História I Stand Beside you - Capítulo 9


Escrita por: ~ e ~bitchpetrovadia

Postado
Categorias One Direction, Zayn Malik
Personagens Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, Personagens Originais, Zayn Malik
Tags Gravidez Masculina, Larry, Larry Stylisnon, Mpreg, Romance, Stylinson, Ziam, Ziam Mayne
Exibições 375
Palavras 3.805
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Escolar, Fluffy, Lemon, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Cross-dresser, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Hey!

Boa Leitura!

Capítulo 9 - Oitavo Capítulo


Harry estava atendendo a última mesa do dia, pronto para finalizar o seu turno naquela sexta feira, quando ouviu o sininho da porta soar, anunciando a chegada de mais um cliente. Quando o alfa terminou de colocar os pedidos em cima da mesa, entregando um sorriso simpático ao casal de idosos ali, sendo retribuído com um sorriso igualmente simpático, ele olhou na direção ao cliente que tinha entrado, encontrando Louis com um sorriso tímido em sua direção. O cacheado fez um sinal para que Louis esperasse e apontou uma mesa pare que ele se sentasse, vendo o menor assentir e se encaminhar até o local que o maior tinha indicado.

O alfa foi até o fundo da cafeteria, onde tinha um armário com seus pertences, retirando o seu avental e enfiando de qualquer jeito no armário, pegando seus anéis que ele tirava para trabalhar e colocando de volta em seus dedos, em seguida passando nas vitrines onde tinha uma quantidade variada de doces e pegando dois cookies de gotas de chocolate, os quais ele sabia que Louis gostava e fazendo dois cappuccinos de caramelo, indo logo depois ao encontro de Louis na mesa.

Harry colocou os pratos com os doces e os copos com bebidas em frente ao menor, recebendo um sorriso e um "obrigado" do mesmo, sentando-se em frente a Louis.

- Então. - Harry começou, sorrindo para Louis, um sorriso com direito a covinhas fundas em suas bochechas. - O que te trás aqui? - O alfa questionou, curioso, tentando entender o porque do ômega estar ali sem avisa-lo que iria.

- Eu vim te fazer um convite. - O menor respondeu, olhando para Harry com expectativa, vendo o mesmo arquear as sobrancelhas em sua direção, mas ainda mantendo o sorriso nos lábios cheios e rosados.

- Que convite? Olha Louis, espero que não seja nada indecente, porque já vou te avisando que sou um alfa de família. - Harry brincou, vendo o ômega gargalhar de sua brincadeira.

- Para de ser besta, Harry! - O menor  disse, depois de parar de rir. - Eu sei que você não é um alfa de família. - Louis entrou na brincadeira de Harry.

- Assim você me ofende Louis. - Disse dramaticamente, colocando as mãos no peito, como se tivesse se ofendido, mas Louis sabia que ele estava brincando. - Mas então, agora você me deixou curioso, qual o convite?

- O convite na verdade é da minha mãe, meu também, porque eu quero retribuir por você ter me levado pra conhecer a Gemma. - Louis começou a divagar, estava receoso de fazer o convite, tinha medo de que o alfa não aceitasse. - Er... então, minha mãe está te convidando pra jantar com a gente amanhã, a minha família quer te conhecer. - Completou o menor, vendo Harry olha-lo de forma suspeita. - É que... sabe, você é o pai do meu bebê e tal. - Louis começou a se enrolar, e Harry, percebendo que o menor estava nervoso, voltou a colocar o sorriso com direito a covinhas nos lábios.

- Claro que eu aceito, é muito gentil da parte da sua mãe me convidar Louis! Eu vou adorar conhecer a sua família. - E Harry ainda mantinha o sorriso no rosto, Louis pensava que as bochechas do alfa rasgariam a qualquer momento, devido ao sorriso largo que ele sempre carregava.

- E é pra você levar a Gemma também, quero muito que ela conheça as minhas irmãs, acho que elas vão se dar bem. - O ômega disse, vendo Harry assentir. - E claro, os seus pais estão convidados também se você quiser leva-los.

E foi nesse momento que Louis viu o sorriso sumir dos lábios do alfa, observando a expressão de Harry entristecer, enquanto ele abaixava o olhar, tragando uma grande quantidade de ar, e soltando tudo de uma vez em seguida.

- Harry, eu disse alguma coisa errada? - O menor questionou, não entendendo o motivo de Harry ter passado de sorridente e animando para carrancudo e entristecido em questão de segundos.

- Não, você não disse nada errado, Louis. - Harry disse, entregando um sorrisinho afetado para Louis. - É que sobre meus pais-

- Você não precisa falar se não quiser. - O menor cortou a fala do alfa, percebendo o quanto aquilo estava sendo desconfortável para ele.

- Eu quero! Acho que você precisa saber, né? Vamos ter um filho juntos, eu te considero um amigo Louis. - O alfa disse, olhando Louis nos olhos.

Louis sentiu um estranho incômodo quando Harry se referiu a ele como amigo, mas decidiu apenas ignorar aquilo e se focar no que o alfa tinha a dizer. Devolvendo o olhar de Harry na mesma intensidade, Louis decidiu não falar nada, apenas ficar ali e esperar quando Harry estivesse pronto.

- Bom, quando eu era pequeno. - Harry começou. - Só me ouve, tá?Não fala nada até eu terminar. - Louis apenas assentiu, ajeitando sua postura na cadeira e bebendo o último gole de seu cappuccino. - Eu e Gemma não nascemos aqui, nós nascemos nos Estados Unidos, e morávamos com nossos pais, quando eu tinha nove anos e Gemma tinha alguns meses, ela nem tinha completado um ano ainda. - Harry deu uma pausa, soltando um longo suspiro e vendo que Louis prestava atenção atentamente a tudo que ele falava. - Um dia meus pais decidiram fazer uma viagem pra cá, pra Inglaterra, e eu estava super feliz, nós nunca tínhamos saído do pais e era a nossa primeira viagem grande em família. - O alfa deu uma pausa. - Eu acho que estou enrolando demais, desculpe. - Harry disse em meio a uma risadinha nervosa, passando a mão por seus cachos, que estavam compridos demais e jogando-os para trás, ajeitando-os em forma de um topete.

- Eu to aqui Harry, vou te ouvir, pode levar o tempo que você precisar pra falar. - Louis disse, arrastando a sua cadeira para o lado da de Harry, entrelaçando seus dedos pequenos aos compridos do alfa, deitando sua cabeça no ombro do mesmo. - Vou ficar assim, acho que vai ser mais fácil pra você falar se não tiver que ficar olhando diretamente pra mim.

- Obrigado Lou, acho que vai ser mais fácil assim. - O maior disse, olhando suas mãos entrelaçadas e sentindo um friozinho gostoso em seu estômago. Deixando um beijo nos cabelos de Louis, Harry voltou a falar. - Em um desses dias na nossa viagem, minha mãe trouxe eu e Gemma para esse café aqui que nós estamos, meu pai tinha saído e não pôde vir conosco, foi o que eles me disseram no dia, estávamos tomando chá e comendo bolinhos, e estava sendo tão divertido, até que Anne disse que precisava usar o banheiro, ela colocou o bebê conforto em que Gemma estava na cadeira ao lado da minha, pegou a bolsa e saiu, e eu fiquei esperando. Maura a mãe de Niall, quando viu que eu estava sozinho, veio falar comigo, e eu disse que minha mãe tinha ido ao banheiro e não tinha voltado ainda, mas já tinha passado uma hora, Lou. Uma hora! Maura foi até o banheiro, e ele estava vazio, ela não estava lá, mas em cima da pia, tinha meus documentos e de Gemma, eu era uma criança, mas eu entendi o que tinha acontecido. Eu tinha sido abandonado, eu tinha sido deixado para trás pelos meus próprios pais.

Quando Louis percebeu que Harry não falaria mais nada, ergueu sua cabeça dos ombros do alfa para olha-lo, e quando olhou nos olhos de Harry viu que ele estava chorando, o menor soltou suas mãos, se virando de lado em sua cadeira e envolvendo seus braços no pescoço do alfa, dando-lhe um abraço desajeitado pela posição em que estavam, e Harry envolveu seus braços ao redor da cintura, agora não tão fina, de Louis - apesar de ainda não ter uma barriga muito evidente, o menor estava mais encorpado, com a cintura mais roliça e arredondada - aceitando o abraço de bom grado.

- Eu sinto muito Harry, eu não sei se eles tiveram os motivos deles para fazer isso, mas quem perdeu foram eles, você e Gemma são pessoas maravilhosas.

- Tudo bem, Lou. Eu estou bem agora, não vou negar que eu era só uma criança, não entendia o que estava acontecendo, mas agora eu estou bem. - O maior disse, se soltando sem muita vontade doa braços de Louis, para poder olhar para o menor, vendo que o mesmo estava chorando. - Shhhhh, não precisa chorar, eu to bem.

- São esses hormônios, sabe? - O menor começou, passando as mãos por seus olhos, limpando as lagrimas dali. - Eu choro por tudo Harry. Por tudo! - Disse, revirando os olhos quando viu Harry dar uma risadinha. - Não dê risada seu idiota, mas e ai? Como que vocês fizeram desde então?

- Bom, tia Maura me levou pra casa dela, e tentou procurar por meus pais, com base nas informações que ela tinha nos nossos documentos, mas nós nunca mais ouvimos falar deles, então ela nos criou, nos ajudou e fez o papel que Anne não fez. O apartamento que eu moro é dela, e tudo que eu sou hoje eu devo a ela, aqui também é dela até hoje, eu divido turnos com Niall, que é mais como um irmão do que um amigo, sabe?

- Ele parece ser divertido.

- Ele é, e qualquer dia vou te levar pra conhecer tia Maura, ela esta louca para te conhecer, conhecer o papai ômega do primeiro netinho dela, como ela diz. - Os dois deram risada.

- Harry, eu tenho que ir. - O menor disse, depois de checar seu celular, que tinha apitado uma mensagem, era de sua mãe, pedindo pra que ele fosse pra casa cuidar das irmãs, já ela iria sair em uma noite de casal com Mark. - Vou ter que cuidar das meninas hoje para os meus pais, eles vão ter uma "noite de casal" como eles dizem. Ew, quero nem imaginar o que eles vão fazer.

- Ah, você nem desconfia? - O alfa disse, arqueando as sobrancelhas sugestivamente para o menor, rindo ao ver o semblante de desgosto de Louis.

- Harry! Pais não transam, okay?

- Se você diz...

- Que seja, eu vou indo. - O menor disse, se levantando e indo até a porta, sendo seguido por Harry, que deu um tchau para as pessoas que ainda continuavam no café.

- Então amanhã que horário eu tenho que estar lá?

- As sete, tá? - Louis disse, já parado na calçada, pronto para se despedir de Harry e ir para sua casa.

- Okay! Amanhã às sete eu e Gemma estaremos lá. - O alfa disse, voltando a sorrir para Louis, completamente animado pela possibilidade de conhecer a família do ômega, pelo pouco que o menor falava deles, eram pessoas maravilhosas. - Tchau. - O alfa deixou um beijo na testa de Louis, dando um abraço rápido no mesmo.

- Tchau - O menor retribuiu ao abraço, vendo o momento em que o carro de seu pai dobrou a esquina do café, indo busca-lo para que ele não andasse sozinho quando já estava escurecendo, e também para que o menor chegasse mais rapidamente em casa e ele e Jay pudessem aproveitar a noite juntos. - Harry? - Louis chamou. - Você é muito precioso, se eu tivesse que escolher quem seria o pai do meu bebê, eu escolheria você.

E Louis entrou no carro, sem nem mesmo esperar uma resposta de Harry, e perdendo a oportunidade de ver o sorriso nos lábios rosados e o brilho nos olhos verdes.

***

A sexta se foi e finalmente era sábado, era por volta de cinco horas da tarde e Harry estava em uma floricultura com Gemma, ele decidiu que levaria algo para a mãe de Louis, como não sabia o que levar, optou por flores, e agora ali estava ele, olhando a variedade de flores que tinha ali e se decidindo por qual delas levaria. Não conhecia a mãe de Louis, portanto não sabia quais levar, foi então que Gemma deu a ideia para que ele levasse rosas, pois "todo mundo gosta de rosas" palavras de Gemma, então, ele só estava tentando se decidir pelas cores, e foi quando uma atendente se aproximou dele.

- Posso ajudar?

- Pode sim, eu vou conhecer uma pessoa hoje e gostaria de presente-a-la com flores, e minha irmãzinha aqui, me deu a ideia de levar rosas, eu só não sei que cor levar.

- E essa pessoa seria alguma namorada talvez?

- Não. - Harry disse risonho. - É meio complicado na verdade, digamos que seria uma amiga. - A  vendedora começou a olhar as cores de rosas, tentando ajuda-lo.

- Bom, você pretende conquista-la? -  Perguntou, vendo o alfa lançar um olhar estranho em sua direção. - Oh! Perdoe a minha intromissão, mas eu só queria saber para poder te ajudar com o significado das cores.

- É que ela é mãe de um amigo, que está grávido... e o filho é meu, como eu disse, complicado.

Harry havia dito a Gemma que Louis estava esperando um bebê dele, e que Gemma seria titia, e a pequena alfa estava totalmente empolgada, perguntando se Harry e Louis eram namorados agora, decepcionando-se quando Harry disse que eram apenas amigos, dizendo a Harry que ele deveria namorar Louis, porque além de muito bonito, fofo e legal agora Louis também seria papai de um bebê de Harry e que o bebê gostaria de ver seus papais namorando e que ela também gostaria de ver Harry namorando Louis, e o alfa deu risada da inocência da menina, dizendo que as coisas não eram tão fáceis assim, vendo a mesma assentir entristecida e logo em seguida começar a fazer planos para quando seu pequeno sobrinho ou sobrinha chegasse.

Depois da vendedora mostrar diversas cores e falar o significado de todas elas para Harry, o mesmo optou por levar um buquê com uma dúzia de rosas, sendo meia dúzia roxas que significa amor de mãe e a outra metade cor de rosa claro, que significava admiração e simpatia, comprando também uma caixa de bombom para a mesma, e talvez ele tenha gastado um pouco mais do que podia gastar, mas fazer o que se ele queria que a mulher gostasse dele?

Depois de pagar pelo o que comprou, Harry passou no café, pegando um bolo de maça com canela e nozes que ele mesmo havia feito quando foi trabalhar na parte da manhã, e ele não tinha o costume de trabalhar aos sábados, mas sempre que precisavam ele estava disposto a ajudar, porque ele era sempre prestativo de qualquer forma.

E nesse meio tempo em que gastou na floricultura e no café, quando Harry foi perceber, já eram 18:30 pm, e se ele não fosse rápido iria e atrasar, e ele não queria deixar a família de Louis esperando, e a casa de Louis nem era tão longe assim, mas por estar com Gemma e carregando algumas coisas, o alfa decidiu que chamaria um táxi, e também porque não queria chegar suado é claro.

E faltando três minutos para as sete Harry se encontrava parado em frente a porta da casa de Louis, segurando o buquê em uma das mãos e o bolo em outra, enquanto Gemma segurava a caixa de bombons.

- Gemma, toque a campainha, e se comporte mocinha, por favor. Entregue os bombons para a mãe do Louis, tá bom?

Gemma concordava com tudo que Harry dizia, apertando o botão da campainha e esperando que alguém viesse atende-los, ouvindo o barulho de conversa dentro da casa, em seguida, um Louis vestido em um conjunto de moletom confortável atendeu a porta, sorrindo ao ver os irmãos parados em sua porta.

- Harry! Gemma! - Exclamou o menor, dando espaço que que eles entrassem. - Entrem.

Assim que estava dentro da casa, Harry pode reparar o quanto era diferente de seu pequeno apartamento, não era uma mansão, mas era uma boa casa, grande o suficiente para abrigar a família de Louis, com paredes e moveis em tons claros e sofisticados, lhe dava uma sensação de acolhimento.

- Oi Louis, eu tava com saudades você. - Gemma foi a primeira a se pronunciar, abraçando desajeitado em Louis, usando apenas um dos braços por estar com a caixa de bombom na outra mão.

- Oi Gemma, também senti saudades de você, faz uma semana desde que te vi, muito tempo, não?

- Sim, o Hazzy me disse que ia levar você em casa de novo, mas nunca levou. - A pequena fez um biquinho nos lábios, e Louis mão poderia estar mais encantado.

- Não tivemos tempo Gemm. - Foi o alfa a se pronunciar dessa vez. - Mas não vai faltar oportunidade, hun? Oi, Louis. - Harry dirigiu sua atenção para o menor, abrindo um sorriso de covinhas. O maldito sorriso de covinhas que sempre fazia com que borboletas voassem pelo estômago do ômega.

- Oi Harry, você trouxe flores, não precisava! - O menor já ia caminhando em direção ao alfa para poder pegar o buquê de suas mãos, sendo interrompido por Harry, que balançou a cabeça negativamente, dando risada.

- Não são para você, são para sua mãe. - Harry disse, vendo Louis corar e em seguida rir. - Mas eu trouxe um bolo e seria muito legal se você pudesse pegar aqui e me ajudar.

- Claro que eu sabia que era para ela. - Louis disse, tirando o bolo das mãos de Harry e vendo o mesmo rir alto de sua mentira. Antes que Louis pudesse falar alguma coisa, Harry avistou Jay descendo as escadas, e no mesmo momento ele se lembrou da bela mulher que tinha visto no parque, então era por isso que os olhos dela eram tão familiares, eram idênticos aos de Louis.

Jay usava um vestido preto simples colado ao corpo, mas não deixava de ser elegante, e tinha caído muito bem ao corpo belo da ômega, ela também usava scarpin vermelhos, os cabelos lisos soltos, e um brinco pequeno como acessório, e UAU, ela era linda, agora Harry sabia da onde Louis havia puxado tanta beleza.

- Olá querido, então você é o famoso Harry? - Ela cumprimentou simpática, abraçando o mais novo pelos ombros.

- Sim, e você a famosa Jay! Eu trouxe para você. - Harry estendeu o buquê para a mesma, vendo ela pegar com um sorriso semelhante ao de Louis nos lábios, e ela sorria tão grande que ruguinhas se formavam ao redor dos olhos dela.

- É muita gentileza sua, eu amei, muito obrigada. - Jay agradecia Harry, quando notou Gemma parada ao lado do mesmo. - Oh! E você é a Gemma?

- Sou, e eu trouxe para você. - A pequena alfa que apenas observava, imitou o gesto do irmão, estendendo a caixa de bombom para Jay, sorrindo com covinhas iguais as de Harry. - Agora eu sei porque o Lou é tão bonito, ele é muito parecido com a Senhora, e a Senhora é muito linda.

- Obrigada querida, pelo presente e pelo elogio, vocês são lindos e uns amores. - Jay disse sincera para eles, pegando os presentes que eles lhe entregaram e abraçando Gemma. - Louis querido, eu espero que o seu bebê herde essa genética e esse carisma todo, eu adoraria meu netinho assim.

E todos eles deram risadas pela fala da mulher, Louis segurando um "eu também espero" apenas sorriu para o comentário de sua mãe.

- Vou colocar essas flores em um vaso e guardar meus chocolates, você apresenta todo mundo para eles querido? Enquanto eu faço isso? - A bela ômega se direcionou ao menor, que apenas assentiu, vendo a mesma se retirar novamente da sala com um sorriso encantando nos lábios.

Então Louis levou Harry para conhecer o resto de sua família, e foi uma festa quando Gemma e as gêmeas se reconheceram do parque, as mesmas se abraçaram e comemoraram porque agora elas se veriam com mais frequência e seriam praticamente da mesma família, já que teriam um sobrinho em "comum".

E seria um eufemismo dizer que Harry estava nervoso na hora de conhecer o pai de Louis, porque ele estava muito além disso, ele estava suando nas palmas de suas mãos e com as pernas tremendo, mas Mark fora muito simpático e carismático com Harry, dizendo que o admirava por não fugir da responsabilidade de ter engravidado um ômega e assumir a criança.

Harry estava encantado por toda a família Tomlinson, todas as quatro irmãs de Louis e seus pais, eram todos muito simpáticos e educados, além de bonitos é claro.

Eles jantaram uma deliciosa lasanha a bolonhesa que Jay tinha preparado, acompanhado de um vinho, e para os pequenos - e o gestante - fora servido suco de uva. E para sobremesa fora servido o bolo que Harry tinha feito.

- Harry, esse bolo ta maravilhoso, eu quero a receita! - Jay exclamou, deliciando-se com o bolo do alfa, vendo todos na mesa concordar em seguida.

- Eu anoto para você depois. - Harry disse, corando, completamente envergonhado pelo elogio.

- Anota mesmo por favor. Mark! Porque você não faz uns bolos gostosos assim? - A mulher continuava a tagarelar, arrancando risadas de todos na mesa.

E aquela foi uma noite agradável para todos eles. Do mesmo modo que Louis sentiu algo especial ao estar na casa de Harry, o alfa também se sentiu especial estando ali, era uma sensação de acolhimento, uma sensação de aceitação, ele sentia que ele e Gemma foram aceitos por aquela família, e era diferente da casa de Maura de qualquer forma, mas ainda assim era bom, era novo.

E quando o jantar agradável que tiveram chegou ao fim, Mark se ofereceu para levar Harry e Gemma em casa, não queria deixa-los andando a noite sozinhos, muito menos que pegassem um ônibus, então depois de muito insistir, e dizer que não seria nenhum incômodo, Harry e Gemma se encontravam dentro do SUV de Mark, a caminho de casa depois de se despedirem de todos e agradecer pelo jantar.

Harry já tinha terminado o seu banho, depois de colocar Gemma no banho e em seguida na cama, o alfa estava vestido em confortáveis pijamas e trocando mensagens com Louis, dando boa noite ao menor e se preparando para dormir.

Um sorriso imenso não deixava os lábios de Harry, feliz pelo dia que teve e pelas sensações novas que começava a sentir, mas o que ele não sabia, era que não muito longe dali, um certo ômega de olhinhos azuis sorria da mesma forma que ele, e talvez compartilhasse dessas mesmas sensações novas e desconhecidas para ambos. Mas apenas talvez...


Notas Finais


Bjss Le & Ray.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...