História I swear [Imagine EXO] - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Lay, Personagens Originais, Sehun, Suho, Xiumin
Tags Exo, Romance
Visualizações 22
Palavras 1.378
Terminada Não
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Festa, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oiie ♥

Capítulo 3 - My nine heroes.


Fanfic / Fanfiction I swear [Imagine EXO] - Capítulo 3 - My nine heroes.

             My nine heroes

      Part.I                  Memories

Depois de falar com o Baek, tomei banho, e demorei séculos pra me trocar.

— MEU DEUS. QUANTA ROUPA. — Exclamei, coloquei uma roupa qualquer. Coloquei "Loser" Pra tocar. E comecei a arrumar. 


[...]


Estava quase terminando. Quando reparei em uma caixinha rosa jogada no fundo do meu guarda roupa. 

Eu vi que tinha algumas fotos, e as espelhei pela minha cama. 

Eram fotos antigas. Minhas e dos meninos. Olhei as fotos sorrindo, em especial uma que na parte de trás estava escrito "You have a 1 hero? Cool.. I have 9." 

Traduzindo. "Você tem 1 herói? Legal.. Eu tenho 9." Ri com aquilo, e comecei a olhar as outras fotos.

E achei um envelope vermelho sangue.

— Um envelope ? Que estranho. — Disse pra mim mesma. Quando abri o envelope e li o que estava escrito. Na hora, foi como se um filme tivesse passado na minha cabeça.


    Part.II                         The movie


                 Seoul, 2006 

Eu estava sentada no chão, em baixo de uma grande árvore, o brilho sol estava encoberto por nuvens escuras. 

Havia uma fogueira acesa, na minha frente, numa das mãos eu tinha algumas fotos​ de família, e de algumas amiga que eu tinha. que estava prestes a queimar. E uma câmera na outra mão.

Uma cena deprimente. Pena que muitos ririam se vissem.

Deixei as fotos e a câmera no chão, e peguei meu diário.

"Hoje sem dúvidas, é o melhor dia da minha vida. Estou prestes a acabar com o meu sofrimento. No mesmo lugar, onde a vovó se foi.

Garanto que muitos vão perguntar: "Porquê ?!" A resposta é: porque, eu finalmente aceitei que a minha vida não tem sentido. Depois que a vovó se foi, eu pude perceber isso.

Mãe, não fique triste. Apesar de tudo, eu vou te amar pra sempre onde quer que eu esteja. Seja feliz com o seu marido, que foi um verdadeiro pai pra mim.

Às vezes eu acho que você não liga pra mim, mas eu prefiro pensar que sim. Você se importa, e sim, você me ama.

E o porquê de eu me trancar no meu quarto. É que, o meu quarto era o único refúgio que eu tinha. O único lugar que tinha pra fugir dos xingamentos, das risadas, e do mundo que me julga.

Espero que tenha respondido sua pergunta.

Me desculpe, pelos dias que não fiz o que você mandou, ou não fiz o dever de casa. 

Eu estava ocupada. Colocando curativos em várias partes do meu corpo. Limpando as manchas, que as pisadas e os chutes que eu levei, deixaram no meu uniforme, e também tinha que costurá-lo às vezes.

Ou chorava até dormir.

Tudo isso, pra você não descobrir que a a "vagabunda" da sua filha, que não fazia nada. Além de tudo, era tratada como um lixo e humilhada pelos outros.

Agora...Pai.

Não devia te chamar assim. Você não merece. 

A partir do momento que você, levantou a mão pra bater na minha mãe, e em uma criança de 6 anos. Pra mim, você, se tornou, simplesmente o ser mais desprezível que alguém já pode ter conhecido.

Sabe... Faz 3 anos que não nos falamos, nem se quer trocamos uma palavra, de certa forma, eu agradeço por isso.

E não sei se essa carta, algum dia vai chegar na suas mãos, ou se você vai se importar quando a notícia chegar... 

Mas, soube que você teve duas filhas​ com a sua nova esposa. Não destrua a vida dessas meninas, como você destruiu a minha. É a única​ coisa que eu te peço. E a única que tenho pra te dizer.

E já ia me esquecendo.

Omma, dê um obrigado aos 9 meninos do 1º ano, que me ajudaram. Hoje lá na escola.

Me defenderam e me levaram pra enfermaria. Por mais, que eu, já tenha me acostumado, a ser humilhada, e ficar machucada.

Enfim, obrigado por me ajudarem... Mesmo que tenha sido só uma vez.

A todos vocês..  Obrigado. 

E desculpem​ por pegar todos vocês desprevenidos com essa notícia. Não sei se alguém se importa. Mas me desculpem.

Mas amanhã, tudo isso acaba, prometo não incomodar mais ninguém. Tchau <3

                                               S/N."

Arranquei a folha, coloquei em um envelope vermelho, e coloquei dentro do meu diário. 

Joguei as fotos na fogueira e tirei uma foto delas queimando. Da paisagem, da fogueira e das cinzas. 

Apaguei a fogueira, e fui pra casa. 

Já que eu não tinha mais forças pra ficar de pé e lutar, e é óbvio que ninguém faria isso por mim... Eu iria acabar com tudo de uma vez.

Sim. Eu estava decidida, a tirar a minha vida.

[...]

Encarava o frasco que continha um veneno forte. Já era de noite. 

O efeito era demorado. Mas era certo. 

Eu morreria, lá pelas 15:00 ou 17:00 da tarde. Depende do horário que eu fosse ingerir é óbvio.

Só faltava o principal, as minhas lágrimas secarem de vez. E toda a dor ir embora​ pra sempre. Aí sim... 

Era só esperar mais um pouco. Sorri olhando meu reflexo no espelho, e lavei meu rosto. 

— Amanhã isso acaba. — Disse baixinho pra mim mesma. E fui dormir. 

No outro dia, acordei e fui pra escola normal como todos os outros dias. 

Claro que obviamente as pessoas devem ter percebido que eu não respondi quase nenhuma pergunta que o professor havia feito.

O dia passou incrivelmente rápido e calmo. Até a hora de ir pra casa, eu praticamente corri pra fora da escola. 

Estava caminhando por um praça, aonde eu gostava de ficar.

— Cuidado... Ela vai perceber. — Ouvi alguém sussurrar, e vi os meninos de ontem. — O-o-oi.

— Oi... — Os outros meninos disseram e uníssono. 

— Quero deixar bem claro, que eu fui contra a idéia de te seguir. — Um menino com cara de porta disse desanimado. 

— Ahn... Er... E-eu vou indo pra casa. — Disse assustada e me virei pra ir embora. 

— A GENTE TE LEVA. — Todos gritaram e eu corei. 

— Não precisa. Tchau. — Agradeci e comecei a andar rápido até a minha casa.


[...]


Estava a colocar o veneno na minha boca, quando ouvi algo bater na janela do meu quarto.

— HEY !! — Aquilo já estava me irritando. Fui até a janela do meu quarto e abri. Uma pedra acabou acertando a minha testa. — ME DESCULPA.

— Tudo bem. Fala mais baixo !! Tá de noite sabia ?? — Perguntei e vi que era um dos meninos que haviam me ajudado. — O que você tá fazendo aqui ?!?

— Ué. A gente te seguiu. Não é òbvio ?? — Respondeu simplista. — Você... Quer sair com a gente ?

— Não. 

— Mas, a gente te ajudou. Você nos deve uma.

— Vocês me ajudaram porque quiseram. Não pedi nada. — Disse arrogante e ele fez cara de cachorrinho abandonado. E eu fechei a janela. — Boa noite.

— SEHUN​ ME DÁ AQUELE GALHO CAÍDO ALI. — Eu abri a janela de novo.

— EU TÔ DESCENDO. — Exclamei irritada e fechei as cortinas pra me trocar. — O que eles querem ?! 

Desci as escadas e os encontrei na frente de casa. 

— Estes são: Chanyeol, Sehun, Kai, Chen, Suho, Xiumin, KyungSoo, Lay e eu me chamo Baekhyun. Prazer. — Disse apontando pra cada um dos meninos e sorrindo. 

— S/n. — Apertei a mão de cada um deles. Naquele momento eu mal sabia quem havia acabado de conhecer. 

Pode parecer dramático. Mas eu havia conhecido, as pessoas que estariam comigo, em qualquer momento. Quando, eu estivesse passando por dificuldades, e quando eu estivesse feliz. 

Foi aí, que eu conheci minha família. Os meus 9 super heróis. 

                *Atualmente*

Sorri, e começou a tocar Avril Lavigne. Meu sorriso aumentou, e eu comecei a cantar aquela música, lembrando dos meninos.

★•★•★•★•★•★•★★•★•★•★•★•★•★★•★•★•★•★•★•★★•★•★•★•★•★•★★•★•★•★•

Não ligo para minha maquiagem.

Gosto mais dos meus jeans todos rasgados.

Não sei como calar minha boca.

E você diz: e daí? (e daí?)

Eu não ligo se sou desajeitada.

Prefiro ser assim do que uma porcaria de hipster.

Eu sou a princesa filha da puta.

Você ainda me ama.

De alguma forma,

É um pouco diferente quando

Estou com você.

Você sabe o que sou de verdade,

Tudo sobre,

Você sabe como as coisas funcionam.

De algum jeito,

Iremos fugir dessa

Cidade, algum dia.

   Você é o único que eu quero comigo.

Você sabe como as coisas funcionam.

Quando estamos só eu e você,

Ninguém precisa nos dizer o que devemos ser.

Nós continuamos aumentando o rádio.

E se eu e você,

Apenas levantarmos nossos dedos do meio pro céu ?

Rock'n roll - Avril Lavigne



Notas Finais


Até o próximo ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...