi e ela assentiu.

— Tem que pedir desculpas á aquela antiga Camila, Lauren. Aquela que ainda se importava com isso. — Ela não queria demonstrar o quanto estava irritada, mas era tão óbvio.

— Está me deixando... Intimidada. — A olhei e ela sentou em sua cama.

— Não sou que costumo deixar as pessoas sem chão. — Respondeu irônica — Me desculpe se estou deixando-a sem graça. Sente aqui. — Apontou para a ponta da cama, onde ela estava.

Eu sentei e ela passou as mãos pelos meus cabelos acariciando-os.

— Lauren... Eu queria conseguir te odiar. — Sussurrou em meu ouvido mordendo o lóbulo.

Senti meus pelos se arrepiarem o com o contato... Ela estava tão próxima, nossas respirações se chocavam.

— Camz... — Deixei um gemido escapar, e ela sorriu.

Ela distribuiu beijos por toda a parte do meu pescoço, seguida de algumas lambidas em toda a extensão do meu colo.

Me encarou e por fim me beijou, era um beijo urgente. Suas pernas estavam em volta da minha cintura, ela se movimentava contra meu colo causando atrito, o que me fazia arfar. Mordeu meu lábio inferior e eu a segurei abraçando-a.

 — Hoje você vai ser só minha, Jauregui. 


Notas Finais


Gente, eu queria pedir para vocês lerem essa fic da Amanda que é maravilhosa:
https://spiritfanfics.com/historia/uma-carta-para-o-meu-amor-camren-10918426
Obrigada!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...